Browsing Category

Economia

Brasil, Destaques, Economia, Internacional, Itaipu,

Ponte da Integração: Obras no Paraguai começam em 20 dias

Equipamentos serão transportados por balsas para evitar interferência no fluxo da Ponte da Amizade. Obra é financiada pela margem brasileira de Itaipu Binacional

Dentro de aproximadamente 20 dias deve começar a movimentação do transporte pesado de equipamentos para a construção da cabeceira no lado paraguaio da Ponte da Integração Brasil-Paraguai, financiada pela margem brasileira da Itaipu Binacional.

O maquinário será transportado em grande parte por balsas, de Foz do Iguaçu (PR) a Presidente Franco (Alto Paraná – Paraguai). Só uma pequena parte do material seguirá pela Ponte Internacional da Amizade, entre Foz do Iguaçu e Ciudad del Este, para interferir o menos possível no fluxo de cargas e no movimento de pedestres e carros.

Na manhã desta sexta-feira (16), representantes da Itaipu, lado brasileiro, da aduana paraguaia e da Receita Federal do Brasil se reuniram para definir a logística do transporte desses equipamentos. A Itaipu, em conjunto com os órgãos e parceiros envolvidos, dará todo o suporte para que os trabalhos sejam feitos na maior normalidade possível.

O trâmite atende uma instrução normativa do governo brasileiro e um acordo com autoridades paraguaias, para garantir uma maior mobilidade alfandegária.

Obras começaram no Brasil

Na região do Porto Meira, onde a Ponte da Integração será erguida no lado brasileiro, o canteiro de obras começou a ser montado no último dia 7 de agosto, ou seja, há nove dias. A intenção é seguir o cronograma à risca, para entregar a obra no prazo previsto em contrato, que é de 36 meses.

Para o dique que será montado no lado paraguaio serão utilizados um trator de esteira, uma motoniveladora, uma escavadeira hidráulica, seis caminhões basculantes, um caminhão-pipa, um rolo compactador e dois compactadores tipo placa vibratória.

Também serão utilizados módulos StrataSlope 40, num total de 1,6 mil peças, e 650 metros cúbicos de brita, entre outros materiais.

Uma nova fronteira

O diretor-geral brasileiro de Itaipu, general Joaquim Silva e Luna, afirmou que a movimentação nos dois lados da fronteira é o primeiro sinal de novos tempos para toda a região. Ele lembrou que, enquanto a ponte já está em obras, a construtora responsável pela construção da Perimetral Leste começou a desenvolver os projetos executivos, para depois efetuar as desapropriações necessárias e começar os trabalhos em campo.

“A Ponte da Integração e a Perimetral Leste estarão concluídas ao mesmo tempo, iniciando uma nova era para o Paraguai e o Brasil, que poderão ampliar seu comércio e, mais do que isso, abrir os mercados de importação e exportação para os demais países da região”, afirmou Silva e Luna. “Sem contar a possibilidade de ligação entre os portos do Atlântico e do Pacífico, uma possibilidade que se abre a partir dessa nova ponte entre o Brasil e o Paraguai”, completou.

O custo

A Ponte da Integração Brasil-Paraguai, entre Foz do Iguaçu e Presidente Franco, a segunda sobre o Rio Paraná, tem investimento previsto de R$ 463 milhões, custeado totalmente pela margem brasileira da Itaipu. Deste valor, R$ 323 milhões serão usados na construção da ponte e R$ 140 milhões nas obras da Perimetral Leste, que ligará a ponte e a BR-277, permitindo que os caminhões procedentes da Argentina e do Paraguai acessem diretamente a rodovia federal brasileira, sem passar pela área urbana de Foz do Iguaçu, o que vale também para o sentido inverso.

A previsão é que, no pico das obras da ponte, sejam contratados cerca de 500 trabalhadores – cem a mais do que o previsto inicialmente. Aproximadamente 12 empresas atuarão de forma indireta na construção.

A Ponte da Integração Brasil- Paraguai começa a ser erguida nas imediações do Marco das Três Fronteiras, um dos atrativos turísticos de Foz. A obra levará riqueza e dará um novo status para a região do bairro Porto Meira, na margem brasileira.

