Browsing Category

Economia

Brasil, Destaques, Economia, Internacional, Turismo,

Mais de 31,4 mil turistas já visitaram as Cataratas do Iguaçu no ‘feriadão’ de carnaval 2020

O Parque Naciolnal do Iguaçu recebeu 31.434 turistas nos três primeiros dias do feriado prolongado do Carnaval 2020 (de sábado a segunda-feira, 22 a 24 de fevereiro).

A maior movimentação de visitantes na unidade de conservação onde estão as Cataratas do Iguaçu ocorreu no domingo (23), com 14.440 acessos, informa parcial da concessionária do atrativo.

No complexo turístico do Marco das 3 Fronteiras, foram 9.037 ingressos nos três dias do feriado prolongado, que termina nesta terça-feira (25)..

Abaixo os dados parciais da Cataratas SA

FERIADÃO PARQUE
Sábado, 22: 7620
Domingo, 23: 14440
Segunda, 24: 9374
Parcial: 31.434

FERIADÃO MARCO
Sábado, 22: 2.586
Domingo, 23: 4.024
Segunda, 24: 2.427
Parcial: 9.037

Foto: Nilton Rolin

Brasil, Destaques, Economia, Itaipu, Turismo,

Ministro inaugura na sexta, 28, obras no aeroporto de Foz, financiadas em boa parte por Itaipu

O ministro de Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, representantes da Infraero e diretores da Itaipu Binacional participam da solenidade

As obras de modernização e ampliação do Aeroporto Internacional de Foz do Iguaçu, que devem reconfigurar o status do Destino Iguaçu, serão inauguradas nesta sexta-feira, 28. O ministro de Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, participa da solenidade. Ele vai também assinar a ordem de serviços para ampliação da pista de pouso e decolagem, que permitirá que o terminal receba aviões de grande porte, em voos intercontinentais.

A Itaipu Binacional investiu recursos na ampliação do pátio de aeronaves e na duplicação dos 800 metros da pista que liga o aeroporto à BR-469. A obra deverá ser concluída até meados deste ano. Além do alargamento das pistas, serão criadas alças de retornos e acostamentos. Haverá, ainda, uma ciclovia, passarelas de pedestres e abrigos de ônibus.

A Itaipu também já se responsabilizou por 80% do custo de ampliação da pista de pouso e decolagem. O valor do contrato assinado com a construtora, pela Infraero, é de R$ 53,9 milhões, dos quais a Itaipu entrará com R$ 43,1 milhões.

Na solenidade de entrega de obras e assinatura de serviços, além do ministro de Infraestrutura, estarão presentes representantes da Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero) e diretores de Itaipu, inclusive o diretor-geral brasileiro, general Joaquim Silva e Luna, e demais autoridades. A solenidade será às 10h na área de embarque e desembarque do terminal.

Modernização

Fazem parte da inauguração a modernização as obras na área interna do terminal, que estão praticamente concluídas desde dezembro do ano passado. As ações incluíram ampliação das salas de embarque e desembarque, instalação de esteiras de restituição de bagagem na área de desembarque e instalação de quatro novas pontes de embarque. As melhorias resultaram na ampliação do saguão do terminal e nos setores de check-in e inspeção.

De acordo com a Infraero, a capacidade do Aeroporto Internacional de Foz do Iguaçu saltou dos atuais 2,5 milhões para cinco milhões de passageiros ao ano. As salas de embarque, que tinham 900 metros quadrados, passaram para 5,4 mil metros quadrados. O valor inicial do investimento foi R$ 32,650 milhões, em recursos da Infraero e da Itaipu Binacional.

Ampliação da pista

No começo deste mês, o Diário Oficial da União trouxe a publicação do “extrato de contrato” para a elaboração do projeto executivo e das obras e serviços referentes à ampliação da pista de pouso e decolagem do Aeroporto Internacional das Cataratas, em Foz do Iguaçu. O prazo das obras é de 515 dias, um ano e meio, a partir da assinatura da ordem de serviço nesta sexta-feira.

Com a ampliação da pista, o terminal poderá receber aviões de grande porte, que poderão fazer voos diretos, sem escalas, para destinos na Europa e na América do Norte. Com isso, Foz do Iguaçu ficará mais acessível aos turistas dessas regiões, o que deverá contribuir para o incremento do turismo na região de fronteira.

O Aeroporto Internacional de Foz do Iguaçu deverá ser o primeiro sustentável do País e será piloto para outros terminais do Brasil. Para atender a requisitos de sustentabilidade, haverá geração de energia por painéis fotovoltaicos, será feita a gestão de resíduos sólidos e a água da chuva será captada. Entre outras ações, o terminal contará também com um eletroposto.

