Browsing Category

Economia

Leia as últimas notícias sobre Economia no CabezaNews, site de informação com reportagens exclusivas, fotos, vídeos e conteúdos sobre Foz do Iguaçu e sobre o Paraná.

O CabezaNews leva ao público notícias de utilidade pública, curiosidades, turismo, lazer, cultura. Sobretudo com um olhar voltado para a região da tríplice fronteira entre Brasil, Paraguai e Argentina.

Em Foz, nossa cobertura foca os principais acontecimentos da cidade, incluindo eleições 2020, o avanço da pandemia do novo coronavírus, as ações da Itaipu Binacional, bem como a administração do prefeito Chico Brasileiro.

O site não deixa de lado o que acontece no restante do estado do Paraná. Notas exclusivas dos bastidores da política, da Assembleia Legislativa, ações do governo do Paraná e da administração Ratinho Júnior. Assim como as principais notícias nacionais.

O CabezaNews é editado por Ronildo Pimentel, jornalista com mais de 30 anos de atuação em jornalismo impresso e digital.

Destaques, Economia, Foz do Iguaçu, Geral,

Foz criou 723 vagas de empregos no mês de outubro

O balanço foi divulgado nesta quinta-feira (26) pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), ligado ao Ministério da Economia. Apesar da crise gerada pela pandemia, Foz do Iguaçu gerou 723 empregos.

Foz do Iguaçu perdeu para Curitiba (11.704), Ponta Grossa (1.771), Maringá (1.413), Londrina (1.256) e Cascavel (929).

Ultrapassou Toledo (597), São José dos Pinhais (546), Pinhais (504) e Apucarana (502). Em outubro, todas as 25 maiores cidades paranaenses registraram saldos positivos.

O estado do Paraná abriu um total 33.008 vagas formais de trabalho em outubro, terceiro melhor resultado do País em volume de carteiras assinadas. O Estado registra o quinto mês seguido de alta nas contratações, e se recupera dos efeitos mais severos da pandemia, que fechou cerca de 100 mil postos de trabalho.

Os números de outubro foram os melhores do ano, com crescimento de quase 70% em relação a setembro, que apontou 19.578 vagas criadas. O resultado também representa mais de 8% dos 394.989 empregos gerados em todo o território nacional no mês passado.

Os setores que mais criaram vagas foram serviços (12.391), comércio (9.423), indústria (8.452) e construção civil (3.074). Um destaque positivo é a área de informação, comunicação e atividades financeiras, imobiliárias, profissionais e administrativas, que está enquadrada no segmento de serviços, com 8.895 novas carteiras assinadas.

Estratégia

Para o governador Carlos Massa Ratinho Junior, os números refletem o acerto na estratégia do Governo do Estado de valorizar a produção local e investir em obras estruturantes como base da recuperação de empregos. Ele também disse que os números espelham o crescimento que o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) havia constatado em setembro na indústria (7,7%), no comércio (2,6%), no turismo (11,7%) e em serviços (1,2%).

“São dados animadores que se somam à retomada dos empregos. Este é o melhor programa social que existe e aquele que conforta as famílias. Estamos buscando investimentos junto ao setor produtivo, facilitando o acesso ao crédito e estimulando ainda mais o empreendedorismo com programas de desburocratização”, afirmou Ratinho Junior.

Por: GDia

Destaques, Economia, Paraná,

Parceria Abrabar e iFood prevê treinamento empresarial e curso de formalização do setor

Serviço de entrega de alimentos com uso de plataformas de internet aumentou durante a pandemia do Coronavírus

A Associação Brasileira de Bares e Casas Noturnas (Abrabar) e a iFood, plataforma de entrega de comida pronta, vão estreitar as relações nos próximos meses com a realização de treinamentos e cursos de regularização e formalização de empreendimentos do setor. Os termos da parceria foram definidos na tarde de terça-feira (24), com a presença do secretário estadual da Fazenda, Renê Garcia Junior.

