Browsing Category

Brasil

Leia as últimas notícias do Brasil no CabezaNews, site de informação com reportagens exclusivas, fotos, vídeos e conteúdos sobre Foz do Iguaçu e sobre o Paraná.

O CabezaNews leva ao público notícias de utilidade pública, curiosidades, turismo, lazer, cultura. Sobretudo com um olhar voltado para a região da tríplice fronteira entre Brasil, Paraguai e Argentina.

Em Foz, nossa cobertura foca os principais acontecimentos da cidade, incluindo eleições 2020, o avanço da pandemia do novo coronavírus, as ações da Itaipu Binacional, bem como a administração do prefeito Chico Brasileiro.

O site não deixa de lado o que acontece no restante do estado do Paraná. Notas exclusivas dos bastidores da política, da Assembleia Legislativa, ações do governo do Paraná e da administração Ratinho Júnior. Assim como as principais notícias nacionais.

O CabezaNews é editado por Ronildo Pimentel, jornalista com mais de 30 anos de atuação em jornalismo impresso e digital.

Brasil,

Micro e pequenas empresas de turismo terão crédito de R$ 2 bilhões

Medida deve contribuir para preservar mais de 26 mil empregos no setor

O Ministério do Turismo liberou R$ 2 bilhões em crédito para empreendedores do setor, principalmente micro e pequenas empresas. Com isso, foram preservados mais de 26 mil empregos na área. O valor, já autorizado pela pasta às instituições financeiras participantes do Fundo Geral do Turismo (Fungetur), representam aumento de 602% em relação ao total ofertado em 2018 (R$ 286,4 milhões).

Também pelo Fungetur, outros R$ 3 bilhões estão disponíveis para o turismo. Além do Fungetur, o governo federal concedeu, neste ano, R$ 10,9 bilhões em linhas de crédito para capitalizar serviços turísticos. Os recursos, que já estão na conta dos empreendedores, foram liberados pelo Banco do Brasil, pela Caixa Econômica Federal, pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Banco do Nordeste e Banco da Amazônia.

Ao todo, desde o ano passado, considerando os recursos do Fungetur e de outras linhas de crédito liberadas por bancos públicos, mais de R$ 20 bilhões foram assegurados pelo governo federal para apoiar e impulsionar o setor do turismo. Destes recursos, 80% já estão na conta dos empreendedores, e o restante continua disponível para atender o setor de turismo no país.

No início da pandemia do covid-19, o setor calculava perdas bilionárias. Em março, as receitas do turismo brasileiro caíram 16,7% em relação ao mesmo período do ano passado, o que representou perda equivalente a R$ 2,2 bilhões.

A crise provocada pela pandemia fez com que o setor perdesse 49,9 mil estabelecimentos, com vínculos empregatícios, entre março e agosto deste ano, informou a Confederação Nacional do Comércio de Bens Serviços e Turismo (CNC). Segundo a CNC, em sete meses (de março a setembro), o turismo no Brasil perdeu R$ 207,85 bilhões.

Por: Agência Brasil

Brasil, Destaques,

Cinco partidos acionam STF para que presidente da República seja obrigado a adquirir vacina contra Covid-19

Ainda nesta semana  os partidos políticos Rede, PTB e PDT  ajuízaram ações sobre competência para impor vacinação contra o coronavírus. A Rede pretende que o governo apresente plano de vacinação, e o PTB questiona lei que admite a obrigatoriedade entre as possíveis medidas contra a pandemia. O PDT pede que STF declare que estados e municípios também podem exigir vacinação compulsória; explicou o advogado Gilmar Cardoso.

Agora, cinco (5) outros partidos acionaram o STF para que o presidente da República seja obrigado a adquirir vacina contra Covid-19, afirmou Gilmar Cardoso. PCdoB, PSOL, PT, PSB e Cidadania segundo sustentam que a interrupção da colaboração entre o governo federal e o Instituto Butantan, sem justificativa científica ou técnica consistente, é inconstitucional, disse.