Passo a passo

Depois da ordem de serviço assinada pelo governo do Estado, que vai gerenciar a obra, a construção da segunda ponte sobre o Rio Paraná começou para valer. Na primeira etapa, em execução, está sendo feita a terraplanagem, a construção de cercas e a abertura dos acessos para as estruturas principais.

Uma equipe técnica da Itaipu já está acompanhando o desenvolvimento da obra, o que acontecerá em todas etapas até a conclusão, para que possam ser autorizados os pagamentos ao consórcio responsável.

Com 760 metros de comprimento e vão livre de 470 metros, o maior de uma ponte estaiada no Brasil, a obra terá duas torres de 120m de altura. A pista será simples, com 3,7m de largura, acostamento de 3m e calçada de 1,70m.

Já a Perimetral Leste terá cerca de 15 km de extensão e exigirá a construção de trevos e rotatórias, além de novas aduanas (Brasil-Paraguai e Brasil-Argentina) e prédios para a Receita Federal e Polícia Federal. O custo previsto em contrato inclui as desapropriações.

A construção está a cargo da Construtora JL, de Cascavel, que venceu a licitação aberta pelo Departamento Nacional de Infraestrutura Terrestre (Dnit), que posteriormente passou a responsabilidade de gestão da obra ao Departamento de Estradas de Rodagem do Paraná (DER-PR).

Foto: Sara Cheida

Brasil, Destaques, Economia, Internacional, Itaipu,

Projeto de construção da Ponte da Integração Brasil-Paraguai será apresentado na ACIFI

O início das obras de construção da Ponte da Integração Brasil-Paraguai é o assunto de destaque da reunião de diretoria da ACIFI que será realizada nesta segunda-feira, dia 19. O gerente do Consórcio Construbase–Cidade–Paulitec, Osman Bove, fará apresentação do projeto e do cronograma dos trabalhos.

Também serão definidos no encontro os preparativos para a inauguração da nova sede da entidade e do Centro Integrado de Desenvolvimento Regional. O assunto será mediado pelo presidente da ACIFI, Faisal Mahmoud Ismail, e pelo presidente do Conselho Superior, Walter Venson.

A 15ª reunião ordinária da diretoria da ACIFI será realizada a partir das 18h30, na sede do Sincofoz (Sindicato dos Contadores e Técnicos em Contabilidade de Foz do Iguaçu e Região), localizada na Avenida Brasil, 1.924 – centro.

Brasil, Cultura, Destaques, Economia, Internacional, Turismo,

Marco das 3 Fronteiras chega a 1 milhão de visitantes

O Marco das 3 Fronteiras deve bater a marca de um milhão de visitantes até a próxima terça-feira, 20 de agosto. O monumento histórico, que completou 116 anos em 2019, passou por uma grande revitalização, com investimentos de aproximadamente R$ 30 milhões do Grupo Cataratas.

O atrativo caiu no gosto de turistas e moradores. Desde sua reinauguração, em 20 de dezembro de 2017, brasileiros e povos de mais 153 países passaram a visitar o local turístico. Brasileiros, argentinos, paraguaios, chilenos, peruanos, chineses, colombianos, estadunidenses, franceses e uruguaios lideram o ranking de nacionalidades que mais visitaram a atração turística.

O Marco é um daqueles lugares singulares do mundo. O atrativo está localizado no encontro dos rios Paraná e Iguaçu, este que dá o nome à cidade de Foz. O monumento demarca a fronteira entre Brasil, Argentina e Paraguai, sendo reconhecido como um patrimônio histórico e cultural da região.

Dos visitantes brasileiros, os paranaenses lideram o ranking, seguidos pelos paulistas, fluminenses, catarinenses, gaúchos, mineiros, pernambucanos, cearenses e baianos. A cada ano que passa, o Marco contagia visitantes de cada canto do Brasil, mostrando todo o potencial deste lugar, que representa tão bem toda a história e diversidade de Foz.

A satisfação dos visitantes pode ser vista em cada relato de amor pelo local, como conta Solange Kirtz, após desfrutar todas as emoções que o ambiente proporciona. “Fiquei encantada com a arquitetura, a apresentação cultural dos três países, a organização e a limpeza. Um cenário belíssimo de se ver.”