A parceria começou a ser formulada com o advento da pandemia do novo Coronavírus. No período, os chamados deliverys, ganharam força devido o fechamento de bares e restaurantes devido os decretos restritivos de quarentena nos municípios. Os serviços de entrega de alimentos foi uma das soluções implantadas pelo setor, informa Fábio Aguayo, presidente da Abrabar.

A reunião, na sede da entidade em Curitiba, contou com participação do gerente de Relações Governamentais e Institucionais da iFood, Felipe Daud. A partir do encontro, ficou definida a parceria para treinamento em gestão empresarial e melhores práticas de segurança alimentar.

Também serão realizados cursos para a regularização e formalização do setor de bares e restaurantes. A parceria prevê ainda a realização de uma audiência de apresentação do iFood ao secretário da Fazenda do Paraná, Renê Junior, informa Aguayo.

Contexto

Os deliverys de alimentação foi ao solução encontrada por empressários e Microempreendedores Individuais (MEIs) para sobreviver durante a pandemia. Até o segundo semestre do ano, o país registrou a ativação de 1,15 milhão de empresas, sendo que 21,5% voltadas aos APPs de entrega de comida, segundo a Receita Federal.

Mais de 70% do setor de gastronomia e entretenimento mantiveram funcionaram exclusivamente para o delivery no período, mantendo de 50% a 70% das vendas de 2019. No Brasil, as principais plataformas possuem mais de 200 mil restaurantes parceiros em mais de mil cidades pelo Brasil.

O segmento movimenta em média R$ 17 bilhões ao ano e mantém aproximadamente quatro milhões empregos diretos e indiretos no setor. De março a agosto de 2020, o Delivery de Alimentação superou o Comércio Varejista e passou a ser a atividade com maior número de abertura de empresas no país, destaca Aguayo. 

Foram mais de 352 mil, contra 339 mil varejista, segundo a RF. O formato de venda tem sido a principal fonte de renda de muitas famílias. De março a agosto deste ano, mais de 75% das empresas abertas foram MEIs. Entre 26 setores analisados, o Delivery de Alimentação é o que possui o 10º maior percentual de MEIs.

Economia, Política,

Apesar da crise pandêmica, Paraná continua criando empregos, diz Romanelli

O deputado Luiz Claudio Romanelli (PSB) disse nesta sexta-feira, 27, que, apesar da crise provocada pelo coronavírus, o Paraná continua a abrir novas vagas para o mercado de trabalho, em vários setores. Desde o início das primeiras medidas de combate a covid-19, Romanelli tem acompanhado os dados divulgados pelo Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados).

“Em março, abril e maio, quando foram adotadas as primeiras medidas de combate à pandemia, o Paraná teve saldo negativo na geração de emprego. Com as iniciativas propostas e aprovadas pela Assembleia Legislativa em apoio ao governo, o estado conseguiu recuperar a perda da mão de obra e, pelo quinto mês consecutivo, temos saldo positivo de geração de empregos”, disse o deputado.

De acordo com o Caged, outubro foi o mês em que o Paraná teve melhor desempenho com um saldo de 33.008 empregos criados, o terceiro melhor resultado do país. No acumulado do ano, o saldo é de 33.615 novos empregos, segundo melhor indicador do Brasil. “Esses números apontam para a recuperação da economia e mostra que o setor produtivo paranaense está gradativamente retomando o ritmo de produção e vamos ter um fim de ano com resultados ainda melhores”, estima Romanelli.

Mão de obra — O setor de serviços foi o que mais contratou em outubro, segundo os dados anunciados. Foram 12.391 novas contratações. Na sequência vem o comércio (9.423), indústria (8.452) e construção civil (3.074). Na avaliação do deputado, atividades das áreas de informação, comunicação e atividades financeiras, imobiliárias, profissionais e administrativas, que está enquadrada no setor de serviços, são os que mais se destacaram com a abertura de 8.895 novas vagas carteiras assinadas.