Gilmar Cardoso descreve que mais cinco partidos políticos acionaram o Supremo Tribunal Federal (STF) em busca de providências para garantir a vacinação da população brasileira contra a Covid-19, sem os entraves políticos ou ideológicos que cercam a vacina desenvolvida em parceria pelo Instituto Butantan, do Estado de São Paulo, e o laboratório chinês Sinovac, em fase final de testes clínicos.

 Na Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) 756, o Partido Comunista do Brasil (PCdoB), o Partido Socialismo e Liberdade (PSOL), o Partido dos Trabalhadores (PT), o Partido Socialista Brasileiro (PSB) e o Cidadania pedem liminar para que o presidente da República, Jair Bolsonaro, seja obrigado a adotar todos os procedimentos administrativos indispensáveis para que a União possa, com a segurança científica, técnica e administrativa necessárias, providenciar a aquisição das vacinas e medicamentos que forem aprovados pela Agência de Vigilância Sanitária (Anvisa), sem quaisquer “valorações estranhas e contrárias aos parâmetros e princípios constitucionais”. A ação foi distribuída ao ministro Ricardo Lewandowski.             

Segundo os partidos políticos autores da ação, a interrupção da colaboração entre o governo federal e o Instituto Butantan, sem justificativa científica ou técnica consistente, “é ato inconstitucional e que milita contra a vida das pessoas”. Por isso, pedem que o Executivo federal informe, em no máximo 30 dias, os planos e o programa do governo relativos à vacina e aos medicamentos contra a Covid-19, incluindo cronogramas, ações de pesquisa ou desenvolvimento próprio ou em colaboração, tratativas, protocolos de intenção ou de entendimentos e a previsão orçamentária e de dispêndio. Também pedem que a atuação da Anvisa na análise da vacina seja livre de “ameaças e constrangimento por parte do chefe da Administração Pública da União”.

O advogado Gilmar Cardoso afirmou que o tema vacina contra Covid-19 virou uma pauta política-eleitoral, ao invés de ater-se no âmbito epidemiológico e de saúde pública, como era de se esperar. Essa politização da Ciência que tem acontecido durante a pandemia, primeiro com os medicamentos e agora com as vacinas, só serve para gerar uma desconfiança completamente desnecessária na população, num momento em que ela já está cheia de dúvidas, acompanhando testes clínicos de vacinas como se fosse Copa do Mundo, de uma maneira como nunca aconteceu. As pessoas só ficam com mais desconfiança, e isso pode acabar servindo de combustível pro movimento antivacina, que nunca teve força no Brasil do mesmo jeito que tem na Europa e nos Estados Unidos, avalia.

Para Gilmar Cardoso a questão da obrigatoriedade foi uma pauta infeliz.  Levantou-se  uma questão que, neste momento, é completamente irrelevante, inoportuna, e só serve pra gerar desconfiança na população. Se faz uso do momento eleitoral para politicagem com algo sério que deve ser tratado pelas autoridades e cientistas da área.

 Quando você, do nada, levanta a questão que ‘ninguém vai ser obrigado a se vacinar’, você já induz as pessoas a imaginar que deve ter alguma coisa errada. Se querem me obrigar, é porque não deve ser coisa boa, senão não precisaria obrigar ninguém. Não é nem o momento de discutirmos obrigatoriedade, nem temos vacinas aprovadas. Uma vez que elas forem, a gente ainda vai ter que pensar em escalar produção, armazenamento, transporte, distribuição, campanhas de imunização. Muito mais importante do que ficar discutindo se vai ou não vai ser obrigatório, seria montar campanhas publicitárias para informar a população sobre a importância e segurança das vacinas, enfatiza o advogado.

Nunca foi preciso vacinar ninguém a força no Brasil desde a Revolta da Vacina no século passado, não é agora que vamos precisar disso. O país sempre teve uma população extremamente favorável às vacinas, que as entendem como um direito do cidadão, e não um dever. As pessoas vão aos postos de saúde porque entendem que elas têm direito de receber ali, gratuitamente, uma vacina, além do direito de vacinar seus filhos. Mudar isso, essa percepção, gerando desconfiança, é péssimo e pode acabar abalando a confianças nas vacinas como um todo, concluiu  Gilmar Cardoso.

