Browsing Category

Economia

Destaques, Economia, Internacional, Política,

Manifestantes ‘interditam’ centro comercial de Ciudad del Este. Veja fotos!

Manifestantes ‘interditam’ na manhã desta quarta-feira (14) o centro comercial de Ciudad del Este, na fronteira do Paraguai com o Brasil, em Foz do Iguaçu.

A mobilização integra os protestos da greve geral contra o presidente Mario Abdo Benitez, após a polêmica iniciada com a assinatura de um acordo bilateral com o governo brasileiro, sobre o setor energético.

Negociação com Paraguai sobre Itaipu não foi secreta
Técnicos da Ande e representantes da Itaipu se reúnem em prol de um novo acordo para contratação de energia elétrica

Com os atos, os manifestantes buscam pressionar os congressistas para abrirem um processo de impeachment contra Marito e seu vice, Hugo Velázques.

Parte das lojas estão com as lojas fechadas. As fotos foram enviadas por WhatsApp.

Com as lojas fechadas e o anúncio antecipado da paralisação, o trânsito na Ponte Internacional da Amizade foi tranquilo nesta manhã, destacou a Rádio Cultura.

A manifestação, que começou pacífica, teve momentos de confronto entre manifestantes e policiais, como mostra o vídeo enviado pelo WhatsApp

Economia, Geral,

OPORTUNIDADE: Vagas disponíveis na Agência do Trabalhador de Foz do Iguaçu

A Agência do Trabalhador divulgou agora pouco as vagas disponíveis em Foz do Iguaçu nesta quarta-feira (8).

Os postos de trabalhos estão abertos em várias categorias. Veja abaixo quais exigem experiência e os requisitos necessários;

✔As vagas sofrem alterações constantemente;
✔Nosso serviço é gratuito;
✔As vagas que possuem um asterisco (*) não necessitam experiência;
✔Mais informações podem ser obtidas pessoalmente na agência ou pelo telefone (45) 3545-5450;
✔Traga a sua Carteira de Trabalho;
✔PCD – Pessoa Com Deficiência.

Apontador de obras
Assistente administrativo – hotel
*Auxiliar de cozinha – feminino, morar na região da Vila Iolanda
Auxiliar de lavanderia – hotel
*Auxiliar de limpeza – feminino, morar na região da Vila Iolanda
Auxiliar de limpeza – feminino, meio período (manhã).
Auxiliar em saúde bucal – ajudante de dentista
Camareira de hotel
*Churrasqueiro – masculino, morar na região da Vila Iolanda
Contador – com experiência
Cozinheiro geral – hotel
Estoquista – PCD – organização de provador
Mecânico de automóvel
Pizzaiolo – com experiência, noturno
Salgadeiro – pizzaria
Zeladora – PCD

Destaques, Economia, Estadual, Política,

Paraná terá novos pedágios em mais seis rodovias. Veja quais são

O governador Ratinho Junior (PSD) e o ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, assinaram nesta terça-feira (13) um memorando de entendimento para o início de um trabalho conjunto de modelagem do novo programa de concessões de rodovias que cortam o Paraná. Segundo o governo, ao todo, serão licitados pela União 4,1 mil quilômetros de estradas estaduais e federais até 2021, anotou Celso Nascimento, no Contraponto.

Pelo acordo, o Paraná terá mais seis rodovias com cobrança de pedágio, além das que já existem nos 2,5 mil quilômetros do atual Anel de Integração. O documento, assinado na Bolsa de Valores de São Paulo, incorpora às rodovias pedagiadas três estradas estaduais: PR-092 (Norte Pioneiro), PR-323 (Noroeste) e PR-280 (Sudoeste). Segundo o governo, o futuro leilão também deve abranger os trechos paranaenses das BRs 163, 153 e 476.

“Possivelmente será o maior lote de concessões do Brasil”, afirma Ratinho Junior. “Vamos criar uma modelagem que atenda o desenvolvimento do Paraná, atenda a população com tarifas justas e obras e, acima de tudo, com muita transparência”, diz o governador.