Romanelli lembra que está em análise na Assembleia Legislativa, proposta que prevê a expansão do benefício fiscal de ICMS para empresas dos setores de informática, telecomunicações e eletroeletrônicos instaladas em Cornélio Procópio e em mais nove cidades paranaenses. “A ideia é aumentar a competitividade dos municípios, estimular a criação de empregos, aumento de renda e a inovação. O benefício fiscal está relacionado à existência de unidades da Universidade Federal Tecnológica do Paraná”, explica.

Em outubro, os municípios paranaense que mais geraram emprego com carteira assinada foram Curitiba (11.704), Ponta Grossa (1.771), Maringá (1.413), Londrina (1.256), Cascavel (929), Foz do Iguaçu (723), Toledo (597), São José dos Pinhais (546), Pinhais (504) e Apucarana (502).

Destaques, Economia, Foz do Iguaçu,

Rede Mabu oferece vagas de trabalho para hotelaria e parque aquático em Foz do Iguaçu

São vagas fixas e para intermitentes na área operacional e escritório

Aos poucos a demanda por viagens e naturalmente por hospedagem e entretenimento vem aumentando. Para dar conta dessa procura, a Rede Mabu está oferecendo vagas para várias áreas do hotel e parque aquático.

“Já contratamos mais de 100 profissionais nas últimas semanas e precisamos de ainda mais gente. A temporada de verão e as festas de fim de ano prometem ser bem movimentadas, portanto estamos reforçando nosso quadro de colaboradores. Procuramos pessoas animadas e com disposição para receber a todos com um belo sorriso” explicou Karla Amaral, Diretora de DHO.

Os selecionados poderão atuar em atividades administrativas, vendas e operacional.

Áreas com vagas disponíveis:
-Cozinha
-Governança
-Recreação
-Manutenção
-Atendimento em áreas de Alimentos e Bebidas
-Vendas

Interessados podem enviar currículo com foto para trabalheaqui@hoteismabu.com.br
Colocar no título da mensagem a área de seu interesse

Economia, Paraná,

Programa Revitis e IDR-Paraná promovem 7ª Jornada da Fruticultura

Será nesta quinta-feira, a partir das 9 horas, com transmissão pelo Youtube do IDR-Paraná. Esse é o segundo de uma série de eventos com o intuito de revigorar a produção de uvas e seus derivados no Paraná.

Nesta quinta-feira (26), a partir das 9 horas, acontece a 7º Jornada Tecnológica em Fruticultura, com o tema a “Deriva de herbicidas na videira”. O evento, online e gratuito, é organizado pelo Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná Iapar-Emater (IDR-Paraná) e pelo Programa de Revitalização da Viticultura Paranaense (Revitis), da Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento. A transmissão será pelo Youtube do IDR-Paraná.

Esse é o segundo de uma série de eventos com o intuito de revigorar a produção de uvas e seus derivados no Paraná. “Essa iniciativa faz parte de um plano de capacitação para técnicos e produtores, além de eventos online mensais sobre temas ligados à viticultura e produção de derivados da uva”, explica o coordenador estadual do Revitis, Ronei Andretta. Os próximos encontros virtuais serão divulgados na página do programa no site da Secretaria da Agricultura e Abastecimento.

A pesquisadora do IDR-Paraná, Alessandra Maria Detoni, explica que desde 2016 acontecem encontros presenciais no Polo de Pesquisa do IDR em Santa Tereza do Oeste visando a difusão e transferência de tecnologias em viticultura. “Esse ano, em virtude da pandemia, optamos pelo evento virtual”, diz.

Alerta

Deriva de herbicida é o desvio da trajetória das gotas produzidas na pulverização para fora do alvo que se pretende atingir. Segundo Alessandra Maria Detoni, a escolha do tema se deve a eventos recentes de deriva, que causaram grandes danos para a safra de uva 2020. O objetivo é orientar e alertar os agricultores para o uso consciente dos herbicidas hormonais.

Serão apresentados, na Jornada, alguns casos de deriva em pomares de uva em todo o Estado, o mecanismo de ação dos herbicidas hormonais na planta, a situação atual do uso de herbicidas hormonais e o que pode acontecer no futuro, em virtude da possibilidade de liberação de outros princípios ativos, e como ocorre a fiscalização dos casos de deriva de herbicidas em culturas sensíveis.