Com a palavra, na ausência de regramento legal, de novo, o todo poderoso Supremo Tribunal Federal – STF, finalizou o advogado.

Brasil, Destaques, Foz do Iguaçu,

Nova portaria do Brasil não interfere em negociação para reabrir a Ponte da Amizade, afirma o Codefoz

Governo do Paraguai precisa assegurar contrapartida para circulação de moradores da fronteira.

A Portaria nº 470/2020, em vigor no Brasil desde 5 de outubro, não interfere nos entendimentos para a reabertura da Ponte Internacional da Amizade. Essa é a avaliação do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social de Foz do Iguaçu (Codefoz), que comparou o documento com a edição anterior da normativa. 

Conforme o Codefoz, a portaria brasileira reproduz a autorização para a circulação, nas fronteiras entre países, a moradores de cidades-gêmeas, como é o caso de Foz do Iguaçu, ligada a Ciudad del Este, no Paraguai, pela Ponte da Amizade. O documento vige até o início do mês de novembro. 

O presidente do Codefoz, Mario Camargo, explica que a nova edição da portaria não visa a postergar a reabertura da ponte, mas, sim, flexibilizar ainda mais o acesso ao país por via aérea. Na norma, o governo federal retirou a exigência de seguro aos viajantes estrangeiros, que agora necessitam somente atender a exigências migratórias.

“Os presidentes do Brasil e do Paraguai já confirmaram o comprometimento com a reabertura da Ponte da Amizade, resta saber as condições dessa retomada”, expõe Mario. “É importante ressaltar que portarias governamentais podem ser alteradas e ajustadas a qualquer momento, sendo prerrogativas do Poder Executivo para responder a cada situação concreta”, aponta. 

O dirigente do conselho de desenvolvimento socioeconômico defende que a gestão nacional do país vizinho deixe clara a contrapartida à portaria brasileira para o trânsito de fronteiriços. “Isso seria uma importante sinalização para as cidades da fronteira que sofrem os impactos sociais e econômicos com ponte fechada há quase sete meses”, reflete Mario Camargo. 
Portaria nº 470/2020, do governo brasileiro, expõe textualmente:

“Art. 4º As restrições de que trata esta Portaria não impedem:
II – o tráfego de residentes fronteiriços em cidades-gêmeas, mediante a apresentação de documento de residente fronteiriço ou de outro documento comprobatório, desde que seja garantida a reciprocidade no tratamento ao brasileiro pelo país vizinho.”

Assessoria Codefoz

Brasil, Destaques, Foz do Iguaçu,

Bolsonaro e Marito definem para até dia 15 de outubro a reabertura da Ponte Internacional da Amizade

Os presidentes do Brasil, Jair Messias Bolsonaro, e do Paraguai, Mario Abdo Benítez, definiram nesta sexta-feira, 2, que as fronteiras entre os dois países serão reabertas antes de 15 de outubro.

O presidente paraguaio pediu a Bolsonaro que, quando as fronteiras sejam reabertas, haja um encontro dos dois na Ponte da Amizade. Mas pediu, também, a reabertura das fronteiras entre Pedro Juan Caballero e Ponta Porã, e entre Salto del Guairá e Mundo Novo.

Segundo Mario Abdo Benítez, o Paraguai já está todo preparado para proceder à reabertura, de forma “gradual e ordenada”. Ele disse que os dois países precisam adotar medidas para que “exista plena segurança em matéria de controle sanitário, migratório e cidadão”.

Presidentes Marito e Bolsonaro, do Paraguai e Brasil, respectivamente

O presidente brasileiro disse que vai pedir estudos e providências internas e que ambos poderão se encontrar em Foz do Iguaçu antes de 15 de outubro, para oficializar o acordo entre os dois países.

