Author

Coronavírus em Foz do Iguaçu, Destaques, Saúde,

Em dia com maior número de óbitos confirmados, Foz do Iguaçu registra 122 novos casos de Coronavírus

A Vigilância Epidemiológica de Foz do Iguaçu confirma na data de hoje, 21/10/2020, 122 casos de COVID-19, totalizando 8.384 casos da doença no município. Deste total, 7.936 pessoas já estão recuperadas.

Dos novos casos, 67 são mulheres e 55 homens com idades entre 1 e 69 anos. Todos os novos casos encontram-se em isolamento domiciliar. Dos casos confirmados ativos, 264 estão em isolamento domiciliar com sinais e sintomas leves e 53 pessoas estão internadas.

Óbitos

Foz do Iguaçu registrou mais 5 óbitos de pacientes vítimas da COVID-19, totalizando 131 mortes pela doença na cidade. As vítimas são uma mulher de 63 anos e 4 homens, com 71, 75, 78 e 92 anos.

A mulher de 63 anos estava internada no Hospital Ministro Costa Cavalcanti desde o dia 10 de outubro. O quadro se agravou com pneumonia e encefalomielite. O óbito ocorreu hoje (21) às 08h22.

O homem de 71 anos, morador de Foz do Iguaçu, estava internado no Hospital Universitário de Cascavel. O quadro evoluiu com infecção e insuficiência respiratória aguda. O óbito ocorreu no dia 11 de outubro, mas foi confirmado somente agora.

O homem de 75 anos estava internado desde o dia 21 de agosto no Hospital Ministro Costa Cavalcanti. O quadro evoluiu com pneumonia e septicemia. O óbito ocorreu no dia 19 de setembro, mas somente agora foi confirmado pela Vigilância Epidemiológica.

O paciente de 78 anos estava internado no Hospital Municipal desde o dia 04 de outubro. O quadro evoluiu com síndrome respiratória aguda grave, sepse de foco respiratório e choque séptico. O óbito ocorreu ontem (20) as 9h55.

O idoso de 92 anos estava internado desde o dia 13 de outubro no Hospital Municipal. O quadro se agravou com sepse de foco respiratório e choque séptico. O óbito ocorreu ontem (20), às 13h30.

Destaques, Política,

Pesquisa aponta liderança de Karla Galende com 61,4% dos votos válidos em Santa Terezinha de Itaipu

Karla Galende lidera as pesquisas na disputa pela prefeitura do município, de acordo com a pesquisa de opinião pública realizada nos dias 18 e 19 de outubro de 2020.

Das 330 pessoas entrevistas pela Radar Inteligência Ltda, Karla Galende (PSDB) obteve 50,6% das intenções de voto e o candidato Izanildo (PSD) com 31,8%. Entre os entrevistados 8,2% res- ponderam como branco/nulo e não sabe/não opinou 9,4%.

Em outra situação considerando somente votos válidos, onde se excluem os brancos/nulos e indecisos (não sabe/não opinou) a candidata karla Galende em percentuais dos votos válidos obteve 61,4% dos votos, sendo que o candidato Izanildo somou 38,6% dos votos.

Além de dizer em quem votarão nas eleições do dia 15 de novembro, os entrevistados da pesquisa Radar Inteligência Ltda, para prefeito de Santa Terezinha de Itaipu responderam também para quem jamais votariam.

A maior rejeição foi do candidato Izanildo com 35,2%, sendo a menor rejeição a de karla Galende com apenas 24,9%. Já 39,9% dos entrevistados responderam como não sabe/não opinou.

A Pesquisa conta com a margem de erro máxima estimada em 4,5 pontos percentuais com um intervalo de confiança de 95%
e foi contratada pelo Jornal Integração do Mercosul com o número de protocolo de registro no TSE PR – 01633/2020.

O Jornal Integração do Mercosul está acompanhando as eleições municipais em toda a sua área de circulação, sendo que as pesquisas publicadas são devida- mente registradas e liberadas pela Justiça Eleitoral.

Por: Portal Costa Oeste

Paraná, Política,

Em Guarapuava, Dr. Antenor lidera nas intenções de votos, seguido por Celso Goes e Vitor Hugo Burko

O candidato do PT, Dr. Antenor Gomes de Lima, lidera nas intenções de voto em Guarapuava, seguido de Celso Goes (Cidadania) e Vitor Hugo Burko (DEM). É o que indica pesquisa da Strapassom e Araujo Ltda. divulgada nesta quarta-feira (21).