Programação

Participam do evento o engenheiro agrônomo e presidente da Associação Norte Paranaense de Estudos em Fruticultura (ANPEF), Werner Genta; a pesquisadora e professora da Universidade Federal do Paraná, Katia Christina Zuffellato-Ribas; o pesquisador e docente da Universidade Estadual de Maringá (UEM), Denis Fernando Biffe, e o engenheiro agrônomo e coordenador do Programa de Defesa do Alimento Seguro da Agência de Defesa Agropecuária do Paraná (Adapar), João Miguel Toledo Tosato.

Revitis

O Revitis foi lançado em novembro de 2019, apoiado nos eixos de incentivo para a produção, reorganização da comercialização, desenvolvimento do turismo e apoio à agroindústriaDesde então, foi realizado um diagnóstico com mais de 300 produtores que apresentaram os maiores problemas da cadeia produtiva da uva. A partir disso, foi produzido um documento descrevendo as ações a serem desenvolvidas nos eixos pesquisa e produção, agroindústria, comércio e turismo.

Também está em processo de implantação um viveiro em Santa Tereza do Oeste, para produzir material genético de qualidade. A capacidade é para 150 mil estacas por ano.O programa propiciou, ainda, a criação de uma rede com mais de 15 centros de pesquisa.

Neste ano, foram executados alguns projetos piloto, com aquisição de mudas sadias e insumos para agricultores de Bituruna, Mato Rico, Boa Ventura de São Roque e Pitanga.

Destaques, Economia, Foz do Iguaçu,

Comércio de Foz do Iguaçu terá horário estendido no dia da Black Friday

O comércio de Foz do Iguaçu abrirá as portas mais cedo na sexta-feira (27), dia da popular Black Friday. A partir das 7h já haverá movimentação de vendedores em boa parte das lojas na região central. As equipes se preparam com antecedência para receber o público e os estoques estão abastecidos. 

“Nós estamos com uma expectativa muito grande e preparamos tudo com muito cuidado e segurança para receber os clientes. Para facilitar ainda mais, todas as compras poderão ser parceladas em até seis vezes sem juros nos cartões de crédito. Tudo isso para que as pessoas possam entrar de férias no Ano Novo com tranquilidade e sem peso no bolso”, contou Graziela Talini, gerente de uma loja no centro de Foz. 

Nos shoppings também haverá horário especial de atendimento. No Cataratas JL, as portarias, estacionamento e lojas estarão abertos das 7h às 23h. A programação visa garantir a tranquilidade dos clientes e também evitar aglomerações por conta da pandemia da Covid-19.

Além das compras presenciais o público poderá participar de uma ação especial denominada “Lance Friday”. O evento será online, transmitido ao vivo na página do shopping JL, das 14h às 18h. Será possível arrematar produtos variados sem sair de casa e com preços acessíveis. O maior lance dado dentro do tempo cronometrado arrematará o produto ofertado.

No shopping Catuaí Palladium o atendimento também iniciará às 7h na sexta-feira. De acordo com o empreendimento, a decisão deste horário atende a inúmeros pedidos de clientes pelas mídias sociais. A organização das lojas está sendo finalizada para garantir as melhores ofertas para os clientes. 

A Black Friday é uma boa oportunidade para antecipar as compras de Natal, especialmente de presentes para a família. Uma pesquisa feita pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Paraná (Fecomércio) mostra que uma boa parcela dos consumidores pretende aproveitar os descontos. 

Essa estimativa trouxe animação para os lojistas, que esperam obter um crescimento de até 30% nas vendas. A data deve movimentar a economia após um período de estagnação causado pela pandemia da Covid-19. Com esta perspectiva os empresários esperam sair do vermelho e gerar mais empregos. 

Descontos podem chegar a 80%

A Black Friday engloba estabelecimentos físicos e virtuais, que oferecem na última sexta-feira de novembro diversas mercadorias com preços abaixo do mercado convencional. A ação, que teve início nos Estados Unidos, conquistou os empresários e os consumidores brasileiros, que economizam durante meses para aproveitar as promoções no final do ano. 

