Browsing Category

Educação

Leia as últimas notícias sobre Educação no CabezaNews, site de informação com reportagens exclusivas, fotos, vídeos e conteúdos sobre Foz do Iguaçu e sobre o Paraná.

O CabezaNews leva ao público notícias de utilidade pública, curiosidades, turismo, lazer, cultura. Sobretudo com um olhar voltado para a região da tríplice fronteira entre Brasil, Paraguai e Argentina.

Em Foz, nossa cobertura foca os principais acontecimentos da cidade, incluindo eleições 2020, o avanço da pandemia do novo coronavírus, as ações da Itaipu Binacional, bem como a administração do prefeito Chico Brasileiro.

O site não deixa de lado o que acontece no restante do estado do Paraná. Notas exclusivas dos bastidores da política, da Assembleia Legislativa, ações do governo do Paraná e da administração Ratinho Júnior. Assim como as principais notícias nacionais.

O CabezaNews é editado por Ronildo Pimentel, jornalista com mais de 30 anos de atuação em jornalismo impresso e digital.

Educação, Paraná,

Matriz curricular do ensino médio do Paraná é tema de audiência pública

Os deputados que integram a bancada da Oposição na Assembleia Legislativa do Paraná, liderados pelo deputado Professor Lemos (PT), realizam nesta terça-feira (26) às 14 horas uma audiência pública para debater a matriz curricular do ensino médio no estado, com ênfase na importância das disciplinas de Filosofia, Sociologia e Artes. Lemos também é integrante da Comissão de Educação da Assembleia Legislativa.

A audiência pública debaterá os temas relacionados à Instrução Normativa Conjunta nº 11/2020, da Secretaria de Estado da Educação e do Esporte, que modificou a Matriz Curricular do Ensino Médio na rede pública estadual de ensino do Paraná, a partir do ano letivo de 2021.

Dentre outras alterações, a Instrução Normativa reduziu de 2 horas aulas para 1 hora aula semanal a carga horária das disciplinas de Filosofia, Sociologia e Artes.

“A medida empobreceu a Matriz Curricular e não encontra respaldo na Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional e nos anseios da comunidade escolar. Neste sentido, a audiência debaterá a importância dos conteúdos e saberes de tais disciplinas para a formação plena, cidadã e crítica dos jovens, além dos fatos e fundamentos que embasam a manutenção da atual Matriz Curricular”, disse Lemos.

Os debates terão transmissão ao vivo pela TV Assembleia, canal aberto 10.2 e 16 pela Claro/Net, além do site e redes sociais do Legislativo.

Destaques, Educação, Foz do Iguaçu,

Educadores aprovam greve e não retomarão aulas on-line ou presenciais em fevereiro

Professores e funcionários exigem retomada de direitos retirados. Categoria avaliou em assembleia não haver condições sanitárias para o trabalho nas escolas e cobra vacina

Sem a ampla oferta de vacina contra a covid-19, segurança sanitária e restabelecimento de direitos retirados pelo governo, educadores da rede estadual de educação não retomarão o ano letivo em fevereiro, na modalidade remota, presencial ou “híbrida”. A categoria aprovou greve geral a partir de 18 de fevereiro, em assembleia nesse sábado, 23.

Participaram da plenária virtual cerca de 1,1 mil profissionais de todo o Paraná. Professores e funcionários avaliaram que começar o ano letivo sem imunização e segurança é colocar a vida dos trabalhadores, estudantes e suas famílias em risco. Também não abrem mão de reaver os direitos que estão sendo retirados pelo governo.

A classe denuncia que o governo impôs uma data para o retorno das aulas sem dialogar. E os estabelecimentos de ensino não estão adequados nem receberam investimentos para essa retomada, mantendo uma infraestrutura física que conduz a aglomerações.

“O objetivo maior, neste momento, deve ser a preservação da vida e da saúde”, enfatiza o presidente da APP-Sindicato/Foz, Diego Valdez. “Isso está sendo ignorado pelo Governo do Paraná ao impor a volta às aulas sem vacina e sem segurança sanitária”, pontua.

