Browsing Category

Itaipu Binacional

Leia as últimas notícias sobre Itaipu Binacional no CabezaNews, site de informação com reportagens exclusivas, fotos, vídeos e conteúdos sobre Foz do Iguaçu e sobre o Paraná.

O CabezaNews leva ao público notícias de utilidade pública, curiosidades, turismo, lazer, cultura. Sobretudo com um olhar voltado para a região da tríplice fronteira entre Brasil, Paraguai e Argentina.

Em Foz, nossa cobertura foca os principais acontecimentos da cidade, incluindo eleições 2020, o avanço da pandemia do novo coronavírus, as ações da Itaipu Binacional, bem como a administração do prefeito Chico Brasileiro.

O site não deixa de lado o que acontece no restante do estado do Paraná. Notas exclusivas dos bastidores da política, da Assembleia Legislativa, ações do governo do Paraná e da administração Ratinho Júnior. Assim como as principais notícias nacionais.

O CabezaNews é editado por Ronildo Pimentel, jornalista com mais de 30 anos de atuação em jornalismo impresso e digital.

Destaques, Foz do Iguaçu, Itaipu Binacional,

Ampliação da pista de pouso e decolagem do Aeroporto de Foz do Iguaçu será concluída em abril

A maior e mais moderna pista do Sul do Brasil está sendo construída com recursos da Itaipu e da Infraero

A ampliação da pista de pouso e decolagem do Aeroporto Internacional de Foz do Iguaçu – uma das mais importantes e aguardadas obras estruturantes do Oeste do Paraná – deve ser concluída em abril deste ano. O anúncio foi feito na tarde desta terça-feira (16), quase um ano depois do início das obras, durante vistoria feita pelo diretor-geral brasileiro da Itaipu, general Joaquim Silva e Luna, pelo governador do Paraná, Carlos Massa Ratinho Junior, e pelo prefeito de Foz, Chico Brasileiro – entre outras autoridades.

– Imagem do dia 28 de fevereiro de 2020, quando a ampliação da pista foi anunciada

“As obras estarão concluídas até o fim de abril e serão um marco para o desenvolvimento da cidade”, afirmou Silva e Luna. O aumento da pista – de 2.194 metros para 2.858 metros, totalizando 660 metros a mais, já considerando a inclusão de uma pista de parada, de 60 metros, que foi aproveitada no projeto – custará R$ 69,4 milhões, dos quais R$ 55,5 milhões são provenientes da Itaipu e R$ 13,9 milhões da Infraero. O empreendimento gerou 400 empregos diretos.

– O mesmo ponto hoje, quase um ano depois

“Quando cheguei aqui, há dois anos, uma das primeiras conversas que tive com o governador foi sobre a importância desta obra para a região, que tem no turismo sua principal vocação econômica. Ver esse sonho prestes a se tornar realidade é uma satisfação enorme para a Itaipu”, destacou o general.

A ampliação da pista em uma área desnivelada e irregular era um desafio que, segundo os gestores da obra, normalmente levaria aproximadamente dois anos e meio para ser superado. No entanto, 85% da construção foi concluída com pouco menos de um ano de trabalho.

Uma conjunção de fatores tornará possível a entrega na metade do tempo inicialmente previsto: dinheiro disponível, projeto bem-feito, execução e fiscalização intensas, condições meteorológicas favoráveis e, também, a pandemia de covid-19 – que causou a diminuição do número de voos e facilitou o desenvolvimento das atividades no canteiro. “O resultado será a entrega da maior e mais moderna pista da região Sul do Brasil”, afirmou Ratinho.

O governador disse estar “alegre e surpreso por ver a realização tão rápida de um projeto complexo como esse, resultado da união de esforços”. “Quando todo mundo rema para a mesma direção, as coisas acabam acontecendo. Este é um exemplo: um bom projeto, uma boa empresa prestando o serviço [Dalba Engenharia], o apoio técnico e financeiro da Itaipu Binacional, e a assistência do governo do Estado, com a Secretaria de Meio Ambiente dando todo o apoio técnico para a sustentabilidade da obra”, ressaltou Ratinho.

A nova pista possibilitará um aumento considerável do número de voos sem escalas a partir de Foz, inclusive intercontinentais, tornando o terminal iguaçuense um hub logístico regional. Segundo o prefeito Chico Brasileiro, a obra vai facilitar a recuperação econômica da cidade, duramente atingida pela pandemia de covid-19. “As melhorias no aeroporto vão possibilitar uma retomada mais rápida, sustentável e duradoura, pois são investimentos que atraem principalmente turistas estrangeiros, muito importantes para o nosso destino”, disse.

De acordo com o prefeito, o município tem atuado juntamente com o governo do Estado, por meio da Paraná Turismo, para atrair empresas que tenham interesse em operar grandes voos no terminal. “Os contatos já estão sendo feitos e temos uma grande expectativa de trazer voos internacionais, de longa distância, para Foz.”

Reta final

A terraplenagem foi um desafio à parte no projeto e consumiu 800 mil metros cúbicos de terra, o equivalente a cerca de 50 mil caminhões cheios, para tampar uma ribanceira de 16 metros de altura. Com o nivelamento e o asfalto já prontos, faltam ainda o plantio de grama e a conclusão do sistema de drenagem e da infraestrutura da subestação. Também está sendo aguardada a importação dos equipamentos de auxílio à navegação aérea, em trânsito, e a conclusão do processo de homologação da ampliação, para que possa ser feita a pintura da pista.

Aeroporto revitalizado

Há quase um ano, no dia 28 de fevereiro de 2020, Itaipu, governo federal e governo do Paraná anunciaram oficialmente o início das obras de ampliação do Aeroporto Internacional de Foz do Iguaçu – que integram o rol de investimentos estratégicos da Itaipu na infraestrutura da região.