Tanto nos sites como nas lojas do comércio varejista de Foz será possível encontrar produtos com até 80% de desconto. Itens como eletrônicos, roupas, calçados, produtos de beleza e acessórios em geral devem ser os mais procurados pelos consumidores. O estoque dessas mercadorias foi reforçado há cerca de dois meses. 

“Os lojistas estão ansiosos para que o 13° aqueça o mercado neste final de ano. Todos estão preparando as suas mercadorias, com muitas novidades para os clientes”, o presidente da Associação Comercial e Empresarial de Foz (Acifi), Faisal Mahmoud Ismail.

Por: GDia

Economia, Paraná,

Solução apoiada por PTI é aposta para aprimorar segurança energética no Paraná

Parque Tecnológico realiza testes para garantir eficiência das microrredes, sistemas que estão sendo fomentados por ações do governo estadual

O Parque Tecnológico Itaipu (PTI-BR) já aposta há alguns anos nas microrredes – conjunto de recursos energéticos distribuídos – para garantir a segurança energética e minimizar prejuízos decorrentes de perdas energéticas em atividades econômicas fundamentais para o Paraná, como o agronegócio.

O Governo do Paraná  e a Companhia Paranaense de Energia (Copel) seguem esta tendência, visando tornar o Paraná o estado mais seguro energeticamente no Brasil. Na última semana, foi publicado edital para fomentar a instalação de microrredes no estado.

Nesta chamada pública da Copel será contratada a energia produzida por produtores independentes de pequeno e médio porte, incluindo minigeradores, que usam fontes como a energia fotovoltaica, eólica e biogás.

O PTI oferece soluções para garantir maior eficiência desses sistemas. Com uma das maiores infraestruturas de simulação em tempo real da América Latina, o Parque Tecnológico tem trabalhado com ensaios para que o investimento nas microrredes seja bem-sucedido.

Contando também com a experiência de 17 anos no atendimento à maior geradora de energia elétrica do mundo, a Itaipu Binacional, com o desenvolvimento de soluções customizadas às necessidades da hidrelétrica.

Um dos diferenciais que o Parque possui nesse sentido é a experiência da equipe, somada à infraestrutura RTDS existente – a capacidade do equipamento existente no PTI é uma exceção no Brasil. Conforme explica o gerente do Centro de Competências em Automação e Simulação de Sistemas, Rodrigo Otto, o RTDS é usado para fazer as simulações em tempo real das microrredes, oferecendo as condições mais próximas ao mundo real.

“No caso das microrredes podemos utilizar o RTDS para os testes em malha fechada, também conhecidos como hardware-in-the-loop, para avaliar questões como comunicação, controle e proteção”, afirma.
Entre os benefícios do uso da plataforma estão a fidelidade do modelo, a compatibilidade com equipamentos de mercado e a ampla gama de possibilidades de testes e ensaios. Essas simulações também permitem diminuir os riscos de operação incorreta dos equipamentos que compõem a microrrede e a combinação de recursos energéticos distribuídos. Além disso, o investimento nesses testes é baixo, se comparado ao valor total de implantação das microrredes.

Agronegócio

Os sistemas independentes de geração distribuída podem ser uma solução para um dos principais gargalos do Agronegócio – uma das temáticas de atuação do Parque Tecnológico. Isso porque alguns equipamentos para produção demandam uso intensivo de energia e as interrupções energéticas podem causar grandes prejuízos aos produtores.

A implantação dessas redes inteligentes que vão ligar as microrredes ao sistema de distribuição, vai permitir que o reestabelecimento de energia, nessas situações, sejam feito de forma mais rápida, minimizando os riscos de perdas.

Destaques, Economia, Foz do Iguaçu,

Primeiros meses da pandemia derrubou arrecadação municipal de Foz do Iguaçu

A maior queda foi sobre o Imposto Sobre Serviços (ISS), onde a estimativa de R$ 120 milhões deve fechar em R$ 45 milhões.

