Author

Destaques, Economia, Paraná, Turismo, Últimas Notícias,

Boa notícia para Foz do Iguaçu: governo edita MP que libera R$ 5 bilhões para o setor de turismo

O presidente Jair Bolsonaro editou a Medida Provisória (MP) nº 963/2020 que libera R$ 5 bilhões para o setor de turismo.

Destaca o Não Viu? que o texto, publicado nesta sexta-feira (8) no Diário Oficial da União, os recursos vão reforçar o caixa do Fundo Geral do Turismo (Fungetur) para serem aplicados no financiamento da infraestrutura turística nacional.

Em entrevista recente, no Palácio do Planalto, o ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, disse que o crédito emergencial por meio do Fungetur vai beneficiar toda a cadeia, incluindo os micro e pequenos negócios.

“Eu sei que os empresários do setor de turismo estão indo às agências bancárias e não estão conseguindo os créditos”, argumentou.

A MP tem força de lei e já está em vigor, mas ainda será analisada pelo Congresso Nacional.

Destaques, Geral, Itaipu Binacional, Saúde,

Hospital mantido por Itaipu registra quarta alta de paciente com covid-19, a primeira pelo SUS

Dona Erondina, de 63 anos, apresentava quadro de insuficiência cardíaca congestiva. Ela estava internada havia dez dias e sua saída foi bastante comemorada.

O Hospital Ministro Costa Cavalcanti (HMCC), mantido pela usina de Itaipu, deu alta a Erondina Lourenço de Ramos, de 63 anos, nesta sexta-feira (8). Ela estava internada desde o dia 28 de abril com o diagnóstico de covid-19 e insuficiência cardíaca congestiva. É o quarto caso de recuperação do novo coronavírus no centro hospitalar, o primeiro pelo Sistema Único de Saúde (SUS).


A saída dela, a exemplo dos demais pacientes curados de covid-19, foi bastante comemorada. A terceira alta havia sido registrada no dia 27 de abril. O paciente, de 60 anos, voltou para casa depois de 20 dias internado. Antes dele, foram registradas altas nos dias 16 (um homem de 56 anos) e 24 de abril (uma mulher de 63 anos).


Encaminhada por uma unidade básica de saúde do município, a paciente deu entrada no hospital depois de apresentar sintomas compatíveis com a covid-19. Após triagem, ela recebeu atendimento médico e seu caso foi notificado à Vigilância Epidemiológica. Internada na Unidade de Tratamento Covid (UTC) do HMCC, Erondina permaneceu em isolamento e foi submetida a exames laboratoriais e de imagens.


De acordo com o médico Rodrigo Romanini, diretor técnico do HMCC, tratava-se de uma paciente incluída no grupo de risco. Durante os dias no HMCC, ela recebeu tratamentos específicos para o novo coronavírus e outras comorbidades.


Os protocolos adotados pelo centro hospitalar são atualizados diariamente pelo Núcleo de Inteligência Covid-19 e pautados nos periódicos do Centers for Disease Control and Prevention (CDC-EUA), Ministério da Saúde, Organização Mundial da Saúde (OMS) e Hospital Israelita Albert Einstein (HIAE).

Apoio
A Itaipu investiu, até agora, R$ 22 milhões no enfrentamento ao novo coronavírus. Só na reestruturação do HMCC foram R$ 15 milhões. O hospital também foi credenciado pelo Laboratório Central do Paraná (Lacen) para fazer os exames da covid-19.


Entre outras ações, a empresa também adquiriu seis mil testes PCR e dobrou o valor do fundo de auxílio eventual a entidades beneficentes, de US$ 250 mil para US$ 550 mil, o equivalente a R$ 2,7 milhões.
Outra iniciativa foi um convênio com o governo do Estado para a contratação de 733 bolsistas na área de assistência médica para ajudar as unidades básicas de saúde no enfrentamento da pandemia.


