Browsing Category

Meio Ambiente

Brasil, Destaques, Economia, Meio Ambiente, Turismo,

Horário de funcionamento do Parque Nacional do Iguaçu volta ao normal nesta segunda, 27

O horário de funcionamento do Parque Nacional do Iguaçu volta ao normal nesta segunda-feira (27), com abertura do portão de acesso das 9h às 17h.

A informação foi confirmada pela concessionária que administra o lado brasileiro do atrativo turístico, no trecho onde estão as Cataratas do Iguaçu.

O horário da alta temporada começou no dia 21 de dezembro, com uma hora a mais do horário normal.

No dia 30 de dezembro de 2019, o Parque Nacional do Iguaçu bateu o recorde anual com mais de 2 milhões de visitantes, lembrou o G1 PR.

Foto: Nilton Rolin

Brasil, Destaques, Economia, Itaipu, Meio Ambiente,

Cuidados ambientais são essenciais para a geração de energia, defende diretor-geral de Itaipu

Defesa foi feita durante tour do general Joaquim Silva e Luna pela região para conhecer ações e projetos socioambientais da empresa

Os cuidados empreendidos pela Itaipu Binacional para a segurança hídrica do reservatório e a conservação da biodiversidade são essenciais para a geração de energia, defendeu o diretor-geral brasileiro da empresa, general Joaquim Silva e Luna. Nesta terça e quarta-feira (21 e 22), ele fez um tour por terra e ar na região da usina, e também de barco no reservatório, acompanhado do diretor de Coordenação, general Luiz Felipe Carbonell, e técnicos da binacional.

O roteiro incluiu Canal da Piracema, Refúgio Biológico Bela Vista, faixa de proteção do reservatório, projetos de aquicultura e reciclagem (ambos em Santa Terezinha de Itaipu), aldeias indígenas do Añetete e Itamarã (em Diamante D’Oeste) e balneário de Santa Helena. A programação também incluiu sobrevoo de helicóptero do reservatório, áreas protegidas, microbacias hidrográficas recuperadas e áreas agrícolas com ações de conservação de solos, além do Corredor de Biodiversidade Santa Maria.

“Para muita gente, a relação com energia é acender a luz apertando um botão. Elas desconhecem todo o caminho que a eletricidade percorreu e todo o trabalho que tem por trás disso”, disse o diretor. “A missão de Itaipu é gerar energia com qualidade. E as pessoas precisam saber o que isso significa. Todo esse cuidado com a água e o meio ambiente é reflexo dessa missão”, completou.

Durante o percurso, o diretor teve a oportunidade de se encontrar com os prefeitos de Santa Terezinha de Itaipu, Cláudio Eberhard; de Diamante D’Oeste, Guilherme Pivatto Junior; e de Santa Helena, Evandro Miguel Grade (Zado), além de lideranças de pescadores, catadores de recicláveis e indígenas, com quem reforçou o compromisso da empresa de seguir trabalhando em parceria, em prol do desenvolvimento territorial.

Além do meio ambiente, as ações da empresa têm impactos sociais positivos. Formada em 2004, a Associação dos Catadores de Resíduos Recicláveis e Reaproveitáveis (Acaresti), com apoio da empresa e da prefeitura, processa 120 mil quilos de material reciclável por mês.

Reconhecido com diversos prêmios, o projeto é considerado referência, pois permite a reciclagem de mais de 70% do lixo do município. Para o trabalhador, o projeto garante dignidade, uma renda mensal média de R$ 1.700 e o reconhecimento profissional pela atuação como agente ambiental.

Outro grupo vulnerável, o dos pescadores artesanais, também consegue garantir uma renda familiar mínima graças ao apoio da Itaipu. O Ponto de Pesca 5, em Santa Terezinha, é um dos 45 em atividade na margem brasileira do reservatório. Para diminuir o extrativismo e a diminuição do estoque pesqueiro, os pescadores recebem equipamento e capacitação para cultivar os peixes em tanques-rede.

