Browsing Category

Cultura

Brasil, Cultura, Destaques, Geral,

Jovem de Foz do Iguaçu surpreende jurados no quadro ‘Gonga La Gonga’ do ‘Caldeirão do Huck’ e ganha prêmio

Além de uma das vencedoras, o quadro ainda contou com a apresentação de uma dupla paranaense composta por moradoras de União da Vitória

Neste sábado (10), o Caldeirão do Huck recebeu a presença de três paranaenses que participaram do quadro ‘Gonga La Gonga’.

AQUI para assistir a apresentação

Talento e criatividade foi o que não faltou nas apresentações, anotou o GSHOW.

A jovem Roberta, de 13 anos e que mora em Foz do Iguaçu, se apresentou como a “analista de dados”.

Com a técnica de ilusionismo, a paranaense impressionou os jurados Fabio Porchat, Ana Furtado e Camila Queiroz, que não gongaram a apresentação de Roberta e deram notas altas.

A paranaense foi uma das três atrações que recebeu nota máxima, e por isso, ganhou um troféu e um cheque no valor de R$ 2.019,00.

Já a dupla Bike Angels, de União da Vitória, apostou em um número musical em cima de bicicletas de spinning, mas foi gongada por Fabio Porchat.

Cultura, Destaques, Educação,

Arquiteta formada pela UNILA desenvolve projeto de um Teatro Municipal para Foz do Iguaçu. Veja fotos

Nicoly Durães elaborou o projeto em seu trabalho de conclusão de curso

Formada em Arquitetura e Urbanismo pela UNILA no ano passado, Nicoly Durães desenvolveu, em seu trabalho de conclusão de curso, uma base de dados para a concepção do anteprojeto de um Teatro Municipal para Foz do Iguaçu.

A ideia surgiu da vivência da estudante na cidade. Ela sempre sentiu falta de equipamentos públicos culturais em Foz. “O fato de não existir um Teatro Municipal na cidade – levando em consideração o contexto sociocultural da região, que é altamente turística – é no mínimo curioso”.

“A princípio, queria desenvolver um complexo cultural ligado à mobilidade urbana na região da Tríplice Fronteira. Porém, decidi optar por enxugar o tema e focar em um só equipamento, que já é bastante complexo. O que me levou a escolher um teatro, foi minha paixão pela música. Assim, pude unir arquitetura e música num tema único”, explica.

De acordo com Nicoly, para projetar um teatro é preciso levar em consideração muitos fatores, que vão desde a pesquisa de como foi criado e qual é o desenvolvimento deste tipo de edificação ao longo da história, até o estudo físico da acústica e o contexto sociocultural onde o teatro estará inserido.

“Todos esses itens dão embasamento teórico para a criação de um programa de necessidades que seja mais adequado à população que irá usufruir do espaço cultural. Precisei coletar um bom embasamento teórico, pois, além de criar um espaço teatral, queria que ele tivesse uma forte relação com a música e que tal relação ficasse muito explícita no projeto”, ressalta a arquiteta.

Nicoly, que foi orientada em seu trabalho pelos professores Marcos Britto e Marcos Vitorino, não queria que o projeto remetesse a um grande prédio imponente que não atrai a população. Ele deveria adaptar-se à paisagem, quase diluindo-se nela.

“Desse modo, aloquei o edifício na quadra ao lado do Terminal de Transporte Urbano [TTU] e que se encontra vazia atualmente. A ideia é que fosse de fácil acesso a todos os bairros da cidade e também à Tríplice Fronteira, criando uma conexão direta com o TTU”.

Segundo a arquiteta, a construção de um Teatro Municipal em Foz criaria um importante espaço de manifestações culturais dos mais variados tipos para toda a população.

“Hoje em dia, apesar de existirem alguns teatros e auditórios pela cidade, eles não têm porte adequado para a realização de grandes atividades e não são do uso de todos.”

Nicoly complementa que a UNILA também tem um papel importante no que se refere ao fortalecimento das atividades culturais na cidade, principalmente em relação ao meio musical, levando em consideração o curso de Música da Universidade.

Para a implantação do projeto, seria necessária a ação de diferentes agentes dentro da região da Tríplice Fronteira.