Para Jorge Aureo, responsável pelo GT Estratégico da Covid-19 da Itaipu e assessor especial do diretor-geral brasileiro, general Joaquim Silva e Luna, “essa alta é mais uma grande conquista da vida e uma demonstração do alto nível de qualidade de todo o corpo do HMCC para atendimentos de casos graves da covid-19”.

Fontes: Assessorias de Comunicação da Itaipu e HMCC

Fotos: Débora Black/HMCC.

Destaques, Educação, Geral, Justiça, Saúde,

Boletim do Comitê de Equidade de Gênero e Diversidade da UNILA mostra combate à violência contra a mulher

A pandemia do novo coronavírus obrigou a instauração de um isolamento social – que se reflete na dimensão de gênero –, e trouxe impactos principalmente para as mulheres.

E foi com foco nelas que o Comitê Executivo pela Equidade de Gênero e Diversidade (CEEGED) da UNILA publicou a primeira edição do boletim especial de quarentena, que pode ser encontrado em bit.ly/boletimceeged.

Além de considerações sobre a saúde mental em situações de crise, a edição traz informações sobre como proceder em casos de violência contra a mulher. O CEEGED vai continuar com as publicações especiais de quarentena, abordando temas sobre gênero e diversidade.

“A princípio, esse primeiro boletim foi criado para a comunidade da UNILA, mas vimos que era o nosso papel também de levar essas informações para fora dos muros da Universidade, com dados de serviços municipais gratuitos de atendimento psicológico e de enfrentamento à violência contra a mulher”, explica a psicóloga da UNILA e integrante do CEEGED, Carla Gastaldin.

Dados do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos apontam que o isolamento social, no Brasil, causou um aumento de quase 9% no número de ligações para o canal 180, que recebe denúncias de violência contra a mulher. Na Argentina, segundo relatório da ONU Mulheres, as chamadas de emergência para casos de violência doméstica tiveram um aumento de 25%, desde o decreto da quarentena, em março.

“Para algumas mulheres, estar em casa em isolamento as obriga, muitas vezes, a conviver com o agressor, que pode ser o companheiro, o pai ou o filho. Além disso, temos uma sobrecarga nos ombros das mulheres com dupla jornada de trabalho, já que a maior parte do trabalho doméstico e do cuidado com os filhos é feito por elas”, destaca Gastaldin.

Elas também são maioria no grupo que está na linha de frente no combate à covid-19, uma vez que, conforme dados da ONU Mulheres, 70% dos profissionais de saúde no mundo são mulheres, o que as expõe a um maior risco de infecção pelo novo coronavírus.

Encontros pela diversidade

Durante o momento de quarentena, a Rede Encontros pela Diversidade está realizando uma série de lives sobre temas variados. As atividades da Rede são autogestionadas e realizadas por uma coordenação colegiada, com participação do Instituto Latino-Americano de Arte, Cultura e História (ILAACH) da UNILA.

A estreia da série foi com as integrantes do CEEGED Carla Gastaldin e Maria Aparecida Webber, que abordaram a questão da saúde mental e a situação das mulheres no contexto do isolamento social. O vídeo pode ser visto em bit.ly/liveceeged.

A próxima live será no dia 8 de maio, às 17h, e traz o tema “As religiões em suas práticas durante o isolamento social da Covid-19”. A convidada é Crica Galdino, ativista contra o racismo e a intolerância religiosa.

Ela é militante pela Rede de Mulheres Negras do Paraná e graduanda do curso de Serviço Social da UNILA. A mediação será do estudante de Antropologia da UNILA João Paulo Angeli. As lives são transmitidas pelo Instagram do grupo: @redediversidadefoz.

Destaques, Itaipu Binacional, Saúde,

Investimentos de Itaipu para enfrentar a covid-19 passam de R$ 22 milhões

Rol de medidas inclui reestruturação de hospitais, aquisição de equipamentos e apoio a entidades de ajuda humanitária.

Os investimentos da margem brasileira da Itaipu no enfretamento à covid-19 já passam de R$ 22 milhões. O rol de ações é amplo e variado, incluindo convênios e medidas de auxílio eventual. Entre essas ações, a empresa liberou R$ 15 milhões para a reestruturação do Hospital Ministro Costa Cavalcanti (HMCC), que é mantido pela Itaipu, para a compra de equipamentos e insumos.