De acordo com o primeiro levantamento das eleições 2020 no municíio, na espontânea, Dr. Antenor tem 24,6% das intenções de voto. Em segundo aparece Celso Goes com 16,3% e Vitor Hugo Burko com 13,5%.

Na estimulada, o médico chega a 27,5% das intenções de voto, contra 19,3% de Celso Goes e 14,5% de Burko. Os indecisos somam 19,7%, enquanto Janaína Naumann (PRB) tem 4,70% e Jabur do Motocross (PMN) têm 4%.

Pela margem de erro, que é de 3,97% para mais ou para menos, Celso Goes e Vitor Hugo Burko estão tecnicamente empatados.

Dados da Pesquisa

Espontânea

Dr. Antenor 24,6%

Celso Goes 16,3%

Vitor Hugo Burko 13,5%

Janaina 4,3%

Jabur 3,80%

André 0,80%

Luzia 0,20%

Indecisos 24%

Brancos e Nulos 7,20%

Não responderam 2,0%

Estimulada

Dr. Antenor 27,5%

Celso Goes 19,3%

Vitor Hugo Burko 14,5

Indecisos 19,7%

Janaína Naumann 4,7%

Jabur do Motocross 4%

André Tecchio 0,80%

Luzia 0,20%

Brancos e Nulos 7,6%

Não responderam 1,7%

Rejeição estimulada

Jabur do Motocross 23%

Vitor Hugo Burko 18%

Dr. Antenor 10,3%

Celso Goes 4,2%

Indecisos 11%

Não sabem 20,8%

Ficha técnica
A pesquisa está registrada no TRE-PR sob número PR-03684/2020, estatístico responsável Augusto da Silva Rocha.

Com informações do J Notícias

Destaques, Foz do Iguaçu, Geral,

Concessionária da BR-277 executa obras no viaduto da Avenida Paraná, na área urbana de Foz do Iguaçu

A partir desta quarta-feira (21), a concessionária Ecocataratas iniciará obras para instalação de tubulação de drenagem de água no viaduto da Avenida Paraná, localizado no quilômetro 728 da BR-277, em Foz do Iguaçu.
Em função destes serviços, até o sábado (25) o tráfego de veículos na Avenida Paraná estará operando com uma das pistas bloqueadas, ou seja, o tráfego estará canalizado no próprio local e a previsão é para que os serviços sejam realizados das 9h às 11h30 e das 13h30 às 16h40.

Sinalização

O local de obras estará devidamente sinalizado com placas de limite de velocidade, sinalização horizontal, cones, homens bandeiras e painéis de mensagem variável. A Ecocataratas recomenda que os motoristas redobrem a atenção nesse trecho e respeitem o limite de velocidade de 40Km/h, devido à concentração de máquinas e trabalhadores no local. Em caso de condições climáticas adversas o início do serviço será adiado.

Para saber mais informações sobre a Ecocataratas acesse o site, por meio do Twitter: @ecocataratas ou no Instagram: @ecocataratas_ acompanhe as nossas redes sociais e fique bem informado. Para entrar em contato com a concessionária ligue para o 0800 345 0277.

Paraná, Política,

Novo presidente da AGEPAR terá que concluir estudo sobre dívida do pedágio

Revisão em cálculos do que pode ter sido cobrado a mais por concessionárias que não duplicaram rodovias começou há um ano e ainda não foi divulgada.

Próximas de encerrar os contratos de concessão, as empresas responsáveis pelas praças de pedágio no Paraná foram alvo de diversas investigações e polêmicas ao longo dos últimos vinte anos. Mas quem pensa que tudo acabou após o acordo de leniência firmado com o Ministério Público, se engana. Ainda tem ao menos mais um assunto a ser esclarecido.

Em 2019, a Agepar deu início a um pente-fino nas tarifas de pedágio cobradas nas rodovias paranaenses ao longo dessas duas décadas. O motivo seria a suspeita de um valor a mais pago a algumas concessionárias, desde o início dos contratos, para realização do que os engenheiros chamam de “degrau de pista dupla”. Um termo técnico relacionado ao nivelamento de alguns trechos que deveriam ter sido duplicados. É a Taxa Interna de Retorno (TIR), que só poderia ter sido recebida pela empresa uma vez que as obras estivessem concluídas, o que não ocorreu. E, mesmo assim, a taxa foi embutida no valor final da tarifa e continuou sendo paga pelos usuários até hoje.