“A ajuda da Itaipu é muito importante para nós e vai permitir que a gente consiga ampliar o número de tanques e também a renda”, afirmou José Amâncio Rodrigues, o Zé Barba, representante das 10 famílias que vivem no Ponto de Pesca 5. Ali, 48 tanques garantem uma produção anual de 15 a 20 toneladas, o que proporciona um salário mínimo para cada família. A renda é complementada por pesca extrativa, que tende a diminuir com o aumento gradativo da aquicultura.

O roteiro se encerrou no escritório da Itaipu em Santa Helena, onde técnicos da empresa detalharam as ações como a proteção da fauna e flora, a pesquisa e o fomento de técnicas sustentáveis na agropecuária e o monitoramento da qualidade da água. A batimetria do reservatório (que regularmente mede as profundidades, acompanhando a deposição de sedimentos) permite estimar a vida útil da usina em 184 anos.

Ao promover essas iniciativas ambientais, a Itaipu tem como objetivo reduzir a deposição de sedimentos e de micropoluentes que, no longo prazo, poderiam vir a comprometer a vida útil do reservatório. E, consequentemente, manter sua importância estratégica para o Brasil e o Paraguai. Nos últimos cinco anos, a empresa teve uma geração anual média de 92 milhões de megawatts-hora, respondendo por cerca de 15% do consumo brasileiro e 90% do paraguaio.

“É por isso que, além de todo o trabalho desenvolvido pela Diretoria Técnica, na operação e manutenção das unidades geradoras e na melhoria constante dos índices de produtividade, os cuidados com a região são essenciais para a geração de energia com sustentabilidade, no longo prazo”, resumiu Carbonell.

Qualidade

Silva e Luna disse que estava positivamente surpreso com a riqueza dos dados apresentados. “Surpreende a qualidade do trabalho realizado pela Diretoria de Coordenação nos cuidados com o reservatório, a faixa de proteção e as microbacias adjacentes. É um trabalho que precisa ser cada vez mais conhecido”, afirmou. “Quando a gente fala em vida útil de 184 anos, as pessoas precisam saber que é um dado concreto, resultado de um estudo de alto nível.”

O diretor lembrou que 2019 foi um ano complexo, dada a necessidade de reestruturar as atividades da empresa em Foz do Iguaçu e renegociar a comercialização de energia com o Paraguai, permitindo maior previsibilidade no orçamento nos próximos quatro anos, entre outras medidas que visam preparar a empresa para o cenário pós-2023, quando vence o Anexo C (a parte que dispõe das questões financeiras do Tratado de Itaipu). “Em 2020, vamos tratar de processos, procurando fazer mais e melhor com as pessoas que fazem parte da empresa, agora que todas as nossas atividades estão concentradas em Foz do Iguaçu”.

Confira, abaixo, alguns dos principais dados das ações da Itaipu na região:

  • A Itaipu preserva mais de 100 mil hectares de áreas protegidas;
  • 35 espécies de animais já foram reproduzidas no Refúgio Biológico Bela Vista;
  • O viveiro da Itaipu é responsável pela produção média anual de 347 mil mudas de cerca de 110 espécies nativas da Mata Atlântica;
  • Nos últimos 10 anos, foram distribuídas quase 3 milhões de mudas para 43 municípios da região;
  • Com 10 km de extensão, o Canal da Piracema é utilizado por 186 espécies de peixes;
  • Mais de 6.800 peixes já receberam marcas eletrônicas e foram monitorados ao longo da Bacia do Rio Paraná;
  • Itaipu apoia o cultivo de peixes em tanques-rede. A produção anual no reservatório chega a 120 toneladas;
  • Mais de 900 hectares de mata nativa são preservados no Corredor de Biodiversidade Santa Maria, permitindo a conexão entre o Parque Nacional do Iguaçu e as áreas protegidas da Itaipu;
  • Cerca de 290 famílias indígenas são atendidas em três aldeias em ações de agropecuária, promoção da cultura, infraestrutura e segurança alimentar e nutricional;
  • As ações de conservação de solos totalizam quase 50 mil hectares de áreas agrícolas;
  • Quase 300 nascentes das microbacias da região estão georeferenciadas e protegidas;
  • A recuperação e cascalhamento de estradas rurais chega a quase 4 mil quilômetros.