Outras unidades hospitalares da 9º Regional de Saúde do Estado do Paraná também são beneficiadas por estes recursos, com o fornecimento de equipamentos de proteção individual (EPIs), álcool em gel 70%, materiais, medicamentos, camas e diversos outros materiais.


Para o Hospital Municipal Germano Lauck, em Foz do Iguaçu, cidade-sede da usina, a empresa vai encaminhar 15 aparelhos de ventilação mecânica, monitores e camas, além da estruturação de um leito de tratamento avançado no Hospital e Maternidade Nossa Senhora da Luz, em Medianeira, e mais um respirador mecânico para o Samu de Foz do Iguaçu.


A habilitação do Centro de Medicina Tropical do HMCC junto ao Lacen diminui o tempo para o resultado dos testes de covid-19. Antes disso, era necessário enviar as amostras para Curitiba. A Itaipu também doou 500 testes à Prefeitura de Foz do Iguaçu, que estão sendo usados em cinco unidades básicas de saúde da cidade.


Em decorrência da pandemia, a Itaipu aumentou o valor do Fundo de Auxílio Eventual para R$ 2,7 milhões. O público-alvo são entidades de ajuda humanitária. Itaipu controla a prestação de contas a partir da execução de um plano de trabalho, com uma série de critérios que são auditados internamente. Até o momento, 14 instituições fizeram contato para tirar dúvidas e dar início ao processo.


Uma delas, que já teve o apoio aprovado, é o Lar dos Velhinhos de Foz do Iguaçu. A entidade vai receber, por meio do fundo, a soma de R$ 174.984,45, para a aquisição de materiais de limpeza, alimentação, higiene e segurança. O apoio vai garantir a manutenção do atendimento durante a pandemia do novo coronavírus. Também foi beneficiada pelo fundo a entidade Anjos da Madrugada.


Com o governo do Estado, a Itaipu fez um convênio de R$ 4 milhões para a contratação de 733 bolsistas. Todos da área de assistência à saúde, para atividades de apoios às regionais do Estado.


Para o coordenador do Grupo Estratégico da Covid-19 da Itaipu, Jorge Aureo, assessor especial do diretor-geral brasileiro de Itaipu, general Joaquim Silva e Luna, a Itaipu não poderia ficar indiferente ao enfrentamento da doença. “Nossa missão é também cuidar da nossa gente por meio de ações efetivas e de solidariedade.”

Créditos fotos
Lar dos Velhinhos: Sara Cheida/Itaipu Binacional
Hospital: Debora Black

Brasil, Destaques, Podcast, Política, Últimas Notícias,

A delação de Moro e o golpe de Bolsonaro – Podcast Delação #02 ESCUTA ESTA!

A demissão que foi quase uma delação. Quais os impactos da saída de Sergio Moro do governo Bolsonaro? Poderia o presidente romper institucionalmente, numa espécie de autogolpe? Esse é tema deste episódio com a participação de Aloísio Nascimento, Cleverson Lima, Júnior Zarur e Ronildo Pimentel. 

O podcast Delação é uma co-produção do CabezaNews. Você pode acompanhar todos os episódios aqui.

Brasil, Destaques, Paraná, Podcast, Política, Últimas Notícias,

Coronavírus e as eleições municipais | Ouça o Podcast Delação #01

O CabezaNews, em co produção, estréia hoje o podcast Delação, um espaço semanal para discussão sobre os temas que influenciam a política no Paraná e no Brasil.

Neste primeiro episódio, os delatores Aloísio Nascimento (cientista político), Cleverson Lima (publicitário), Nello Morlotti (economista) e Ronildo Pimentel (jornalista) discutem o impacto do coronavírus na política, o possível adiamento das eleições e o pós-pandemia.