Ratinho Jr lembra que desde o início do ano o governo estadual trabalha para resolver a questão das futuras concessões rodoviárias do Paraná e elogiou a disposição do Ministério da Infraestrutura de trabalhar em parceria. O governador reforça que o desejo do Estado é uma “forte” redução no valor das tarifas e a execução de obras de duplicação e implantação de contornos nas principais cidades paranaenses.

O ministro Tarcísio de Freitas lembrou que os atuais contratos de concessão de rodovias no Paraná são da década de 1990 e trazem grandes transtornos ao desenvolvimento do Estado . “Hoje, o usuário paga uma tarifa muito alta e não percebe porque está pagando aquele valor”, analisou. “Este acordo tem por objetivo conjugar esforços para resolver os problemas das concessões no Paraná”.

Freitas afirmou ainda que o Brasil evoluiu muito no processo de concessões e destacou a importância do trabalho conjunto entre o Estado e o governo federal. “Vamos iniciar uma nova era, que vai contemplar os principais eixos rodoviários do Paraná”, afirmou o ministro. “Os brasileiros e paranaenses podem esperar melhores contratos, mais investimentos e tarifas mais baixas”.

Brasil, Destaques, Economia, Internacional, Itaipu,

Itaipu atingiu em julho maior produtividade da história em um mês

Nunca a água foi tão bem aproveitada para a geração de energia na usina binacional como no último mês

Itaipu, além de ser a usina que mais gera energia no mundo, acaba de registrar também a sua mais alta taxa de produtividade – a relação direta entre a produção de energia e a água que passa pelas turbinas.

Nunca a hidrelétrica aproveitou tão bem a água disponível em seu reservatório como em julho de 2019, quando atingiu a melhor produtividade em toda a sua história, num só mês, com 1,100 megawatts médios por metro cúbico de água por segundo (MWmed/m³/s). O recorde anterior, de 1,098 MWmed/m³/s, era de julho de 2018.

Praticamente não houve desperdício de água. Dois fatores foram preponderantes nesse resultado. A elevação da queda bruta de água, causada pela diminuição do nível do canal de fuga, em função da menor afluência (menos água chegando ao reservatório), favorece o aproveitamento de cada metro cúbico de matéria-prima em megawatt. Em outras palavras, a elevação da queda d´água também favorece o rendimento.

Este fator isolado, no entanto, não teria grande impacto não fosse a capacidade de trabalho integrado de todas as superintendências da Diretoria Técnica da Itaipu – Engenharia, Obras, Operação e Manutenção – aliada à relação sempre próxima com o Operador Nacional do Sistema (ONS), Ande e Eletrobras no gerenciamento adequado de todas as diversas variáveis envolvidas no processo de geração de energia. Entre elas, demanda, estoque de água e disponibilidade das máquinas e da transmissão, por exemplo.

Nos últimos anos a Itaipu vem melhorando também a sua faixa de operação, com perdas quase zero em relação ao máximo possível, ajustando inclusive as oportunidades de produção entre os setores de 50Hz e 60Hz, adequando a quantidade de unidades geradoras ao nível de produção.

Segundo o diretor-geral brasileiro, general Joaquim Silva e Luna, o novo recorde demonstra que Itaipu está trabalhando incessantemente para melhorar todos os seus índices, graças aos esforços de uma equipe comprometida, formada por brasileiros e paraguaios. “Nenhuma empresa se estabelece na liderança achando que não precisa evoluir mais, sem buscar melhorias contínuas”, afirma. “A quebra do próprio recorde de produtividade mostra que a Itaipu, mesmo na condição de maior geradora de energia de planeta, faz jus à condição de líder mundial.”

Para o diretor técnico executivo, Celso Torino, o resultado reflete a maturidade e qualidade do corpo técnico da usina. “É um trabalho contínuo, binacional e de parceria em prol da segurança da usina e da otimização de sua produção”.