“Seria preciso o interesse por parte das autoridades municipais e, a partir disso, teria início o processo de apresentação do projeto para a população. Infelizmente, não cheguei a apresentar esse projeto à Prefeitura por conta do tempo muito curto na época da entrega do TCC”.

“Mas, se houvesse a oportunidade, não hesitaria em apresentá-lo. Creio que o importante também é contribuir para que essa discussão acerca de um Teatro Municipal ou equipamentos públicos e centros culturais em Foz do iguaçu cresça, porque a cidade carece disso”, finaliza.

Interessados em conhecer a íntegra do trabalho podem acessar o Portal da UNILA.

Brasil, Cultura, Destaques, Economia, Meio Ambiente, Turismo,

Comunidade pode participar da pré-conferência de turismo neste sábado

Encontro preparatório elegerá delegados à conferência e debaterá eixos temáticos

A cidade de Foz do Iguaçu começa a debater e a planejar as diretrizes para o turismo nos próximos dez anos. Neste sábado, 10, às 13h30, no auditório da Fundação Cultural, acontece a pré-conferência de turismo, primeiro de uma série de cinco encontros preparatórios à 3ª Conferência Municipal de Turismo, que será em setembro.

O encontro é aberto para a participação da população, tendo como público prioritário estudantes e professores universitários, além de representantes de instituições de ensino de todos os níveis. Durante o mês de agosto, as pré-conferências buscarão reunir públicos segmentados e a população em geral, como forma de ampliar o diálogo e a participação.

As pré-conferências elegem os delegados com direito a voz e a voto na Conferência de Turismo e debatem cinco eixos temáticos. Os participantes desses eventos preliminares indicam soluções, propostas, projetos e ações ao desenvolvimento turístico iguaçuense para o período 2020-2030.

Secretário do Turismo, Indústria, Comércio e Projetos Estratégicos, Gilmar Piolla destaca a importância do diálogo entre poder público, iniciativa privada e organizações da sociedade civil durante o processo da conferência. “Ouvindo democraticamente a comunidade, vamos planejar o futuro do turismo de Foz do Iguaçu, suas ações e projetos, para os próximos dez anos”, sublinha.

Piolla ressalta que esse processo de debate embasará as políticas públicas que nortearão a ação governamental no turismo, em conjunto com os diferentes atores da Gestão Integrada do Turismo. “As pré-conferências setoriais e a conferência, com discussões concentradas em cinco grandes eixos temáticos, resultarão no Plano Municipal de Turismo Foz do Iguaçu 2020-2030”, reforça.

Para o presidente do Conselho Municipal de Turismo (Comtur), Carlos Silva, as pré-conferências amplificam o debate não apenas sobre as políticas de turismo como também em torno de demandas para a cidade em diversas outras áreas. “São cinco temas principais que se desdobram, abrangendo, por exemplo, infraestrutura, mobilidade urbana, ações culturais, trabalho e renda”, frisa.

De acordo com o presidente do Comtur, as pré-conferências e a conferência são instâncias de deliberação em que toda a comunidade deve envolver-se. “O turismo é a principal atividade econômica de Foz do Iguaçu. Desta forma, o iguaçuense deve participar do planejamento e da busca de soluções que fomentem ainda mais esse segmento, responsável por gerar trabalho e desenvolvimento para nossa cidade”, acentua Carlos Silva.

Foz 2020-2030

Com o tema “Foz do Iguaçu 2030: um futuro melhor para todos”, a 3ª Conferência Municipal de Turismo será no dia 28 de setembro, a partir das 14 horas, no anfiteatro do Centro Universitário UDC. Serão cinco eixos temáticos: 1) Desenvolvimento da indústria, colaboração e parceria; 2) Marketing e marca; 3) Experiência do visitante, desenvolvimento de produto e identificação urbanística (senso de lugar); 4) Infraestrutura, transporte, acesso, política e regulamentação; e 5) Destino inteligente.

A Conferência de Turismo é organizada pela Prefeitura de Foz do Iguaçu, por meio da Secretaria Municipal de Turismo, Indústria, Comércio e Projetos Estratégicos, em parceria com o Comtur, Fundo Iguaçu, Visit Iguassu e Itaipu Binacional.