Prioridades

As obras no aeroporto estão na lista de prioridades da gestão da nova Itaipu, que começou a ser reestruturada desde a posse do general Joaquim Silva e Luna, no dia 26 de fevereiro de 2019. Só na margem brasileira da usina, a reestruturação está garantindo o redirecionamento de R$ 600 milhões para o desenvolvimento regional. Esses recursos foram economizados com o corte de convênios e patrocínios sem aderência à missão da empresa.

Além do aeroporto, as principais obras financiadas por Itaipu são a Ponte da Integração Brasil-Paraguai, entre Foz do Iguaçu e Presidente Franco, inciadas em agosto de 2019 e previstas para conclusão em junho de 2022, juntamente com a Perimetral Leste, que vai desviar o tráfego de caminhões pesados do corredor turístico e do centro da cidade. A perimetral permitirá o tráfego de caminhões entre Brasil, Argentina e Paraguai diretamente da BR-277 às pontes entre os dois países (e vice-versa).

A gestão Silva e Luna também priorizou a modernização do Hospital Ministro Costa Cavalcanti, com a abertura de mais leitos para o SUS, a conclusão do mercado municipal, a remodelagem do turismo interno de Itaipu e a transformação do Gramadão de Itaipu, na Vila A, num parque de lazer.

Também será criado um circuito turístico Itaipu, com saída do futuro mercado, com roteiro que remeta o turista e morador à época da construção e a entrega da ciclovia da Tancredo Neves.

Fotos: Geraldo Bubniak/AEN e Nilton Rolin

Brasil, Destaques, Economia, Estadual, Internacional, Turismo,

Em dois meses, Paraná ganha novas rotas das principais companhias aéreas

Novas rotas para Foz do Iguaçu, conexões com São Paulo e Brasília e mais um destino internacional formam o panorama da aviação civil do Estado neste início de 2020. Em pouco mais de um mês foram anunciadas três novas rotas das empresas Azul e Voepass, e a Latam e a Gol reforçaram operações já existentes.

Além disso, outras medidas administrativas confirmam o avanço do setor no Estado, como a liberação da ordem de serviço das obras da nova pista do Aeroporto Internacional Cataratas e o anúncio de investimento de R$ 1,5 bilhão nos quatro aeroportos paranaenses que serão concedidos para a iniciativa privada neste ano.

Para o governador Carlos Massa Ratinho Junior, as conquistas mostram que os investidores e o governo federal estão animados com a perspectiva econômica e com o desenvolvimento do turismo do Estado. As novas rotas, destacou, conectam ainda mais o Paraná com o País e possibilitam novos negócios. O aumento de voos é uma contrapartida da redução do ICMS do querosene da aviação civil.

AQUI para ler mais na AEN

Economia, Justiça,

Veículo com pneus contrabandeados é apreendido na BR-277. Assista o vídeo da abordagem

Após o acompanhamento tático da Equipe de Busca da Direp Da Alf de Foz do Iguaçu , um veículo de Medianeira foi abordado na BR277, por volta das 7h desta segunda-feira (24), perto de São Miguel do Iguaçu.

AQUI para ver o vídeo

No veículo foram encontrados 20 pneus de origem estrangeira, sem a devida documentação, num valor de aproximadamente R$5 mil reais.

O veículo e os pneus foram encaminhados para a Alfândega de Foz do Iguaçu , onde foi lacrado para posterior autuação .

Brasil, Destaques, Economia, Geral, Itaipu, Turismo,

Infraero anuncia para sexta-feira, 28, a inauguração das obras do aeroporto de Foz do Iguaçu

As obras executadas dobraram a capacidade de passageiros no terminal aeroportuário de Foz do Iguaçu

O Ministério da Infraestrutura e a Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero) programaram para a próxima sexta-feira (28), a inauguração das obras de modernização e ampliação do Terminal de Passageiros do Aeroporto Internacional de Foz do Iguaçu.

A solenidade, na área de embarque e desembarque, está programada para às 10h. Durante o ato será assinada a Ordem de Serviço para ampliação da pista de pouso e decolagem do terminal, informa Ronildo Pimentel no GDia.

As obras na área interna do terminal estão praticamente concluídas desde dezembro do ano passado. As ações incluíram ampliação das salas de embarque e desembarque, instalação de esteiras de restituição de bagagem na área de desembarque e instalação de quatro novas pontes de embarque. As melhorias resultaram na ampliação do saguão do terminal e nos setores de check-in e inspeção.

