Author

Destaques, Geral, Paraná,

Nova Ferroeste é apresentada para representantes do Consulado Chinês

Integrantes do Grupo de Trabalho do Plano Estadual Ferroviário detalharam nesta sexta-feira (11) o projeto de execução da Nova Ferroeste a representantes do Consulado da China em São Paulo. Participaram do encontro virtual a cônsul no estado, Chen Peijie, e o conselheiro comercial He Jim.

Durante duas horas foram apresentados dados sobre aumento de produtividade de grãos e proteína animal nos estados do Mato Grosso do Sul e do Paraná e a necessidade de ampliar a malha ferroviária para melhorar o escoamento da produção agrícola e dos contêineres refrigerados, principalmente para o Porto de Paranaguá.

Para o coordenador do GT Ferrovias, Luiz Henrique Fagundes, a China é um parceiro em potencial desse projeto. “A China tem se mostrado um player importante em projetos de infraestrutura, eles detêm capital e tecnologia no setor ferroviário. Com certeza terá especial interesse nesse empreendimento”, afirmou.

Reunião Nova Ferroeste com consulado da China – Foto: José Fernando Ogura/AEN

A Nova Ferroeste é um projeto que visa a ampliação da Estrada de Ferro Paraná Oeste S.A, ou Ferroeste. O novo traçado, com 1.285 quilômetros, vai ligar os municípios de Maracaju (MS) e Paranaguá (PR), além de um ramal que vai ligar Cascavel a Foz do Iguaçu. Quando a ferrovia estiver concluída, este será o segundo maior corredor de grãos e contêineres do País, chamado também de Corredor Oeste de Exportação.

Os estudos de demanda indicam que cerca de 26 milhões de toneladas de produtos devem circular nesse novo trecho por ano. Considerando o tráfego interno, a Nova Ferroeste deve alcançar 38 milhões de toneladas ano.

Essa melhoria na matriz logística vai reduzir custos para os produtores, que poderão praticar preços mais competitivos. “Essa parte do escoamento de grãos do Interior do Brasil, tanto do estado do Mato Grosso do Sul, quanto do estado do Paraná, pode ajudar a suprir a demanda do mercado doméstico da China”, destacou Jim.

A Nova Ferroeste é uma oportunidade de investimento no mercado internacional de capitais. Os projetos de infraestrutura costumam chamar atenção de investidores estrangeiros ou grupos econômicos. Algumas empresas com DNA Chinês já atuam no País, o que pode reforçar o interesse.

“No Brasil nós já temos algumas empresas na área de ferrovia, e elas têm muita experiência e são muito fortes na construção e operação desse tipo de ferrovia”, acrescentou o conselheiro comercial. Ao final do encontro, os representantes da China solicitaram um nova rodada, assim que os estudos estiverem concluídos.

Parceria – No ano passado, segundo o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, as exportações do Paraná corresponderam a 11,63% de tudo que o Brasil enviou para o exterior. “A China é hoje o maior parceiro do Paraná e do Mato Grosso do Sul em termos de exportação. Para eles a questão da segurança alimentar é um tópico de extrema relevância, faz parte da estratégia global deles e a Nova Ferroeste se encaixa exatamente nesse processo de prover segurança alimentar”, disse Fagundes.

Até agora, em 2021, o Paraná exportou US$ 2.440.775.300 para a China. No topo da lista estão soja e frango.

Nova ferroeste – A Nova Ferroeste vai passar por 49 municípios do Paraná e será o segundo maior corredor de exportação de grãos e contêineres do País em volume de carga, com valor estimado em 3% do PIB nacional.

O projeto da Nova Ferroeste está em fase final de estudos de viabilidade técnica, de engenharia e ambiental. Quando estiverem prontos vão apontar o traçado definitivo que será levado a consulta pública no início de 2022.

A intenção é colocar a ferrovia em leilão na Bolsa de Valores do Brasil (B3), com sede em São Paulo no primeiro trimestre de 2022. O consórcio que vencer a concorrência será responsável também pelas obras e poderá explorar a ferrovia por 60 anos. O investimento é estimado em R$ 25 bilhões.