Fotos: Romeu de Bruns/Itaipu Binacional

Destaques, Geral, Meio Ambiente,

Foz do Iguaçu em dia de Curitiba. Clima chuvoso e frio deve acabar nesta sexta-feira, 24

Muitos gostam, outros nem tanto. O fato é que a quinta-feira (23) começou com clima curitibano – céu carrancudo e aquele friozinho convidativo para ficar no sofá com cobertinha, comendo pipoca e assistindo filmes.

Na verdade, o clima ameno começou já na quarta-feira (22). A previsão, segundo os institutos de meteorologia, é que a temperatura máxima não passe de 26ºC.

Mas na sexta-feira (24) tudo deve mudar. A previsão é que o dia comece com 18°C, com máxima de 31°C e sol.

No sábado (25), a máxima chega aos 32°C e no domingo (26), aos 34°C. Não há previsão de chuva.

Destaques, Estadual, Geral, Meio Ambiente, Turismo,

Governo do Estado investe R$ 8 milhões na infraestrutura da Ilha do Mel

O turista que chega à Ilha do Mel nesta temporada consegue ver a diferença já no desembarque. O Governo do Estado está investindo R$ 8 milhões para melhorias na infraestrutura da ilha, que inclui a instalação de trapiches flutuantes em Encantadas e Nova Brasília, dragagem dos canais de acesso aos trapiches e reforço na coleta de lixo.

A ideia é melhorar ainda mais os atrativos e a qualidade de vida no local, beneficiando moradores e turistas.

Estão sendo feitas obras de revitalização da Praça de Alimentação e da Praça Central de Encantadas, além de limpeza dos canais, reforma das passarelas existentes e no Receptivo de Turistas de Nova Brasília. Estão previstas, ainda, a construção do receptivo de Encantadas e reforço na coleta de lixo, além de mirantes, passarelas e projetos de acessibilidade.

A estrutura existente para embarque e desembarque na ilha já não dava mais segurança aos turistas e moradores. Os trapiches foram instalados há 20 anos e sofriam com a ação do tempo e da maresia, causando riscos para as pessoas.

AQUI para ler mais na AEN

Destaques, Geral, Meio Ambiente, Política,

Secretaria Meio Ambiente alerta para descarte incorreto de garrafas de vidro em Foz do Iguaçu

Por mês cerca de 80 toneladas de vidro são recolhidos pela Coleta seletiva, mas descarte inadequado ainda é alto

No centro da cidade, em terrenos baldios, em frente a prédios e casas desocupados. O descarte incorreto de garrafas de vidro tem preocupado a secretaria de Meio Ambiente em Foz do Iguaçu.

O Programa Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Recicláveis vem sendo implantado na cidade desde maio de 2018, de forma regionalizada e gradativa, com intuito de mudar o modo como a população faz o descarte de resíduos.

“Apesar da colaboração e integração da comunidade, com a distribuição das sacolas de ráfia e a coleta uma vez por semana, ainda temos muitos descartes incorretos espalhados pela cidade”, explica a secretária de Meio Ambiente, Angela Meira.

Hoje a coleta seletiva domiciliar recolhe todos os tipos de resíduos recicláveis sólidos e o óleo de cozinha, e está em 100% da área urbana. Desde o início do programa, já foram coletadas 3 mil toneladas de materiais recicláveis. Somente de vidros, são recolhidas em média 80 toneladas por mês.

A orientação para o descarte do vidro é feita cotidianamente pelo meio ambiente. “Orientamos em material impresso, e pelas redes sociais que todo vidro deve ser acondicionado separadamente dos demais materiais e descartado em pouca quantidade para que a coleta possa ser efetiva e sem risco”, explicou a coordenadora do Programa Municipal de Coleta Seletiva de Resíduos Recicláveis, Rosani Borba.