O representante dos educadores relembra decisões adotadas em outros lugares que levaram ao colapso da saúde devido ao aumento de casos de covid-19. “O que Ratinho Junior e o secretário Renato Feder pretendem já foi feito no Amazonas, e o resultado foi uma catástrofe, com alto custo humano”, reflete.

Diego enfatiza que a paralisação terá início no dia 18 de fevereiro, por isso não ocorrerão aulas presenciais, remotas ou no modelo “híbrido” que vem sendo propagandeado pelo governo. “É uma greve pela vida e por direitos. Uma pauta está ligada à outra”, sublinha.

Direitos dos educadores

Sob o lema “Educadores em defesa da vida, da escola pública, do emprego e dos direitos”, a greve pauta direitos trabalhistas que estão sendo suprimidos. No campo educacional, enfatiza a oposição da categoria a medidas de desmonte do ensino público que estão sendo adotadas pelo governo e a Secretaria de Estado da Educação (Seed).

O governador Ratinho Junior (PSD) suspendeu recentemente a reposição salarial de 1,5%, prevista para este mês de janeiro, resultante do acordo para o fim da greve de 2015. Congelou carreiras, militarizou escolas e cortou aulas das disciplinas de Artes, Filosofia e Sociologia.

“O governo também teima na terceirização, demitindo funcionários de escola para a contratação de empresas”, frisa Diego Valdez. “Além de não gerar economia e piorar os serviços, é uma atitude muito perversa de Ratinho Junior”, complementa.

Conforme o dirigente sindical, a denúncia sobre falta de trabalho entre os educadores faz parte da pauta. “A partir da desorganização escolar e sem a abertura de concurso público, o governo está causando o desemprego de aproximadamente 30 mil professores temporários, os PSSs”, expõe.

A assembleia também aprovou a reivindicação da inclusão de professores e funcionários da educação no grupo prioritário de vacinação contra o novo coronavírus. A categoria quer debate sobre as condições de estrutura, ensino e aprendizagem das aulas remotas.

(APP-Sindicato/Foz)

Destaques, Educação, Foz do Iguaçu,

Aulas nas escolas municipais de Foz do Iguaçu devem voltar no dia 1º de março, diz prefeitura

Secretaria Municipal de Educação informou que irá avaliar os efeitos do feriado de Carnaval na pandemia, antes da retomada. Retorno será facultativo e no modelo híbrido.

As aulas nas escolas municipais de Foz do Iguaçu, na região oeste do Paraná, devem ser retomadas no dia 1º de março, segundo a Secretaria Municipal de Educação. A data foi definida depois de uma reunião da Associação dos Municípios do Oeste do Paraná (Amop).

A prefeitura chegou a prever o retorno para o dia 18 de fevereiro, seguindo o calendário dos colégios estaduais.

De acordo com a secretária de Educação de Foz do Iguaçu, Maria Justina da Silva, a pasta preferiu o dia 1º de março, para avaliar como estará a situação da pandemia.

“Considerando o Carnaval, nós preferimos iniciar no dia 1º de março, porque teríamos esse 10 dias para saber como foi o feriado”, explicou.

Segundo a Secretaria Municipal de Educação, as aulas vão voltar de forma presencial, mas seguindo o modelo híbrido. Ou seja, os alunos serão divididos em grupos e se revezarão entre atividades na escola e em casa.

A prefeitura informou ainda que o retorno será a partir das turmas do Infantil 4. Crianças entre zero e três anos continuam com as atividades suspensas.

O retorno será facultativo, conforme a gestão municipal.

Por: G1 Oeste e Sudoeste

Destaques, Educação, Foz do Iguaçu,

Resultado da seleção para vagas remanescentes da UNILA é retificado

Com a mudança, abrem-se novos prazos para apresentação de recursos e da documentação para matrícula

A UNILA publicou nesta sexta-feira (22) o edital PROGRAD 003/2021 retificando a lista de aprovados e classificados no processo seletivo de vagas remanescentes. Além da nova lista, também houve mudança no prazo para o envio da documentação para a matrícula. A nova data limite agora é 27 de janeiro (até às 14h, horário de Brasília). Estão em disputa 457 vagas não preenchidas pelo processo Sisu/2020, em 26 cursos de graduação.