As informações são de Agência de Notícias do Paraná

Destaques, Geral, Paraná,

Detran realiza Leilão de 456 veículos para circulação

O Departamento de Trânsito do Paraná (Detran/PR) realiza leilão de veículos nos dias 25, 28 e 29 de junho. Ao todo serão ofertados 456 veículos para circulação

Na sexta-feira (25), através do site do Leiloeiro Oficial, www.albanoleiloes.com.br,  o leilão de 154 veículos aptos à circular em via pública. Na segunda-feira (28), através do site do Leiloeiro Oficial www.rdleiloes.com.br, o leilão de 136 veículos, também aptos à circular em via pública. Na terça-feira (29) através do site do Leiloeiro Oficial www.hoppeleiloes.com.brserão ofertados 166 veículos, igualmente aptos à circular em via pública.

Os veículos foram recolhidos pela Polícia Militar e não foram retirados por seus proprietários dentro dos prazos e na forma da legislação. Podem participar pessoas físicas e jurídicas, portadoras de CPF ou CNPJ, documento de identidade e maiores de 18 anos, conforme regras descritas no Edital Leilão nº 002/2021, disponível no site www.detran.pr.gov.br.

Os veículos poderão ser examinados nos locais onde se encontram, de segunda à sexta-feira, das 8h às 14h, nos 10 dias que antecedem ao leilão, sendo que as autorizações para acesso aos locais de depósitos (exige que se apresente documento de identidade, reconhecido por lei federal) deverão ser obtidas em um dos endereços abaixo relacionados, obedecendo os critérios de segurança e assepsia estabelecidos pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e decretos locais vigente em função da Covid-19.

Para conferir os lotes: Agência de Notícias do Paraná

Destaques, Economia, Paraná, Turismo,

Paraná Turismo divulga pesquisas sobre cenário do setor, movimento aéreo e impactos da pandemia

A Paraná Turismo, autarquia pertencente ao Governo do Estado, vinculada à Secretaria do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo, realizou dois estudos sobre o setor. Um deles é o Boletim de Inteligência Turística 2021, que tem como base os empregos e estabelecimentos nas Atividades Características do Turismo (ACTs) em 2019. O outro analisa o movimento aéreo entre os meses de janeiro e abril dos anos de 2020 e 2021, períodos pré e durante a pandemia.

O Boletim de Inteligência Turística 2021 tem como objetivo mostrar as tendências e a evolução dos dados do setor no Paraná, favorecendo diretamente a elaboração e implantação de políticas públicas e a orientação de investimentos privados, além de servir de subsídio para pesquisas dos setores público, privado, acadêmico e do terceiro setor.

Os dados mostram quais foram as atividades características do turismo que mais geraram empregos em 2019, período anterior à pandemia do coronavírus, quando ainda era possível estabelecer parâmetros comparativos com anos anteriores.

Na ocasião, o setor que mais gerou empregos formais no País foi o de Alimentação, com 62,5% de todas as vagas preenchidas, seguido pelos Alojamentos, que teve 16% de toda a geração de empregos formais.

Dos pouco mais de 2 milhões de empregos gerados nas atividades turísticas no País, o Paraná foi mais relevante (6,2%), atrás de São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais. O Paraná gerou 128 mil empregos formais no setor e, seguindo a tendência do Brasil, Alimentação também foi o primeiro, com 64,1%, seguido dos Alojamentos, com 15,4%.

O Paraná também foi o quarto estado em número de estabelecimentos nas ACTs: dos quase 510 mil estabelecimentos brasileiros que se dedicavam ao turismo em 2019, 7,8% estavam no Estado, ou seja, quase 40 mil deles. Novamente, o setor de Alimentação foi o mais representativo (67,8%), seguido dos Transportes Terrestres, com 9,7%.

De acordo com Gilce Zelinda Battistuz, do departamento de Estatística da Paraná Turismo, provavelmente esses dados apresentem déficit nas divulgações seguintes a partir de 2020 por conta dos efeitos da pandemia do coronavírus. “Dificilmente o Paraná irá cair de posição em si, mas provavelmente tenha uma queda nos dados para 2020, porque devemos ter um desajuste nos dados”, disse.

