Author

Coronavírus, Política,

Deputado federal Schiavinato morre por complicações da Covid-19

O deputado federal José Carlos Schiavinato (PP) morreu na noite desta terça-feira (13), em Brasília, por complicações da Covid-19. Ele teve falência múltipla dos órgãos e não resistiu após ficar mais de um mês internado em uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Sírio Libanês, onde deu entrada no dia 10 de março. As informações são do Boca Maldita.

Schiavinato tinha 66 anos e deu entrada no hospital brasiliense no dia 03 de março. No dia 10 do mesmo mês, foi transferido para uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI), onde seguiu sedado e em ventilação mecânica, recebendo tratamento. Na última semana, foi acometido por uma infecção hospitalar.

Schiavinato tinha 66 anos e foi prefeito por dois mandatos do município de Toledo, no Paraná. Entre 2015 e 2018 exerceu o mandado de deputado estadual na Assembleia Legislativa do Paraná. Foi eleito deputado federal pelo PP em 2018.

Faleceu 1 mês após esposa

Schiavinato veio a falecer um mês após a morte de sua esposa, Marlene, que tratava um câncer e também sofreu complicações da covid19.

Dadas as circunstâncias, Schiavinato não soube do falecimento da esposa. O filho do casal também esteve internado com Covid19, mas se recuperou.

Quem foi Schiavinato

José Carlos Schiavinato nasceu em Iguaraçu, na região Noroeste, em 12 de setembro de 1954. Era Engenheiro Civil formado na turma de 1977 da Universidade Estadual de Maringá (UEM).

Foi prefeito por dois mandatos do município de Toledo, no Oeste do Paraná. Entre 2015-2018 exerceu seu primeiro mandado como deputado estadual na Assembleia Legislativa do Paraná, para o qual foi eleito com 61.507 votos.

Em 2018, foi eleito deputado federal com 75.540 votos.

Coronavírus no Paraná,

Taxa de transmissão da Covid-19 cai no Paraná, aponta estudo

A taxa de transmissão da Covid-19 caiu no Paraná. O Estado tem um Rt médio de 0,77, o que significa que cada 100 pessoas com Covid-19 podem contaminar outras 77, como mostram os dados atualizados no domingo (21) pelo sistema Loft, que analisa como está a transmissão do coronavírus no Brasil. Neste momento, o Paraná tem a menor taxa de reprodução (Rt) entre os estados brasileiros.

“De forma simples, o Rt indica a média de pessoas que serão infectadas pelo Sars-CoV-2 a partir de uma pessoa doente. Quando o Rt for igual a 1, a doença está estável, quando é maior, temos o crescimento do número de casos. Com essa taxa, abaixo de 1, há uma remissão no contágio”, explica a coordenadora de Vigilância Epidemiológica da Secretaria de Estado da Saúde, Acácia Nasr. “A variação dessa taxa considera as mudanças no comportamento da população, como a quarentena, uso de máscaras, teletrabalho, suspensão de aulas e fechamento do comércio”, afirma.

A média de transmissão no País é de 1,04, sendo que o Estado com o maior índice de reprodução é o Ceará, com o Rt de 1,2. Somente em outros quatro essa média é igual ou inferior a 1: Amazonas (0,89), Rio Grande do Norte (0,89), Bahia (0,98) e Rio de Janeiro (1).

Desde o início da pandemia, há um ano, é a quarta vez em que há uma remissão na transmissão do vírus no Paraná, o que ocorre desde a última quarta-feira (17). O Rt chegou a um pico de 1,88 entre março e abril do ano passado e teve algumas variações, sempre superior a 1, até o início de setembro. A média oscilou entre 0,97 e 1 até o início de novembro, quando voltou a subir.

Entre 26 de dezembro e 7 de janeiro também houve uma queda da taxa de transmissão, que depois de uma leve alta voltaria a cair pelo período de um mês, entre 18 de janeiro e 18 de fevereiro de 2021. A transmissão, então, voltou a crescer até atingir um pico de 1,58 em 11 de março – naquela data, cada 100 pessoas infectadas contaminavam outras 158.