As melhorias no aeroporto com a participação da Itaipu, no entanto, foram além da ampliação da pista de pouso e decolagem. Outras duas frentes se abriram: a construção de ciclovia e a duplicação da via de acesso, entre a BR-469 (Rodovia das Cataratas) e o terminal, e a ampliação do pátio de manobras das aeronaves. As duas obras também avançaram rapidamente e já estão praticamente prontas, faltando apenas acabamento e a homologação junto à Infraero.

A expansão do pátio de aeronaves garantiu mais quatro posições de estacionamento de aeronaves comerciais, aumentando a capacidade em 57%. A duplicação da via de acesso ao aeroporto e a implantação de ciclovia aprimorou a fluidez nas chegadas e saídas de veículos e trouxe mais segurança aos ciclistas.

Somadas, as duas obras custaram R$ 15,5 milhões – 70% dos recursos provenientes da Itaipu e 30% da Infraero.

Essas melhorias se somarão à ampliação do terminal de passageiros, inaugurada em fevereiro do ano passado (na mesma ocasião do anúncio das demais obras no local) e que recebeu R$ 42,4 milhões em investimentos – mas neste caso, sem recursos da Itaipu.

Fotos: Sara Cheida/Itaipu Binacional

Destaques, Foz do Iguaçu, Itaipu Binacional,

Presidente Jair Bolsonaro lança revitalização de sistema de Furnas financiada pela Itaipu. Veja fotos!

A binacional investirá R$ 1 bilhão na ação, que trará mais segurança ao sistema elétrico brasileiro.

A Itaipu Binacional vai investir cerca de R$ 1 bilhão, em cinco anos, para revitalizar o sistema de corrente contínua de alta tensão, construído e operado por Furnas, responsável pela transmissão ao mercado brasileiro da energia que o Paraguai não consome, da metade da produção a que o país sócio do Brasil na usina tem direito.

A ação reforçará a segurança energética do sistema elétrico brasileiro, pois o sistema opera há 36 anos e está no fim de sua vida útil. Uma solenidade com a presença do presidente Jair Bolsonaro marcará o lançamento da revitalização, no próximo dia 25, na subestação de Furnas em Foz do Iguaçu (PR).

Também participarão da cerimônia o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque; o governador do Paraná, Carlos Massa Ratinho Junior; o presidente da Eletrobras, Wilson Ferreira Junior; o diretor-geral brasileiro da Itaipu, general Joaquim Silva e Luna; e o diretor-presidente de Furnas, Pedro Eduardo Fernandes Brito, entre outras autoridades.

O convênio para essa atualização já foi assinado e o primeiro repasse a Furnas, de R$ 161 milhões, foi feito no último dia 30 de dezembro. Os próximos passos são a elaboração dos projetos e da licitação. O acordo tem duração de 60 meses e contempla a modernização de equipamentos na estação conversora em Foz do Iguaçu (PR), que converte corrente alternada que vem da Itaipu em 50 Hz (500 kV) para corrente contínua (em +600 kV); duas linhas transmissão com cerca de 800 km de extensão; e uma estação inversora, em lbiúna (SP), que converte corrente contínua em corrente alternada de 60Hz.

Esse sistema entrou em operação em 1984, juntamente com o funcionamento da primeira unidade geradora da Itaipu. A capacidade de transmissão é de 6.300 Megawatts (MW). Como o sistema elétrico paraguaio opera em uma frequência diferente do brasileiro (50 Hz contra 60 Hz), a energia adquirida pelo Brasil não pode ser integrada diretamente. Antes, precisa ser convertida para corrente contínua e transmitida até Ibiúna (SP), onde é convertida novamente para corrente alternada, mas agora em 60 Hz.

Por se tratar de uma sociedade de 50% para cada sócio, o Paraguai tem direito à metade da energia produzida por Itaipu, mas com 15% já supre 90% da demanda do país por eletricidade. O restante é contratado pelo Brasil, mediante o pagamento da chamada taxa de cessão de energia.

Segundo o diretor-geral brasileiro da Itaipu, isso faz do sistema de corrente contínua de alta tensão (HVDC da sigla em inglês) da subestação de Furnas um ativo crítico para que a Itaipu possa atender à demanda do Brasil e, também, estratégico para que o Paraguai possa entregar sua energia excedente.

A revitalização também é importante para facilitar futuras parcerias de integração energética do Brasil com países sul-americanos. Por isso tudo, é do interesse da Itaipu e de ambos os países que o sistema HVDC de Furnas siga cumprindo o seu papel.

“Desta forma, essa revitalização assegura ao sistema elétrico brasileiro o acesso a um serviço de transmissão de energia de qualidade e com confiabilidade, desonerando o consumidor de aumentos tarifários”, afirma o general Silva e Luna.

O presidente de Furnas, Pedro Brito, considera o projeto essencial para a empresa continuar operando e mantendo o pioneiro sistema de transmissão HVDC de Itaipu com segurança e eficiência. A expectativa também é reduzir a necessidade de investimentos após a conclusão do empreendimento.

“Temos um sistema misto de transmissão (corrente contínua e alternada) que é um dos mais complexos do mundo. A revitalização do elo HVDC exigiu de nossa equipe técnica um grande esforço para que o projeto pudesse cumprir o objetivo de estender a vida útil dos equipamentos com o menor custo possível, sem onerar os consumidores brasileiros”, afirmou.

“Esta revitalização é fundamental para a segurança energética do sistema elétrico brasileiro. Por isso, a Eletrobras celebra a assinatura deste convênio e o início do processo de revitalização, com Furnas e Itaipu cumprindo seu papel para atender à demanda brasileira de energia e ainda, futuramente, facilitar novas parcerias para a integração energética da América do Sul”, declarou o presidente da Eletrobras, Wilson Ferreira Junior.