Produtividade crescente

O recorde anterior, de julho do ano passado, foi obtido 28 anos depois da melhor marca até então, registrada em setembro de 1991, com 1,087 MWmed/m³/s – superada sucessivamente em maio, junho e julho do ano passado.

No acumulado parcial, 2019 também está sendo o melhor ano do histórico. Até julho, a produtividade acumulada era de 1,072 MWmed/m³/s. A melhor marca anual registrada ocorreu em 1986, com 1,060 MWmed/m³/s, seguida de 2004, com 1,052 MWmed/m³/s. Em 2018, a produtividade foi de 1,036 MWmed/m³/s.

Fotos: Caio Coronel e Rubens Fraulini

Brasil, Destaques, Economia, Política,

Reforma tributária pode tirar R$ 160 milhões por ano de Foz do Iguaçu

Prefeitos de todo Brasil preocupados com mudanças, preparam Marcha à Brasília

O projeto de reforma tributária do presidente Jair Bolsonaro, que deve chegar em outubro no Plenário da Câmara dos Deputados, tira de Foz do Iguaçu aproximadamente R$ 160 milhões por ano.

Isso vai acontecer com o fim do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) e o Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISS), afirmou o prefeito Chico Brasileiro. As informações são de Ronildo Pimentel, na Gazeta Diário.

As mudanças no sistema de distribuição de tributos tem preocupado prefeitos de todo Brasil, que estão organizando mobilização em Brasília durante esta semana. A plenária será para discutir o projeto de reforma. De acordo com o texto, além do ICMS e ISS (que são tributos estaduais e municipais), outros três serão unificados em um só – IPI, PIS e Cofins, que são federais.

A arrecadação neste caso, como estima a proposta, será centralizada em Brasília e redistribuída per capita, ou seja, por habitantes de cada município. “Dinheiro que sai do município e vai pra capital, nunca volta como deve voltar” advertiu o prefeito Chico Brasileiro, em entrevista à Rádio Cultura.

Nas contas do prefeito, com a unificação dos impostos, Foz do Iguaçu perderia do seu orçamento aproximadamente R$ 40 milhões por ano só de ICMS e R$ 120 milhões anuais de ISS. O texto da reforma tributária já foi aprovado na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ).

Consumo
Todos os impostos incidem sobre o consumo. No lugar, será criado o IBS (Imposto sobre Operações com Bens e Serviços), de competência de municípios, estados e União, além de outro imposto, sobre bens e serviços específicos, esse de competência apenas federal. O tempo de transição previsto é de dez anos.

A previsão é de que o texto seja encaminhado em outubro para a aprovação em plenário. “Este projeto de reforma tributária pode quebrar o município, é extremamente danoso para municípios do porte de Foz do Iguaçu” alertou Chico Brasileiro. O ISS, reforçou o prefeito, “é a segunda maior fonte e receita do município (R$ 120 milhões ao ano)”.

Poucas indústrias
Chico Brasileiro também chama a atenção para o fato de que o município pode ser ainda mais prejudicado por não ter sua economia baseada em indústria, mas sim em serviços, no caso o turismo. “Foz do Iguaçu, mesmo que avancemos em indústria, jamais será uma cidade industrial, e tirar o ISS que é essencialmente de serviço, pode comprometer nosso futuro”, ressalta.

O projeto tramita à revelia do governo federal. Para tentar barrar a reforma com os termos que estão sendo propostos, prefeitos de todo o Brasil irão se reunir em Brasília nesta semana para discutir com a Comissão especial que foi criada pela Câmara. “Nós vamos lutar com todas as forças para que isso seja aprovado da forma que está, um dos maiores prejudicados é Foz do Iguaçu”, conclui o prefeito.

Mobilização
De acordo com Brasileiro, a ideia é ir até Brasília, reunir grupos de prefeitos e pressionar. “Fazer o que for possível, por que não dá para aceitar (do jeito que está)”, disse. Pela proposta, o ICMS será transformado. O imposto hoje, tem o valor adicionado.