Movimento aéreo – A Paraná Turismo também lançou um boletim que analisa o movimento aéreo entre os meses de janeiro e abril dos anos de 2020 e 2021, períodos pré e durante pandemia. No que se refere aos embarques domésticos e internacionais, o Brasil apresentou queda de 39% entre um ano e outro.

O Paraná teve queda de 51% na comparação entre os períodos, de 1,2 milhão para 605 mil embarques, aproximadamente. O aeroporto Afonso Pena, em São José dos Pinhais, teve um decréscimo de 47% nos embarques de passageiros domésticos e internacionais em 2021, atrás somente do Galeão, no Rio de Janeiro, e Congonhas, em São Paulo.

Levando em conta somente os embarques em aeroportos paranaenses, todos apresentaram queda: Foz do Iguaçu (62%), Londrina (47%), Maringá (39%) e Cascavel (43%).

A análise da Paraná Turismo destaca, no entanto, que o Afonso Pena registrou em abril de 2021 dados positivos em relação aos demais meses pesquisados. Enquanto janeiro, fevereiro e março de 2021 tiveram queda, o quarto mês começou a reaquecer a movimentação de passageiros, com crescimento de 445% em comparação ao mesmo mês do ano anterior.

O mesmo ocorre com o Aeroporto Internacional das Cataratas, em Foz do Iguaçu, que em abril de 2020 chegou ao menor fluxo de passageiros da história (254 passageiros), enquanto no mesmo mês em 2021 houve 17.865 embarques.

Monitora Turismo – A pesquisa Monitora Turismo, feita pela professora Mariana Aldrigui, da Universidade de São Paulo (USP), aponta outro dado preocupante para o setor: perda de 110.833 vagas formais de emprego em 2020, ano da pior crise enfrentada pela história da indústria.

Foz do Iguaçu e Curitiba foram duas das cidades pesquisadas. Elas tiveram saldo anual negativo de 2.655 (Foz) e 2.325 (Curitiba) empregos formais em 2020. Os dados consideram as 571 atividades ligadas ao turismo, sendo elas diretas (21), compartilhadas (191) e aquecidas (217).

João Jacob Mehl, presidente da Paraná Turismo, ressalta que as perdas apresentadas pela pesquisa necessitam ser repostas. “São perdas irreparáveis que nós temos que repor e a expectativa é a retomada com o turismo regional preponderando, porque ainda não é possível viajar para longe. Esse é o início da recuperação de todos os postos de trabalho que foram perdidos”, disse.

Para acessar as pesquisas na íntegra entre em http://www.turismo.pr.gov.br/Pagina/Estatisticas-do-Turismo-Dados-e-Informacoes e escolha a opção Boletins de Inteligência Turística.

As informações são de Agência de Notícias do Paraná

Busão Foz, Destaques, Foz do Iguaçu, Geral, Meio Ambiente, Paraná,

Por causa da estiagem, Cataratas do Iguaçu registram a menor vazão de água do ano, diz Copel

Nos dias 9 e 10 de junho, a vazão foi de 308 mil litros de água por segundo, um quinto da vazão considerada normal. A seca é sentida também no Rio Paraná, que está 8,5 metros abaixo da média dos últimos cinco anos.

Por causa da estiagem, o Rio Iguaçu registrou, nesta semana, a menor vazão do ano nas Cataratas do Iguaçu, em Foz do Iguaçu, no oeste do Paraná. A informação é da Companhia Paranaense de Energia (Copel), responsável pelo monitoramento hidrológico do rio.

Nos dias 9 e 10 de junho, a vazão foi de 308 mil litros de água por segundo. O número representa um quinto da vazão considerada normal, que é de 1,5 milhão por segundo – marca que não é alcançada desde março.

O leito do Rio Iguaçu conta com seis usinas hidrelétricas e nasce na região de Curitiba, atravessa o estado, e deságua em Foz do Iguaçu, nas Cataratas, conforme a Copel.

Por isso, segundo a companhia, é importante chover na região metropolitana da capital do estado para haver reflexo no aumento da vazão do rio.