As inscrições para as pré-conferências e conferência são realizadas gratuitamente AQUI

Agenda das pré-conferências de turismo (*)

10 de agosto, às 13h30

Professores, estudantes e representantes de instituições de ensino

13 de agosto, às 18h30

Empresários

21 de agosto, às 18h30

Integrantes de organizações da sociedade civil

23 de agosto, às 18h30

Representantes de entidades, lideranças setoriais e profissionais do turismo

24 de agosto, às 13h30

Trabalhadores e comunidade em geral

  • Todas as pré-conferências serão realizadas no auditório da Fundação Cultural (Rua Benjamin Constant, 62, centro)

(Assessorias Comtur e Setur. Fotos: Marcos Labanca)

Brasil, Cultura, Destaques, Internacional, Meio Ambiente, Turismo,

Macuco Safari será um dos destaques da próxima edição da revista Viaje Mais

Da Assessoria

O Macuco Safari recebeu neste domingo (4/8) a visita do repórter e editor da revista Viaje Mais, Tales Azzi. O profissional registrou todas as etapas do passeio, desde o percurso nas trilhas -a bordo da carreta e a pé, passando pelo Salto do Macuco-, até a subida do rio em direção às Cataratas do Iguaçu.

O material colhido no Macuco irá integrar reportagem especial que destaca o Destino Iguaçu com seu grande leque de atrativos. Em parceria com o Visit Iguassu, Tales Azzi reservou dez dias para conhecer e vivenciar a verdadeira experiência do turista na região. Suas impressões serão divididas com os leitores de todo o país na edição de setembro, nas versões impressa e online.

Viaje Mais é, entre as publicações do gênero, a mais vendida em bancas, no Brasil, de acordo com o Instituto Verificador de Circulação (IVC). Vencedora de dois prêmios de jornalismo da CET (Comissão Européia de Turismo), tem como proposta, além de divulgar os destinos turísticos, incentivar o desejo de viajar a partir de sugestões, dicas e belas imagens de roteiros nacionais e internacionais.

Brasil, Cultura, Destaques, Educação, Meio Ambiente, Turismo,

Onças-pintadas ganham mais um apoio das lojas do Parque Nacional do Iguaçu

Empresa da cidade de Capanema produz linha exclusiva de camisetas para o Parque

Os visitantes do Parque Nacional do Iguaçu podem adquirir a nova linha de camisetas Onças do Iguaçu, que faz homenagem à onça-pintada, animal-símbolo da unidade de conservação, e ajudar na preservação da espécie. Há seis modelos exclusivos, nas versões masculina, feminina e infantil.

A cada camiseta vendida, uma parte do valor será destinada ao Projeto Onças do Iguaçu, que tem a missão de conservar a onça-pintada (Phantera onca) como espécie-chave para a manutenção da biodiversidade da região do Parque Nacional do Iguaçu.

Para Yara Barros, coordenadora do Onças do Iguaçu, a conservação só é possível com parcerias. “É preciso que parceiros se unam para salvar uma espécie. Não é barato trabalhar com conservação, e os recursos são escassos. Muito bacana e importante a iniciativa da Cataratas S.A./Instituto Conhecer para Conservar.”

Sustentabilidade – Além da contribuição para a preservação da onça, o Grupo Cataratas, responsável pela gestão das lojas, valoriza em suas compras de produtos e serviços as empresas do entorno do parque. E com a linha de camisetas Onças do Iguaçu não foi diferente. A empresa Indústria Homem.com, de Capanema, cidade vizinha à unidade de conservação, é a responsável pela confecção das peças, que já estão desfilando com visitantes do Brasil e do mundo.

De acordo com Fernando Sousa, diretor institucional e de sustentabilidade do Grupo Cataratas, por ano, são milhões de reais injetados na economia regional por meio das compras das empresas locais. “Privilegiamos fornecedores dos municípios do entorno do Parque Nacional do Iguaçu para promover a distribuição de renda local, um dos pilares do turismo sustentável.”

Satisfação do fornecedor – “Temos muito orgulho em sermos uma empresa vizinha do Parque Nacional do Iguaçu e poder expor nossos produtos para o mundo. As camisetas do Onças do Iguaçu são responsáveis; o algodão utilizado na produção é sustentável e possui certificação. Buscamos com isso reduzir também os impactos ambientais da produção do algodão e estimular a economia nas comunidades agrícolas”, comentou Scharlles Ghizoni, diretor da Homem.com.