Itaipu

Com 20 unidades geradoras e 14 mil MW de potência instalada, a Itaipu Binacional é líder mundial na geração de energia limpa e renovável, tendo produzido, desde 1984, 2,7 bilhões de MWh. A hidrelétrica é responsável pelo abastecimento de aproximadamente 15% de toda a energia consumida pelo Brasil e de 90% do Paraguai.

Furnas

Presente em 15 estados e no Distrito Federal, com parque gerador de 21 usinas hidrelétricas, três parques eólicos e duas termelétricas, Furnas é considerada a espinha dorsal na transmissão de energia elétrica no Brasil, que abrange 69 subestações e aproximadamente 30 mil quilômetros de linhas. Furnas atua na geração, transmissão e comercialização de energia elétrica, com ativos localizados especialmente nas regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste.

Fotos: Alexandre Marchetti, arquivos Furnas e Itaipu

Destaques, Foz do Iguaçu, Itaipu Binacional,

Presidente Jair Bolsonaro cumprirá nova agenda em Foz do Iguaçu

O presidente Jair Bolsonaro estará novamente em Foz do Iguaçu. A agenda da quinta visita presidencial está marcada para o final do mês – a data ainda não foi fechada, a princípio será no dia 25 – para o lançamento do projeto de revitalização da linha de transmissão de Furnas que leva energia da usina de Itaipu para as regiões Sudeste e Centro Oeste.

A obra é bancada pela margem brasileira da binacional. O ministro Bento de Albuquerque é o dono da pauta.

A revitalização terá investimento de R$ 1 bilhão. Há 30 anos não se faz nenhuma melhoria neste sistema, que é vital e garante segurança energética para o País.

Esta será a quinta visita de Bolsonaro a Foz e a oitava ao Paraná durante o exercício de seu mandato. A primeira viagem a Foz foi em fevereiro de 2019, para a posse do general Joaquim Silva e Luna como diretor-geral brasileiro da Itaipu; a segunda, em maio do mesmo ano, para o lançamento da pedra fundamental da Ponte da Integração; e em agosto de 2020, para o lançamento da pedra fundamental da duplicação da Rodovia das Cataratas.

Na última visita, em 1º de dezembro, Bolsonaro encontrou com o presidente do Paraguai, Mário Abdo Benitez, e vistoriaram as obras  da Ponte da Integração, com quase metade da construção pronta, prevista para ser entregue em maio de 2022.

Obras da Itaipu – Ainda na quinta-feira, 11, Bolsonaro destacou novamente o desempenho do presidente da Itaipu Binacional, Joaquim Silva e Luna, e das obras custeadas pela binacional, principalmente na região oeste do Paraná.

“Antes, as estatais davam prejuízos de dezena de bilhões de reais, agora dão lucro de dezena de bilhões de reais. Olha a Itaipu, coloquei lá um general, convidei o Silva e Luna, sabe quanto ele investiu ano passado em obras na região? R$ 2,5 bilhões”, disse Bolsonaro em live no Palácio do Planalto.

Bolsonaro ainda relatou parte das obras: “Duas pontes, alongamento da pista (do aeroporto local), tem a revitalização da Rodovia da Boiadeira, que vai começar a ser feita lá e atende mais de 20 municípios de algumas regiões do Paraná”. 

A revitalização da Estrada da Boiadeira faz parte de um conjunto de obras financiadas pela margem brasileira de Itaipu que, juntas, somam algo em torno de R$ 2,5 bilhões em investimentos, incluindo o aporte na revitalização do linhão de Furnas.

Entre as obras estão a Ponte da Integração Brasil-Paraguai (entre Foz do Iguaçu e Presidente Franco), com metade da construção concluída, a ampliação do Hospital Ministro Costa Cavalcanti (HMCC), a duplicação da BR-469 (a Rodovia das Cataratas), com início de trabalhos previstos para o primeiro trimestre, a ampliação da pista do Aeroporto Internacional do Iguaçu. 

Outras obras importantes financiadas pela Itaipu na região, em parceria com o governo do Estado, são os contornos de Guaíra e Cascavel e a revitalização da Ponte Ayrton Senna, em Guaíra, principal ligação do Estado com o Mato Grosso do Sul. “São investimentos que abrem novas frentes de emprego, essenciais nesta fase da economia, e melhoram o perfil da região”, disse Silva e Luna

PCHs – “Pergunta para o governador Ratinho (Junior) se ele quer que a binacional passe para outro estado? Parabéns ao Ratinho com sua política de PCH, pequenas centrais elétricas, vai terminar seu mandato com aproximadamente 70 PCHs e tem PCH que dá conta de uma cidade de 30 mil habitantes.

Energia é tudo, e nós estamos facilitando a construção de PCHs, e teve uma que estive lá no Paraná, a tecnologia e maquinário é 100% brasileiro, isso é uma coisa excepcional”, completou Bolsonaro na sua live.

As informações são de GDia

Destaques, Foz do Iguaçu, Itaipu Binacional,

Apesar da chuva, obras na ponte da integração Brasil-Paraguai seguem dentro do cronograma

O volume de chuvas sobre o Rio Paraná, no mês de janeiro, três vezes maior que a média histórica na altura da Ponte da Amizade, não afetou o cronograma de construção da Ponte da Integração Brasil-Paraguai, entre Foz do Iguaçu (PR) e Presidente Franco (PY). O último boletim do consórcio responsável pelas obras indica uma execução de 44%, considerando o trabalho simultâneo em ambas as margens do rio, com investimentos de R$ 104 milhões.

No lado brasileiro, iniciou-se a execução do mastro principal (apoio número 6) e o deslocamento do quarto trecho da futura pista de rolamento. Trata-se de uma estrutura de concreto armado com 20 metros de largura, 27 metros de comprimento e 1.050 toneladas. Já o mastro principal, que vai conectar os tensores da ponte, alcançou quase 90 metros de altura. Ao final da construção, essa estrutura vai chegar a 190 metros.