“Ou seja, nós temos uma usina que produz e vende sua energia e adiciona o valor para que uma parte do imposto possa ficar no município, 25% retorna ao município”, exemplificou o prefeito. Que completou: “Eles querem levar tudo para o bolo e distribuir per capta para a população, ou seja, por habitante”.

Brasil, Destaques, Economia, Política, Turismo,

Potencialização do turismo é tema de reunião entre prefeitos de Foz do Iguaçu e Ciudad del Este

A fim de potencializar o turismo na região da tríplice fronteira, os prefeitos de Foz do Iguaçu Chico Brasileiro e de Ciudad Del Este Miguel Prieto participaram ontem (12) de uma reunião na Prefeitura de Foz. O encontro também contou com a presença de secretários, autoridades do Paraguai e representantes de universidades.

Além de ampliar as relações institucionais entre as duas cidades, os gestores buscam adotar políticas semelhantes no que diz respeito a divulgação dos destinos turísticos da região.

“Por estarmos em uma região de fronteira conhecida em todo o mundo, devemos adotar políticas semelhantes na promoção turística das nossas cidades. Através destes encontros e intercâmbios queremos fomentar cada vez mais o turismo e unir forças para criar novos pontos turístico, algo que impactará de forma significativa na economia de toda a fronteira”, comentou o prefeito Chico Brasileiro.

Miguel Prieto, que esteve pela segunda vez com o prefeito Chico Brasileiro, agradeceu a disposição do município em compartilhar experiências. “Foz do Iguaçu é uma grande referência e exemplo para nós. Muitas coisas que acontecem aqui que queremos implantar em Ciudad Del Este também”, disse.

Para contribuir neste processo, estudantes dos cursos de Turismo da Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste) e de Relações Internacionais, da Universidade Federal da Integração Latino-Americana (UNILA) foram convidados a participar dos estudos.

Presenças
Participaram da reunião os secretários de Governo, Ten-Cel Marcos Antônio Janke; de Segurança Pública Reginaldo da Silva; o Diretor-Superintendente Foztrans Fernando Maraninchi; o vereador de Ciudad Del Este Hugo Benitez; comandante do pelotão de turismo da Polícia Militar, Capitão André Ribas; Guardas Municipais; representantes da Unila e Unioeste entre outros.

AQUI para ver mais fotos da reunião

Economia, Estadual, Política,

Governo do Paraná contra a pesquisa. Leia artigo do deputado Requião Filho

A novidade do Governo do Paraná, Estado com forte vocação à agricultura e à agropecuária, é a de unificar seus órgãos de pesquisas estaduais.

O novo projeto do Governo, que chegou a Assembleia Legislativa esta semana, quer unificar o Instituto Agronômico do Paraná – Iapar, a Companhia de Desenvolvimento Agropecuário do Paraná – Codapar, o Centro Paranaense de Referência em Agroecologia – CPRA, o Instituto Paranaense de Assistência Técnica e Extensão Rural –Emater e a SEAB, órgãos que levam gratuitamente conhecimento para as famílias do campo.

São estes os responsáveis por cuidar dos produtores rurais e ajudam, por consequência, a aumentar a nossa produção de leite, a melhorar a produtividade rural e a ensinar novos ofícios para contribuir com a qualidade de vida nas propriedades rurais espalhadas por todo o território paranaense.

A justificativa, como sempre, é uma suposta “economia”. Esta, sem dúvida é necessária, mas ao meu ver nunca ao custo do conhecimento. Infelizmente, tem sido este o mote do Paraná!

Nos últimos tempos, temos visto a clara intenção de se acabar com o ensino público e o acesso ao conhecimento. Primeiro colocando em risco as universidades estaduais, alegando tão somente economia financeira, e agora enxugando a pesquisa e a tecnologia, tudo o que temos de grande valor para agregar ao desenvolvimento da agricultura paranaense.

