1 cabeza 2022 (150 px × 50 px) (1)

Aulas em período integral começam segunda-feira (15) na Escola Gabriela Mistral em Foz

Foto: Thiago Dutra/PMFI

Unidade de ensino atende 241 alunos, que além da grade curricular, terão aulas de inglês, espanhol, oficinas de música, dança, artes e teatro

A Escola Municipal Gabriela Mistral, no Jardim Lancaster, inicia o atendimento em período integral na segunda-feira, dia 15 de agosto. A unidade, que atende 241 alunos, é a segunda da rede pública a implantar o ensino em período integral, estratégia prevista no Plano Nacional e no Plano Municipal de Educação. A Parigot de Souza, na região central, oferta o período integral desde o início deste ano.

De acordo com a Secretaria Municipal da Educação, além da grade comum curricular, os alunos terão aulas de inglês e espanhol, além de oficinas de violão, dança urbana, artesanato e teatro. Também estão previstas aulas de robótica, educação ambiental e educação financeira.

Veja também

“É uma grande alegria poder anunciar o início do ensino em período integral na Gabriela Mistral. Era um sonho antigo da escola, que passou por uma grande reconstrução e agora oferece todas as condições para permanência dos alunos”, afirma a secretária da educação, Maria Justina da Silva.

A diretora da escola Eliane Chope, informa que o período integral começará com os alunos do 4º e 5º anos e na semana seguinte (22) se estenderá aos alunos do 1º ao 3º ano. “Faremos a implantação de forma gradativa, para que a escola, alunos e professores se adaptem a este novo formato de uma forma tranquila”, explicou.

Os alunos permanecerão na escola das 8h às 17h e receberão três refeições por dia, sendo café da manhã, almoço e jantar.

Reconstrução

Inaugurada em 1981, a Escola Gabriela Mistral nunca havia recebido uma grande reforma, mesmo com o crescimento populacional da região Norte. Em 2019, durante o Orçamento Participativo, os moradores de maneira democrática escolheram a escola para receber investimentos de reconstrução. O município investiu R$ 3,6 milhões na reconstrução, que sofreu atrasos ocasionados durante a pandemia da Covid-19, com a escassez de materiais da construção civil e o aumento expressivo dos produtos, como aço e ferro.

A nova escola conta agora com 10 salas de aula, sala de informática, sanitários, biblioteca, refeitório, saguão, playground, praça interna, sala dos professores, cozinha, almoxarifado, sala da direção, secretaria e coordenação. Os alunos já estão na nova sede desde o dia 14 de junho.