No lado paraguaio, o trabalho em janeiro concentrou-se na execução da caixa de equilíbrio (apoio número 1) e no mastro principal (apoio 5). Na caixa de equilíbrio, será deslocado o primeiro trecho da pista de rolamento, uma estrutura em concreto armado com 20,50 metros de largura e 26,02 metros de comprimento, com aproximadamente 1.300 toneladas.

No mastro principal da margem paraguaia, foram executadas a primeira e a segunda etapas de concretagem, de um total de 21 etapas necessárias. No final, a estrutura terá 180 metros de altura.

A nova ponte entre Brasil e Paraguai é uma obra do governo federal, com gestão do governo do Estado e recursos de Itaipu Binacional. Serão investidos aproximadamente R$ 463 milhões, considerando a estrutura, as desapropriações e a construção de uma perimetral no lado brasileiro.

A expectativa é que as obras terminem em meados de 2022. A futura ponte internacional terá 760 metros de comprimento e será do tipo estaiada, com o vão-livre de 470 metros, o maior da América Latina. Contará com pista de 3,7 metros de largura em cada faixa, acostamento de 3 metros e calçada de 1,70 metro.

Chuvas

A estação meteorológica de Itaipu próxima à Ponte da Amizade, a mais próxima do Marco das Três Fronteiras, registrou em janeiro uma precipitação de 598,5 milímetros, a maior para o mesmo mês desde 1997 e três vezes superior à média histórica, de 196 milímetros. No mesmo período de 2020, a precipitação foi de 217,2 milímetros.

Para este mês de fevereiro, de acordo com informações da Diretoria Técnica de Itaipu, a estimativa é que as chuvas fiquem dentro da média histórica para o período, entre 150 e 200 milímetros, com pancadas rápidas e isoladas.

As informações são de Itaipu Binacional

Destaques, Foz do Iguaçu, Itaipu Binacional,

Profissionais do Turismo recebem certificados do programa Capacita Guias. Veja fotos da formatura!

Iniciativa de sucesso capacitou 147 alunos ao longo de três meses, em formato virtual. A expectativa é que em breve seja formada a segunda turma

Um grupo de cinco profissionais representou os participantes do programa Capacita Guias na solenidade de entrega dos certificados de conclusão, realizada na manhã desta sexta-feira (12), no Centro Executivo da Itaipu. No total, dos 150 guias que foram selecionados para a capacitação, 147 finalizaram o curso, encerrado no dia 28 de janeiro.

Os certificados foram entregues pelo diretor-geral brasileiro da Itaipu, general Joaquim Silva e Luna, e pela diretora executiva do Polo Iguassu, Fernanda Fedrigo. “Essa iniciativa não foi criada para ter início e fim; a ideia é que se incorpore à cultura da nossa cidade, que tem uma vocação tão forte para o turismo”, disse o general. “Nós vemos essa vocação e vamos continuar trabalhando por ela, com obras e projetos”, garantiu.

– Representantes das instituições parceiras e os guias certificados

Com 419 inscritos, o programa foi considerado um sucesso. Em função da grande procura, o Polo Iguassu está organizando uma segunda edição do Capacita Guias, desta vez sem o fornecimento das bolsas de estudo. Novas turmas devem ser formadas em breve, em um novo formato.

“Acreditamos que bons frutos são colhidos da educação, e que todos sairão desse momento de pandemia mais preparados e qualificados, não só em função do curso, mas também da experiência; mar calmo não faz bom marinheiro”, afirmou Fernanda Fedrigo.

– Silva e Luna: “turismo é a vocação de Foz do Iguaçu”

Eliane Renata Ferreira, iguaçuense de 40 anos, foi aluna e também professora do curso e, na cerimônia, falou em nome de todos os guias capacitados. “Em nosso trabalho, nós representamos a cidade, e temos orgulho de apresentar uma cidade que tem desenvolvimento e respeito pelos cidadãos”, disse ela.

Representantes das instituições parceiras do programa também acompanharam a solenidade, entre eles o secretário municipal de Turismo, Paulo Angeli; o gestor do setor de Uso Público e chefe substituto do Parque Nacional, José Ulisses dos Santos, representando o Instituto Chico Mendes de Biodiversidade (ICMBio); o presidente do Conselho Municipal de Turismo (Comtur) e gerente do Complexo Turístico Itaipu, Yuri Benitez; e a gestora de Turismo do Sebrae, Camila Giacomeli.

Oportunidade
O programa Capacita Guias é uma iniciativa da margem brasileira da Itaipu Binacional. É gerido pelo Instituto Polo Iguassu e tem o apoio do Sebrae, ICMBio, Complexo Turístico Itaipu, Conselho Municipal de Turismo e de alguns atrativos da cidade.

O objetivo principal do programa é contribuir com os trabalhadores do turismo afetados pela crise da covid-19. Além da formação diferenciada, os participantes com 75% de frequência receberam uma bolsa-auxílio de R$ 450 mensais ao longo de todo o curso, que teve duração de três meses.

Para a argentina Rosa Saucedo, de 77 anos, a bolsa foi uma ajuda bem-vinda, mas em momento algum ela pensa em parar de trabalhar como guia. “Durante a pandemia fiz outras coisas, mas não desisti do turismo. O curso foi uma ótima oportunidade”, disse.

Educação continuada
Os alunos passaram por 48 horas de capacitação, com aulas on-line duas vezes por semana, no período noturno. Somadas às aulas on-line, foram oferecidas mais duas aulas práticas: uma na Itaipu Binacional e outra no Parque Nacional do Iguaçu.

Nos encontros, foram abordadas novas formas de apresentar os atrativos turísticos de Foz, os cuidados necessários para a retomada no contexto de pandemia e temas relativos ao desenvolvimento pessoal e profissional dos participantes. Foram momentos de aprendizado, debates e compartilhamento de experiências.