Ouça abaixo ou no Spotify

Cultura, Meio Ambiente, Mundo, Na Estrada, Turismo, Últimas Notícias,

#NaEstrada: No Chile, Puerto Varas é tesouro escondido pelo vulcão Osorno

Ao fundo o imponente Vulcão Osorno, visto de Puerto Varas na orla do Lago Llanquihue. Foto: #ExpediçãoPatagônia2016*

A seção #NaEstrada do Cabeza NEWS fechou uma parceria com o multimídia Cleverson Lima do Cão dos Diabos e parceiro de primeira hora do blog, que vai narrar o dia a dia e um pouco de como é a vida na estrada. Sem esconder as coisas boas, as fortes emoções e os perrengues, sempre eles, que teimam em atormentar quem está no trecho.

Na estreia, a narrativa romântica e dedicada a Puerto Varas, cidade quase toda germânica na orla do Lago Llanquihue, a porta de entrada da Patagônia chilena. Aproveitem a leitura neste sábado (04) de isolamento em meio a pandemia do Coronavírus.

“No Chile, Puerto Varas é tesouro escondido pelo vulcão Osorno

Em janeiro de 2016 partimos de Foz do Iguaçu rumo ao Chile e sua Patagônia andina, embora não tanto: a ideia era chegar Puerto Varas, cidadezinha bacanuda encravada na região conhecida como Los Lagos, um pouco acima da Patagônia. Podemos que dizer que é a porta de entrada.

Embora pouco conhecida dos brasileiros, a região guarda alguns dos cenários mais bonitos da América do Sul, com parques naturais, vulcões e lhamas e uma forma de escapar de roteiros mais caros e movimentados do Chile. Confesso que me surpreendi positivamente e por vários fatores.

Em primeiro lugar pelo fato de que, apesar do jeitão de cidade pacata, Puerto Varas nos mostra como o Chile destoa do restante da América do Sul não só pela riqueza do povo, mas também pelo desenvolvimento de todas suas regiões.

O fato é que a desigualdade castiga regiões de Brasil e Argentina. Enquanto no país hermano há uma concentração de riqueza e desenvolvimento em Buenos Aires, capitais de província parecem ter parado nos anos 80. O interior do país é em grande parte pobre, problema que também sofremos em maior ou menor grau a depender do estado.

Já o Chile parece ter dado uma uniformidade para o desenvolvimento do Norte até o Sul. Seriam as reformas liberais da ditadura ou a estreita geografia a razão para isso? Mas prefiro não entrar no debate

Puerto Varas surpreende mais pelas coisas boas e que nada nos lembram os perrengues diários. A cidade conta com bons restaurantes, bons e baratos hotéis, uma orla tranquila ao redor do Lago Llanquihue e qualidade de vida que é invejável para muitos países de primeiro mundo.

Toda colonizada por imigrantes alemães, ainda guarda muito da cultura e arquitetura germânicos. Ou seja, muitas construções em estilo enxaimel, bons doces e carnes fortes.

É como estar numa cidade grande aproveitando o melhor das cidades pequenas, ou seja, a salvo de multidões de turistas (que preferem a vizinha Puerto Montt, que tem aeroporto) e aparentemente escondido pelo imenso e vistoso Vulcão Osorno.

A jóia da região é um passeio que vale muito a pena, sendo oferecido por todas as pequenas agências de turismo da região e também pelos hotéis. Seu topo conta com neve que alguns corajosos temem em tentar escalar e com um teleférico que no dia nos deu um susto, já que parou de movimentar bem meio. A sensação de estar parado a mais de 30 metros no cume de um vulcão pode ser assustadora, eu garanto.

Andando pela cidade, vários pequenos cafés e, numa época em que os pólos gastronômicos não pipocavam em todo lugar, a cidade contava uma feira a céu aberto com vários food trucks, alguns bem modernos tanto no estilo como no cardápio.

Na saída, uma breve com senhor Jorge, do Weisserhaus Hotel, ficou na lembrança. Muito simpático, um verdadeiro gentleman, ele explicou por que brasileiros e chilenos se dão tão bem. E a sua tese era bem simples:

“Nós não fazemos fronteira. Por isso brasileiros, uruguaios, bolivianos e chilenos odeiam os argentinos”

Não teve como não concordar.”