Crédito fotografias: Leonel Salvador / Cataratas do Iguaçu S.A

Mais informações:

Projeto Onças do Iguaçu
www.facebook.com/oncasdoiguacu/

Sustentabilidade
https://grupocataratas.com/sustentabilidade/

Economia Verde – Cadeia de Valor Grupo Cataratas
https://youtu.be/IzwHna-izh0

(Grupo Cataratas)

Brasil, Cultura, Curitiba, Destaques, Estadual, Geral,

Plá, artista de rua famoso de Curitiba, ganha filme, que estreia no dia 14 de agosto

Por Henrique Romanine, especial para Barulho Curitiba

Curitiba possui muitas figuras icônicas e que já são parte integrante do folclore da cidade. De Paulo Leminski ao Oil Man, o que não falta são personas que ajudaram a construir a história cultural da capital paranaense.

Uma delas é o Plá, disparado o artista de rua mais famoso da nossa região. Nascido em Santa Catarina, mais especificamente em Campo Belo do Sul, Ademir Antunes (o Plá) se mudou para Curitiba em 1976, e começou a fazer o seu caminho por aqui, desde então.

Acima, Plá apresenta A Invasão das Bicicletas, uma das composições mais conhecidas do artista em seu tradicional palco, o calçadão da Rua das Flores

Eleito cidadão honorário de Curitiba no ano passado, Plá agora virou filme. Isso mesmo! ‘Plá Rock o Filme’ estreia na Cinemateca, no dia 14 de agosto. Dirigido por GG Valentino, o documentário pretende mostrar ao público um outro lado do músico, que apenas os mais próximos conhecem.

Plá é conhecido por conta de suas mensagens acerca da liberdade e da vida auto-sustentável. Muitos o consideram um profeta da cidade. E ele, como encara o alcance de suas ideias?

“Acredito que exista uma pequena parte de pessoas dispostas a transcender a sociedade. Através do que faço, procuro passar a ideia de desprendimento, de nos focarmos no momento presente. Existem muitas pessoas dispostas a isso, a essa nova concepção de vida”.

Para ele, o lema do “faça você mesmo”, é o caminho da verdadeira felicidade e sabedoria. “Temos que acreditar em nós mesmos, trazer para o externo o que habita no interno, o que temos de bom, de positivo”.

Conhecida por alguns por ser uma cidade fria, não apenas no sentido da temperatura, Curitiba ganha nova definição através da visão de Plá, que revela o motivo de ter escolhido o local para viver.

“Considero uma cidade muito simpática, sempre gostei daqui. Como eu já compunha, decidi me mudar para cá, com o intuito de me aperfeiçoar profissionalmente”.

E ser homenageado com um filme sobre a sua obra, é um motivo de muito orgulho. para ele. “Fico muito contente, muito feliz mesmo. O mundo precisa de vibração, de novas possibilidades. O filme, para mim, representa isso muito bem”.

Produção do filme
GG Valentino, o responsável por levar a obra de Plá para as telas, revela que o processo de filmagem foi bastante tranquilo.

“Eu já conhecia o Plá de vista, e nos aproximamos para valer em 2018. Percebemos uma energia diferente entre nós e decidimos apresentar isso de alguma forma. Acompanhamos ele por um ano, por vários festivais e apresentações, e tudo fluiu de forma muito legal, sem atropelos”.

Segundo GG, um dos maiores destaques foi conseguir realizar uma obra cinematográfica sem apoio de ninguém. “O dinheiro saiu do meu próprio bolso, não contamos com apoio de ninguém, nem da Fundação Cultural de Curitiba. Queríamos mostrar que é possível fazer cinema com a própria grana”.

E Plá não interferiu na produção, muito pelo contrário. Com entendimento entre ambas as partes, tudo fluiu positivamente.

“Havia o risco de acontecer alguns problemas, devido aos nossos costumes serem diferentes dos costumes dele, mas como nos entendemos desde o começo, foi uma tranquilidade total. Foi uma transformação de ambas as partes. Não cortamos nada, tudo que ele falou, está no filme”.

E, em meio a toda a polêmica envolvendo o cinema nacional, como GG avalia o futuro da produção cinematográfica?