A publicação é resultado de uma nova análise das inscrições. Com a mudança, abre-se também novo prazo para a apresentação de recursos. O candidato que desejar interpor recurso à decisão de indeferimento/desclassificação elencada no edital PROGRAD 003 (https://documentos.unila.edu.br/editais/prograd/003-2), tem prazo até as 12h (horário de Brasília) do dia 25. O resultado deverá ser publicado na data provável de 26 de janeiro.

Ainda nesta sexta-feira (22), os candidatos aprovados dentro do número de vagas ofertadas receberão um e-mail de convocação com usuário, senha, e link para acesso ao sistema de envio dos documentos para matrícula. O candidato que deixar de encaminhar a documentação será excluído do processo, abrindo vaga para aqueles que estiverem na lista de espera. Os candidatos que aparecem classificados na lista e desejarem continuar na disputa também deverão enviar os documentos necessários para matrícula.

A lista dos documentos e a forma para apresentação pode ser consultada no edital Prograd 002/2021 (https://documentos.unila.edu.br/editais/prograd/2-5). O resultado da análise da documentação da matrícula sai na data provável de 1º de fevereiro, quando também se inicia prazo para eventuais recursos em relação ao resultado da matrícula. A publicação do resultado final está programada para 5 de fevereiro (data provável).

Após a retomada das atividades presenciais, todos os candidatos matriculados serão convocados para apresentar as vias originais da documentação enviada de forma online.

O processo seletivo de vagas remanescentes havia sido suspenso em março do ano passado, em razão da pandemia de Covid-19, que afetou todo o calendário acadêmico da Universidade.

Educação, Foz do Iguaçu,

Prazo de inscrição no mestrado em Biodiversidade Neotropical da UNILA termina no dia 1º de fevereiro

O mestrado em Biodiversidade Neotropical segue com inscrições abertas para alunos regulares; o ingresso será no primeiro semestre de 2021. Os candidatos devem inscrever-se até o dia 1º de fevereiro, por meio do SIGAA (bit.ly/mestradounila), o sistema online da UNILA, onde devem anexar ficha de inscrição e as documentações exigidas, conforme edital. O curso oferta um total de 24 vagas, distribuídas nas suas duas linhas de pesquisa: Ecologia; e Sistemática e Evolução. As inscrições e o curso são gratuitos.

Na ficha de inscrição, o candidato deve indicar os orientadores pretendidos. As áreas de pesquisa de cada docente do curso estão disponíveis na página do mestrado (bit.ly/UNILAPPGBN). Os candidatos devem, ainda, disponibilizar no SIGAA o link de um vídeo em que devem comunicar a intenção de cursar o mestrado. Para inscrição e avaliação no processo seletivo, também são exigidas duas cartas de recomendação, que deverão ser enviadas pelos recomendantes até o fim do período de inscrição, pelo e-mail selecao.ppgbn@unila.edu.br. Um dos recomendantes deve ser professor doutor ou doutorando de Instituição de Ensino Superior ou de Instituto de Pesquisa; e o outro pode ter título de mestre.

O resultado do processo seletivo será divulgado no dia 12 de fevereiro. As matrículas devem ser realizadas no período entre 22 e 26 de fevereiro.

• A página para o edital do processo seletivo, a ficha de inscrição e o modelo de carta de recomendação pode ser acessada em: bit.ly/PPGBN2021

• Dúvidas podem ser esclarecidas pelo e-mail secretaria.ppgbn@unila.edu.br.

Novos docentes credenciados

O Programa de Pós-graduação em Biodiversidade Neotropical (PPGBN) credenciou três novos docentes, no final de 2020. Para a seleção, levou-se em consideração a produção intelectual dos candidatos referente ao período de 2017 a 2020, a formação acadêmica, a qualidade do projeto de pesquisa apresentado e a adequação e demanda em relação à disciplina proposta pelo candidato. Este foi o primeiro processo seletivo para credenciamento de novos docentes no Programa. Eles poderão desenvolver atividades de orientação, co-orientação, participar de projetos de pesquisa, ensino e extensão, além de ofertar disciplinas no PPGBN já a partir de 2021.