De acordo com a Infraero, a capacidade do Aeroporto de Foz do Iguaçu saltou dos atuais 2,5 milhões para cinco milhões de passageiros ao ano. As salas de embarque, que tinham 900 metros quadrados, passaram para 5,4 mil metros quadrados. O valor inicial do investimento foi R$ 32,650 milhões, em recursos da Infraero e da Itaipu Binacional.

A reforma e a ampliação do terminal resultou em mais conforto e segurança aos usuários, qualificando os serviços com uma área comercial mais ampla, afirma Enio Eidt, presidente do Fundo Iguaçu. A organização investiu no desenvolvimento do projeto para a execução das obras.

O secretário de Turismo, Indústria, Comércio e Projetos Estratégicos, Gilmar Piolla, lembra que conectividade aérea é o conceito-chave para o desenvolvimento do turismo. A captação de mais voos depende fundamentalmente de um terminal melhor estruturado para atender à demanda crescente, inclusive de rotas internacionais.

Pista maior
Durante a inauguração será assinada a ordem de serviço para ampliação da pista de pouso e decolagem do Aeroporto de Foz do Iguaçu. O prazo para execução das obras é de 515 dias a partir deste ato.

O valor do contrato é de R$ 53,9 milhões, dos quais a Itaipu entrará com 80% dos recursos (R$ 43,1 milhões), conforme o protocolo de intenções assinado entre a binacional e a Infraero. Itaipu também investiu R$ 15,5 milhões na duplicação da ligação entre o aeroporto e a BR-469 e na ampliação do pátio de manobras de aeronaves.

A empresa responsável pela execução das obras é a Dalba Engenharia e Empreendimentos Ltda., de Guarapuava (com unidades também em Francisco Beltrão, Cascavel, Santa Lúcia, Urupema/SC, Inácio Martins e Ciudad del Este – Paraguai).

Com a modernização, Foz do Iguaçu passará a receber aeronaves de grande porte. Essa é considerada a obra mais importante para transformar o local num hub, nos moldes de outros destinos turísticos bastante disputados, como Miami, nos Estados Unidos, e países da Europa.

Brasil, Destaques, Economia, Internacional, Justiça,

Acordo entre Brasil e Paraguai regulamenta trabalho em área de fronteira

O Projeto de Decreto Legislativo (PDL) 765/19 aprova os termos de acordo firmado em 2017 entre o Brasil e o Paraguai sobre a integração de fronteiras.

O texto assinado em Brasília fornece base jurídica para que cidadãos de ambos países trabalhem e tenham acesso à saúde e à educação na área de fronteira do país vizinho. As informações são da Agência Câmara.

O acordo permite a cidadãos da região fronteiriça o direito de solicitar às autoridades competentes do país vizinho a expedição da Carteira de Trânsito Vicinal Fronteiriço – documento que assegura os seguintes direitos nas localidades fronteiriças:

– exercício de trabalho, ofício ou profissão com iguais regras trabalhistas e previdenciárias;
– acesso ao ensino público em condições de gratuidade e reciprocidade;
– atendimento médico nos serviços públicos de saúde em condições de gratuidade e reciprocidade;
– acesso ao regime de comércio fronteiriço de mercadorias ou produtos de subsistência; e
– quaisquer outros direitos que as Partes acordem conceder.

A expedição da carteira depende da apresentação do passaporte ou outro documento de identidade válido; de comprovante de domicílio na localidade fronteiriça; de certidão negativa de antecedentes (judiciais, penais, policiais); de duas fotografias tamanho 3 x 4; e de comprovante de pagamento das taxas correspondentes.

Os termos do acordo foram enviados ao Congresso Nacional pela Representação Brasileira no Parlamento do Mercosul por meio da mensagem 497/18.

Tramitação
O texto será analisado pelas comissões de Relações Exteriores e de Defesa Nacional; e de Constituição e Justiça e de Cidadania, antes de ir a voto no Plenário da Câmara dos Deputados. Os acordos internacionais assinados pelo governo brasileiro só passam a valer depois de serem ratificados pela Câmara e pelo Senado.

Brasil, Economia, Justiça,

Contrabandistas mudam rotas para desviar da fiscalização no Oeste do Paraná

Receita Federal já detectou as novas rotas e segue apreendendo

Na quinta-feira, 20/02, por volta das 14h, numa operação conjunta da Receita Federal e do BpFron, foram apreendidos cerca de 120 celulares, num valor estimado em R$ 80 mil. A apreensão aconteceu na PR495, próximo a Santa Helena-PR.