Potencial para continuar crescendo – Com opções de lazer para toda a família, o Marco é um atrativo imperdível de se visitar em Foz do Iguaçu. Se durante o dia o visitante tem a magia do encontro dos rios e a tranquilidade da natureza, no fim da tarde há o pôr do sol; e à noite, a vivência das atrações culturais, a iluminação e todo o encanto da fronteira.

Reconhecido como uma das melhores opções para moradores e para quem visita a cidade, o Marco tem ainda muita capacidade de crescimento, o que ajudará no desenvolvimento do turismo de Foz do Iguaçu, como destaca Adélio Demeterko, diretor da Cataratas do Iguaçu S.A. “O Marco contribui para a nossa oferta turística com bons serviços, eventos, entretenimento, cultura e lazer, integrando os turistas e moradores de Foz. Estamos trabalhando para ampliar ainda mais esta oferta para os próximos anos.”

Parceria público-privada – O sucesso do Marco das 3 Fronteiras é resultado da concessão da Prefeitura de Foz do Iguaçu ao Grupo Cataratas, empresa fundada na cidade, no ano de 1999, e que desde 2016 é responsável pela revitalização e gestão do atrativo, colaborando para o desenvolvimento do turismo em Foz do Iguaçu.

Com quase quatro anos de concessão, o grupo já realizou cerca de R$ 30 milhões em investimentos, transformando todo o ambiente em uma referência cultural e turística. A parceria, que tem duração inicial de 15 anos, é um exemplo nacional de como o turismo pode ser valorizado, respeitando a natureza e gerando empregos à comunidade local.

Uma história marcante – Um dos principais símbolos da região de Foz do Iguaçu, o obelisco do Marco das 3 Fronteiras foi erguido para celebrar a paz entre os povos. Foi inaugurado em 20 de julho de 1903 – cerca de 11 anos antes da emancipação política da cidade, em 1914, e estabelece a soberania e o limite territorial do Brasil com a Argentina e o Paraguai.

Vale destacar também que Foz do Iguaçu está no centro das 30 reduções jesuíticas identificadas no Cone Sul, sendo sete no Leste do Paraguai e 14 no Norte da Argentina. Os jesuítas e os índios guaranis habitavam esta região, que hoje integra parte do Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai. Neste território, eles construíram um bem-sucedido sistema social que integrou mais de cem mil pessoas.

Essa história está representada na arquitetura do Marco com a Vila Cenográfica, uma homenagem às missões jesuíticas. Logo na entrada do atrativo, o visitante se depara com a fachada da vila. Ao caminhar pelas praças e ambientes do complexo turístico, o público “viaja no tempo” com a ambientação histórica do local em que viviam esses índios e padres nos séculos 16 e 17.

Créditos de fotografias: Kiko Sierich

Serviço:
Marco das 3 Fronteiras
Funcionamento: aberto todos os dias das 14h às 22h
www.marcodastresfronteiras.com.br
contato@marcodastresfronteiras.com.br
Telefone: +55 (45) 3132-4108

Canais nas redes sociais
WhatsApp: +55 (45) 99137-3444
Facebook: @Marco3Fronteiras.Brasil
Instagram: @Marco3Fronteiras
Twitter: @Marco3Fronteira

Imprensa contato
imprensa@marcodastresfronteiras.com.br
contato@marcodastresfronteiras.com.br

Marco das 3 Fronteiras

Cultura, Curitiba, Destaques, Economia, Geral, Justiça,

Assembleia conjunta debate parcerias, gestão e soluções para resíduos sólidos em empreendimentos de gastronomia

Reunião será na segunda-feira (19), a partir das 15h na antiga Mesbla da Boca Maldita de Curitiba

As técnicas de gestão com melhores resultados e soluções para lidar com resíduos sólidos em estabelecimentos estarão em destaque na assembleia mensal da Associação Brasileira de Bares e Casas Noturnas (Abrabar), SindiAbrabar e Federação das Empresas de Hospedagem, Gastronomia, Entretenimento, Lazer e Similares do Paraná (Feturismo).

A reunião conjunta, a partir das 15h da segunda-feira (19), será na sede do Centro Universitário Sociedade Educacional de Santa Catarina, a UniSociesc no Palácio Avenida, na antiga Mesbla da Boca Maldita no centro de Curitiba.

