1 cabeza 2022 (150 px × 50 px) (1)

Alta qualidade e reconhecimento distinguem o café do Norte do Estado

Foto: José Fernando Ogura / AEN

A região é a principal produtora paranaense. A bebida tem mais doçura e menos acidez, sendo exportada para as melhores cafeterias do mundo. Essa riqueza paranaense é retratada na série Feito no Paraná, que valoriza produtos do Estado.

O Norte do Paraná é a principal região produtora de café no Estado. Mesmo com a redução constante da área plantada, saem do Paraná cafés de altíssima qualidade, premiados e que são reconhecidos por apreciadores da bebida.

Dentro da série Feito no Paraná, que está apresentando produtos feitos no Estado, a reportagem de hoje trata sobre a produção cafeeira no norte paranaense. Está instalada na região a Fazenda Palmeira, uma das mais antigas produtoras de café no Paraná.

Localizada em Santa Mariana, a fazenda é gerida por Cornélia Gamerschlag e seu marido, Norbert. Ela conta que tudo começou com seu avô, um suíço que desistiu da carreira de industrial para se aventurar na produção de café no Brasil. Num primeiro momento, ele se estabeleceu no estado de São Paulo. Mas em 1942 comprou terras no Noroeste do Paraná e implantou a lavoura de café. “Somos a terceira geração tocando o negócio da família. São 180 hectares, o que gera uma produção anual média de 3,5 mil sacas do grão”, conta.

A maior parte da produção de café da fazenda é destinada à exportação. Os 30% restantes ficam para o mercado interno e são comercializados para cafeterias, em leilões e direto para o consumidor final.

Cornélia explica que a propriedade faz parte da Rota do Café. Isso faz com que eles recebam muitos turistas, atraídos para conhecer todo o processo, desde o plantio até a hora de servir. “Este ano, por conta da pandemia, tivemos que suspender as visitas. Mas recebemos muitos turistas, inclusive do exterior. A ideia é propiciar uma vivência, mais ou menos como acontece em vinícolas, para que o consumidor entenda todo o processo de produção, até chegar à xícara”, afirma.

Em 2020, o café da Palmeira ficou entre os finalistas da Feira Internacional de Cafés Especiais do Norte Pioneiro do Paraná (Ficafé), maior evento de inovação em cafeicultura do Paraná e um dos maiores do Brasil.

“Os cafés classificados são leiloados. O nosso foi arrematado por duas cafeterias do estado de São Paulo. Estes concursos, além de ajudarem na promoção do nosso café, nos motiva a sempre caprichar e produzir grãos de alta qualidade”, conta Cornélia.

Para a produtora, o café paranaense figura entre os melhores do Brasil. Segundo Cornélia, o produto tem características únicas, o que o torna bastante apreciado pelos conhecedores. “Tem mais doçura e menos acidez, sendo exportados para as melhores cafeterias do mundo. Entre os conhecedores de boa bebida, o café paranaense tem um lugar bem estabelecido”, afirma.

Continue lendo em: AEN