O Município de Foz do Iguaçu deve fechar 2020 com um orçamento menor que o previsto no ano anterior. O fator pandemia derrubou as receitas locais, principalmente no mês abril.

O Imposto Predial Territorial Urbano (IPTU), principal arrecadação do Município, deve fechar o ano com R$ 16 milhões a menos que o previsto. De acordo com Darlei Finkler, diretor de Gestão Orçamentária, a estimativa de IPTU para este ano era de R$ 86 milhões, mas deve fechar em R$ 70 milhões.

“O maior problema deve ser o Imposto Sobre Serviços (ISS), onde a estimativa para 2020 era de R$ 120 milhões, mas deve fechar o ano com menos R$ 45 milhões”, informou Finkler.

A queda nas arrecadações deve ter um acumulado R$ 73 milhões, que foi aliviada com o repasse de R$ 32 milhões do governo federal como socorro a estados e municípios durante a pandemia.

“A gente já se ajustou nas despesas, com menos gastos na educação resultado das escolas fechadas e outras pastas. Vamos pagar todos os salários da prefeitura. O maior desafio do próximo ano é equilibrar o o fundo de previdência do servidores, que demanda recursos adicionais além da arrecadação deles”, disse o diretor orçamentário.

A capacidade de investimentos com recursos próprios deve ser a área mais afetada. São 50 milhões a menos, resultado da diminuição em cada uma das secretarias. Mesmo assim, a prefeitura deverá recorrer a linhas de créditos para futuros investimentos.

As únicas secretarias municipais que tiveram um acrécimo previsto no orçamento foram a Saúde (5%), Segurança (5%) e Controladoria-Geral (10%).

Por: Rádio Cultura

Economia, Paraná,

Copel lança atendimento ao cliente por aplicativo de mensagens

Pelo Whatsapp é possível consultar débitos, receber o código de barras da segunda via da conta de luz, parcelar débitos, pedir religação e, ainda, informar a leitura do relógio de energia.

Os serviços mais rotineiros buscados pelos clientes da Copel agora estão disponíveis também pelo aplicativo de conversas Whatsapp. A abertura de mais um canal para atender as solicitações tem os objetivos de dar agilidade ao atendimento e facilitar a proximidade com a empresa.

Pelo novo número é possível consultar débitos, receber o código de barras da segunda via da conta de luz, parcelar débitos, pedir religação e, ainda, informar a leitura do relógio de energia.

O canal também orienta quanto à forma de solicitar outros serviços. Desde 2014, as solicitações por canais digitais superam os canais tradicionais na Copel e hoje cerca de 90% das interações são a distância, sem que o cliente precise sair de casa e sem restrições de dia e horário.

O superintendente comercial da Copel, João Acyr Bonat Junior, explica que a ideia é oferecer uma diversidade de opções para que o cliente possa escolher a melhor forma de conversar com a empresa.

“Reformulamos nosso site este ano para facilitar a experiência do cliente e o aplicativo continua funcionando muito bem para os sistemas iOS e Android. Agora o Whatsapp vem como mais uma alternativa”, ressalta.

O número da Copel no Whatsapp é 41 3013-8973 e pode ser adicionado aos contatos para facilitar o acesso. 

Destaques, Economia, Foz do Iguaçu,

Vitivinicultura, lojas francas e projetos estruturantes apontam para o desenvolvimento fronteiriço

O maior vinhedo da América do Sul, com 450 hectares de vinhas concentradas em uma única propriedade, está no município de Santana do Livramento (RS), fronteira entre Brasil e Uruguai, e foi implantado na região devido a um estudo da Universidade de Davis, na Califórnia (EUA), apontando que o local concentra o conjunto de condições favoráveis para a produção de vinhos de qualidade. Isso foi há 46 anos, quando a vinícola Almadém se estabeleceu na região, marca posteriormente incorporada e atualmente pertencente à Miolo Wine Group.