A coleta é feita de casa em casa. Já os grandes geradores, como bares, restaurantes ou pontos comerciais devem buscar A correta destinação, de acordo com a lei 12.305/2010 da Política Nacional de Resíduos Sólidos.

AQUI para ler mais na AMN

Brasil, Destaques, Educação, Meio Ambiente, Turismo,

Mata Atlântica é escolhida como destino a ser visitado em 2020

Publicação do jornal The New York Times fala sobre o potencial turístico do bioma brasileiro e cita trilhas como a do Parque das Aves como atividade para se conectar com a natureza

A Mata Atlântica foi selecionada pelo jornal “The New York Times”, uma das publicações mais importantes do mundo, em um especial anual com 52 lugares para visitar em 2020. O objetivo é indicar locais para “inspirar, encantar e motivar a explorar o mundo”.

O bioma foi o único destino brasileiro escolhido pelo jornal norte-americano justamente por ser um dos mais ricos ecossistemas do planeta, oferecendo diversas possibilidades de conexão com a natureza. E ele também abriga mais de 3.400 cidades, entre elas Foz do Iguaçu, casa do maior remanescente de Mata Atlântica de interior do Brasil, onde o Parque das Aves está localizado.

A seleção dos destinos é feita a partir de uma pesquisa inicial com os colaboradores da publicação e também correspondentes estrangeiros que sugerem lugares “novos e atraentes”, além de profissionais do setor de viagens.

Jurema Fernandes, diretora administrativa do Parque das Aves, lembra que a publicação sugere atividades na região, como trilhas e escaladas, para aumentar a conscientização das pessoas sobre a importância da floresta e os riscos que corre, criando mais interesse em sua preservação.

“O que o ‘The New York Times’ sugere é que o visitante pode encontrar essa conexão com a natureza em trilhas como a do Parque das Aves. Além de se encantar com sua beleza, ele pode aprender mais sobre a conservação de espécies da Mata Atlântica”, diz.

Cerca de 45% das espécies de aves do Brasil ocorrem na Mata Atlântica, e 213 ocorrem apenas nessa região. Além de ser um dos ecossistemas mais ricos em biodiversidade do mundo, é também o domínio que possui um grande número de espécies ameaçadas de extinção.

Proteção ambiental
Com as questões ambientais ganhando cada vez mais destaque na mídia internacional, o jornal destaca a importância de proteger a Mata Atlântica.

O bioma é um dos mais biodiversos do planeta, com mais de 15 mil espécies de plantas, 298 de mamíferos, 350 de peixes, 200 de répteis e 370 de anfíbios (fonte: SOS Mata Atlântica), porém hoje resta pouco mais de 8% da floresta original, sendo que dois terços da população brasileira vive e depende da região da Mata Atlântica.

“É muito importante que todos conheçam a Mata Atlântica, mas principalmente quem vive nela, ou seja, a maioria da população brasileira. No Parque das Aves trabalhamos para que nossos quase 1 milhão de visitantes por ano aprendam um pouco sobre ela e suas espécies, e saiam do Parque inspirados para mudar algo em suas rotinas que beneficie as florestas”, reforça Jurema.

O Parque das Aves é um Centro de Conservação Integrada de Aves da Mata Atlântica, o único focado nesse bioma no mundo. Seus esforços são guiados principalmente para a conservação das 120 espécies e subespécies de aves da Mata Atlântica em algum grau de ameaça de extinção.

Incentivos para estrangeiros
A publicação lembrou ainda a facilidade para cidadãos dos Estados Unidos, Canadá, Austrália e Japão visitarem a região, já que desde junho de 2019, o Brasil não cobra mais vistos para visitantes desses países por um período de até 90 dias.