Brasil, Destaques, Paraná,

Governo envia doações de paranaenses para vítimas das enchentes no Acre

O Governo do Estado enviou 48 mil peças de roupas doadas por paranaenses para a população do Acre, atingida por fortes enchentes no mês passado. As doações foram feitas nas sedes do Corpo de Bombeiros a partir de uma ação conjunta do Poder Público e da sociedade civil. A ação, iniciada em 25 de fevereiro, foi coordenada pela Superintendência Geral de Ação Solidária e contou com o apoio da Coordenadoria Estadual da Defesa Civil e do Corpo de Bombeiros.

A coleta foi realizada durante quinze dias, em diversos pontos do Estado, inclusive nas sedes de órgãos da administração estadual. Para a primeira-dama Luciana Saito Massa, que preside o Conselho de Ação Solidária, o sentimento é de gratidão imensa a todos que compartilharam a solidariedade nesta campanha. As 48 mil peças de roupa foram higienizadas e separadas por gênero e tamanho. Elas vão ser entregues em Rio Branco para a Secretaria de Assistência Social do Acre, que ficará responsável pela distribuição às famílias locais.
As roupas foram enviadas em três caminhões da Defesa Civil paranaense, que partiram de Curitiba na manhã desta sexta-feira, e a expectativa é que a viagem dure entre três e quatro dias. Segundo o coordenador estadual da Defesa Civil, coronel Fernando Schunig, a campanha foi um sucesso e demonstrou mais uma vez a solidariedade do povo paranaense.

Ele destaca que a viagem é longa, mas as ações de ajuda humanitária não vão parar pela distância. //SONORA CEL FERNANDO SCHUNIG.// De acordo com o Coronel Schunig, são conhecidas as dficuldades logísticas das regiões mais extremas do Brasil por conta da sua dimensão. Por isso a ação em conjunto com a primeira-dama do Estado, Luciana Saito Massa, que liderou o pedido de que o Paraná fosse solidário e ajudasse os irmãos do Acre. //SONORA CEL FERNANDO SCHUNIG.// As intensas chuvas no Acre em fevereiro causaram uma das maiores inundações de sua história, atingindo cerca de 130 mil pessoas, o que provocou o decreto de situação de emergência nos municípios. Além disso, o Estado também enfrenta a situação da pandemia de Covid-19, da dengue e conflitos migratórios na região.

O Paraná recebeu o prêmio de “Estado mais solidário do Brasil”, concedido pelo programa Pátria Voluntária do Ministério da Cidadania em março de 2020. A premiação foi criada como uma forma de reconhecimento e fomento às práticas cidadãs promovidas em todo o país. Na ocasião, o Paraná ocupou os três primeiros lugares do pódio da premiação, que somou o número de horas de atividades voluntárias realizadas por organizações da sociedade civil, do setor público, empresarial ou por pessoas físicas.

Repórter: Marcelo Galliano
As informações são de Agência de Notícias do Paraná

Brasil,

Anvisa facilita importação direta de medicamentos para intubação

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) vai permitir a importação direta de insumos por hospitais e redes hospitalares para agilizar o acesso a medicamentos de intubação e equipamentos de suporte ventilatório.

A intenção é facilitar o acesso a medicamentos utilizados em UTI para intubação, entre outros procedimentos. Segundo a Anvisa, as medidas regulatórias emergenciais ainda serão detalhadas, mas elas garantirão a flexibilização de critérios para a aquisição desses insumos.

Em pelo menos 18 estados, o chamado “kit intubação” dura, no máximo, 20 dias. A informação foi dada na última quinta-feira pelo Fórum de Governadores. No mesmo dia, os governadores encaminharam ofício ao Ministério da Saúde para solicitar a compra emergencial de medicamentos para intubação.

As medidas regulatórias emergenciais da Anvisa ainda serão detalhadas, mas elas garantirão a flexibilização de critérios para a aquisição desses insumos. Ainda nesta sexta, a Anvisa afirmou que empresas fornecedores de insumo sem registro na agência devem entrar em contato com o órgão.

Paraná,

Paraná será estado piloto para programa de expansão de Procuradorias Municipais da Mulher

Nesta sexta-feira (19), a Procuradoria da Mulher da Assembleia Legislativa do Paraná deu um importante passo para o a expansão do programa que visa criar mais Procuradorias Municipais da Mulher. Através de um alinhamento entre a Procuradoria, a Defensoria Pública do Paraná e o Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos, o estado será piloto em um projeto que visa intensificar a pulverização destes órgãos não só no Paraná, mas em todo o Brasil. A reunião de alinhamento contou com a participação da secretária nacional de mulheres, Cristiane Rodrigues Britto.