A previsão era de que o estudo da Agepar ficasse pronto em seis meses. Porém, em julho deste ano, querendo entender o motivo do atraso na conclusão destes cálculos, o Deputado Requião Filho protocolou um requerimento, via Lei de Acesso a Informação, solicitando esclarecimentos sobre os procedimentos adotados pela Agepar e qual o andamento dos estudos.

O prazo para resposta seria de trinta dias, mas até hoje o protocolo segue inconclusivo. Alguns documentos chegaram a ser anexados, mas sem uma resposta objetiva.

“Nestes relatórios, podemos observar a morosidade no andamento do processo e que há realmente indícios de valores pagos a mais em tarifas de algumas rodovias paranaenses. Se somados, estes podem ser bem altos. Agora queremos saber o que a Agepar pode fazer a respeito e, se confirmado esse pagamento a mais, será que esses valores também serão devolvidos ao Estado do Paraná antes do encerramento dos contratos?”, questiona.

O novo presidente da agência reguladora, Reinhold Stephanes, que será sabatinado esta semana pela Assembleia Legislativa, terá esta empreitada pela frente. Enquanto isso, o deputado Requião Filho segue aguardando resposta clara e objetiva da agência, para tornar público o resultado dessa averiguação.

Destaques, Eleições 2020 em Foz do Iguaçu, Política,

Partidos e candidatos tem até domingo (25) para prestação de contas parcial da campanha, diz advogado

Os partidos políticos e candidatos à prefeito e vereadores tem até o próximo domingo (25) para realizar a prestação parcial das contas da campanha. O prazo começa começa a valer nesta quarta-feira (21), lembra o advogado Gilmar Cardoso, ao destacar as datas do calendário eleitoral de 2020.

O procedimento é realizado pelo Sistema de Prestação de Contas Eleitorais (SPCE), onde devem ser informados dados do registro da movimentação financeira e/ou estimável em dinheiro ocorrida desde o início da campanha, até o dia 20 de outubro do mesmo ano, destacou.

No dia 27 de outubro, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) divulgará, na sua página na internet, a prestação de contas parcial de campanha de candidatos e partidos políticos com a indicação dos nomes, do CPF ou CNPJ dos doadores e dos respectivos valores doados, informou Gilmar Cardoso.

As prestações de contas finais referentes ao primeiro turno de todos os candidatos e de partidos políticos em todas as esferas devem ser prestadas, via SPCE, à Justiça Eleitoral até 15 de dezembro de 2020.

O advogado lembra que as doações realizadas por pessoas físicas são limitadas a 10% (dez por cento) dos rendimentos brutos auferidos pelo doador no ano anterior à eleição (2019). Outra fonte de financiamento é a autodoação, cujo teto é de 10% do limite de gastos estabelecido para o cargo em disputa.

Assim, um candidato poderá doar a si mesmo até o limite de 10% do teto do gasto para o cargo em disputa. No caso dos Municípios de até 10 mil eleitores, que representam 54% dos municípios brasileiros, o teto de gastos é de R$ 123 mil para prefeito e de R$ 12 mil para vereador, afirma o advogado.

As doações financeiras de valor igual ou superior a R$ 1.064,10 (mil e sessenta e quatro reais e dez centavos) só poderão ser realizadas mediante transferência eletrônica entre as contas bancárias do doador e do beneficiário da doação ou cheque cruzado e nominal.

Gastar recursos além dos limites estabelecidos sujeita os responsáveis ao pagamento de multa no valor equivalente a 100% (cem por cento) da quantia que exceder o limite estabelecido, a qual deverá ser recolhida no prazo de cinco dias úteis contados da intimação da decisão judicial, podendo os responsáveis responderem, ainda, por abuso do poder econômico, adverte Gilmar Cardoso.

O advogado esclarece que a não apresentação tempestiva da prestação de contas parcial ou a sua entrega de forma que não corresponda à efetiva movimentação de recursos caracteriza infração grave, salvo justificativa acolhida pela justiça eleitoral, a ser apurada na oportunidade do julgamento da prestação de contas final.

A lei prevê ainda que o relator ou o juiz eleitoral pode determinar o imediato início da análise das contas com base nos dados constantes da prestação de contas parcial e nos demais que estiverem disponíveis, disse.