Sobre o Parque das Aves
Com 25 anos de atuação e 260 colaboradores, o Parque das Aves é a única instituição do mundo focada na conservação de aves da Mata Atlântica. Possui 16 hectares de mata restaurada, 1.300 aves de 130 espécies diferentes, com três viveiros de imersão e um borboletário.

O objetivo do Parque das Aves é atuar investindo significativamente para criar um impacto positivo para as aves da Mata Atlântica, principalmente as 120 espécies e subespécies em risco de extinção.

O Parque das Aves recebe mais de 930 mil visitantes por ano, sendo um dos atrativos mais visitados de Foz do Iguaçu.

Cultura, Destaques, Educação, Meio Ambiente, Turismo,

Macuco Ecoaventura Capanema lança campanha de doação de material escolar

A partir desta segunda-feira (20) até 10 de fevereiro, o material que seu filho não usa mais vale desconto de 20% nos passeios da empresa

Início de ano traz uma série de despesas previstas, porém, a cada ano, mais pesadas. O material escolar é uma delas. As listas, enormes, só não ganham dos preços, a cada dia maiores. Quem tem filho em idade escolar, sabe do que estamos falando.

Vivendo em um tempo em que as palavras desapego e reciclagem andam juntas e vêm sendo repetidas em toda a parte, a empresa Macuco Ecoaventura decidiu estimular a doação.

A partir desta segunda-feira (20/01,) até o dia 10 de fevereiro, a empresa estará oferecendo 20% de desconto no valor de ingressos em seus passeios em Capanema.

O objetivo é arrecadar material em bom estado de conservação que será destinado a famílias de baixa renda, no município.

Se você pretende comprar uma nova mochila, com um novo personagem, para o seu filho, que tal doar aquela que foi usada no ano passado para uma outra criança?

Também podem ser reaproveitados lápis, borrachas, lápis de cor, giz de cera, canetas, cadernos, livros, estojos, apontadores, papel A4, tinta guache e látex entre outros materiais.

As doações deverão ser entregues na compra do ingresso, até o dia 10 e fevereiro.

Por assessoria de imprensa

Brasil, Destaques, Economia, Educação, Meio Ambiente,

IFPR de Foz do Iguaçu oferta 32 vagas em Sorteio Público para o curso de Engenharia de Aquicultura

O Instituto Federal do Paraná (IFPR) – Campus Foz do Iguaçu realizará, no dia 10 de fevereiro, às 19 horas, um Sorteio Público para preenchimento de 32 vagas remanescentes do curso gratuito de Bacharelado em Engenharia de Aquicultura.

Qualquer pessoa, mesmo que não tenha participado do Processo Seletivo IFPR 2019/2020, poderá concorrer a uma vaga, desde que sejam atendidas as exigências previstas no Edital 01/2020 (disponível AQUI) .

Os interessados menores de 18 anos deverão estar acompanhados de seus pais ou de seus responsáveis.

O curso de Engenharia de Aquicultura do IFPR é ofertado em período integral e tem duração de cinco anos.

Foi criado para atender a uma demanda regional e nacional por profissionais capacitados para atuar na área da Aquicultura – ciência que estuda e desenvolve técnicas de cultivo, manejo e reprodução de organismos aquáticos, como peixes (Piscicultura); camarões (Carcinicultura); rãs (Ranicultura);

Moluscos: ostras e mexilhões (Malacocultura); algas e até tartarugas e jacarés. Um dos objetivos da Aquicultura é garantir produtos para o consumo com maior controle, regularidade e sustentabilidade.

Para participar do sorteio, cada candidato, portando seu RG, preencherá uma ficha de inscrição numerada.