A seca é sentida também no Rio Paraná. Na região da Ponte da Amizade, entre Foz do Iguaçu e Paraguai, o nível do rio está 8,5 metros abaixo da média dos últimos cinco anos.

A Ilha de Acaray, que antes era cercada de água, atualmente aparece isolada na paisagem, apenas rodeada por pequenas piscinas naturais e grandes áreas de terra, que antes ficavam submersas.

Falta de chuvas

De acordo com o Instituto Nacional de Meteorologia (INMET), entre janeiro até o fim do mês de junho, são esperados quase 1035,9 milímetros de chuva em Foz do Iguaçu. Contudo, a realidade foi de 718 milímetros até o momento.

Em janeiro, época de bastante chuva, caiu 508 milímetros em Foz. De fevereiro até este sábado (12), choveu apenas 210 milímetros – 23,66% a menos do que precisava.

Veja mais em G1 Globo

Foz do Iguaçu, Geral,

Vitorassi é reeleito presidente do SITROFI

Vitorassi foi reeleito com 69,31% dos votos válidos, contra 30,61% do segundo colocado

O Sindicato dos Trabalhadores do Transporte Rodoviário (SITROFI) realizou eleições para escolher o presidente para os próximos quatro anos. Duas chapas estavam concorrendo à presidência. Concorreram o atual presidente na Chapa 1, Dilto Vitorassi, que disputou a reeleição contra a chapa 2, encabeçada por Walter Samudios Rios, o Buda. Esta foi a primeira vez na história do sindicato, fundado em 1988, que o Dilto Vitorassi teve concorrência.

Vitorassi foi reeleito com 69,31% dos votos válidos, contra 30,61% do segundo colocado. O sindicato abrange as cidades de Capitão Leônidas Marques, Céu Azul, Foz do Iguaçu, Matelândia, Medianeira, Missal, Santa Helena, Santa Terezinha de Itaipu, São José das Palmeiras, São Miguel do Iguaçu e Vera Cruz do Oeste. Estavam aptos a votar 543 associados, dos quais 356 votaram. Dilto Vitorassi fez 274 votos contra 80 do segundo concorrente.

As informações são de Rádio Cultura

Busão Foz, Destaques, Geral, Meio Ambiente,

Paraná registra temperatura abaixo de zero e frio predomina em grande parte do estado

No Centro-Sul do Paraná, as temperaturas negativas chegaram na madrugada deste domingo (13). O Instituto Meteorológico Simepar informou, os termômetros na cidade chegaram a -1,4°C, a menor temperatura do estado. Curitiba também amanheceu gelada, com 5°C.

A condição, segundo o Simepar, se dá por conta da atuação de um sistema de alta pressão atmosférica. “A tendência para o restante da manhã é de o tempo se manter estável, sem chuva. Mas, apesar de o sol predominar, não deve esquentar muito. A partir da noite, nota-se novamente um alto resfriamento”, explica o meteorologista Samuel Braun.

Na capital, a expectativa é de que as temperaturas não passem dos 18°C neste domingo.

Para segunda-feira, novamente a expectativa é para temperaturas baixas. “Previsão de mínimas próximas aos 5°C, então mantém-se um padrão e com condição de formação de nevoeiros”, conclui Braun.

Segundo a simepar informa, a previsão para o Inicio de semana em Foz do Iguaçu, será de tempo firme sem chuva e com temperatura minima entre 11 graus e maxima de 23 graus na região.

Com informações de Banda B

Busão Foz, Coronavírus em Foz do Iguaçu, Destaques, Foz do Iguaçu, Saúde,

Foz do Iguaçu registra mais quatro óbitos e 41 novos casos de Coronavírus

A Vigilância Epidemiológica de Foz do Iguaçu confirma na data de hoje, 13/06/2021, 41 casos de covid-19. No total, são 38.967 casos da doença no município desde o início da pandemia. Destes, 37.404 pessoas já estão recuperadas.

Dos 41 novos casos, 19 são mulheres e 22 homens, com idades entre 13 e 67 anos. Entre eles, 39 estão em isolamento domiciliar e 2 internados.

Do total de casos ativos, 409 pessoas estão em isolamento domiciliar com sinais e sintomas leves e 196 pessoas estão internadas.