Se, por ocasião da prestação de contas, ainda que parcial, surgirem fundadas suspeitas de que determinado doador extrapolou o limite de doação, o juiz, de ofício ou a requerimento do Ministério Público, poderá determinar, em decisão fundamentada, que a Secretaria da Receita Federal do Brasil informe o valor dos rendimentos do contribuinte no ano anterior ao da eleição.

As prestações de contas finais referentes ao primeiro turno de todos os candidatos e de partidos políticos em todas as esferas devem ser prestadas, via SPCE, à Justiça Eleitoral até o 30º dia posterior à realização das eleições, em 15 de dezembro de 2020.

Gilmar Cardoso disse que o envio de informações dá transparência ao processo eleitoral. Os dados enviados são divulgados no DivulgaCandContas, onde podem ser consultados por toda população e pela imprensa, explica.

Todos os partidos e candidatos são obrigados a fazer a prestação de contas parcial, independentemente de terem o registro indeferido ou não. O processo deve ser feito online pelo Sistema de Prestação de Contas Eleitorais (SPCE).

A lei eleitoral descreve que o s partidos políticos e os candidatos são obrigados, durante as campanhas eleitorais, a enviar à Justiça Eleitoral, para divulgação em página criada na internet para esse os dados relativos aos recursos financeiros recebidos para financiamento de sua campanha eleitoral, em até 72 (setenta e duas) horas contadas do recebimento.

Além do relatório parcial discriminando as transferências do Fundo Partidário e do Fundo Especial de Financiamento de Campanha (FEFC), os recursos financeiros e os estimáveis em dinheiro recebidos, bem como os gastos realizados., explicou Gilmar Cardoso.

A prestação de contas parcial deve ser feita em meio eletrônico, com a discriminação dos recursos financeiros ou estimáveis em dinheiro para financiamento da campanha eleitoral, contendo, cumulativamente a indicação dos nomes, do CPF das pessoas físicas doadoras ou do CNPJ dos partidos políticos ou dos candidatos doadores, a especificação dos respectivos valores doados.

A identificação dos gastos realizados, com detalhamento dos fornecedores e a indicação do advogado. O relatório financeiro de campanha será disponibilizado pelo Tribunal Superior Eleitoral na sua página na internet em até 48 (quarenta e oito) horas, ocasião em que poderão ser divulgados também os gastos eleitorais declarados, bem como as doações estimáveis em dinheiro, concluiu o advogado Gilmar Cardoso.

Destaques, Foz do Iguaçu, Itaipu Binacional,

Itaipu faz readequações no trevo de acesso a Furnas. Fique atento!

Obras integram a segunda fase da construção da ciclovia e pista de caminhada da Avenida Tancredo Neves.

Motoristas e pedestres que passarem pela Avenida Tancredo Neves, junto ao trevo de acesso a Furnas, na Avenida Tarquínio Joslim dos Santos, deverão redobrar a atenção. A Diretoria de Coordenação da Itaipu começou nesta terça-feira (20) um trabalho de readequação naquele trecho. As obras integram a segunda fase da construção da ciclovia e pista de caminhada da Tancredo Neves.

De acordo com Divisão de Infraestrutura e Manutenção de Itaipu, serão 90 dias de intervenção no local, com sinalização provisória e movimentação de máquinas e trabalhadores. Haverá readequações do trevo e em frente ao Condomínio Terra Nova, instalação de faixas mais largas, alterações de preferencial e conexão de ciclovias – entre outros trabalhos.

A segunda fase da construção da ciclovia contempla o trecho entre a ponte do Rio Almada e o trevo de acesso a Furnas. Aproximadamente 65% das obras estão concluídas e a previsão é que o trabalho fique pronto em junho. A primeira fase, entre a barreira de controle de Itaipu o trevo de acesso a Furnas, já foi entregue.

Destaques, Paraná, Turismo,

Os principais pontos turísticos de São Miguel do Iguaçu, no Oeste do Paraná

Em São Miguel do Iguaçu, a simplicidade é uma das maiores riquezas, com suas muitas belezas naturais

Planejar é o que tem ajudado os amantes de viagens a matar a saudade e manter os sonhos vivos neste momento de pandemia, em que o isolamento social vem sendo praticado já desde os primeiros meses do ano e, como consequência, muitos passeios foram adiados em prol da saúde.