A pauta prevê três apresentações em formato de palestras que irão durar de 10 a 15 minutos. A intenção é repassar aos empreendedores, ações que melhorem o rendimento do estabelecimentos, reforçam Fábio Aguayo (presidente da Abrabar), Gustavo Grassi Severino (vice-presidente SindiAbrabar) e Claudio José Antunes (presidente da Feturismo).

Panorama
A primeira palestra vai tratar da condução do empreendimento tendo como aliado o Software Business ONE de Gestão, Gerência e Compra de Insumos. Serão abordadas também soluções para lidar com os resíduos sólidos, devido às exigências das Prefeituras Municipais, que podem resultar em multas e notificações pelo lixo em excesso e má destinação.

“Vamos também apresentar como andam as negociações salariais com os Sindicatos que representam os nossos trabalhadores”, adiantou Fábio Aguayo. “Para finalizar, o destaque serão as ações contra a Prefeitura sobre a nova cobrança do ISS (Imposto Sobre Serviço de Qualquer Natureza) para eventos em nossos empreendimentos”, completam Gustavo Severino e Claudio Antunes.

SERVIÇO
Reunião conjunta Abrabar, SindiAbrabar e Feturismo
Dia e horário: 19 de agosto de 2019 às 15h
Onde: UniSociesc – Palácio Avenida – Rua Luiz Xavier, 40 – Centro – Curitiba
Mais informações e confirmações de presença no e-mail contato@sindiabrabar.com.br

Foto: Divulgação

Brasil, Destaques, Economia, Internacional, Itaipu,

Itaipu e a vitimização paraguaia

Por Cláudio Sales e Richard Hochstletere

Nos últimos anos, o Paraguai tem obtido reiteradas vantagens do Brasil. Cerca de 10 anos atrás, conseguiu triplicar o valor cobrado pela energia cedida ao Brasil. Também recebeu US$ 400 milhões do Brasil para construir a linha de transmissão de Itaipu a Assunção. Mais recentemente, o Brasil se comprometeu a construir mais duas pontes na fronteira.

O mais novo episódio com nosso vizinho começou no final de julho com o estardalhaço feito por senadores paraguaios sobre uma “ata diplomática” de reunião realizada entre os dois países há alguns meses. Senadores caracterizaram tal ata como “acordo secreto altamente prejudicial” para o Paraguai, o que culminou na demissão de autoridades paraguaias, entre as quais o ministro de Relações Exteriores.

Segundo a imprensa, a ata previa nada mais que a regularização da contratação anual da potência e da energia da usina pelos dois países nos termos do Tratado de Itaipu. Não se trata de novo acordo, mas de um plano para fazer valer alguns dos termos pactuados em 1973 no tratado que não estavam sendo cumpridos.

Há anos o Paraguai burla o Anexo C do Tratado de Itaipu, que prevê que os dois países devem contratar anualmente “frações da potência instalada na central elétrica” (cláusula II.2), sendo que cada parte terá o direito de “utilizar a energia que puder ser produzida pela potência por ela contratada” (cláusula II.4), e o dever de pagar os custos incorridos pela usina “proporcionalmente às potências contratadas” (cláusula IV.2).

As despesas da usina têm sido rateadas entre os dois países em razão de dois fatores: (i) as despesas de exploração, de amortização e de juros sobre a dívida da usina são divididas em função da potência contratada por país; (ii) enquanto as despesas para provimento de royalties e encargos de administração e supervisão são cobrados em função da energia consumida pelos respectivos países.

Como a “energia vinculada à potência contratada” é definida de forma conservadora (para recuperar os custos da usina mesmo em anos de baixa hidrologia), a usina geralmente produz mais que esse montante, resultando em “energia adicional”.

A vantagem paraguaia advém de rateio assimétrico dessas duas formas de energia. Em 2018, o Paraguai contratou apenas 10,6% da potência, mas levou 34,7% da “energia adicional”, arcando com parcela menor dos custos, levando parcela maior da energia mais barata, mas ainda dividindo igualmente as receitas de royalties, remuneração de capital e reembolso de encargos de administração e supervisão.

Os grandes prejudicados dessa assimetria são os consumidores brasileiros, que pagaram USD 37,40/MWh pela mesma energia que os paraguaios levaram por USD 26,26/MWh. Ou seja, paraguaios pagam energia 30% mais barata que os brasileiros.