“Quando me inscrevi, sabia que o curso seria bom, mas foi muito além. Os professores tinham muito conhecimento e mostraram uma visão ampla do turismo, da economia. Foi excelente”, disse Samuel Sasson, chileno de 62 anos que se dedica a receber turistas estrangeiros. “O trabalho ainda não retomou, mas tenho esperança de que em breve voltemos a receber visitantes”, disse.

A ideia do Polo é criar e manter uma plataforma de formação continuada voltada para os profissionais de turismo, além da criação de um site no qual os profissionais autônomos do sistema do turismo (guias, motoristas, taxistas, etc.) possam comercializar seus serviços.

Fotos: Sara Cheida

Destaques, Foz do Iguaçu, Itaipu Binacional,

Lago de Itaipu pode produzir 400 mil toneladas de pescado, destaca em live o presidente Jair Bolsonaro

O primeiro tema na live presidencial desta quinta-feira, 11, foi a piscicultura no Lago de Itaipu, projeto ainda vedado pelo lado paraguaio da usina. O presidente Jair Bolsonaro comentou com o secretário de Pesca, Jorge Seif Junior,

“a pandemia atrapalhou a gente”. E Seif emendou: “Já falamos com todos os órgãos, vamos esperar a pandemia e tentar convencer o Paraguai que é praticamente zerado em pescado”.

“Presidente, todos os movimentos dentro do Brasil já fizemos, com o Ministério do Meio Ambiente, com o Ministério de Relações Exteriores, com a Itaipu lado brasileiro, como existe uma vedação nas leis paraguaias, estamos esperando, aguardando acalmar a pandemia”, disse Seif Junior.

Assista o comentário abaixo

O secretário de Pesca disse ainda que vai ao Paraguai junto com a ministra Tereza Cristina (Agricultura), com o ministro Ernesto Araújo, “fazer esse convencimento”. “Hoje, o Paraguai praticamente é zerado em produção de pescados e vão poder produzir 200 mil toneladas, porque serão 400 mil toneladas, 200 mil para cada lado, ou seja, além de produzir energia maravilhosa em Itaipu, podemos produzir alimento para toda nossa América do Sul”, disse, “O Paraguai poderá comer peixe três vezes por semana, com toda a certeza”, completou.

Destaques, Foz do Iguaçu, Itaipu Binacional,

Vila A inteligente quer atrair empresas de base tecnológica para testar soluções em Foz do Iguaçu

O projeto Vila A Inteligente quer atrair mais negócios para Foz do Iguaçu, oferecendo oportunidades para empresas de base tecnológica testarem suas soluções em áreas como Tecnologia da Informação e Segurança Pública. 

Idealizado e patrocinado pelo Parque Tecnológico Itaipu, Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI) e Itaipu Binacional, o projeto conta, também, com a parceria da Prefeitura Municipal de Foz do Iguaçu.

O projeto Vila A Inteligente quer atrair mais negócios para Foz do Iguaçu, oferecendo oportunidades para empresas de base tecnológica testarem suas soluções em áreas como Tecnologia da Informação e Segurança Pública.

Idealizado e patrocinado pelo Parque Tecnológico Itaipu, Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI) e Itaipu Binacional, o projeto conta, também, com a parceria da Prefeitura Municipal de Foz do Iguaçu.

“Há muitas oportunidades para empresas do ramo. Estão previstas câmeras e softwares com reconhecimento facial, leitura de placas de veículos, conectividade wi-fi, iluminação de espaços públicos, posto para abastecimento de carros elétricos, sensores de temperatura, entre outros.

O projeto tem potencial para trazer muitas empresas nacionais e multinacionais para colocarem seus produtos aqui”, afirma o secretário municipal de Tecnologia da Informação, Evandro Ferreira.

Segundo ele, a legislação também está sendo ajustada para receber o novo modelo de Cidade Inteligente. “Por parte da Prefeitura, tem sido vencidas as etapas burocráticas com Decretos de Regulamentação da área, Portarias e todos os atos necessários para agilizar e alavancar a implantação das soluções tecnológicas”, acrescenta Ferreira.

As primeiras tecnologias do Vila A Inteligente começaram a ser instaladas em novembro de 2020. Mas a negociação começou em maio do ano passado. Na ocasião, a Prefeitura de Foz do Iguaçu assinou um decreto autorizando o Parque Tecnológico Itaipu (PTI) a utilizar o bairro Itaipu A como um ambiente de testes, conhecido dentro do conceito de Cidade Inteligente como espaço SandBox.

O termo SandBox é utilizado na área de tecnologia da informação e corresponde a um ambiente isolado, específico para testes de uma tecnologia, sem impacto às outras atividades que estejam rodando no sistema.

O termo também pode ser chamado de Banco de Testes Regulatórios, porque oferece às empresas inovadoras a possibilidade de instalar e avaliar, por um prazo determinado, a funcionalidade daquela tecnologia. Após os testes, os resultados e riscos são avaliados.

É aí que entra o Comitê Gestor, formado por conselheiros do PTI, Prefeitura Municipal, Associação Comercial e Industrial de Foz do Iguaçu (ACIFI), Associação dos Moradores da Vila A, Conselho Municipal de Ciência, Tecnologia e Inovação e sociedade civil organizada. O grupo tem autoridade de fiscalizar e regulamentar as tecnologias que estão sendo testadas no Vila A Inteligente.

“O Comitê Gestor é parte imprescindível desta grande iniciativa que é o bairro público inteligente de Foz do Iguaçu, inédito no Brasil. Entre as funções do Comitê, destaco a seleção das tecnologias a serem implantadas, o monitoramento e avaliação das ações realizadas e até a proposição de alterações na legislação municipal dentro do conceito de Cidades Inteligentes.