São Miguel do Iguaçu é uma cidade do estado do Paraná, na região Sul do país, localizada a 595 quilômetros de Curitiba e próxima a um dos maiores destinos turísticos do mundo: Foz do Iguaçu. Em São Miguel do Iguaçu, a simplicidade é uma das maiores riquezas, com suas muitas belezas naturais. Para facilitar na hora de montar o roteiro perfeito, tem-se abaixo uma lista contendo dicas de lugares para conhecer e coisas para fazer em São Miguel do Iguaçu:

1. Museu Histórico Municipal: o Museu tem o papel de guardar e contar a história do município, demonstrando as peculiaridades de um local de fronteira e trazendo à tona as influências de outros povos no desenvolvimento da cidade, por exemplo. Do lado de fora do museu, as belezas naturais do entorno também costumam agradar bastante aos turistas.

2. Sítios Takahashi e Arruda: o Sítio Takahashi pertence a uma família de agricultores orgânicos que produzem doces e conservas na propriedade, onde, eventualmente, ocorrem refeições temáticas, como é o caso da noite do Yakissoba e do almoço oriental.

O Sítio Arruda também é um imóvel familiar dedicado à agricultura orgânica, com destaque para a produção e para o comércio do café orgânico certificado, além da atividade agroindustrial, com o processamento de polpas de frutas.

3. Aldeia Indígena Avá-Guarani Tekoha Ocoy: considerada uma das maiores tribos Guarani do país, com 160 famílias vindas da Aldeia de Jacutinga, a Tekoha Ocoy nasceu no ano de 1982 às margens do Lago de Itaipu e possui aproximadamente duzentos e trinta hectares. Lá é possível ter contato com a cultura Guarani, suas crenças, danças, rezas, artesanatos e cantos.

4. Comunidade Quilombola Apepú: este nome homenageia um tipo de laranja muito comum na região rural da cidade, que é comumente utilizada para a fabricação de doce. Esta comunidade remanescente de quilombo está localizada ao lado do Parque Nacional do Iguaçu e abriga quatro famílias não muito numerosas, que alimentam tradições como o artesanato, o folclore, a agricultura familiar e a medicina natural.

5. Terminal Turístico de Balneário Ipiranga: este é um dos principais cartões-postais da cidade, com cento e cinquenta metros de praia, quarenta mil metros de área dedicada ao camping, piscina natural de vinte e cinco mil metros quadrados, mais de duzentas e trinta churrasqueiras, quarenta e dois quiosques, playground, quadras de vôlei, campos de futebol, tudo isso em um ambiente de cento e vinte mil metros quadrados.

6. Pousada das Águas Bissoloti: a pousada é um verdadeiro complexo de lazer com quatro piscinas, toboáguas para todas as idades, um pequeno trecho de mata nativa com trilha ecológica de cerca de novecentos metros, pesque-pague, salão de festa com capacidade para receber trezentas pessoas e, ainda, um restaurante voltado para a culinária a base de peixes. Não é necessário se hospedar por lá para aproveitar de toda a estrutura que o local oferece: os ingressos para o parque aquático podem ser adquiridos separadamente e os valores variam de vinte a trinta e cinco reais por pessoa.

São Miguel do Iguaçu é um excelente destino para quem está à procura de turismo cultural, turismo de lazer ecológico, turismo rural ou agroturismo. Vale a pena conhecer. O Clube Candeias dispõe de diversas vantagens aos associados, entre elas, uma unidade própria em Foz do Iguaçu.

Por: Jornale

Curitiba, Política,

Em Curitiba, vereador Jairo Marcelino, o mais antigo da Câmara, morre de Covid-19

O vereador mais antigo da Câmara Municipal de Curitiba, o decano Jairo Marcelino acabou de falecer devido a complicações da Covid-19. Jairo estava Internado desde o início de outubro em um hospital particular da cidade.

Marcelino estava no nono mandato pelo PSD do governador Calros Massa Ratinho Junior e e era um dos favoritos para voltar em 2021 como o mais votado da legenda.

Por: Blog do Tupan

Meio Ambiente, Paraná,

Produção de alimentos também precisa de mais chuva

Além do abastecimento de água, o setor agrícola sofre com seca extrema, que interfere na produção de alimentos. No Paraná, desde 2019, choveu em média 70% abaixo do esperado.