Bolsonaro aproveitou para levantar outra questão com o seu par paraguaio: a falta de obras, inclusive da nova Aduana em Presidente Franco, no local onde já está em plena construção a Ponte da Integração Brasil-Paraguai, a segunda sobre o Rio Paraná a unir os dois países.

Depois do telefonema dos presidentes, o ministro-chefe da Casa Civil, Braga Neto, disse que tomaria providências para que a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e o Ministério da Saúde façam os estudos necessários para a reabertura.

Disse, também, que organizará reuniões com demais órgãos envolvidos, inclusive para avaliar a necessidade de rever a portaria que ampliou por mais 30 dias o fechamento das fronteiras do Brasil.

Brasil, Foz do Iguaçu,

Miss Brasil Globo grava vídeo nas Cataratas do Iguaçu para levar à Albânia

Thawany Faria vai gravar um vídeo nas Cataratas do Iguaçu para ser apresentado durante o concurso onde vai disputar o título de The Miss Globe World Beauty Pageant 2020.

A Miss Brasil Globo Thawany Faria se prepara para um dos maiores eventos de beleza feminina do mundo, o The Miss Globe World Beauty Pageant 2020, que será realizado no próximo dia 12 de novembro, na cidade de Tirania, na Albânia. Thawany Faria que foi eleita Miss Foz do Iguaçu 2019 e na sequência venceu o concurso de Miss Paraná Globo, já está preparando todo o portfólio para ser exibido durante o momento que estiver na passarela. O certame tem a coordenação de Danilo D´Ávila Eventos de Beleza, empresa que está a décadas no mercado promovendo e valorizando a beleza feminina.

A agenda de atividades para se preparar para representar o Brasil e Foz do Iguaçu no concurso em Albânia está extensa e já começa nessa quarta (30), com gravação de um vídeo nas Cataratas do Iguaçu. Thawany vai passar o dia entre câmeras, luzes e as belezas naturais do Parque Nacional do Iguaçu, dirigida e produzida pela produtora Vision Art, com apoio da Cataratas SA.

A interação de Thawany Faria também participar da abertura do Aquaminia, no dia primeiro e no dia 05 vai se apresentar no Marco das 3 Fronteiras, com o objetivo de interagir com os visitantes dos atrativos turísticos, prestigiar os parceiros e conversar com a imprensa.

Acompanhe a agenda de Thawany Faria
Dia 02/10 – Spa Day no Java Jiwa no Recanto Catartas Thermas & Resort
Dia 03/10 – Fotos oficiais com Alexandre Marchetti
Dia 04/10 – Dream´s Day no Recanto Cataratas Thermas Resort & Convention
Dia 05/10 – Pauta com veículos de Imprensa
Dia 05/10 – Apresentação e Boas Vindas no Marco das Tres Fronteiras
Dia 06 a 08/10 – Visitas a parceiros e atrativos
Dia 09/10 – Atividades no Recanto Cataratas Thermas Resort & Convention
Dia 10/10 – Passeio no Aquamania
Dia 11/10 – Dia no Recanto Cataratas Thermas Resort & Convention

Brasil, Justiça,

Bolsonaro comunica ministros que escolheu Kassio Nunes para STF

O presidente Jair Bolsonaro comunicou ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) na terça-feira que escolheu o juiz piauiense Kassio Nunes, do Tribunal Regional Federal da 1ª Região, para a vaga de Celso de Mello na Corte. A escolha foi dada em primeira mão pelo colunista Lauro Jardim, em O Globo, e confirmada ao BRP por dois ministros do STF.

O comunicado foi feito pelo ministro Jorge Oliveira (Secretaria-Geral da Presidência), um dos anteriormente cotados para o posto. Não foi uma consulta: na conversa, o ministro já informou aos integrantes da mais alta Corte do País que Bolsonaro havia se decidido e faria o anúncio nas próximas horas.

A escolha é uma completa surpresa para aliados do presidente e para nós, da imprensa. O nome de Nunes nunca figurou em nenhuma bolsa de apostas para o lugar do decano Celso de Mello. Os nomes cotados (e que trabalhavam aberta e intensamente pela indicação) eram os ministros Jorge Oliveira e André Mendonça, da Jusça, e o procurador-geral da República, Augusto Aras.