Não há crescimento econômico sem conhecimento. Tantos projetos para uma reforma que já demonstrou ser ineficiente, desanima nossas boas perspectivas de futuro. Afinal, como podemos confiar em um governo que ridiculariza nossa economia, com projetos que, de fato, nunca economizam nada? Falta postura, falta engajamento de verdade, falta demonstrar na prática ações mais coerentes e eficientes, que comprovem o tão perseguido compliance, a tão sonhada transparência no poder público. É preciso mais! A gente espera e quer muito mais!

Requião Filho é deputado estadual pelo MDB.

Cultura, Economia, Educação, Geral,

Educação financeira será tema de oficina promovida pela Unila na Livraria Kunda em Foz do Iguaçu

A educação financeira estará em destaque no curso que o professor Wolney de Carvalho e estudantes da Universidade Federal da Integração Latino-Americana (Unila) irão ministrar no sábado (17), na Livraria Kunda de Foz do Iguaçu.

A oficina, com o tema “Você sabe para onde vai seu Dinheiro?” terá início às 10h30, na Rua Almirante Barroso, 1473. A participação, que é gratuita, precisa ser confirmada pelo telefone (45) 98404-1473.

A equipe que vai ministrar o curso é formada ainda por Diego Villalba e Eduarda Weber. Abaixo um apanhado sobre o tema e como surgiu a ideia do curso dentro da Unila:

“No Brasil, e no mundo inteiro se está vivendo uma crise econômica que afeta as familias, especialmente as de recursos mais escassos.

Desse modo, a Universidade Federal da Integração Latino-americana (UNILA) abriu um espaço para o projeto de extensão, “DESMISTIFICANDO A ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA PESSOAL: uma assessoria econômico-financeira à comunidade de Foz do Iguaçu (PR)”, que busca auxiliar a comunidade de Foz.

Essa educação financeira, exposta por o professor-coordenador Wolney Carvalho e outros alunos, permite aos trabalhadores administrar melhor a contratação de novas dívidas, efetuando-as de forma mais racional.

Portanto, esse projeto de extensão tem como finalidade a busca de soluções através de assessorias de finanças pessoais/familiares e de palestras junto às escolas, bem como por meio da distribuição de cartilhas sobre o tema, focando-se nas classes C, D e E da cidade de Foz do Iguaçu (PR).”

Destaques, Economia, Estadual, Justiça, Política,

Pedágio na BR-277 pode baixar 30% após acordo com a força-tarefa da Lava Jato

O valor do pedágio em dois trechos da BR-277 pode baixar 30%. É o que prevê um acordo de leniência firmado pela pela força-tarefa da operação Lava Jato do Ministério Público Federal no Paraná com a Ecorodovias, controladora da Ecovia e Ecocataratas.

As concessionárias, destaca o Bem Paraná, operam o pedágio em dois trechos da rodovia no Paraná: Curitiba-Paranaguá e Guarapuava-Foz do Iguaçu.

Pelo acordo – que ainda deve ser homologado pela Justiça – as empresas concordam em pagar R$ 400 milhões, além de reduzir em 30% as tarifas do pedágio em seis praças de cobrança no Estado.

Caso o acordo seja homologado judicialmente, a tarifa do pedágio entre Curitiba e o Litoral para automóveis de passeio, por exemplo, pode cair dos atuais R$ 20,90 para R$ 14,63.

Além da praça de cobrança em São José dos Pinhais, a medida atingiria ainda outras cinco praças operadas pelas concessionárias, em Candói (região Central), Laranjeiras do Sul (Sudoeste), Cascavel, Céu Azul e São Miguel do Iguaçu (Oeste).

Segundo o MPF, a empresa reconheceu que desde 2000 pagou propina a políticos e agentes públicos em troca de aditivos contratuais que garantiram o aumento de tarifas e o cancelamento de obras.

Dos R$ 400 milhões que a Ecorodovias admitiu ressarcir até o final das concessões, em 2021, R$ 30 milhões serão pagos como multa, prevista na Lei de Improbidade Administrativa.