Caso seja sorteado, deverá apresentar originais e cópias dos seguintes documentos: Cédula de Identidade (RG) ou passaporte ou Carteira Nacional de Habilitação (com fotografia); Registro Nacional de Estrangeiro – RNE (para estrangeiros); CPF ou documento oficial que contenha o número do CPF ;

Certidão de Nascimento ou de Casamento; via impressa da Certidão de Quitação Eleitoral (para maiores de 16 anos que já possuam título eleitoral); Comprovante de Quitação com o Serviço Militar (para homens com idade entre 18 e 45 anos);

Comprovante de residência (preferencialmente fatura de energia elétrica ou, na falta desta, água ou telefone); 1 foto 3×4 colorida recente; Declaração de Conclusão de Curso ou Histórico Escolar do Ensino Médio ou equivalente.

SERVIÇO:
SORTEIO PÚBLICO – CAMPUS FOZ DO IGUAÇU – Edital 01/2020
Local: Saguão do Bloco Administrativo do Campus do IFPR Campus Foz do Iguaçu. Avenida Araucária, 780.
Data: 10/02/2020 – Segunda-feira
Horário: 19 horas
Informações: secretaria.foz@ifpr.edu.br

Destaques, Educação, Meio Ambiente,

Caminhadas na Natureza terão 160 circuitos no Paraná neste ano

Trajetos em meio à natureza, passando por propriedades rurais e destinos que muitas vezes fogem do radar dos turistas dão o tom das Caminhadas Internacionais na Natureza, que já têm 160 circuitos confirmados neste ano no Paraná. O Instituto de Desenvolvimento Rural-Iapar-Emater divulgou o calendário 2020 dos eventos, com roteiros em todo o Estado que incluem caminhadas diurnas, noturnas, rotas de cicloturismo e até remada.

Desde a primeira rota, organizada em 2005 em São Miguel do Iguaçu (Oeste), as Caminhadas na Natureza ganharam terreno no Paraná. No ano passado, aproximadamente 70 mil caminhantes participaram dos passeios. O Estado também concentra mais da metade dos cerca de 300 circuitos brasileiros catalogados pela Anda Brasil, a Confederação Brasileira de Esportes Populares, Caminhadas na Natureza e Inclusão Social.

A prática surgiu na França em meados do século 20 para incrementar a economia em regiões rurais arrasadas pela Segunda Guerra Mundial e se alastrou pelo mundo não só como atividade esportiva, mas também valorizando o turismo rural. “É uma forma de fazer girar a economia no campo”, afirma a gestora estadual de Turismo Rural do instituto, Terezinha Busanello Freire.

“As caminhadas são gratuitas, mas os agricultores sempre têm a oportunidade de servir um almoço ou café da manhã e vender os produtos feitos por eles aos caminhantes”, explica. “Mais do que um esporte saudável, as Caminhadas na Natureza permitem que as pessoas conheçam o meio rural, aprendam a conservar o meio ambiente e a valorizar os produtores locais, além de gerar renda às famílias dos agricultores”.

Em muitos locais, a comunidade prepara um café da manhã para o início do trajeto e um almoço no final, feitos com produtos caseiros, típicos de cada região. Os agricultores também podem vender o que é produzido em sua propriedade, como frutas, verduras, queijos, compotas, geleias e produtos artesanais.

CIRCUITOS – As caminhadas têm em média 10 quilômetros, com percursos que levam em torno de quatro horas. Os caminhantes são orientados a irem com roupas e calçados apropriados, a se manterem hidratados e a não deixarem lixo pelo caminho. Os roteiros do cicloturismo são mais longos e exigem que os participantes usem a própria bicicleta.

De acordo com Terezinha, cada circuito é único, construído a partir da cultura local e levando em conta a história da cidade ou daquela localidade. Alguns passam por dentro de propriedades rurais, por trilhas no meio da mata, e outros seguem por caminhos com grande apelo turístico, como o Cânion Guartelá (29/11), em Tibagi.

São opções para todos os gostos, desde cachoeiras até praias. Tem o Circuito Brisa do Mar (22/3), em Pontal do Paraná; a caminhada noturna Luar do Purunã (04/04), em Balsa Nova; o Caminho da Reforma Agrária (19/04), em Rio Bonito do Iguaçu; e a Caminhada de Cata ao Pinhão (31/05), em Pinhão.