“Essa polêmica da Ancine (Agência Nacional do Cinema) é algo complicado. Precisamos de dinheiro do governo, mas conseguimos mostrar que podemos fazer as coisas do próprio bolso. Acho que a dificuldade que possa vir a partir das próximas políticas, pode ajudar a erguer a produção nacional. Temos que, assim como o Plá mesmo diz, pensar positivamente”, finaliza.

Serviço
Lançamento do filme ‘Plá Rock o Filme’
Quando: 14 de agosto, às 20 horas
Onde: Cinemateca Curitiba – Rua Presidente Carlos Cavalcanti, 1174
Quanto: Gratuito

Brasil, Cultura, Destaques, Educação, Meio Ambiente,

Foz do Iguaçu recebe esta semana o segundo Seminário Internacional de Desenvolvimento Rural Sustentável

A cidade de Foz do Iguaçu vai receber, de 7 a 9 de agosto, a segunda edição do seminário Internacional de Pós-Graduação em Desenvolvimento Rural Sustentável.

O evento, no campus da Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste) de Foz do Iguaçu, tem como tema “Águas, alimentos, saberes, inclusão social e produtiva nos territórios rurais da América Latina”.

O seminário é realizado com a intenção de promover o intercâmbio e disseminação de saberes e conhecimentos entre pesquisadores, professores, estudantes de pós-graduação, lideranças e entidades promotoras do Desenvolvimento Rural Sustentável.

A programação é bastante ampla e inclui a realização de mesas temáticas e apresentações de pesquisas em forma de grupos de trabalho.

A realização é uma iniciativa conjunta do Programa de Pós-graduação Stricto Sensu em Desenvolvimento Rural Sustentável (PPGDRS) da Unioeste, da Embrapa Pantanal, da Universidade Federal da Integração Latino-Americana (UNILA), da Facultad de Ingeniería Agronómica de la Universidad Nacional del Este (FIAUNE), da Universidad Nacional de Misiones e da Universidad Autónoma CHAPINGO.

Os debates buscam uma aproximação e a construção de parcerias entre essas instituições, cujos grupos de pesquisa se dedicam ao tema em questão.

AQUI para ver a programação do evento

Cultura, Destaques, Economia, Turismo,

Churrascaria Rafain completará 30 anos como produto turístico de Foz

A Churrascaria Rafain é muito mais do que um belo restaurante para comer uma boa carne. Em Foz do Iguaçu, o espaço é considerado um produto turístico desde a década de 1990 por conta também de suas conhecidas apresentações musicais.

Perto portanto, como anota o Mercado & Eventos, de completar 30 anos de sucesso, o show especial de uma hora e cinquenta minutos complementa o serviço de rodízio.

Presente nas grandes feiras nacionais e internacionais, a Churrascaria não poderia deixar de investir num estande na Avirrp 2019, a maior feira de turismo do interior de São Paulo.

Quem passa pelo espaço, pode acompanhar um pouco do show de dança conhecido de Foz. Em entrevista ao M&E, o diretor da Churrascaria Rafain, Vilson dos Santos, revelou que o produto acaba sendo um ponto imperdível justamente para quem vem de fora.

“A churrascaria Rafain se tornou um produto turístico. A gente sempre diz que não é preciso comer churrasco para sair feliz no Rafain justamente por conta do nosso show de dança que hora 1h50min. Temos 38 anos de história na Avenida das Cataratas, realmente um produto turístico que nasceu na década de 1990s. O sucesso está justamente pela diversidade, regularidade e qualidade da casa”, destacou Vilson dos Santos.

Cultura, Destaques, Educação, Estadual, Justiça, Política,

Paraná registra aumento de 25% da violência doméstica contra mulher no primeiro semestre

O número de registros de violência doméstica contra ambos os sexos, no Paraná, teve um aumento de 24,6% no primeiro semestre do ano. Ao todo foram registradas 26.228 ocorrências, de janeiro a junho.

Em comparação com os primeiros seis meses do ano passado foram 5,180 ocorrências a mais, anotou o Paraná Portal.

Os registros vão desde agressão verbal até lesão corporal, dentro do ambiente doméstico. Os dados não indicam necessariamente um aumento no número de agressões.

Para o Governo do Estado, as mulheres, que são as maiores vítimas desse tipo de violência, estão mais conscientes dos seus direitos e perdendo o medo de denunciar.