“Trata-se de um trabalho conjunto que terá o Paraná como modelo piloto, através da expansão de um curso que está sendo desenvolvido hoje pela Defensoria e pela Procuradoria e que ocorrerá em abril. O Ministério entrará nesta parceria que nós já temos para envolver o Governo Federal na expansão destes órgãos de defesa que ganham cada vez mais força no legislativo”, detalha a procuradora da mulher da Assembleia Legislativa, deputada estadual Cristina Silvestri (CDN).

Inicialmente, o Ministério atuará como parceiro do curso idealizado pela Procuradoria e Defensoria: “O atendimento, acolhimento e encaminhamento da mulher em situação de violência: a atuação das Procuradorias Municipais da Mulher”. A capacitação é exclusiva para vereadoras e tem como objetivo prepará-las para a condução destes órgãos legislativos. O curso ocorrerá nos dias 9, 16, 23 e 30 de abril.

“Nosso objetivo é transpor o estado do Paraná. Inicialmente faremos este trabalho conjunto aqui, mas funcionando, queremos dar conhecimento ao máximo de defensores gerais possíveis e levar isso para outros estados, fazendo a parceria com as respectivas Casas Legislativas estaduais”, destaca Eduardo Abraão, defensor público geral do Paraná.

O alinhamento entre os órgãos foi realizado na tarde desta sexta (19) em reunião on-line. Além da deputada Cristina, da secretária Cristiane e do defensor Eduardo, participaram também a diretora do Departamento de Políticas de Enfrentamento à Violência Contra as Mulheres do Ministério da Mulher, Grace Justa; e a defensora pública Lívia Salomão Brodbeck, coordenadora do Núcleo de Promoção e Defesa dos Direitos da Mulher (Nudem).

“Fico muito feliz em ver a nossa Procuradoria da Mulher colocando a Assembleia em um patamar de referência para o país no alinhamento do legislativo estatual com as causas da mulher. Nós temos papel importantíssimo na Rede de Enfrentamento e, agora, ganhamos mais força para expandir nossos trabalhos no interior”, finalizou Cristina Silvestri.

Geral, Paraná,

Páscoa Solidária busca gerar renda e levar mais carinho para famílias paranaenses

O Governo do Paraná lançou neste mês o projeto Páscoa Solidária. Idealizado pela primeira-dama do Estado e presidente do Conselho de Ação Solidária, Luciana Saito Massa, o programa atua em duas vertentes. Um dos objetivos é gerar renda para as famílias mais carentes por meio de cursos de culinária. O outro é arrecadar ovos de Páscoa que serão distribuídos para crianças e adolescentes que vivem em unidades de acolhimento do Paraná.

Um dos mais importantes feriados religiosos do País, a Páscoa vai ser celebrada no próximo dia 4 de abril (domingo). “Em um momento difícil pelo qual atravessamos, em meio a uma pandemia, a solidariedade deve ser o braço forte que alimenta a esperança de um futuro melhor. Essa capacitação oferecida pelo Governo do Estado vai abrir a possibilidade de novas fontes de renda para as pessoas”, destacou Luciana. “Já a doação de ovos de chocolate vai permitir que essa Páscoa seja um pouco mais feliz para as crianças e adolescentes que vivem em lares de acolhimento”.

Curso – A primeira turma da capacitação concluiu o curso com duração de quatro dias na semana passada. Dez mulheres, esposas ou parentes de presidiários que cumprem pena no Paraná aprenderam a fazer ovos de chocolate e produtos derivados, com foco na Páscoa. As aulas foram ministradas pela professora Sara Sabino, gastrônoma formada pela Universidade Positivo com pós-graduação em Pâtisserie e Boulangerie. Ela ofertou o curso de forma voluntária.

“Agradeço pela oportunidade e pelo convite. É gratificante trabalhar com essas meninas, passar o meu trabalho e ajudar de alguma forma para que elas possam mudar de vida”, disse a professora.