A indicação também surpreendeu os ministros do STF com os quais eu conversei. Isso porque Nunes era cotadíssimo para o Superior Tribunal de Jusça. Ele é considerado equilibrado e discreto, e sua nomeação foi bem recebida entre os futuros pares.

Por: BR Político

Brasil, Destaques, Política,

Bolsonaro confirma em rede social que autorizou a abertura da Ponte Internacional da Amizade

Segundo o presidente, o acordo já foi estabelecido com o Paraguai, porém a data ainda não foi anunciada

O presidente Jair Bolsonaro confirmou em nas suas redes sociais que já entrou em acordo com o Paraguai para a reabertura da Ponte da Amizade. Porém, o presidente não anunciou ainda a data que isso deve acontecer. Segundo o governo paraguaio, a data oficial de reabertura deve ser anunciada até o dia 29 de setembro.

A confirmação da reabertura foi feita pelo presidente no facebook ao responder um comentário de um internauta. Em uma das postagens de Bolsonaro, o internauta pede ajuda ao presidente para reativar a fronteira entre Foz do Iguaçu e Ciudad del Este. “Já determinei a abertura. O Paraguai já deu ok. Um abraço” disse o presidente.

O Brasil ampliou por mais 30 dias o fechamento de fronteiras terrestres para a entrada de estrangeiros. No entanto, um dos artigos da Portaria publicada permite acordos locais entre cidades gêmeas para o tráfego de cidadãos residentes na fronteira. O acordo entre Brasil e Paraguai para a reabertura da Ponte da Amizade deverá estar baseado neste artigo.

Por: Rádio Cultura

Brasil, Paraná,

Desemprego no Brasil subiu 27,6% em quatro meses de pandemia

A população desocupada no Brasil, que era de 10,1 milhões em maio, passou para 12,3 milhões em julho, e, em agosto, atingiu 12,9 milhões de pessoas, um aumento de 27,6% desde maio. A taxa de desocupação aumentou em 0,5 ponto percentual de julho para agosto, passando de 13,1% para 13,6%.

Os dados constam da edição mensal da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Covid-19 (Pnad Covid-19) , divulgada ontem (23) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Em agosto, a Pnad Covid-19 estimou a população ocupada do país em 84,4 milhões de pessoas, com aumento de 0,8% em relação a julho, mas ainda acumulando redução de 2,7% em relação a maio.
A Região Sul foi a única a apresentar queda da população desocupada (2,3%). As regiões Nordeste, com 14,3%, e Norte, com 10,3%, apresentaram as maiores variações.

A taxa de desocupação entre as mulheres foi de 16,2%, maior que a dos homens, com 11,7%, sendo que a diferença também foi verificada em todas as grandes regiões. Por cor ou raça, no Brasil e em todas as grandes regiões, a taxa era maior entre as pessoas de cor preta ou parda (15,4%) do que para brancos (11,5%).

Por grupos de idade, os mais jovens apresentaram taxas de desocupação maiores, de 23,3% para aqueles de 14 a 29 anos de idade. Por nível de escolaridade, aqueles com nível superior completo ou pós-graduação tiveram as menores taxas, 6,8%.

Auxílio emergencial

Em agosto, o percentual de domicílios onde pelo menos um dos moradores recebeu algum auxílio para combater os efeitos da pandemia foi de 43,9% no país, sendo que as maiores proporções estavam no Norte (61%) e no Nordeste (59,1%). O valor médio do benefício recebido pela população foi de R$ 901 por domicílio.

Entre os tipos de auxílio abordados pela pesquisa estão o emergencial, destinado a trabalhadores informais, microempreendedores individuais (MEI), autônomos e desempregados, e a complementação do governo federal pelo Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda.

O Amapá, com 71,4%, foi o estado com maior proporção de domicílios onde um dos moradores é beneficiário de programa de auxílio emergencial, seguido de Maranhão, com 65,5%, e Pará, 64,5%.