Como se essa vantagem não bastasse, os paraguaios desfrutam da “remuneração por cessão de energia”, um pagamento adicional pela parcela da potência contratada pelo Brasil advinda das unidades geradoras pertencentes ao Paraguai. O valor pago ao país vizinho, a título de cessão de energia em 2018 , foi de USD 327 milhões. Quando se soma esse pagamento aos USD 37,40/MWh, o valor final pago pelos brasileiros sobe para USD 41,45/MWh.

A ata diplomática não previa o ressarcimento pelos valores pagos a menos pelo Paraguai nos últimos anos, nem previa a implantação imediata dos termos vigentes do tratado: previa apenas a regularização gradual ao longo dos próximos quatro anos.

O tratado de Itaipu é muito benéfico ao Paraguai. Itaipu não apenas fornece mais de 90% da energia consumida pelo nosso vizinho, mas também é importante fonte de receitas para o país. Os valores que o Paraguai recebe de Itaipu (soma de royalties, rendimento do capital, encargos de administração e supervisão, e cessão de energia) superam o valor pago pela energia que o país consome. Em 2018, o Paraguai ganhou 15.043.900 MWh de energia e USD 249 milhões de receita líquida de Itaipu.

Ou seja, o Paraguai não paga nada, recebe energia e ainda ganha dinheiro. Quem de fato arca com todos os custos de Itaipu é o consumidor brasileiro. O Brasil precisa divulgar os números acima para combater o discurso de vitimização que políticos paraguaios têm adotado para alavancar, astutamente, sua posição de negociação. E nossos diplomatas precisam evitar que o consumidor brasileiro pague a conta, mais uma vez, do oportunismo de nossos vizinhos.

Destaques, Economia, Estadual, Itaipu,

Oeste do Paraná terá prioridade nos investimentos da Itaipu, afirma Silva e Luna

Diretor-geral brasileiro participou de encontro com prefeitos na Amop, nesta quarta-feira (14), em Cascavel

A Itaipu Binacional vai investir no Oeste do Paraná a maior parte de seus recursos destinados a convênios e parcerias. O anúncio foi feito pelo diretor-geral brasileiro, general Joaquim Silva e Luna, durante reunião com prefeitos na sede da Associação dos Municípios do Oeste do Paraná (Amop), nesta quarta-feira (14), em Cascavel.

Como exemplo, o diretor citou os investimentos na construção da Ponte da Integração Brasil-Paraguai, já iniciada, a ampliação do Aeroporto Internacional de Foz do Iguaçu e a modernização do Hospital Ministro Costa Cavalcanti (HMCC), entre outros.

AQUI para ver e baixar mais fotos da reunião

“Todas as parceiras estão sendo feitas para promover o desenvolvimento regional do Oeste do Paraná, que contribui significativamente para movimentar toda a riqueza do Brasil”, afirmou o diretor. “Aqui, por exemplo, estão as principais cooperativas brasileiras. Por isso, investir nesta região é ter retorno garantido de que nossos recursos estão sendo bem aplicados”, completou, lembrando que cinco das dez maiores cooperativas do País ficam no Oeste paranaense.

Durante a reunião, o diretor de Coordenação de Itaipu, general Luiz Felipe Carbonell, convidou os prefeitos da Amop a serem parceiros da empresa na execução dos convênios em andamento (alguns acabam sendo cancelados por falta de contrapartida das prefeituras) para que novos compromissos possam ser feitos. “Vamos fazer os ajustes necessários para que essas parceiras continuem e tenham um grande sucesso”, disse o diretor de Coordenação.

Esta foi a primeira visita do diretor-geral brasileiro a Cascavel desde que tomou posse, em 26 de fevereiro. No começo de abril, prefeitos da Amop estiveram no gabinete de Silva e Luna, em Foz do Iguaçu, para estabelecer um primeiro contato com o general. O resultado foi o melhor possível.

De acordo com o diretor-geral, a política de austeridade implantada por ele em consonância às diretrizes do governo federal não afetou os bons projetos. As ações consideradas sem aderência à missão ampliada da usina foram canceladas para que os recursos fossem exatamente utilizados em obras que gerassem legado para a população regional.