A propriedade mantém a produção de vinhos da marca, consolidados no mercado, e implementou o enoturismo com a criação do Wine Park Almadém. O complexo recebe visitantes do mundo todo e é um dos exemplos dos potenciais oferecidos e em desenvolvimento nas fronteiras brasileiras. A pujança da vitivinicultura do grupo Miolo, nas fronteiras e nas demais unidades de produção, foi destaque no VII Seminário Fronteiras do Brasil, realizados pelo Instituto de Desenvolvimento Econômico e Social de Fronteiras (IDESF), de 18 a 20 de novembro.

“Os vinhos têm suas próprias fronteiras, chamadas de ‘terroirs’, que lhes doam tipicidade, decorrente do solo, clima e fatores humanos, tornamdo-os únicos e diferentes”, destacou o diretor executivo da Miolo Wine Group, Danilo Cavagni, durante a palestra ‘O vinho integra fronteiras’, ministrada na última noite do evento, no painel sobre ‘Projetos para desenvolvimento de fronteiras’.

Embalado pelo fluxo de turistas que não para de crescer, o grupo investe no projeto de instalação do Trem do Pampa, passeio turístico criado para aproveitar o movimento de compras de Santana do Livramento, vizinha e gêmea da uruguaia Rivera. A intenção é repetir na unidade fronteiriça o mesmo sucesso já obtido no complexo enoturístico da Serra Gaúcha, onde a Miolo recebe mais de 200 mil turistas por ano, em roteiros que contemplam vinhedos, cantina e caves subterrâneas. “Eles vêm interessados em experimentar vinhos, conhecer a vinícola, saber como é o processo de produção e até participar da colheita da uva”. O movimento alavanca a venda de vinho, ajudando na divulgação e tornando os visitantes consumidores da marca.

Free shops

O último painel do Seminário do IDESF teve também a participação do consultor em importação e exportação, regimes aduaneiros especiais e lojas francas, Oscar Bentacourt. Falando sobre a mudança do cenário econômico das regiões fronteiriças produzida pelas chamadas free shops, o consultor trouxe o panorama que culminou com a aprovação da legislação brasileira permitindo a instalação de lojas francas nas cidades gêmeas, aprovada em 2012. Com a autorização para funcionamento liberada pela Receita Federal, em 2018, iniciou-se a ‘peregrinação’ dos empresários para vencer os trâmites e abrir as portas das lojas, que estão em franca expansão.

Bentacourt usou mapa elaborado pelo IDESF em recente matéria publicada neste site sobre A franca evolução das free shops nas fronteiras brasileiras para ilustrar o cenário atual das lojas francas no Brasil e destacou que o modelo é uma alavanca, pois vai possibilitar a instalação de outros negócios e contribuir para mudar a realidade das cidades fronteiriças. “O que faz um jovem de 16 anos na fronteira? Ele não tem mais o que fazer: ou vai embora, ou fica ali exposto ao crime, ao assédio para fazer um descaminho, a mula que a gente chama”.

O painel também contou com apresentação da mediadora, Laura Urrejola, sobre o resgate do sentimento e valorização das potencialidades fronteiriças, e teve como último palestrante o ex-secretário de Turismo, Indústria e Comércio de Foz do Iguaçu. Gilmar Piolla fez um balanço dos 3 anos e 7 meses à frente da pasta e elencou os principais projetos que prometem mudar a realidade de tríplice fronteira entre Brasil, Paraguai e Argentina. Com destaque para a consolidação de um hub logístico aéreo, motivado pelos investimentos de Itaipu e Infraero no Aeroporto Internacional.

A propriedade mantém a produção de vinhos da marca, consolidados no mercado, e implementou o enoturismo com a criação do Wine Park Almadém. O complexo recebe visitantes do mundo todo e é um dos exemplos dos potenciais oferecidos e em desenvolvimento nas fronteiras brasileiras. A pujança da vitivinicultura do grupo Miolo, nas fronteiras e nas demais unidades de produção, foi destaque no VII Seminário Fronteiras do Brasil, realizados pelo Instituto de Desenvolvimento Econômico e Social de Fronteiras (IDESF), de 18 a 20 de novembro.