Os R$ 370 milhões restantes serão pagos a título de reparação de danos, dos quais R$ 220 milhões serão utilizados para reduzir em 30% a tarifa de todas as praças de pedágio operadas pelas duas concessionárias.

Prazo – Segundo a Lava Jato, a redução será implementada para o usuário no prazo de 30 dias contados a partir da homologação do acordo pela Justiça e permanecerá válida pelo tempo necessário para que o montante total alcance o valor previsto.

Os outros R$ 150 milhões serão destinados à execução de obras nas rodovias. “A redução do valor da tarifa para o usuário foi ajustado de modo a não implicar nenhum benefício tributário para a concessionária. Para fins tributários, o valor da tarifa não é alterado, mas a concessionária paga 30% do seu montante em favor dos usuários. Assim, nenhum repasse do valor de pedágios a entidades públicas será impactado”, diz o MPF.

Monitoramento – Além de reconhecer os crimes praticados, a empresa se comprometeu ainda a apresentar informações e provas relevantes sobre a participação de terceiros e de efetuar o pagamento de multa e ressarcimento de danos. Também confirmou a implementação de medidas especiais a fim de evitar a repetição de condutas similares no futuro.

A concessionária terá a obrigação de estruturar programa de integridade (compliance), ética e transparência, apresentando relatórios anuais ao MPF, com o objetivo de assegurar a adequação e a efetividade dos mecanismos de controle e integridade. No mesmo sentido, a Ecorodovias concordou em se sujeitar a monitoramento independente pelo prazo de 32 meses, que será realizado por profissionais especializados, às custas da empresa e sob supervisão do MPF.

Em nota, a Ecorodovias confirmou o acordo e disse pautar sua atuação em um “Programa de Ética e Integridade Empresarial”, que “visa orientar as ações e decisões dos colaboradores e dos demais públicos com os quais o Grupo se relaciona, de forma a reforçar práticas éticas e conduta. Segundo o comunicado, a redução das tarifas deverá ser por pelo menos 12 meses, sendo R$ 100 milhões na Ecovia e R$ 120 milhões na Ecocataratas.

Brasil, Destaques, Economia, Internacional, Justiça,

VÍDEO: Táxi que transportava R$ 70 mil em eletrônicos é flagrado na Ponte da Amizade, fronteira do Brasil com o Paraguai

Na sexta-feira, 09 de agosto, durante fiscalização de rotina no âmbito da Operação Fronteira Integrada, equipes da Receita Federal em conjunto com a Força Nacional reteve grande quantidade de eletrônicos, em sua maioria smartphones em um táxi paraguaio.

A ação ocorreu por volta das 21h, quando o táxi foi abordado na Ponte Internacional da Amizade ao tentar entrar no Brasil. Durante a vistoria do veículo, as equipes encontraram as mercadorias no assoalho e banco traseiro do veículo.

Ao ser questionado, o motorista paraguaio confessou que levaria as mercadorias até um hotel em Foz do Iguaçu e receberia R$ 200,00 para transportá-las.

As mercadorias, avaliadas em R$ 70 mil, foram retidas. O veículo e o motorista foram liberados, porém será enviada uma Representação Fiscal para fins penais ao Ministério Público para apuração dos ilícitos.

A Receita Federal disponibiliza um telefone de contato para denúncias, de forma anônima, por meio do número (45) 9 9152-2036.

Essa iniciativa está inserida no âmbito do Programa de Proteção Integrada de Fronteiras (PPIF), instituído pelo Decreto nº 8.903/2016, tem como diretrizes a atuação integrada e coordenada dos órgãos de segurança e de fiscalizações atuantes nas fronteiras, e como foco, o fortalecimento da prevenção, do controle, da fiscalização e da repressão aos delitos transfronteiriços, como contrabando, descaminho, tráfico de drogas, armas e medicamentos, entre outros.