“O que fazemos na região não é um favor, mas parceria. Precisamos que seja preservada a qualidade da água de nosso reservatório, para ampliar o tempo de vida da usina, e isso quem faz são os prefeitos. Por isso, todos estes investimentos são uma cooperação entre Itaipu e as prefeituras”, concluiu Silva e Luna.

No encontro, os prefeitos presentearam o diretor-geral de Itaipu com uma placa, simbolizando o início das obras da segunda ponte, que, de acordo o presidente da Amop e prefeito de Jesuítas, Aparecido José Weiller Junior, saiu do papel graças ao comprometimento da Itaipu.

Durante a programação, o diretor Silva e Luna deu uma coletiva de imprensa tratando de vários temas, como a manutenção das parcerias, a atualização tecnológica da Itaipu e a elevada geração de energia da usina hidrelétrica.

Além de Silva e Luna e Carbonell, de outros representantes da Itaipu e do presidente da Amop, participaram do encontro o presidente do Conselho de Desenvolvimento dos Municípios Lindeiros ao Lago de Itaipu e prefeito de Cascavel, Leonardo Paranhos; e demais prefeitos e vice-prefeitos dos 55 municípios que integram a Amop.

Obras estruturantes

A Itaipu Binacional mantém hoje cerca de 180 projetos na área de influência da usina. Juntos, os investimentos passam de R$ 500 milhões – valor equivalente ao total de royalties pagos anualmente pela empresa aos municípios lindeiros.

Essa reestruturação só é possível graças à reorganização dos gastos, que devem estar aderentes à missão da Itaipu.

Silva e Luna e Luiz Felipe Carbonell apresentaram aos prefeitos do Oeste do Estado os principais projetos e parcerias desenvolvidos pela empresa na região. Os convênios com os municípios contemplam áreas como o desenvolvimento social, econômico, turístico, tecnológico e sustentável.

Entre as obras estruturantes, destacam-se a construção da Ponte da Integração, entre Foz do Iguaçu (Brasil) e Presidente Franco (Paraguai), que terá um investimento de R$ 463 milhões da Itaipu. Deste valor, R$ 323 milhões serão usados na construção da ponte e R$ 140 milhões nas obras da Perimetral Leste, entre a ponte e a BR-277. A nova ponte deve estar pronta em três anos e vai contribuir com o desenvolvimento de toda a região.

Outro investimento importante está sendo feito na ampliação e modernização do Hospital Ministro Costa Cavalcanti, o mais importante da região. Somente o hospital vai receber R$ 64,7 milhões de Itaipu.

Fotos: Sara Cheida/Itaipu Binacional

Destaques, Economia, Geral, Turismo,

Parque de Foz do Iguaçu tem 20 novas vagas de emprego

O complexo turístico Dreamland Foz está com 20 novas vagas de emprego. Em expansão, o parque está ampliando o Vale dos Dinossauros, agora com tirolesa e arvorismo.

Também irá inaugurar em dezembro o Harley Motor Show: um museu de motos clássicas da marca Harley Davidson com ambiente tematizado, gastronomia de ponta, e espaço para receber até três eventos simultâneos.

Atualmente, o parque possui cinco atrações. A proposta do Grupo Dreams, multinacional investidora do empreendimento, é ampliar para 10 nos próximos anos. Este crescimento tem como foco aumentar o tempo de permanência do turista na cidade, fomentando a economia local.

As novas vagas já disponíveis para processo seletivo são para os setores de vendas, fotografia e recepção. Candidatos devem entregar currículo impresso em 1 página no complexo Dreamland até dia 31 de agosto.

ALEXANDRE MARTINS
Assessoria de Comunicação
imprensadreamsfoz@gmail.com
+55 45 99992-7794

Destaques, Economia, Estadual, Política,

Coca-Cola abre 199 vagas de trabalho temporário no Paraná. Postos são em 16 cidades que você confere na CabezaNEWS

Oportunidade Boa notícia para quem está procurando emprego no Paraná. A Coca-Cola Brasil abriu 199 vagas para trabalho temporário na empresa, que prevê a contratação para jornadas que irão de agosto a dezembro deste ano. Os postos de trabalho são para 16 cidades: Araucária, Boqueirão, Campo Mourão, Cascavel, Cianorte, Curitiba, Foz do Iguaçu, Francisco Beltrão, Guarapuava, Laranjeiras do Sul, Marechal Cândido Rondon, Maringá, Paranaguá, Paranavaí, Pato Branco e Ponta Grossa.