Óbitos

Foz do Iguaçu registrou 4 óbitos em consequência da covid-19. As vítimas são 2 mulheres de 85 e 69 anos e 2 homens de 59 e 59 anos. No total, são 958 mortes pela doença no município desde o início da pandemia.

Destaques, Meio Ambiente, Paraná,

Webinar sobre deriva de agrotóxicos e proteção de abelhas acontece na segunda

O segundo webinar sobre deriva de agrotóxicos e proteção de abelhas, organizado pela Agência de Defesa Agropecuária do Paraná (Adapar) e pelo Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Paraná (Crea-PR), será nesta segunda-feira (14), às 10 horas.

O evento, com apoio da Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento e do Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná Iapar-Emater (IDR-Paraná), busca discutir as medidas necessárias para a instrução de técnicos e agricultores quanto aos cuidados na utilização de agrotóxicos. O primeiro aconteceu no dia 7 de junho.

A transmissão será pelo YouTube do Crea-PR. O público-alvo inclui profissionais que prescrevem agrotóxicos, comerciantes e produtores rurais (confira a programação completa abaixo). A inscrição dá direito a certificado para os participantes e pode ser feita pelo site do Conselho.

Proteção – As abelhas são grandes agentes polinizadores, sendo responsáveis, em alguns ecossistemas, por até 90% da polinização das plantas. Porém, devido às atividades humanas, são muito suscetíveis à perda de seus habitats, porque exigem uma grande área florestada e estão sujeitas à ação de agrotóxicos em áreas agrícolas.

Essa situação impacta diretamente na agricultura. A apicultura, a sericicultura e a viticultura, por exemplo, enfrentam riscos como o colapso de colmeias, mortandade de bichos da seda por contaminação dos ramos de amoreira, com diminuição da produção de casulos, além de prejuízos financeiros e até a desistência de produtores rurais que acabam buscando outras alternativas de cultivos ou renda.

O descuido e a falta de conhecimento no uso das técnicas de controle das derivas via boas práticas de aplicação exige soluções emergenciais. Por isso, a Secretaria da Agricultura, a Adapar e o IDR-Paraná desenvolvem ações de assistência técnica, fiscalização, capacitação e conscientização dos agricultores quanto à necessidade de cuidados nas aplicações de agrotóxicos, e trabalham para aprimorar suas ações educativas para técnicos e produtores.

Programação

Painelistas de três estados.

(RS) Rafael Friedrich de Lima, Engenheiro Agrônomo/Fiscal Estadual Agropecuário – SEAPDR, Chefe da Divisão de Insumos e Serviços Agropecuários, Departamento de Defesa Agropecuária DDA/MAPA.

(SC) Matheus Mazon Fraga, Engenheiro Agrônomo Msc., Gestor Divisão de Fiscalização de Insumos Agrícolas Cidasc

(PR) João Miguel Toledo Tosato, Engenheiro Agrônomo/Fiscal de Defesa Agropecuária, coordenador do Programa de Agrotóxicos na Adapar.

(PR) Alessandro Casagrande, Fiscal de Defesa Agropecuária, Engenheiro Agrônomo, Gerente de Apoio Estratégico – Inovações Tecnológicas.

As informações são de Agência de Notícias do Paraná

Cascavel, Coronavírus, Destaques, Geral, Paraná,

Homens são presos com ecstasy em festa clandestina que reunia 150 pessoas, em Cascavel

Evento em chácara nas proximidades da BR-369 foi encerrado após fiscalização na noite de sábado (12)

Uma festa clandestina com a participação de cerca de 150 pessoas foi flagrada na noite de sábado (12), de acordo com a Polícia Militar (PM), dois homens foram presos com ecstasy no local. Segundo a prefeitura da cidade, o evento ocorreu em uma chácara, nas proximidades da BR-369.

Segundo a PM, os participantes da festa clandestina foram revistados. Dois homens foram presos suspeitos de tráfico de drogas. Um deles tinha 77 comprimidos de ecstasy, e o outro estava com dez. Segundo os agentes, os participantes do evento clandestino, Os organizadores não teria alvará e autorização para o evento. Já os participantes não utilizavam máscara e nem respeitavam distanciamento.