Entre os credenciados está a docente Carolina Isabel Miño, doutora em Ciências (Genética e Evolução) pela UFSCar. Desde 2015 atua como pesquisadora do CONICET no Instituto de Biologia Subtropical (ARG). Possui interesses acadêmico-científicos nas áreas de ecologia molecular; comportamento reprodutivo de aves; genética da conservação, genética de populações e ecologia de populações animais; comportamento animal; educação ambiental; e divulgação científica. Outro professor selecionado foi Santiago José Elías Velazco, doutor em Engenharia Florestal pela UFPR. Ele é pesquisador no Instituto de Biologia Subtropical (CONICET – ARG). Tem experiência na área de ecologia da conservação, biogeografia da conservação e modelos de distribuição espacial. Também foi credenciado o docente Neucir Szinwelski, que possui doutorado em Entomologia pela UFV. Ele é coordenador do Laboratório de Orthoptera e orientador no Programa de Pós-Graduação em Tecnologias, Gestão e Sustentabilidade da Unioeste (campus de Foz do Iguaçu).

Destaques, Educação, Foz do Iguaçu,

Rede municipal de ensino de Foz do Iguaçu se organiza para início das atividades no dia 18 de fevereiro

Data segue definição da Secretarial Estadual da Educação e do Esporte; escolas começam a ser preparadas no início de fevereiro

As aulas nas escolas que compõem a rede municipal de ensino de Foz do Iguaçu devem ser reiniciadas no dia 18 de fevereiro. A previsão segue o calendário da Secretaria Estadual de Educação e do Esporte, e a expectativa é que, no primeiro momento, as aulas sejam feitas de forma híbrida – com uma parte dos alunos presencialmente e também com ensino remoto.

As escolas da rede municipal começam a ser preparadas para receber os alunos, assegurando todas as medidas sanitárias contra o coronavírus, como higienização dos espaços e distanciamento social das carteiras das salas.

A secretária municipal de Educação, Maria Justina da Silva, se reuniu com secretários da mesma área da Associação dos Municípios do Oeste (Amop), para debater as melhores práticas para o retorno das atividades escolares.

Maria Justina explicou que Foz do Iguaçu está se preparando para iniciar as atividades do ano letivo conforme a previsão, mas que a data depende ainda de confirmação do Governo do Estado que monitora a situação da pandemia da Covid-19 no Paraná.

A secretária afirmou que a rede municipal programou para o primeiro trimestre a revisão dos conteúdos básicos repassados em 2020, para só então dar início aos conteúdos de 2021. “A intenção é garantir que esse conhecimento seja absorvido pelos alunos para que possam ter melhor compreensão ao conteúdo seguinte”, disse Maria Justina.

Ainda conforme Maria Justina, o reforço incluirá apostilas de revisão, que serão disponibilizadas para todas as séries. Também serão feitas formações técnicas específicas para os docentes e ampliado o trabalho de reforço no contraturno escolar. Estão em licitação tabletes que podem atender professores e alunos do 5º ano, para reforçar o ensino com vistas à Prova Brasil, avaliação diagnóstica da qualidade de ensino das escolas públicas.

Estrutura reforçada

No retorno presencial às aulas, muitos alunos da rede municipal encontrarão uma estrutura mais preparada para o ensino. É o caso, por exemplo, da Escola Municipal Altair Ferrais – Zizo, na Avenida Andradina. A unidade recebeu investimentos de cerca de R$ 1,5 milhão para a construção de novas salas, biblioteca, espaços pedagógicos, novos banheiros e calçadas, e substituição de pisos e revestimentos.

A Escola Municipal João Adão da Silva, localizada no Lagoa Dourada, bairro de Três Lagoas, também recebeu uma série de melhorias e ampliações, como novas salas de aulas e de professores, novos banheiros, substituição de portas e instalação de divisórias, entre outras. O investimento foi de R$ 1,7 milhão. A expectativa é de que os trabalhos no local sejam concluídos nas próximas semanas.