Oportunidade II No total, são 10 cargos disponíveis, entre eles auxiliar de remessa, auxiliar de distribuição, conferente, ajudante operacional, operador de empilhadeira e motorista de caminhão.

Oportunidade III A empresa oferece o trabalho com carteira assinada, vale-transporte, refeição no local ou vale-refeição. Interessados devem cadastrar currículos no www.contratando.com.br e informar o código 48320, para que seja direcionado para as vagas disponíveis.

Reconhecimento O mestre em acupuntura, Lin Pin Chuan, recebe hoje (15) uma Moção de Aplauso na Câmara de Vereadores de Foz do Iguaçu. O reconhecimento, proposto pela vereadora Inês Weizemann, será entregue às 9h. Além de ensinar técnicas da acupuntura, ele atende gratuitamente nas unidades de Saúde da Vila Yolanda e também no Profilurb.

Remoto O IDESF e Associação Brasileira de Multirrotores (ABM) realizam, até amanhã (16) em Foz do Iguaçu, um curso de pilotagem de drones destinado a integrantes das forças de segurança da tríplice fronteira. O treinamento foca a Legislação, Pilotagem e Manutenção de Aeronaves Remotamente Pilotadas.

Tráfico de drogas O Ministério Público e a PM deflagraram ontem (14) a Operação Óleo, voltada a desarticular associações criminosas vinculadas ao tráfico de drogas e coibir o comércio ilegal de armas de fogo no Norte Pioneiro. Foram cumpridos 15 mandados de prisão preventiva e 18 mandados de busca e apreensão em Cornélio Procópio, Sertaneja e Santa Mariana.

Vestibular 2020 O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Paraná (IFPR) prorrogou até 27 de agosto as inscrições para o Vestibular 2020. Inicialmente, o prazo encerraria ontem. A taxa é de R$ 50 e pode ser paga até o dia 28.

Vestibular II O IFPR vai aplicar as provas dia 20 de outubro, das 14h às 18h. Elas serão formadas por 50 questões objetivas com conteúdos no Ensino Médio e uma redação.

Vestibular III As provas serão aplicadas em Assis Chateaubriand, Barracão, Campo Largo, Capanema, Cascavel, Colombo, Curitiba, Foz do Iguaçu, Irati, Ivaiporã, Jacarezinho, Jaguariaíva, Londrina, Palmas, Pinhais, Paranaguá, Paranavaí, Pitanga, Telêmaco Borba, Umuarama e União da Vitória.

Ronildo Pimentel
Editor

Destaques, Economia, Turismo,

Empresários reforçam papel do turismo no desenvolvimento de Foz do Iguaçu. Veja fotos!

Empreendedores de vários ramos econômicos formularam propostas para o segmento turístico durante pré-conferência

A relevância do turismo para o desenvolvimento de Foz do Iguaçu foi ressaltada em pré-conferência nessa terça-feira, 13, na Fundação Cultural. Com a participação de empresários de vários ramos, foram elaboradas mais de 60 propostas, distribuídas em cinco eixos temáticos.

Preparatório para a 3ª Conferência Municipal de Turismo, o evento foi o segundo de um total de cinco pré-conferências. Além de debates e avaliações, as reuniões ainda elegem delegados com direito a voz e a voto na plenária final, no dia 28 de setembro.

As pré-conferências e a conferência são realizadas pela Prefeitura de Foz, por meio da Secretaria de Turismo, Indústria, Comércio e Projetos Estratégicos, em parceria com o Conselho Municipal de Turismo. Participam da mobilização o Fundo Iguaçu, Visit Iguassu, universidades e outras instituições da Gestão Integrada do Turismo.

Vice-presidente do Comtur, Licério Santos destacou a união entre empresários de diversos segmentos na elaboração de propostas para o desenvolvimento do turismo. No diálogo em torno da conferência, frisou, são estabelecidas metas e objetivos a serem alcançados.

“A cidade entende que todos somos atingidos pelo turismo. Por isso é importante esse momento em que empresários de todos os setores estão trabalhando juntos”, acentuou Licério. “Unidos e com a comunidade, planejamos a gestão e o plano de dez anos para o turismo.”