* A #ExpediçãoPatagônia2016 foi organizada pela equipe do Cabeza NEWS e percorreu, a partir de Foz do Iguaçu, perto de 8 mil quilômetros passando por várias províncias e o deserto de Neuquén na Argentina até a Patagônia Andina, retornando pela capital Santiago (Chile), os Caracoles na Cordilheira dos Andes, Mendoza até o ponto de partida.

Brasil, Destaques, Geral, Itaipu Binacional, Mundo, Saúde, Turismo,

Covid-19: Itaipu estende home office e mantém turismo fechado na usina até Semana Santa

Os protocolos recomendam distanciamento social. Por decreto municipal, escolas e comércio em geral estão fechados. A cidade-sede da usina faz fronteira com Paraguai e Argentina, que também estão fechadas

Depois de reavaliar o cenário atual da propagação do novo coronavírus, com base nos protocolos adotados até agora pelo Ministério da Saúde e Secretaria da Saúde, a diretoria da margem brasileira da Itaipu decidiu prorrogar o sistema de home office e manter suspensas as visitas de turismo na usina até a Semana Santa, 13. Uma nova avaliação será feita após esse período. A prorrogação foi decidida durante reunião da diretoria, nesta quarta-feira, 1º de abril.

Em Foz do Iguaçu existem 13 casos confirmados da covid-19, nenhum por contaminação comunitária, ou seja, dentro do próprio município. Por decreto municipal, escolas e comércio em geral estão fechados. A cidade-sede da usina faz fronteira com Paraguai e Argentina. As fronteiras estão fechadas.

A medida, ao mesmo tempo, preserva a tranquilidade do corpo funcional da empresa e a normalidade do funcionamento da geração de energia elétrica. Itaipu responde por 90% do consumo da eletricidade do Paraguai e mais de 10% da demanda do Brasil.

Itaipu não para. É essencial para garantir o desenvolvimento do Brasil e do Paraguai. Desde o início do ano, já gerou 22.325.491 megawatts-hora (MWh) ante 21.905.898 MWh no mesmo período de 2019. Essa quantidade seria suficiente para atender o consumo da cidade de São Paulo por nove meses e 23 dias; do Estado do Paraná por oito meses e 14 dias; do Brasil, por 17 dias; e do Paraguai, por 15 meses e nove dias.

Hoje, cerca de 80% dos empregados da margem esquerda estão em casa fazendo teletrabalho.

“Neste momento que requer atenção de todos, nossa usina tem sido, mais uma vez, essencial, para os sistemas elétricos do Brasil e do Paraguai. Vamos garantir a normalidade dos serviços sem prejuízos para a geração e a nossa gente”, diz o diretor-geral brasileiro de Itaipu, general Joaquim Silva e Luna.

A empresa vem seguindo à risca a todas as recomendações do Ministério da Saúde e da Organização Mundial da Saúde (OMS). Apenas quem não pode fazer o serviço em casa – como, por exemplo, profissionais das áreas de Operação e Manutenção, entre outros – permanece na usina.

Brasil, Destaques, Itaipu Binacional, Paraná, Saúde,

Boa notícia: Hospital Costa Cavalcanti já está habilitado para até 480 exames rápidos por dia para detectar covid-19

Mantido por Itaipu, hospital aguarda a chegada de mais kits. Os insumos já foram adquiridos

O Hospital Ministro Costa Cavalcanti (HMCC), mantido pela usina de Itaipu, já está habilitado pelo Laboratório Central do Estado (Lacen) a fazer testes rápidos (Real Time – PCR) para detecção da covid-19, com diagnóstico em até duas horas.

A resposta da autorização do credenciamento chegou nesta segunda-feira, 30, por volta das 14h30, num momento bastante aguardado pelos organismos de saúde de Foz do Iguaçu e região.

Esses exames ajudarão no mapeamento epidemiológico da doença e na tomada de decisões dos municípios da 9ª Regional no enfrentamento da doença.