É com muito orgulho que fazemos parte deste comitê e nos esforçamos para integrar conhecimentos e tecnologias em prol da sociedade, que é o propósito do PTI”, explica o Diretor Técnico do Parque, Rafael Deitos.

A possibilidade de atrair novos negócios de base tecnológica para Foz também vem ganhando apoio do empresariado local. “Buscamos especialistas em segmentos diferentes para que nos esclareçam alguns pontos, pois o modelo de Cidade Inteligente ainda é inédito no Brasil”, comenta o presidente da ACIFI, Faisal Mahmoud Ismail.

As informações são de Itaipu Binacional

Destaques, Foz do Iguaçu, Itaipu Binacional, Política,

Itaipu e governo afinam sintonia para o desenvolvimento do Paraná

Encontro entre representantes da binacional e do governo foi nesta terça-feira (9), no Palácio Iguaçu, em Curitiba.

O diretor de Coordenação da Itaipu Binacional, Luiz Felipe Carbonell, se reuniu, nesta segunda (8) e terça-feira (9), com o governador do Paraná, Carlos Massa Ratinho Junior, e secretários de Estado, no Palácio Iguaçu, em Curitiba. Acompanhado de integrantes do corpo técnico da sua equipe, Carbonell atendeu à orientação do diretor-geral brasileiro, general Joaquim Silva e Luna, de alinhar projetos em comum com o executivo estadual para os próximos anos.

A parceria entre Itaipu e Governo do Paraná começou com a Ponte da Integração Brasil-Paraguai, em 2019, e engloba, atualmente, R$ 1,4 bilhão em projetos e obras em andamento. “A prioridade é fazer a gestão e a entrega dos convênios já firmados ao longo dos anos de 2019 e 2020”, disse Carbonell.

Nos próximos anos, os projetos são voltados para diversas áreas como saneamento ambiental, controle de assoreamento, proteção das nascentes, segurança pública e infraestrutura.

“Atendemos ao chamado do diretor Silva e Luna para verificar, nestes encontros, a possibilidade de incluir nos orçamentos de 2021, 2022 e 2023 os projetos que alinhem os interesses da empresa, do Estado e dos municípios” afirmou Carbonell.

De acordo com o diretor, a orientação do governo federal e da diretoria é que “os novos projetos sejam analisados quanto à aderência com a missão da Itaipu e à disponibilidade de recursos.” Cabem no escopo ações voltadas ao desenvolvimento econômico dos municípios do entorno e a proteção dos recursos naturais que garantam a sustentabilidade da produção de energia, caso das bacias dos rios Paraná, Piquiri e Ivaí.

O encontro foi o primeiro de uma série de reuniões entre Itaipu e os secretários de Estado e que vai permitir que a binacional participe do planejamento das atividades do Estado nos próximos anos. “É importante identificar os projetos prioritários com a máxima antecedência para que possamos potencializar os resultados”, concluiu o diretor.

“O Paraná tem muita gratidão a tudo o que Itaipu tem feito pelo Estado, em especial na infraestrutura, na segurança pública e no saneamento. A ideia é continuar a parceria dentro da política de investimento da binacional e construir soluções em conjunto para melhorar a qualidade de vida da população”, afirmou o governador Ratinho Junior.

Participaram do encontro, além de Carbonell e Ratinho Junior, o superintendente de Obras, Kleber Silva; os secretários Sandro Alex (Infraestrutura e Logística), João Carlos Ortega (Desenvolvimento Urbano e Obras Públicas), Márcio Nunes (Desenvolvimento Sustentável e Turismo), Romulo Marinho Soares (Segurança Pública) e Norberto Ortigara (Agricultura e Abastecimento); o diretor-geral do Departamento de Estradas de Rodagem do Paraná, Fernando Furiatti; e a procuradora-geral do Estado, Letícia Ferreira.

Parcerias

Os projetos apresentados contemplam centenas de municípios conectados direta ou indiretamente ao Rio Paraná e outras bacias hidrográficas do Paraná. Foram propostos temas ambientais como combate à erosão na região Noroeste, gestão de resíduos sólidos com geração de energia, instalação de placas fotovoltaicas, proteção ambiental da região do lago de Itaipu, reativação de uma base náutica em Foz do Iguaçu e a construção de um novo batalhão para a Polícia Ambiental.

Em relação à agricultura, base econômica do Estado, as discussões envolveram proteção de cerca de 1.000 nascentes, destinação correta de dejetos do agronegócio em 2.500 propriedades, pavimentação de estradas rurais ou até mesmo a sua elevação para controle de erosão, práticas mecânicas para proteção de solo e refino da agricultura de precisão.

Também foram discutidos novos projetos de infraestrutura para a região dos municípios lindeiros, com aumento de capacidade e segurança viária, e continuidade de projetos de segurança pública em delegacias, batalhões de polícia militar e integração tecnológica das forças de segurança.

Projetos em andamento

A parceria que começou a ser concretizada em 2019 envolve uma lista grande de obras já em andamento ou com recursos viabilizados. Entre elas, destacam-se a Ponte da Integração Brasil-Paraguai, entre Foz do Iguaçu e Presidente Franco; a duplicação Rodovia das Cataratas (BR-469) e a ampliação da pista do Aeroporto Internacional do Iguaçu, todas estas obras em Foz do Iguaçu.

Cabe citar ainda o contorno de Guaíra; a duplicação do contorno oeste e da BR-277, em Cascavel; a revitalização da Ponte Ayrton Senna, em Guaíra; a implementação de iluminação viária em trechos da BR-277, na região Oeste; a ligação entre Ramilândia e Santa Helena; e a pavimentação da Estrada Boiadeira, no Noroeste.

A Itaipu Binacional também está colaborando com novas instalações para a 3ª Companhia do 14º Batalhão da Polícia Militar, em Foz do Iguaçu, e a 2ª Companhia do Batalhão de Polícia de Fronteira (BPFron), em Guaíra, além de obras em 19 delegacias de todo o Oeste. A programação de aportes financeiros inclui, ainda, o novo Mercado Municipal de Foz, a modernização do Hospital Ministro Costa Cavalcanti e aportes em ciclovias, parques lineares e casas populares na Região Oeste, entre outros.