Destaque também para os circuitos que passam por lugares históricos ou por colônias que mostram o roteiro da imigração do Paraná. É o caso dos Caminhos de Peabiru (26/04), parte do trecho paranaense, localizado em Peabiru, de uma antiga rota utilizada por indígenas antes da chegada dos colonizadores europeus, e que ligava o litoral brasileiro à região dos Andes, no Peru.

Em Quatro Barras, o roteiro dos Jesuítas do Paraná (02/08) percorre caminhos construídos no século 17, que ligavam Curitiba ao Litoral e eram muito utilizados por caçadores, mineradores, indígenas e jesuítas. Há, ainda, o Circuito Italiano (03/05), em Colombo; das Colônias Polonesas (25/04), em Campo Largo; a Pedalada dos Caminhos dos Eslavos (10/05), em Fazenda Rio Grande, e muitos outros.

É importante ficar de olho no calendário, já que os circuitos exigem inscrição prévia.

ORGANIZAÇÃO – Responsável pela implantação das Caminhadas na Natureza no Estado, o Instituto de Desenvolvimento Rural-Iapar-Emater vai aprimorar, neste ano, as metodologias das Caminhadas na Natureza para valorizar ainda mais o turismo rural. A ideia é promover oficinas com os municípios, agricultores e organizadores para tirar mais proveito do potencial econômico da prática e profissionalizar a venda de produtos.

Também estão sendo preparados roteiros voltados especificamente para atividades da agricultura familiar, como rotas do queijo, do café, de flores e de frutas, que têm foco no turismo de experiência e na imersão nas propriedades rurais. Estão previstas, ainda, a criação de circuitos permanentes de caminhadas no Paraná, a exemplo do Caminho de Santiago de Compostela, na Espanha.

Brasil, Curitiba, Destaques, Economia, Internacional, Meio Ambiente, Turismo,

Foz do Iguaçu no topo da lista de líder mundial em viagens online

Ecoturismo do Parque Nacional do Iguaçu, hospedagem e gastronomia garantem destaque ao Destino Iguaçu no serviço

Foz do Iguaçu, a “sede da Maravilha Mundial da Natureza – as Cataratas do Iguaçu”, aparece no topo da lista da EXPEDIA Group, líder mundial de viagens online, informa Ronildo Pimentel no GDia.

O levantamento da plataforma destaca o Destino Iguaçu como um lugar especial que envolve turismo cultural, ecoturismo e gastronomia, junto com capitais brasileiras.

O Ministério do Turismo lembra que Foz do Iguaçu, com aproximadamente 260 mil habitantes, tem no turismo a base de sua economia.

“Com destaque para a Hidrelétrica de Itaipu, que atrai milhões de visitantes e o Marco das 3 Fronteiras, espaço internacional que simboliza o encontro das Três Fronteiras: Brasil, Paraguai e Argentina”, afirma.

Nem só de sol e praia vivem os turistas que visitam os destinos brasileiros, lembra o portal do Ministério.

No país, além de Foz do Iguaçu, outras cinco cidades que não estão no litoral aparecem em destaque entre os dez lugares da plataforma mais procurados pelos viajantes internacionais e domésticos no período de dezembro de 2019 e janeiro de 2020.

Curitiba
Do Paraná, também aparece em destaque a capital Curitiba, que tem diversas atrações para o lazer dos visitantes. A cidade possui 20 parques, sendo o Jardim Botânico, com estufa de vidro e metal que lembra o antigo Palácio de Cristal de Londres, um dos mais visitados.

Outro atrativo imperdível é a Ópera de Arame, que possui estrutura tubular metálica e o teto transparente, e foi construída na cratera de uma antiga pedreira.

O Centro Cívico é a sede dos três poderes do estado (Executivo Legislativo e Judiciário), ao lado do Museu Oscar Niemeyer, com acervo de mais de 2.200 obras de artistas renomados.

Foto: Roger Meireles