Já há no HMCC um estoque de 90 kits para exames rápidos, mas a expectativa é de receber nesta semana mais 1.500 dos 4 mil que foram adquiridos, o que depende do fornecedor internacional.

Todos os exames só serão feitos mediante encaminhamento da Vigilância Sanitária de Foz e região. Até esta segunda (30), dez casos da doença haviam sido confirmados em Foz do Iguaçu. Outros 112 continuam sendo investigados.

Todos os casos suspeitos de covid-19 dos municípios da 9ª Regional, que compreende, além de Foz, Itaipulândia, Matelândia, Medianeira, Missal, Ramilândia, Santa Terezinha de Itaipu, São Miguel do Iguaçu e Serranópolis do Iguaçu, poderão ser testados pelo HMCC, independentemente do local de entrada, seja por uma unidade de pronto atendimento ou por um hospital público, como o Hospital Municipal Germano Lauck.

Para os laboratórios de Análises Clínicas e, especialmente, de Saúde Única do Centro de Medicina Tropical, foram adquiridos equipamentos de automação e de reagentes para realizar exames diagnósticos, com destaque para o PCR para a covid-19.

Missão de Itaipu

Desde 26 de fevereiro de 2019, quando assumiu a usina de Itaipu, o diretor-geral brasileiro, general Joaquim Silva e Luna, direcionou mais de R$ 700 milhões obtidos com a economia e cortes de convênios e ações sem aderência à missão da usina, para obras estruturantes e demais iniciativas a favor do bem-estar da população da região. Dentro desta lista, só para o HMCC, que também atende pacientes dos SUS, foram destinados mais de R$ 60 milhões.

“Todos os investimentos têm como foco apoiar o desenvolvimento do Oeste do Paraná. Continuamos reforçando todas essas medidas. Agora, mais especificamente na área de saúde, por intermédio do HMCC e do Grupo de
Trabalho que monitora a evolução do vírus da região, além das ações de proteção dos empregados da usina”, explicou.

O diretor superintendente do Hospital Ministro Costa Cavalcanti, Fernando Cossa, conclama todos a colaborar. “O ideal é unir todas as instituições de saúde num mesmo esforço em comum para ganhar essa guerra”. E complementa: “Hoje um grande passo foi dado. Essa é uma conquista muito importante pra toda a região”.

Ala exclusiva para coronavírus

Atualmente, o hospital conta uma ala exclusiva para atendimento de pacientes de covid-19, com 27 leitos, 15 só na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e 12 de semi-intensiva. O HMCC também gerencia um fundo emergencial de aproximadamente R$ 15 milhões voltados para a reestruturação da instituição e ajuda Foz do Iguaçu e municípios vizinhos no enfrentamento à pandemia do novo coronavírus.

Com os testes rápidos (Real Time – PCR) da covid-19 é possível obter o diagnóstico, num primeiro momento, em até três horas. E, com a automação, o tempo pode ser reduzido para até duas horas.

Já se antecipando à crise causada pela covid-19, a Fundação Itaiguapy, que administra o HMCC, fez compras antecipadas de equipamentos de proteção pessoal, de materiais e medicamentos (cloroquina e azitromicina, entre outros), incluindo 35 aparelhos de ventilação mecânica, 50 monitores multiparamétricos e 40 camas hospitalares.

O HMCC contratou aproximadamente 80 colaboradores e médicos plantonistas para atuar em setores específicos no tratamento à covid-19, além de uma infectologista e um coordenador de medicina interna dedicados
exclusivamente ao combate à doença. Mais de 200 pessoas estão em treinamento, aptas para uma possível crise.

Plano de contingência

O hospital também colocou em vigor um plano de contingência. Foi criado um núcleo de inteligência covid-19, responsável pela elaboração e divulgação de boletins diários internos sobre tratamentos, treinamentos e simulações, em apoio ao HMCC e ao Hospital Municipal Germano Lauck.

O HMCC também abriu um pronto atendimento para queixas respiratórias e criou um bloco exclusivo para internações de pacientes com covid-19, seguindo rigorosamente as indicações técnicas dos melhores centros de referência.