Com informações da Agência de Notícias do Paraná

Destaques, Itaipu Binacional,

​Governo e Itaipu discutem novos projetos para os próximos anos

O governador Carlos Massa Ratinho Junior se reuniu nesta terça-feira (9), no Palácio Iguaçu, com Luiz Felipe Carbonell, diretor de Coordenação de Itaipu Binacional, e alguns secretários de Estado. O encontro serviu para alinhar projetos em comum para os próximos anos em diversas áreas, como saneamento ambiental, controle de assoreamento, proteção das nascentes, segurança pública e infraestrutura. A parceria começou com a Ponte da Integração Brasil-Paraguai em 2019 e envolve, atualmente, R$ 1,4 bilhão em projetos e obras em andamento.

A reunião é parte de uma série de encontros entre Carbonell e os secretários estaduais. Foram discutidas demandas das secretarias que podem contar com apoio financeiro de Itaipu Binacional e projetos prioritários para o futuro do Estado e do lago de Itaipu, como a necessidade de proteção das bacias do Paraná, do Piquiri e do Ivaí, aumento do Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) de municípios do Oeste e Noroeste e continuidade de programas sociais e ambientais.

“O Paraná tem muita gratidão a tudo o que Itaipu tem feito pelo Estado, em especial na infraestrutura, na segurança pública e no saneamento. A ideia é continuar a parceria dentro da política de investimento da binacional.

Temos bastante projetos que podem ser atendidos nos próximos anos. A ideia é construir soluções em conjunto para melhorar a qualidade de vida da população”, afirmou o governador Ratinho Junior.

A passagem de Carbonell por Curitiba antecede o encontro de diretoria da Itaipu, onde será discutida a viabilidade dos projetos, e permite acesso ao planejamento do Estado onde a usina está inserida.

Segundo o diretor, há uma preocupação muito grande por parte do governo federal e da diretoria de vincular os projetos ao escopo original da binacional, que é desenvolvimento econômico dos municípios que integram sua área de atuação e proteção dos recursos naturais para continuidade da operação.

“A ideia é saber quais possibilidades para incluir no Orçamento de 2021, 2022 e 2023. É importante saber o que podemos fazer com antecedência. Há vários projetos que unem interesse da empresa e interesse do Governo do Estado e dos municípios. Queremos potencializar os resultados”, afirmou.

Projetos futuros – Os projetos apresentados à Itaipu contemplam diversas áreas e centenas de municípios conectados direta ou indiretamente ao Rio Paraná e outras bacias hidrográficas do Estado. Do lado ambiental, a discussão envolveu combate à erosão na região Noroeste; gestão de resíduos sólidos com geração de energia; instalação de placas fotovoltaicas; proteção ambiental da região do lago de Itaipu; reativação de uma base náutica em Foz do Iguaçu; e a construção de um novo batalhão para a Polícia Ambiental.

Em relação à agricultura, base econômica do Estado, as discussões envolveram proteção de cerca de 1.000 nascentes, destinação correta de dejetos do agronegócio em 2.500 propriedades, pavimentação de estradas rurais ou até mesmo a sua elevação para controle de erosão, práticas mecânicas para proteção de solo e refino da agricultura de precisão.

“A razão da existência de Itaipu é a água para gerar energia. Uma das ideias é ampliar a proteção desse bem. Temos rios que carregam sedimentos para a represa e podemos cuidar da água no nascedouro, evitar o transporte de areia ou de fósforo. É uma visão técnica. Queremos dar as mãos para que a usina possa operar por muitos e muitos anos”, explicou o secretário de Agricultura e Abastecimento, Norberto Ortigara.

Também foram discutidos novos projetos de infraestrutura para a região dos municípios lindeiros, com aumento de capacidade e segurança viária, e continuidade de projetos de segurança pública em delegacias, batalhões de polícia militar e integração tecnológica das forças de segurança.

Projetos em andamento – A parceria que começou a ser concretizada em 2019 envolve uma lista grande de obras já em andamento ou com recursos viabilizados, como a Ponte da Integração Brasil-Paraguai, entre Foz do Iguaçu e Presidente Franco; a duplicação da BR-469, a Rodovia das Cataratas, e a ampliação da pista do Aeroporto Internacional do Iguaçu, também em Foz; o Contorno de Guaíra; a duplicação do Contorno Oeste e da BR-277, em Cascavel; a revitalização da Ponte Ayrton Senna, em Guaíra; a implementação de iluminação viária em trechos da BR-277, na região Oeste; a ligação entre Ramilândia e Santa Helena; e a pavimentação da Estrada Boiadeira, no Noroeste.

A Itaipu Binacional também está colaborando com novas instalações para a 3ª Companhia do 14º Batalhão da Polícia Militar, em Foz do Iguaçu, e a 2ª Companhia do Batalhão de Polícia de Fronteira (BPFron), em Guaíra, além de obras em 19 delegacias de todo o Oeste. 

A programação de aportes financeiros inclui, ainda, o novo Mercado Municipal de Foz, a modernização do Hospital Ministro Costa Cavalcanti e aportes em ciclovias, parques lineares e casas populares na Região Oeste, entre outros.

Presenças – Participaram do encontro os secretários Sandro Alex (Infraestrutura e Logística), João Carlos Ortega (Desenvolvimento Urbano e Obras Públicas), Márcio Nunes (Desenvolvimento Sustentável e Turismo), Romulo Marinho Soares (Segurança Pública) e Norberto Ortigara (Agricultura e Abastecimento); o diretor-geral do Departamento de Estradas de Rodagem do Paraná, Fernando Furiatti; e a procuradora-geral do Estado, Letícia Ferreira.