A vida de milhares de paranaenses tem sido afetada desde 2019 pela estiagem mais intensa das últimas décadas, que assola boa parte do Estado há cerca de um ano e meio. No Paraná, ao longo desse período, choveu em média 70% abaixo do esperado. Os reservatórios da Sanepar também estão com nível 70% abaixo do normal.

A seca interfere em todas as atividades. “Quando as consequências da falta de chuvas afetam estes três setores essenciais à sobrevivência, abastecimento de água, geração de energia e produção de alimentos, dizemos que estamos numa condição de seca extrema. É o que estamos vivendo, e o prognóstico não é muito positivo para o verão, quando costuma chover mais”, explica o hidrólogo do Sistema de Tecnologia e Monitoramento Ambiental do Paraná (Simepar), Arlan Scortegagna. A previsão do instituto é de que a estiagem se prolongue, pelo menos, até as próximas chuvas de verão – entre dezembro deste ano e fevereiro de 2021.

O engenheiro agrônomo Rubens Antônio Sieburger Costa, do Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná-Iapar-Emater (IDR-Paraná) é enfático: sem água é impossível produzir. “Sem produção, não há comida. Água é fundamental para a produção de alimento. E é sempre uma preocupação do agricultor quando e quanto vai chover para fazer o plantio e a colheita, e ter um produto com boas condições de consumo e nutricionais. Falta de chuva também interfere na qualidade daquilo que o produtor vai oferecer”, diz ele.

Abaixo do esperado

Para o agricultor Otavino Rovani, a produção deste ano deve ficar aquém da expectativa devido à falta de água. “Este período longo de falta de chuvas nos afeta”, diz ele. “A produção e a colheita possivelmente ficarão abaixo do esperado. Não temos o costume de irrigar as lavouras, então, dependemos da chuva. Sem água, não temos agricultura. Sem agricultura, não temos alimento”, ressalta.

 Otavino, que também é engenheiro agrônomo há 47 anos, diz nunca ter visto uma estiagem tão intensa e prolongada. “Nasci no Rio Grande do Sul, moro em Guarapuava há mais de 40 anos e não me recordo de ter vivido uma seca como esta.”

Relatório divulgado pelo Departamento de Economia Rural (Deral) da Secretaria da Agricultura e Abastecimento informou, no início deste mês, que as chuvas registradas são insuficientes para a agricultura. E a Sanepar ressalta que são insuficientes, também, para normalizar a produção e a distribuição de água. É necessária ao longo dos meses uma chuva volumosa e constante para que os reservatórios comecem a se recuperar.

Lado agrícola

O engenheiro agrônomo do IDR-Paraná diz, em relação à produção de alimento no campo, que a atenção do agricultor deve estar voltada a algo bastante importante: a conservação do solo.

Ter um solo em condições de absorver e manter a água é essencial para uma ótima produção. Se houver pouca matéria orgânica no solo, a água da chuva cai, mas não vai permanecer ali por muito tempo. Se o solo for muito arenoso, boa parte da água vai percolar e se perder”, explica. “A preocupação com a conservação do solo existe, então, também para manter disponível a maior quantidade de água para as plantas até a próxima chuva.”

A propriedade de reter mais água no solo é um dos benefícios do uso do lodo agrícola, distribuído pela Sanepar a proprietários rurais. “A aplicação do lodo garante a adição de nutrientes e matéria orgânica ao solo. O lodo de esgoto desempenha o papel de condicionador do solo, melhorando a formação de agregados, a infiltração e a retenção de água”, destaca o engenheiro agrônomo da Sanepar, Rebert Skalisz.

Ele enfatiza, também, que com a correção da acidez do solo promovida pela cal virgem presente no lodo, as plantas desenvolvem maior enraizamento. “E, com isso, ocorre a melhoria na capacidade de absorção de água do solo”.

Para o uso agrícola, o lodo é corretamente tratado e são feitas análises do lodo e do solo, que garantem a qualidade do produto e definem a quantidade a ser aplicada em cada local.

Em 2019, mais de 27 mil toneladas de adubo produzido a partir do lodo de esgoto da Sanepar foram distribuídas a 122  agricultores de 46 municípios paranaenses. O lodo agrícola pode ser usado em culturas anuais, como soja, milho, feijão, trigo, cevada e aveia (cobertura); em culturas perenes, como café, grama, palmito juçara, goiabeira, cítricos, fruteira de caroço e amoreira (produção de seda); e em culturas florestais, como a da seringueira.