“Os vinhos têm suas próprias fronteiras, chamadas de ‘terroirs’, que lhes doam tipicidade, decorrente do solo, clima e fatores humanos, tornamdo-os únicos e diferentes”, destacou o diretor executivo da Miolo Wine Group, Danilo Cavagni, durante a palestra ‘O vinho integra fronteiras’, ministrada na última noite do evento, no painel sobre ‘Projetos para desenvolvimento de fronteiras’.

Embalado pelo fluxo de turistas que não para de crescer, o grupo investe no projeto de instalação do Trem do Pampa, passeio turístico criado para aproveitar o movimento de compras de Santana do Livramento, vizinha e gêmea da uruguaia Rivera. A intenção é repetir na unidade fronteiriça o mesmo sucesso já obtido no complexo enoturístico da Serra Gaúcha, onde a Miolo recebe mais de 200 mil turistas por ano, em roteiros que contemplam vinhedos, cantina e caves subterrâneas. “Eles vêm interessados em experimentar vinhos, conhecer a vinícola, saber como é o processo de produção e até participar da colheita da uva”. O movimento alavanca a venda de vinho, ajudando na divulgação e tornando os visitantes consumidores da marca.

Free shops

O último painel do Seminário do IDESF teve também a participação do consultor em importação e exportação, regimes aduaneiros especiais e lojas francas, Oscar Bentacourt. Falando sobre a mudança do cenário econômico das regiões fronteiriças produzida pelas chamadas free shops, o consultor trouxe o panorama que culminou com a aprovação da legislação brasileira permitindo a instalação de lojas francas nas cidades gêmeas, aprovada em 2012. Com a autorização para funcionamento liberada pela Receita Federal, em 2018, iniciou-se a ‘peregrinação’ dos empresários para vencer os trâmites e abrir as portas das lojas, que estão em franca expansão.

Bentacourt usou mapa elaborado pelo IDESF em recente matéria publicada neste site sobre A franca evolução das free shops nas fronteiras brasileiras para ilustrar o cenário atual das lojas francas no Brasil e destacou que o modelo é uma alavanca, pois vai possibilitar a instalação de outros negócios e contribuir para mudar a realidade das cidades fronteiriças. “O que faz um jovem de 16 anos na fronteira? Ele não tem mais o que fazer: ou vai embora, ou fica ali exposto ao crime, ao assédio para fazer um descaminho, a mula que a gente chama”.

O painel também contou com apresentação da mediadora, Laura Urrejola, sobre o resgate do sentimento e valorização das potencialidades fronteiriças, e teve como último palestrante o ex-secretário de Turismo, Indústria e Comércio de Foz do Iguaçu. Gilmar Piolla fez um balanço dos 3 anos e 7 meses à frente da pasta e elencou os principais projetos que prometem mudar a realidade de tríplice fronteira entre Brasil, Paraguai e Argentina. Com destaque para a consolidação de um hub logístico aéreo, motivado pelos investimentos de Itaipu e Infraero no Aeroporto Internacional.

Piolla falou ainda sobre a Ponte da Integração Brasil – Paraguai, nova ligação entre os dois países, e a Avenida Perimetral Leste, projetada para desviar o fluxo de caminhões do Centro da cidade e do eixo turístico. Fez menção às free shops e aos pólos de saúde, tecnologia e inovação como pilares de desenvolvimento para a região.

O VII Seminário Fronteiras do Brasil iniciou na quarta (18.11), com o painel ‘Mercados ilegais – análise de vulnerabilidades nos diferentes modais’ e prosseguiu na quinta (19.11) à noite, com o painel ‘Segurança integrada de fronteiras’.  As transmissões foram abertas ao público e podem ser acessadas nos seguintes links:

Painel ‘Mercados ilegais – análise de vulnerabilidades nos diferentes modais’
Painel ‘Segurança integrada de fronteiras’
Painel ‘Projetos para desenvolvimento de fronteiras’

Por: IDESF