Destaques, Foz do Iguaçu, Itaipu Binacional,

Itaipu contribui com aquisição de equipamento de alta tecnologia para tratamento de câncer

Recurso da binacional contribuiu para compra de acelerador linear, usado nas sessões de radioterapia, para tratamento de pacientes oncológicos do Hospital da Providência, em Apucarana (PR)

Um convênio entre a margem brasileira da Itaipu Binacional e o Hospital da Providência, pertencente ao Grupo Hospitalar Nossa Senhora das Graças, entidade filantrópica de Apuracana (PR), está permitindo que pacientes com câncer que necessitam de radioterapia façam o tratamento em um acelerador linear.

O equipamento de alta tecnologia evita o deslocamento dos doentes para outras regiões do Estado e reduz o tempo de espera para este tipo de tratamento, que chegava a ser de quatro meses, segundo a diretoria do hospital.

O atendimento do Serviço de Radioterapia do Hospital começou no dia 27 de janeiro. Onze pacientes, dos municípios de Apucarana, Mauá da Serra e Marilândia do Sul, já passaram por consulta inicial com médico radioterapeuta. Dois deles já iniciaram o tratamento, tendo sido realizadas, até o momento, 11 sessões de radioterapia.

O investimento de Itaipu foi de R$ 5 milhões. O coronel Aureo Ferreira, assessor especial do diretor-geral brasileiro de Itaipu, general Joaquim Silva e Luna, explica que esse convênio foi assinado em 2018 e finalizado agora. Embora esteja fora da área de influência, ele contribui efetivamente para melhorar o serviço oferecido por uma entidade já reconhecida pela excelência do tratamento oferecido.

“Isso também traz um benefício indireto para os hospitais de referência da Amop [Associação dos Municípios do Oeste do Paraná], porque os pacientes locais, que antes eram deslocados para essas unidades, poderão ser atendidos no próprio Hospital da Providência”, afirmou o coronel.

Para o diretor-geral brasileiro, general Joaquim Silva e Luna, “esse convênio vai permitir um tratamento mais efetivo para pacientes que estão lutando pela vida”.

Referência
O hospital é hoje referência para 17 municípios da região, responsável por mais de 18.500 atendimentos por ano. Deste total, 85% são pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS).

Até agora, a unidade hospitalar oferecia os serviços de quimioterapia, hormonioterapia e tratamento cirúrgico aos pacientes oncológicos. Faltava o tratamento radioterápico para a entidade, que já é reconhecida pelo Ministério da Saúde como “de Alta Complexidade em Oncologia”.

“A concretização deste projeto irá beneficiar de forma direta todos estes pacientes, sendo de grande importância para toda a região”, afirmou a irmã Geovana Aparecida Ramos, diretora-geral do hospital. “Com aquisição deste equipamento iremos absorver toda a demanda da 16ª regional e de outras regionais sobrecarregadas na atualidade com a demanda de pacientes que no cenário atual vem aumentando gradativamente”, completou.

No momento, o serviço de radioterapia está com a agenda aberta para atendimento de pacientes dos 17 municípios que compõem a 16ª Regional de Saúde: Apucarana, Arapongas, Bom Sucesso, Borrazópolis, Califórnia, Cambira, Faxinal, Grandes Rios, Jandaia do Sul, Kaloré, Marilândia do Sul, Marumbi, Mauá da Serra, Novo Itacolomi, Rio Bom, Sabáudia e São Pedro do Ivaí.

Também são aceitos pacientes dos 16 municípios da 22ª Regional de Saúde: Ivaiporã, Arapuã, Ariranha do Ivaí, Cândido de Abreu, Cruzmaltina, Godoy Moreira, Jardim Alegre, Lidianópolis, Lunardelli, Manoel Ribas, Mato Rico, Nova Tebas, Rio Branco do Ivaí, Rosário do Ivaí, Santa Maria do Oeste e São João do Ivaí.

O que são os aceleradores lineares
Segundo o Ministério da Saúde, os aceleradores lineares produzem uma forma de radiação, a partir de corrente elétrica, que são dirigidas para o tecido que se deseja tratar, promovendo a destruição do mesmo.

Uma das vantagens é o tempo de tratamento, na ordem de 15 minutos, e do intervalo entre os pacientes. Desta forma, mais pessoas podem ser atendidas diariamente.

Mais saúde
Os investimentos de Itaipu em saúde têm sido possíveis na gestão do general Joaquim Silva e Luna graças ao remanejamento de ações sem aderência à missão da empresa, como na revisão de patrocínios. Com isso, os recursos são remanejados às atividades que deixam legado à população, inclusive na saúde.

Em 2020, a margem brasileira da usina repassou quase R$ 30 milhões em ações de combate à covid-19. O valor inclui um aporte ao Hospital Ministro Costa Cavalcanti (HMCC), de Foz do Iguaçu, um convênio com o governo do Estado para contratação de bolsistas da área de saúde em todo o Paraná, e capacitação de guias de turismo – entre outras medidas. Todas as ações seguem as diretrizes do governo federal para ajudar os públicos mais vulneráveis.

Ao longo do ano, Itaipu também repassou recursos por meio do auxílio eventual, ampliado para R$ 5,5 milhões para contemplar entidades assistenciais, sem fins lucrativos, e que sofreram impacto econômico causado pela pandemia de covid-19. O valor é mais de três vezes superior ao previsto antes da crise sanitária. Os recursos já beneficiaram quase 30 mil pessoas, direta ou indiretamente, em municípios do Oeste do Paraná.

Em Foz do Iguaçu (PR), sede da usina, a empresa também assumiu o compromisso de repassar R$ 3,2 milhões ao Lar dos Velhinhos, única instituição da cidade de acolhimento de idosos sem custo aos beneficiários, representando mais qualidade de vida para esta comunidade.