Os celulares estavam dentro de bolsas nos bancos do carro e no bagageiro. Segundo o condutor, a mercadoria seria entregue em Toledo, de onde seguiriam para outras cidades através do comércio eletrônico.

Segundo o condutor do carro apreendido com os celulares, esta nova rota do contrabando, beirando o lago de Itaipu, vem sendo usada pelos contrabandistas para desviar da BR277, devido ao aumento das apreensões de celulares em fundos falsos realizados pela Receita Federal e demais forças de segurança.

O veículo e as mercadorias foram encaminhados para a Alfandega de Receita Federal em Foz do Iguaçu e o motorista foi liberado depois da autuação.

A Receita Federal disponibiliza um telefone de contato para denúncias, de forma anônima, por meio do número (45) 9 9152-2036.

Essa iniciativa está inserida no âmbito do Programa de Proteção Integrada de Fronteiras (PPIF), instituído pelo Decreto nº 8.903/2016, tem como diretrizes a atuação integrada e coordenada dos órgãos de segurança e de fiscalizações atuantes nas fronteiras, e como foco, o fortalecimento da prevenção, do controle, da fiscalização e da repressão aos delitos transfronteiriços, como contrabando, descaminho, tráfico de drogas, armas e medicamentos, entre outros.

Brasil, Curitiba, Destaques, Economia, Turismo,

Bares e restaurantes de Curitiba se rendem ao Carnaval

Estabelecimentos querem garantir a alegria da multidão que irá invadir a capital no feriado, diz Fábio Aguayo

Os bares e restaurantes de Curitiba literalmente se “jogaram” na folia neste ano e querem fazer do Carnaval 2020 o melhor da história da capital. De acordo com a Associação Brasileira de Bares e Casas Noturnas (Abrabar), a ideia do setor é ocupar o espaço que um dia foi dos clubes sociais, que tradicionalmente realizavam bailes para sócios e público externo.

Hoje, no entanto, são poucos os clubes que mantém essa tradição. “O que estamos sentindo é que o comportamento do empresário mudou porque ele sentiu que a cidade tem ficado cheia nesses dias, com pessoas que não querem um agito como o de Salvador, São Paulo e principalmente Rio de Janeiro”, disse o presidente Fábio Aguayo, em entrevista ao Bem Paraná.

“Como tem uma multidão para ser alegre, os bares são uma boa pedida e aí ficou esse nicho aberto. Os clubes (sociais) estão em baixa e os bares perceberam isso”, complementa. Como exemplo disso, Aguayo cita o Taco El Pancho, localizado no bairro Batel, e o Taj Bar, estabelecimentos tradicionais de Curitiba e que neste ano resolveram investir em eventos de pré-Carnaval e durante o próprio Carnaval.

Esse ano, de acordo com ele, está bem diferenciada a movimentação para o Carnaval. “Dos últimos cinco anos para cá, principalmente de 2017 para cá, o Carnaval de Curitiba cresceu e nossa categoria está investindo, estimulando para pegar esse público. Quem investe nisso sabe que vai ter retorno”, afirma.

Boa expectativa

Na avaliação do presidente da Abrabar, o ano de 2020 será um dos melhores para a folia em Curitiba. “Se não é o melhor dessa década, é pelo menos para abrir a nova década com uma nova esperança de melhoria no nosso setor. Estão investindo porque querem ter essa euforia para ver se os negócios desenvolvem”.

Ao Bem Paraná, Aguayo disse que o público que participará dos eventos é uma mescla de curitibanos e pessoas que viajam para a cidade em busca de uma folia mais tranquila do que nos grandes centros carnavalescos.

“Pega muito curitibanos, pessoas que evitam transtorno de estrada e preferem ficar na cidade ou deixam para viajar antes ou depois do Carnaval”, afirma Aguayo. Que completa: “Também devemos receber mais de 150 mil pessoas de vários estados e até de fora do país”.

Foto: Arquivo/Google

Curitiba, Economia, Estadual, Política,

Serviços de open bar e open food sem enganação é direito do consumidor

Chegar em um bar ou restaurante que oferece sistema open bar ou open food nem sempre pode ser o que o cliente espera. Muitas vezes, ao escolher um produto no cardápio, é informado de que aquele, geralmente de maior valor, não está no pacote promocional anunciado. A situação gera descontentamento e mesmo com as reclamações, a armadilha segue sendo aplicada a toda a clientela.

Entretanto, o deputado estadual Requião Filho (MDB) lembra que este é um direito do consumidor, de ser avisado com antecedência à entrada do estabelecimento, em anúncio claro e destacado, sobre todos os produtos que compõem o sistema open oferecido pela casa.