A capacitação ocorreu em um dos espaços da Ceasa, em Curitiba. As alunas foram selecionadas por meio do cadastro no Banco de Alimentos, programa da Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento que incentiva a alimentação saudável.

“Foi ótimo o aprendizado. Um incentivo para que a gente possa ter alguma renda para sustentar a família”, afirmou Rosaura Maia de Lima, uma das formandas do curso.

O objetivo da capacitação, ressaltou Luciana, é ofertar às famílias uma oportunidade para geração de renda. Algo que vai além da comercialização apenas durante a Páscoa. “Poderão fazer chocolates e vender o ano todo”, disse a primeira-dama.

Durante o curso, as alunas aprenderam todos os processos de produção dos ovos de chocolate, desde a compra dos produtos até a venda da mercadoria.

Vídeo-aula – Para que mais gente tenha acessos aos conteúdos da capacitação, em breve será disponibilizado o tutorial das aulas nos canais oficiais do Governo do Paraná. A Superintendência Geral de Ação Solidária informou que a abertura de novas turmas depende do momento da pandemia no Estado e dos decretos em vigência.

Arrecadação – Além da capacitação, o projeto vai atender crianças e adolescentes que estão nas unidades de serviço de acolhimento institucional do Estado, como casas-lares e abrigos em todo o Paraná.

As empresas Barion e Mondelez abriram a campanha com a doação de milhares de ovos de chocolates. Tudo o que for arrecadado será distribuído até 4 de abril para crianças e adolescentes que se encontram em vulnerabilidade social.

“Gostaria de agradecer a parceria com o Estado. A Barion, com 60 anos de mercado, vem trazer um pouquinho de felicidade em forma de chocolate. A empresa doou mais de 4 mil ovos de Páscoa que chegarão para mais de 4 mil crianças carentes do nosso Estado”, destacou Leonardo Barion, um dos sócio da empresa.

“É um momento muito singular que estamos vivendo, e a gente entende que a solidariedade e a ajuda, seja ela qual for, são muito importantes, principalmente quando falamos de crianças carentes. Nós nos sentimos muito gratos em participar desse momento. Desejamos a todos uma feliz Páscoa e que todos fiquem bem”, acrescentou.

Quem quiser contribuir com a campanha pode entrar em contato com a organização através do link http://www.justica.pr.gov.br/Fale-com-SGAS

“A relação da Mondelez com o Paraná sempre foi muito estreita. Há muitos anos nos envolvemos ativamente nas ações solidárias e temos muito orgulho em participarmos dessas iniciativas. A mensagem que a Mondelez Brasil quer deixar é que sempre deve haver esperança. Passamos por momentos difíceis, mas acreditamos que a esperança, solidariedade e o amor devem sempre permanecer”, ressaltou a coordenadora de Impacto Social da Mondelez Brasil, Lilian de Jesus.

“Queremos que por meio dessas ações que outras empresas e pessoas possam se motivar para realizar ainda mais doações, não apenas nessa Páscoa”, arrematou.

As informações são de Agência de Notícias do Paraná

Educação, Foz do Iguaçu,

Professores da rede municipal de Foz do Iguaçu participam de formações sobre a educação inclusiva

Durante a pandemia, os educadores do município se reinventaram para levar os conteúdos aos alunos através de videoaulas

A Secretaria Municipal de Educação de Foz do Iguaçu, por meio da Diretoria de Educação Especial, está promovendo uma série de formações on-line com todos os professores(as) da rede municipal de ensino sobre a educação inclusiva. O objetivo é aperfeiçoar o trabalho pedagógico do professor e garantir o melhor atendimento para os alunos.

As capacitações iniciaram em fevereiro e seguirão até o início de abril, com professores do Ensino Fundamental, Educação Infantil e Educação Especial.

“Pensando no melhor atendimento do aluno, bem como no aperfeiçoamento do trabalho pedagógico do professor que atua nas turmas de educação especial e no ensino comum, empregamos grandes esforços para oferecer ao corpo docente formações de qualidade, que enriqueçam sua atuação em sala de aula”, disse a diretora de educação especial, Gisele Amancio Siqueira.

Uma das temáticas abordadas foi a “Adaptação e Flexibilização Curricular”, com uma discussão pautada no olhar inclusivo para o currículo sob a ótica da diversidade e direitos humanos.