À plenária da pré-conferência de turismo, o presidente da Associação Comercial e Empresarial de Foz do Iguaçu (ACIFI), Faisal Ismail, disse que o setor é a mola propulsora da economia do município e da geração de empregos. O dirigente também enfatizou a união do setor empresarial.

“A ACIFI se sente no dever de participar desse processo de debate e de elaboração de propostas”, sublinhou. “Foz do Iguaçu merece esse planejamento para os próximos dez anos para ser um dos melhores destinos turísticos do mundo”, refletiu.

Turismo, construção e infraestrutura

Empresário do setor de construção e infraestrutura, Renato Camargo afirmou que o turismo é um setor de grande transversalidade. Ele considerou importante o espaço de debate e planejamento com a participação de empreendedores de diversos ramos.

“Turismo está intimamente ligado às áreas de edificação e infraestrutura. Nosso setor tem muito a contribuir nesse debate”, destacou Camargo, proprietário da Tarobá Construtora e conselheiro do Sinduscon Oeste, entidade que representa a indústria da construção civil na região.

Participação

A diretora-geral do Parque das Aves, Carmel Croukamp, avaliou como importantes os debates entre os diferentes segmentos da comunidade para o fortalecimento do turismo. Ela também citou o processo de cooperação estabelecido pelas instituições durante a pré-conferência.

“As melhores ações, estratégias e marcas para o turismo se fazem a partir do debate envolvendo toda a comunidade e sua rede de representações e instituições”, ressaltou. “Isso nos deixa mais felizes em participar desse processo”, finalizou Carmel.

Escuta ativa

Vice-coordenadora do curso de Turismo da Unioeste/Foz, Silvia Tossi é uma das mediadoras voluntárias das pré-conferências. Para ela, esses encontros são relevantes por promoverem a participação e a interlocução da comunidade com os órgãos responsáveis pelas políticas de turismo.

“As pré-conferências, a conferência e outros espaços de debates são canais de escuta ativa, em que se ouve a comunidade sobre quais são as suas necessidades e soluções”, enfatizou Silvia. “São momentos de colaboração e construção entre todos”, pontuou.

(Grampo Comunicação)

Curitiba, Destaques, Economia, Estadual, Justiça,

Marginais se passam por hóspedes para furtar bolsas, malas e objetos em Curitiba

Bem vestidos e portando bolsas e malas, eles se valem desta condição para fugir levando pertences dos verdadeiros hóspedes

Nos últimos dias, uma quadrilha cujos integrantes se passam por hóspedes para furtar bolsas, malas e objetos, levando insegurança aos de Curitiba. Na manhã desta quarta-feira (14) eles voltaram à agir, denuncia a Federação das Empresas de Hospedagem, Gastronomia, Entretenimento e Similares do Paraná (Feturismo).

Bem vestidos e portando bolsas e malas, eles se valem desta condição para fugir levando pertences dos verdadeiros hóspedes. A forma de agir foi flagrado por circuitos internos dos estabelecimentos. As imagens com boa definição, já estão de posse da Feturismo, que irá encaminhar às autoridades competentes.

“Estaremos solicitando a Delegacia de Furtos e Roubos que investigue a ação dos marginais e se possível recupere os pertences”, adiantou Fabio Aguayo, vice-presidente de Relações Governamentais e Institucionais da Feturismo.

A entidade está alertando aos proprietários e colabores dos principais hotéis de Curitiba. “Principalmente aos restaurantes e bares, para redobrarem a atenção e o esquema de segurança, especialmente o posicionamento das câmeras para identificá-los”, informou.

Insegurança
O alvo da manhã desta quarta, segundo Aguayo, foi um tradicional hotel do Centro de Curitiba. “Conseguimos imagens nítidas e esclarecedoras, agora vamos pedir apoio dos veículos de comunicação para que propaguem as imagens e os rostos dos marginais e assim sejam denunciados no 190 ou 181, nos números da Segurança Pública”.

“Orientamos aos estabelecimentos da categoria e vítimas que façam o Boletim de Ocorrência para que o poder público tenha um mapeamento dos locais das ações e assim desbaratar as ações criminosas”, completou Aguayo.

Foto: Reprodução