“A Zizo e a João Adão da Silva são dois exemplos de obras recentes, mas vamos seguir trabalhando para manter os espaços da rede municipal com a melhor adequação possível para atender os nossos alunos, além de investir na capacitação de professores e implementação de tecnologias para tornar o ensino cada vez melhor”, pontua a secretária.

Destaques, Educação, Paraná,

Paraná é exemplo de prevenção na aplicação da prova do Enem, diz ministro da Educação

Milton Ribeiro esteve em Curitiba neste domingo (17) e visitou um dos locais de prova, o Colégio Estadual Pedro Macedo. O ministro estava acompanhado pelo vice-governador, Darci Piana, e pelo secretário de Educação e do Esporte, Renato Feder.

O ministro da Educação, Milton Ribeiro, apontou que o Paraná apresentou uma das melhores organizações para a prova do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Ribeiro esteve em Curitiba neste domingo (17) e visitou um dos locais de prova, o Colégio Estadual Pedro Macedo. O ministro estava acompanhado pelo vice-governador, Darci Piana, e pelo secretário de Educação e do Esporte, Renato Feder.

De acordo com o ministro, o Paraná apresentou uma boa estrutura de prevenção contra a Covid na hora da aplicação do exame. Ribeiro disse ainda que as provas do Enem transcorreram de forma tranquila em todo o Brasil, com exceção do Amazonas, cujas provas foram transferidas para os dias 23 e 24 de fevereiro, em função da nova onda de contágio pelo coronavírus. “A aplicação da prova é essencial para garantir o ingresso das pessoas mais pobres à universidade. Hoje elas têm 50% das vagas nas universidades federais”, disse Ribeiro. 

Cerca de 5,6 milhões de estudantes se inscreveram para fazer o Enem em todo o Brasil, e no Paraná a previsão era de 239 mil estudantes. “O Paraná registrou um crescimento maior de inscritos no Enem 2020, com aumento de 40% em relação a prova anterior. Estes jovens, que fizeram as provas, são os mesmo que tiveram boas notas na última prova do Ideb, ranking das escolas do Brasil, que colocou o Paraná entre os três melhores estados do Brasil”, disse o vice-governador Darci Piana.

Antes de começar as provas, o ministro, o vice-governador e o secretário da Educação vistoriaram as salas de provas para se certificarem que tudo estava correto. “No Paraná, houve o cuidado que se adotassem todos os protocolos de prevenção contra a Covid, definidos pela Secretaria de Estado da Saúde”, ressaltou o secretário da Educação, Renato Feder.

Nacional

O ministro afirmou que, além do Amazonas, o MEC vai estudar o que fazer com dois municípios de Rondônia, Espigão do Oeste e Rolim de Moura, cujos prefeitos vetaram a aplicação da prova do Enem. O MEC pode estudar uma nova data para a aplicação dos exames. O ministro informou que cinco mil estudantes no Brasil pediram para fazer a prova nos dias 23 e 24, por apresentarem sintomas de Covid-19 ou por outras doenças infectocontagiosas.

Sobre a aplicação do Enem Digital, que envolveu 96 mil estudantes do Brasil, a expectativa do ministro é que este projeto piloto deva vingar, por facilitar a aplicação da prova e também dar mais comodidade aos alunos. “É um processo mais moderno, mais barato e facilita na correção”, complementou o secretário Renato Feder. 

Destaques, Educação, Paraná,

Governador sanciona lei que altera regras das escolas cívico-militares

Entre as medidas estão alterações nos critérios de adesão dos municípios e de ingressos de policiais da reserva nos cargos de diretor e monitor. Nessa primeira fase, o Paraná terá 199 colégios cívico-militares em 117 municípios.

O governador Carlos Massa Ratinho Junior sancionou nesta sexta-feira (15) a lei 20.505/2021, que alterou algumas regras do programa de colégios cívico-militares. Entre as medidas estão mudanças nos critérios de adesão de escolas e municípios e de ingressos de policiais da reserva nos cargos de diretor e monitor cívico-militares. O texto foi aprovado nesta semana pela Assembleia Legislativa do Paraná.