Nesta semana a formação teve como tema: “Os desafios e as transformações na educação inclusiva”, com debates sobre conceitos de justiça social, diversidade, transformação social, superação e a valorização da eficiência do educando.

“A atual conjuntura nos conduz a uma reflexão acerca do novo e das diferenças. O novo diz respeito tanto à pandemia como em relação à discussão que emerge a educação especial e a educação inclusiva. Ao falarmos das diferenças, adotamos um olhar humanizado para a especificidade de cada aluno, seja ele com deficiência ou não”, esclareceu Gisele.

Reinvenção

Durante a pandemia, os professores das salas de recursos e classes especiais se reinventaram e utilizaram todas as tecnologias disponíveis para levar os conteúdos até os alunos.

As atividades da classe especial são elaboradas pensando na especificidade de estudante, bem como as intervenções necessárias – sejam elas via chamadas de vídeos, elaboração de vídeos ou contação de histórias.

Em contrapartida, o trabalho dos professores da Sala de Recurso Multifuncional se dá de forma colaborativa, juntamente com os professores do ensino comum na formulação e intervenção – que ocorrem individualmente ou em grupos de WhatsApp, levando em consideração as necessidades do educando. São atendidos alunos com Transtornos Funcionais Específicos (TFEs) como dislexia, disgrafia, disortografia, discalculia, Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividades (TODA – H).

Sala de Recurso

É o espaço organizado com material didático, recursos pedagógicos, tecnológicos e de acessibilidade para a oferta do Atendimento Educacional Especializado. Atualmente estão matriculados 1.062 alunos em 59 salas de recursos, nas 34 escolas do município que dispõem do atendimento.

Classe Especial

É uma sala de aula em escola do Ensino Regular, em espaço físico e modulação adequada, onde o professor especializado na área da deficiência mental utiliza métodos, técnicas, procedimentos didáticos e recursos pedagógicos especializados, conforme série/ciclo/ etapas iniciais do Ensino Fundamental. A rede municipal de educação dispõe de 46 turmas de classe especial, onde 390 alunos são atendidos.

Educação Especial

A Diretoria de Educação Especial é responsável pelo atendimento a estudantes com deficiências, transtornos globais do desenvolvimento, altas habilidades/superdotação e transtornos funcionais específicos, ofertado a escolarização no turno e contraturno escolar, nas escolas especializadas e conveniadas.

Coronavírus, Destaques, Foz do Iguaçu,

Após 88 dias, paciente internada com covid-19, ganha alta no Hospital Costa Cavalcanti de Foz do Iguaçu

Geni dos Santos foi recebida com festa na saída do hospital. Ela havia sido internada em 20 de dezembro de 2020 e passou por um processo de desospitalização segura.

Internada no Hospital Ministro Costa Cavalcanti (HMCC) desde o dia 20 de dezembro de 2020, a Sra. Geni dos Santos, 70 anos, ganhou alta nesta quinta-feira, dia 18. Depois de um longo processo de tratamento da covid-19, assistida por uma equipe dedicada e trabalhando uma desospitalização segura, ela segue bem para casa. Na saída do hospital ela foi recebida com música, mensagens de vitória e muita emoção .

Geni foi internada com diagnóstico positivo para o novo coronavírus com comprometimento pulmonar de 75%. O caso era considerado gravíssimo, já que evoluiu com insuficiência respiratório e Síndrome da Angústia Respiratória Aguda (SARA). Ao longo do tempo que esteve internada na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) Covid-19, a paciente passou por dois processos de intubação, além da necessidade de ventilação mecânica. Geni permaneceu na unidade covid até o dia 6 de fevereiro, depois, já com exame negativo para a doença, ela foi transferida para a UTI Geral, da mesma instituição.

“Na UTI Geral, a paciente seguiu com insuficiência renal aguda e necessidade de hemodiálise. Ali ela seguiu evoluindo positivamente e no dia 22 de fevereiro ganhou alta para o bloco”, conta o médico hospitalista do HMCC Dr. João Fernando Pereira. Dona Geni, como era chamada pela equipe, passou por um processo chamado de desospitalização segura, no qual a equipe prepara e treina os familiares para a continuidade do cuidado em seu domicílio. “Ela surpreendeu não somente pela gravidade e complexidade do seu quadro clínico, mas sobretudo por sua disposição a reabilitação e colaboração com a desospitalização. Dona Geni está indo para sua casa recuperada, aos cuidados de seus familiares, em seu lar, tudo isso de forma segura”, afirmou Dr. João.