“Esse índice ficou estável em praticamente todos os estados. O total de domicílios que receberam auxílio teve um aumento grande de maio para junho e, de junho para julho, praticamente não cresceu, ficando estável em agosto”, disse, em nota, a coordenadora da pesquisa, Maria Lucia Vieira.

Testes

Até agosto, 17,9 milhões de pessoas, 8,5% da população, haviam feito o teste de diagnóstico para saber se estavam infectadas pelo novo coronavírus (covid-19) no Brasil. Destas, 21,6%, o equivalente a 3,9 milhões de pessoas, testaram positivo.

Segundo a coordenadora da pesquisa, uma maior disponibilidade de testes e, consequentemente, um maior acesso a eles por parte da população podem justificar o aumento no número de pessoas que estão fazendo o exame. “Como a pandemia não acabou, é natural que aumente esse número, inclusive entre as pessoas que não tiveram sintomas, mas que tiveram contato com alguém que teve covid-19 e fizeram o teste para se certificar”, explicou.

Por: Agência Brasil

Brasil, Destaques, Foz do Iguaçu,

Portaria do governo brasileiro mantém as fronteiras fechadas até 26 de setembro, diz a Migração do Paraguai

As articulações para reabertura da Ponte Internacional da Amizade entre Ciudad del Este e Foz do Iguaçu esbarram agora em uma portaria do governo federal brasileiro, mantendo as fronteiras fechadas até 26 de setembro.

É o que adianta a diretora de Migração, Ángeles Arriola, em entrevista à rádio 1080 AM do Paraguai, reporta o La Nacion.

“Nem todas as fronteiras estão habilitadas, para isso precisamos de um acordo com os outros países”, disse.

Arriola falava do novo decreto do governo federal paraguaio para abertura parcial e temporária dos postos de controle de imigração.

A reabertura da Ponte da Amizade motivou diversas manifestações em Ciudad del Este, como mostra a foto no alto da nota, ocorrida no dia 27 de julho, com ocupação da aduana paraguaia.

Brasil, Coronavírus em Foz do Iguaçu, Destaques,

Brasil só “perde” para os EUA, Espanha e Inglaterra nos índices negativos da Covid-19. Veja o acompanhamento!

O Brasil tem a sexta população mundial, com mais de 212,8 milhões de habitantes, mas tem o segundo e terceiro lugares nos índices negativos da Covid-19, infecção provocada pelo novo Coronavírus.

De acordo com dados da Organização Mundial de Saúde (OMS), os Estados Unidos com uma população de 331,3 milhões de habitantes, lidera a estatística em número de pessoas infectadas (o Brasil está em segundo).

No quesito mortes, Espanha e Inglaterra, com 46,7 milhões e 67,9 milhões de habitantes, respectivamente, lideram no total de mortes (o Brasil está em terceiro.

De acordo com acompanhamento organizado pelo matemático e professor Luis Carlos Kossar, de Foz do Iguaçu, nos EUA, são 6,4 milhões de infectados, contra 4,1 milhões no Brasil.

Em relação aos registros de mortes, são 192,7 mil nos EUA contra 126 mil no Brasil.

No quesito casos por 1 milhão de habitantes, os EUA somam 19.384 (1º lugar no acompanhamento), contra 19.330 no Brasil e de mortes (2º lugar).

Em relação ao número de mortes por milhão de habitantes, o Brasil está em terceiro lugar, com 592 registros.

Nos EUA são 582 por milhão de habitantes nos EUA (5º lugar no acompanhamento.

A estatística é liderada pela Espanha em 1º seguida da Inglaterra em 2º lugar.

Na avaliação, de Kossar, “estamos a caminho de uma crise monumental”.

“Enquanto os EUA que é um país rico com PIB de 17 trilhões de dólares, o Brasil é um país pobre, com PIB de 1,5 trilhão de dólares”, comparou.

Para ver o acompanhamento organizado por Kossar, que inclui 36 países, clique no documento abaixo