Além disso, o HMCC cedeu para o município equipamentos de proteção individual, máscaras cirúrgicas, luvas e monitores, entre outros. Também fez um convênio com um hotel para hospedagem de profissionais de saúde que atuam na linha de frente do combate à pandemia. Com a reestruturação, o Centro Clínico tem agora dois prontos atendimentos, um para pacientes sem sintomas respiratórios e o outro voltado para os casos de sintomas respiratórios.

Melhores do Brasil

O Hospital Ministro Costa Cavalcanti aparece em décimo oitavo lugar numa lista das 41 melhores unidades hospitalares do Brasil. O ranking, que tem entre outros hospitais o Albert Einstein e o Sírio Libanês, primeiro e segundo lugares respectivamente, foi divulgado no site da revista Newsweek recentemente. O ranqueamento levou em consideração as recomendações de profissionais médicos, entrevistas com pacientes e
indicadores-chave de desempenho médico.

Hospital de qualidade

Das mais de seis mil unidades hospitalares existentes no Brasil, somente 342 têm a chancela de Acreditação Hospitalar. O Costa Cavalcanti está entre os 2,95% de instituições brasileiras (177) com Acreditação com Excelência (Nível III).

Paraná,

Prevenção ao coronavírus: Itaipu, margem esquerda, suspende três atrativos turísticos

A medida atende a diretrizes internas e em consonância aos protocolos adotados pela OMS, Ministério da Saúde do Brasil e dos governos municipal, estadual e federal. A panorâmica prossegue, mas com restrições.
A partir desta quarta-feira, 18, os passeios de três atrativos turísticos de Itaipu, margem esquerda, estarão cancelados temporariamente. A medida preventiva é em decorrência da propagação do coronavírus, pandemia mundial, e vale inicialmente por 15 dias.

São eles: a visita técnica, que representa atualmente 12% do total da visitação; a Itaipu Iluminada, apresentada ao público às sextas-feiras e sábados e esporadicamente; além do Ecomuseu, localizado fora da usina. A panorâmica, a mais procurada, será mantida, mas de forma contingenciada, com grupos de, no máximo, 30 pessoas. Antes eram feitos com até 70 visitantes. Os ônibus só circularão com ocupação do andar superior.

A medida atende a diretrizes internas e em consonância aos protocolos adotados pela Organização Mundial da Saúde, Ministério da Saúde do Brasil e dos governos municipal, estadual e federal.

Desde o dia 10 de março, a Itaipu está adotando uma série de medidas preventivas, sempre acompanhando atentamente os cenários nacional e internacional da doença. Nenhum caso do Covid-19 foi confirmado em Foz do Iguaçu. No domingo, o prefeito Chico Brasileiro proibiu eventos com grandes aglomerações. Com isso, o filme institucional exibido no Centro de Recepção ao Visitante(CRV), na entrada da barreira, foi cancelado.

Mesmo sem propagação do coronavírus, a Itaipu vai recorrer a um fundo emergencial para poder preparar o município e cidades vizinhas (da 9ª regional) ao enfrentamento de um possível surto da doença. A gestão desse recurso, na ordem de US$ 3 milhões, será feita pela Fundação Itaiguapy, que administra o Hospital Ministro Costa Cavalcanti. O HMCC terá uma central para tirar todas as dúvidas sobre como esse convênio vai funcionar.

Algumas viagens para o destino estão sendo canceladas de forma espontânea. Eventos também estão sendo reagendados para próximas datas. Desde a confirmação da propagação do coronavírus, com casos importados da doença.

Segundo o diretor-geral brasileiro, general Joaquim Silva e Luna, “a Itaipu, margem esquerda, vai continuar seguindo rigorosamente os protocolos da OMS e do Ministério da Saúde”. Ele reforça mais uma vez o alinhamento com os governos federal, estadual e municipal “para que todas as decisões sejam tomadas, sem criar alarde”.

Dúvidas sobre visitas turísticas podem ser esclarecidas pelo telefone (45) 3529 2060.