Na alta, boa parte da família da Dona Geni esteve presente. Ela foi recebida com festa e uma carreata para celebrar a volta para casa. Agradecida, Dirlei da Rosa, filha de Geni, falou que a alta é um motivo de felicidade. “Ela foi muito bem cuidada, paparicada pelos profissionais e agora sai pela porta da frente”, disse a filha. “Nós sabemos como ela chegou no hospital, na UTI, e acompanhamos toda a evolução, foi um milagre diário. Ver ela sair hoje bem, recuperada, é motivo de festa”, finalizou Dirlei.

Mil Internações 

Exatamente um ano depois do primeiro caso positivo para covid-19 em Foz do Iguaçu, confirmado em 18 de março de 2020, o Hospital Ministro Costa Cavalcanti atinge a marca de mil internações de pacientes diagnosticados com a doença. São homens e mulheres, das mais variadas idades, que necessitaram de atendimento médico na UTI ou enfermaria.

Neste mesmo período, 732 pacientes ganharam alta no HMCC. Na quinta-feira, dia 18, o centro hospitalar registrou uma ocupação de 92% de seus leitos dedicados ao tratamento de pacientes com covid-19.

Fotos: Assessoria de Comunicação HMCC

Coronavírus, Destaques, Foz do Iguaçu,

Prefeitura de Foz do Iguaçu retoma vacinação de idosos com mais de 75 anos neste sábado (20)

Cadastro on-line deverá ser feito a partir de sexta-feira (19) para garantir a vacinação em dia e horários determinados; medida visa evitar filas e o tempo de espera na sede da Vigilância em Saúde

A Prefeitura de Foz do Iguaçu retomará neste sábado (20 de março), a vacinação contra a Covid-19 em idosos com mais de 75 anos na sede da Vigilância em Saúde, na Vila Yolanda.

O retorno será possível devido a chegada de mais 2.240 doses do imunizante CoronaVac, produzido pela farmacêutica chinesa Sinovac em parceria com o Instituto Butantan. Essa é a sétima remessa enviada pelo Governo do Estado, via Ministério da Saúde, para Foz do Iguaçu.

Para evitar filas e congestionamentos, a Secretaria Municipal de Saúde vai disponibilizar um cadastro on-line a partir desta sexta-feira (19), no qual deverão ser preenchidos os dados pessoais da pessoa idosa, o dia e a hora de comparecimento à sede da Vigilância para receber a vacinação.

A campanha seguirá em formato drive-thru, das 8h às 17 horas. O cadastro estará disponível no site da Prefeitura de Foz (https://www5.pmfi.pr.gov.br/) e será de caráter obrigatório para o recebimento da vacina.

“O objetivo do cadastro on-line é evitar aglomerações. As pessoas vão agendar um horário e, à medida que forem chegando, já recebem a dose. Teremos um número máximo de 60 pessoas por hora e desta forma evitamos filas e o tempo de espera”, explicou a secretária de saúde, Rosa Maria Jeronymo.

A secretária ressalta que o compromisso do município é ampliar a faixa etária dos idosos conforme a chegada de novas doses. “Estamos ampliando a idade da vacinação conforme o recebimento das doses. As equipes e estruturas estão todas preparadas para que possamos vacinar rapidamente o máximo de pessoas possível, para reduzirmos o número de mortes e casos graves da doença”.

Das 2.240 doses deste novo lote, 1.980 serão destinadas para idosos com mais de 75 anos e 260 para profissionais da saúde. A Vigilância também segue administrando a segunda dose do imunizante em profissionais de saúde, idosos e acamados.

Do dia 20 de janeiro até 16 de março, Foz do Iguaçu recebeu 18.886 doses das vacinas. Destas, 18.343 foram aplicadas, sendo 13.110 de primeira dose e 5.233 de segunda dose.

Serviço

A Vigilância Epidemiológica fica na Rua Francisco Guaraná de Menezes, 665, ao lado da Unidade de Saúde da Vila Yolanda.