A polícia também encontrou três litros de um solvente usado como entorpecente. Os participantes que portavam drogas em menor quantidade foram encaminhados para assinatura de termo circunstanciado, frisou a Polícia Militar.

Assessoria

Geral, Paraná,

Copel é a 1ª estatal do setor elétrico a conquistar o Triplo A, melhor classificação da Fitch Ratings

Pela primeira vez em sua história, a Copel foi classificada pela Fitch Ratings, uma das três maiores agências independentes de avaliação de risco de crédito em todo o mundo, como empresa AAA(bra), o mais alto nível do mercado financeiro. Com a elevação, a Copel se torna a única empresa estatal do setor elétrico brasileiro a obter a nota mais alta da agência.

A Fitch atribui a classificação a fatores como a melhoria consistente da performance operacional da companhia, manutenção de um perfil financeiro forte, atuação como empresa integrada e posse de importantes ativos em geração, transmissão e distribuição.

“A Copel é um orgulho dos paranaenses e uma empresa muito bem administrada, o que é percebido pelo mercado. É uma companhia que se adapta constantemente para as novas matrizes energéticas, investe nos municípios do Estado, garante infraestrutura para a atração de investimentos e tem compromisso com a sustentabilidade”, destaca o governador Carlos Massa Ratinho Junior.

A classificação se aplica à Copel, às subsidiárias integrais (SIs) – Copel Geração e Transmissão e Copel Distribuição – e as suas respectivas emissões de debêntures, servindo de norte para que investidores conheçam o nível de risco dos títulos que adquirem. Esta é a segunda elevação consecutiva da nota da companhia. Em 2020, a Fitch aumentou o índice da Copel de AA(bra) para AA+(bra).

“A avaliação demonstra a solidez do trabalho que estamos desenvolvendo”, ressalta o presidente da Copel, Daniel Slaviero. “Mesmo em um cenário de pandemia, que se prolonga há mais de um ano, conquistamos a classificação mais elevada da agência”.

Segundo ele, “o reconhecimento nos motiva a fortalecer ainda mais a nossa atuação, contribuindo para o desenvolvimento do Paraná, com projetos rentáveis, que sejam atraentes para os investidores”.

Fatores – De acordo com a Fitch, a elevação da avaliação leva em consideração fatores-chave na atuação da Copel. A agência ressalta os ganhos consistentes de eficiência da Copel Distribuição, com aumento na rentabilidade das operações e redução de custos.

Para o diretor-geral da Copel Distribuição, Maximiliano Orfali, essa conquista se deve a muito esforço e dedicação. “As nossas equipes não medem esforços para aprimorar as competências operacionais em favor do cliente e de todas as partes interessadas”, afirma.

Também é destaque a recomposição da base de ativos da Copel Geração e Transmissão. A aquisição do complexo eólico Vilas deve incrementar os resultados da companhia e reduzir, em parte, a exposição ao risco hidrológico.

“A diversificação da matriz energética e a expansão em fontes renováveis são diferenciais para o crescimento com sustentabilidade e geração de valor para o acionista”, avalia o diretor-geral da Copel Geração e Transmissão, Moacir Bertol. Para ele, a nota da Fitch é o resultado da transformação que a companhia vem passando, focada na eficiência operacional de seus ativos, na gestão integrada e otimizada de suas participações, de seu portfólio e no comprometimento de seu quadro de profissionais com as metas estabelecidas.

Outros pontos importantes incluem o plano de investimentos da empresa, que é de R$ 1,9 bilhão em 2021, uma alavancagem financeira conservadora e forte posição de liquidez, com amplo acesso a fontes de captação.

Agências de Classificação – Agências como a Fitch avaliam o risco de investimento de acordo com a capacidade de um emissor honrar suas obrigações financeiras. Investidores de todo o mundo utilizam essas notas como referência para a decisão sobre onde e como investir os seus recursos. Se as finanças são sólidas, a comunicação com o mercado é clara e o histórico de cumprimento de compromissos é bom, a nota dada pelas agências de rating é mais alta.

As informações são de Agência de Notícias do Paraná