“É uma prática comum e quando o cliente escolhe algo fora do valor promocional, gera uma sensação de trapaça, de enganação. Ficam à mercê da sorte! Por isso é preciso criar regras claras e cobrar para que os estabelecimentos divulguem antecipadamente todas as marcas de bebidas e tipos de comidas que serão oferecidos no pacote”, explicou.

Diante deste incômodo relatado por diversos consumidores, o parlamentar protocolou esta semana o projeto de lei 54/2020 na Assembleia Legislativa do Paraná que exige de bares e restaurantes provedores de ofertas neste sistema open bar ou open food, que especifiquem antecipadamente todas as condições e qual o cardápio que será disponibilizado ao cliente.

“Queremos ampliar a proteção aos consumidores que, por vezes, compram ingressos para referidos eventos e acabam se sentindo enganados”, justificou no projeto.

Foto: Orlando Kissner/Assembleia

Brasil, Destaques, Economia, Estadual, Justiça,

Contrabando e descaminho geram um rombo de R$ 20 bi por ano ao Paraná

Secretário estadual da Fazenda, Renê Garcia, quer ação conjunta e convoca sociedade para audiência pública na Assembleia Legislativa

Os prejuízos à economia do Paraná relacionados a falsificação e ao contrabando e descaminho ultrapassam os R$ 20 bilhões ao ano. O alerta é do secretário estadual da Fazenda, Renê Garcia Junior, ao defender uma atuação conjunta das forças de segurança e fiscalização que atuam no Estado. Entidades ligadas ao turismo farão audiência pública ampla para discutir a questão.

De acordo com relatório divulgado ano passado pelo Instituto de Desenvolvimento Econômico e Social de Fronteiras (IDESF) e pela Associação Brasileira de Combate à Sonegação (ABCF), este tipo de crime provocou um rombo de R$ 410 bilhões à economia do país, no período de 2016 a 2018. As falsificações, contrabando e descaminho atingem em cheio o comércio legal.

De acordo com Renê Garcia, estes tipos de crimes vem numa crescente desde 2010, quanto foi implantada a simplificação tributária proveniente do Simples Nacional. “Uma série de empresas foram criadas no Brasil com este regime, e no Paraná, não foi diferente”, disse.

Incentivo ao descaminho
Na avaliação do secretário, existe um incentivo muito grande para mercadorias, cuja origem não estão bem claras, sejam comercializadas livremente em sites de venda direta ao mercado. “Primeiro vem o contrabando e o descaminho, que é a porta aberta para bebidas, cigarros, vestuário e armas e munição”, disse.

Só que, a medida que isto vai crescendo, vai tendo impacto sobre a economia real. “Isto por que acaba tendo concorrência desleal com as mercadorias licitas, afentando a lucratividade das empresas. O impacto é profundo, algo em torno de R$ 20 bilhões devam entrar pelas fronteiras ilegalmente”, acredita.

Para se ter uma ideia, afirma o secretário, só com cigarro e bebidas a perda ao Paraná é de R$ 3 bilhões ao ano. Outro impacto ao comércio legal é o crime organizado atuando no roubo de cargas. “Aí você tem toda a destruição de um comércio formal, principlamente o varejista”, disse.

Evasão de divisas
A ação dos marginais cria um ambiente de insegurança e os atacadistas não formam seus estoques no Estado. “Começam a usar de outras regiões, fortalecendo apenas estas regiões, principalmente do comércio eletrônico. Hoje o crime organizado atua em várias frentes na venda de produtos de forma muito agressiva”.

Com este cenário avança a questão do descaminho, contrabando, mercado ilegal com empresas especializadas na emissão de nota fiscal, sem o lastro de origem dos produtos. “Ocorre a venda de ICMS para compensação entre os estados, ou seja, o crime organizado tomou uma vertente muito mais sofisticadas”, disse o secretário.

A fiscalização hoje, na avaliação de Renê Garcia, tem que ser em conjnunto com segurança, Receita e Ministério Público. “Tem que identificar a geografia do crime. Precisa de fiscalização conjunta com estados, PF e PRF e MP presente em todo processo. O comércio podre expulsa o comércio bom”, completou.

Debate
O secretário Renê Garcia covida todos os setores da sociedade para uma audiência pública da Comissão de Indústria, Comércio, Emprego e Renda da Assembleia Legislativa. O evento, previsto na seguna quinzena de março, foi solicitado por Fábio Aguayo representantes das entidades de turismo ligadas à Confederação Nacional de Turismo (CNTur).

Foto: Geraldo Bubniak/ANPr