“Esse programa ajudará a transformar a educação do Paraná. Para entregar a melhor estratégia do Brasil precisamos trazer novas ideias. Esse é um modelo que já mostrou bons resultados. Contamos com o apoio da sociedade e vamos ofertar essa modalidade a partir deste ano”, disse o governador Ratinho Junior.

Nessa primeira fase, o Paraná terá 199 colégios cívico-militares em 117 municípios. O investimento será de cerca de R$ 80 milhões. Com os novos critérios, esses números podem aumentar gradativamente nos próximos anos.

A nova lei alterou pontos da lei estadual 20.338/2020 e da lei 19.130/2017. Entre as modificações está a exclusão da exigência de que o município tenha mais de 10 mil habitantes como critério para fazer parte do programa. Dessa forma, qualquer cidade que tenha, no mínimo, dois colégios estaduais que ofertem ensino fundamental e médio regular situados na zona urbana pode fazer parte da seleção.

Outra mudança é a inclusão de regras que devem ser seguidas pelas instituições de ensino a partir do momento em que forem selecionadas e validadas pela comunidade escolar por meio de consulta pública para implementar o programa. Não será permitida a oferta de ensino integral, técnico e educação para jovens e adultos, aulas no período noturno e as instituições não podem ser em área rural, indígena, quilombola ou conveniada e nem ter dualidade administrativa.

As escolas também deverão atender uma ou mais das características já previstas na lei, como alto índice de vulnerabilidade social; baixos índices de fluxo escolar; ou baixos índices de rendimento escolar. Até então a escola deveria atender todos os critérios.

O texto também amplia para dezembro de 2020 a data de entrada na reserva dos militares voluntários que poderão atuar nos colégios cívico-militares, e não apenas setembro de 2017, que é a data de edição da lei que estabeleceu a diária especial.

Modelo

O Paraná iniciará o programa com 199 colégios cívico-militares em 117 municípios a partir deste ano. A decisão foi tomada após consulta pública com professores, funcionários, alunos maiores de 18 anos e pais e responsáveis legais de estudantes das escolas em 2020. A primeira seleção priorizou cidades de médio porte e regiões mais vulneráveis do Estado.

A nova modalidade de ensino funcionará com gestão compartilhada entre militares e civis em escolas do 6º ao 9º ano do Ensino Fundamental e no Ensino Médio. As aulas e toda a parte pedagógica continuarão sendo ministradas por professores da rede estadual, enquanto os militares serão responsáveis pela parte disciplinar e atividades cívico-militares, além do diretor cívico-militar poder atuar nas áreas de infraestrutura, patrimônio, finanças e segurança. Haverá um diretor-geral e um diretor-auxiliar civis, além do diretor cívico-militar e de dois a quatro monitores militares, conforme o tamanho da escola.

Um dos diferenciais é o aumento da carga horária curricular, com aulas extras de português, matemática e valores éticos e constitucionais. Os objetivos detalhados passam pela garantia do cumprimento das diretrizes e metas do Plano Estadual de Educação, como atuação contra a violência, promoção da cultura da paz, novas possibilidades de integração da comunidade escolar, e garantia da liberdade de aprender, ensinar, pesquisar e divulgar a cultura, o pensamento, a arte e o saber.

O programa também tem como foco auxiliar no enfrentamento das causas de repetência e abandono escolar.

As instituições de ensino selecionadas funcionarão em regime de cooperação, por meio de termo entre as Secretarias estaduais da Educação e do Esporte e da Segurança Pública. O programa será avaliado continuamente a partir da implementação, como forma de aferição da melhoria e do alcance das metas do modelo proposto. Não haverá seleção de alunos.

O diretor cívico-militar será indicado pela Secretaria da Educação, responsável pela seleção por meio de entrevista e avaliação. Os militares da reserva podem ser voluntários. Um edital aberto está selecionando 806 policiais da reserva e vai ofertar uma remuneração que varia de R$ 3 mil, para monitor cívico-militar, a R$ 3,5 mil, para a função de diretor cívico-militar.