“Devemos olhar sempre de forma positiva esse aumento de denúncias”, afirma a coordenadora das Delegacias da Mulher no Paraná, delegada Márcia Rejane Vieira Marcondes.

“Não podemos afirmar com esses dados que a violência aumentou. O que devemos ver é que estão reduzindo os casos de subnotificação, que são aqueles em que mulheres que passam por várias agressões até que façam uma denúncia”, afirma ela.

A coordenadora diz ainda que o acesso à informação tem papel fundamental na hora de a mulher procurar ajuda.

“Mulher que conhece seus direitos sente-se mais à vontade para procurar a polícia, pois entende que será atendida e orientada da melhor maneira. Por isso a importância de eventos e palestras que desmitifiquem os procedimentos e atendimentos prestados às vítimas”, afirma.

A mudança na rotina de atendimento às mulheres vítimas de violência tem priorizado o acolhimento dessas vítimas.

“Assim que a mulher faz a denúncia fazemos sua oitiva, colhemos todas as provas, como fotos, vídeos, exames, e ouvimos as testemunhas. É explicado sobre as medidas protetivas e, quando há esta necessidade, já é feito o pedido para o juizado. Depois a mulher é encaminhada para fazer exames de corpo de delito e, quando necessário, para outros órgãos da rede de proteção, responsáveis por atendimento psicossocial”, explica a delegada.

Além da violência domestica, existem ainda outras quatro formas de violência: psicológica, sexual, patrimonial e moral. A coordenadora orienta que todas elas devem ser registradas ao menor sinal de agressão.

Denuncie
Atualmente são 20 Delegacias da Mulher, distribuídas por todo estado. É nelas que as vítimas devem buscar ajuda. No caso de cidades aonde não existem delegacias especializadas, quem precisar denunciar deve se dirigir uma delegacia de Polícia Civil da localidade, ou ainda, fazer a denúncia pelos números 181 ou 180.

Em casos de urgência e emergência, ou seja, no exato momento que a agressão esteja acontecendo, a orientação é que quem sofre, ou quem presencie o fato, ligue no 190, da Polícia Militar.

Cultura, Destaques, Meio Ambiente, Política,

Meio Ambiente implantamento licenciamento digital para processos ambientais em Foz do Iguaçu

A Secretaria Municipal de Meio Ambiente (SMMA) está implantando o Sistema de Gestão Ambiental (SGA), uma plataforma que possibilitará a emissão de licenças ambientais de forma digital através do site da prefeitura.

O processo vem sendo estudado desde o ano passado e nesta semana servidores da SMMA participaram de um treinamento para a execução do sistema, desenvolvido pelo Instituto Ambiental do Paraná (IAP). O sistema torna digital todos os processos de licenciamentos ambientais emitidos no município, reduzindo o tempo de espera da tramitação do processo, gastos com impressão e oferecendo maior comodidade ao cidadão.

“A SMMA vem batalhando para receber esse sistema desde o começo de 2018, e felizmente este momento chegou. Estamos seguindo o direcionamento do Prefeito Chico Brasileiro para desburocratizar e dar mais eficiência aos processos, contribuindo com o cidadão e melhorando também o serviço interno da secretaria”, explicou a secretária de meio ambiente Ângela Meira.

De acordo com o secretário de Tecnologia da Informação Evandro Ferreira, a plataforma será disponibilizada dentro do novo site da Prefeitura de Foz do Iguaçu. “Vamos colocar o sistema em funcionamento dentro do site, que deve ser lançado ainda nesse mês de agosto”, adiantou.

Conforme explicou o diretor de Licenças Ambientais e Projetos da SMMA, José Francisco de Faria Filho, hoje os requerimentos são solicitados de forma presencial no Protocolo Geral do Município. “Com o novo sistema, o contribuinte poderá dar entrada no processo sem precisar sem sair de casa ou da empresa. O intuito é facilitar o acesso da população ao serviço e agilizar a análise e emissão dos processos, como já acontecem em outras áreas da prefeitura”, comentou.

Através do SGA, será possível requerer as Licenças Ambientais, anexar documentos e acompanhar a tramitação do processo até a emissão da licença. A expectativa é reduzir o tempo de resposta do órgão para as demandas.