Para concorrer à vaga de diretor cívico-militar, os interessados deverão estar no posto/graduação entre 3º sargento e coronel. Para a função de monitor, podem se candidatar policiais militares com graduação entre soldado de 1ª Classe e subtenente.

Destaques, Educação, Foz do Iguaçu,

Programa cívico-militar será implantado em sete colégios de Foz do Iguaçu

O governador Ratinho Junior sancionou, nesta sexta-feira, 15, a lei que alterou algumas regras do programa de colégios cívico-militares. Nessa primeira fase, o Paraná terá 199 colégios cívico-militares, sete deles serão implantados em Foz do Iguaçu. O governador destacou que o investimento inicial será de R$ 80 milhões, mas que o investimento pode aumentar gradativamente nos próximos anos.

A decisão foi tomada após consulta pública com professores, funcionários, alunos maiores de 18 anos e pais e responsáveis legais de estudantes das escolas em 2020. A primeira seleção priorizou cidades de médio porte e regiões mais vulneráveis do Estado.

Na semana passada, o governador Ratinho Junior convocou sessão extraordinária com deputados estaduais para discussão da lei. Mesmo em recesso parlamentar, os deputados estaduais se reuniram e em sessão plenária houve a votação e alteração da Lei 20338/2020, que instituiu o Programa Colégios Cívico-Militares no Estado do Paraná.

O presidente da Assembleia Legislativa do Paraná, Ademar Traiano, destacou que a convocação foi relevante e de interesse público. “É fundamental que as deliberações aconteçam o mais rapidamente possível para que a Administração Pública possa planejar de maneira adequada o retorno das aulas no sistema de ensino”, justificou.

O programa de implantação das escolas cívico-militares também tem como foco auxiliar no enfrentamento das causas de repetência e abandono escolar. As instituições de ensino selecionadas, dos 117 municípios atendidos, funcionarão em regime de cooperação, por meio de termo entre as Secretarias estaduais da Educação e do Esporte e da Segurança Pública.

Destaques, Educação, Foz do Iguaçu,

Últimos dias para inscrição no processo seletivo de vagas remanescentes da UNILA

Termina no próximo domingo (17) o prazo para a inscrição no processo seletivo de vagas remanescentes, relativo ao ano de 2020. Podem participar da seleção candidatos que tenham concluído o Ensino Médio até o ano de 2019 e que tenham participado de, pelo menos, uma das edições do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) entre 2015 e 2019. No total, estão sendo ofertadas 457 vagas não preenchidas pelo processo SiSU/2020, em 26 cursos de graduação. As normas para a inscrição podem ser consultadas no edital PROGRAD 001/2021 (https://bit.ly/unila_vagas).

As aulas, relativas ao primeiro semestre do ano passado, serão ofertadas de maneira remota, com início em 18 de fevereiro. Para concorrer a uma vaga, o candidato deve ter obtido, no mínimo, 300 pontos na prova de redação e não pode ter zerado em nenhuma das demais provas do Exame. Os candidatos serão classificados de acordo com a média aritmética simples da pontuação obtida nas provas objetivas e na redação do Enem.

A lista de classificados será divulgada no dia 20 de janeiro, dia em que também tem início o prazo para a apresentação dos documentos necessários para a matrícula. No dia 1º de fevereiro, será divulgada a lista com os candidatos que tiveram a matrícula deferida, após análise da documentação. Aqueles que estiverem na lista de espera e desejarem continuar na disputa também deverão encaminhar a documentação. Após a retomada das atividades presenciais, todos os candidatos matriculados deverão apresentar os documentos originais para validação.

Os candidatos que já fizeram a inscrição em março de 2020 não precisam realizar outra – somente os que desejarem alterar o curso escolhido. Para verificar sua inscrição, o candidato deve acessar o Portal Inscreva da UNILA, e clicar na aba “Minhas Inscrições”.

O processo seletivo de vagas remanescentes havia sido suspenso em março do ano passado, em razão da pandemia de Covid-19, que afetou todo o calendário acadêmico da Universidade.