Browsing Category

Meio Ambiente

Leia as últimas notícias sobre Meio Ambiente no CabezaNews, site de informação com reportagens exclusivas, fotos, vídeos e conteúdos sobre Foz do Iguaçu e sobre o Paraná.

O CabezaNews leva ao público notícias de utilidade pública, curiosidades, turismo, lazer, cultura. Sobretudo com um olhar voltado para a região da tríplice fronteira entre Brasil, Paraguai e Argentina.

Em Foz, nossa cobertura foca os principais acontecimentos da cidade, incluindo eleições 2020, o avanço da pandemia do novo coronavírus, as ações da Itaipu Binacional, bem como a administração do prefeito Chico Brasileiro.

O site não deixa de lado o que acontece no restante do estado do Paraná. Notas exclusivas dos bastidores da política, da Assembleia Legislativa, ações do governo do Paraná e da administração Ratinho Júnior. Assim como as principais notícias nacionais.

O CabezaNews é editado por Ronildo Pimentel, jornalista com mais de 30 anos de atuação em jornalismo impresso e digital.

Destaques, Foz do Iguaçu, Meio Ambiente,

Monitoramento da fauna já registrou 1.858 animais de 179 espécies na área da ponte da Integração Brasil-Paraguai

A segunda campanha de monitoramento da fauna da região da Ponte Internacional da Integração Brasil-Paraguai e do acesso rodoviário à BR-277, será realizada nos meses de janeiro e fevereiro de 2021.

Na primeira campanha do programa, exigência do licenciamento ambiental do Ibama, foram registrados 1.858 animais de 179 espécies nos meses de julho e agosto de 2020, no entorno do marco brasileiro das 3 Fronteiras.

O maior número de registros é do grupo das aves, com 1.506 indivíduos de 109 espécies. Em relação as outras espécies foram 27 de mamíferos, 32 de peixes e 11 de répteis e anfíbios.

Dentre as espécies, 175 eram nativas da região e apenas 4 exóticas (fora de sua área de distribuição natural).

Destaca-se a presença de cuícas (Philander sp.), que tipicamente habitam locais de vegetação mais adensadas e copas de árvores devido seu hábito arborícola.

Também a presença da Uirapuru laranja (Pipra fasciicauda), ave comum em áreas com vegetação mais adensadas.

Com o uso de armadilha fotográfi ca a equipe obteve o registro de um Leopardus wiedii (Gato-maracajá), categorizada como Vulnerável (VU) devido ao risco elevado de extinção na natureza.

A perda e fragmentação de habitats naturais e a caça são as principais ameaças às populações de L. wiedii no Brasil (ICMBio, 2013).

Contexto

O Programa de Monitoramento da Fauna é exigência do processo de licenciamento ambiental conduzido pelo Ibama, com base na IN nº146 (IBAMA, 2007), que traz regras gerais sobre a atividade e trata da expedição de autorizações para captura, coleta e transporte de fauna silvestre.

O diagnóstico ambiental realizado no EIA – Estudo de Impacto Ambiental feito antes do início das obras – fornece referências sobre as condições da fauna na região antes da instalação do empreendimento.

Os dados são comparados aos obtidos nas campanhas durante a execução das obras, permitindo analisar os impactos e fazer a previsão destes, tanto durante a fase de obras quanto na fase de operação da rodovia, e assim traçar estratégias de conservação da fauna e do ambiente no entorno.

Panorama

A estrutura, que vai unir Foz do Iguaçu e Presidente Franco, é executada pelo Consórcio Ponte Brasil Paraguai (Unica, MPV, RMG) com recursos da Itaipu Binacional e do Governo do Paraná (DER-PR).

Com informações do Boletim Informativo do DER-PR

Destaques, Foz do Iguaçu, Meio Ambiente,

VÍDEOS: Imagens incríveis mostram as Cataratas do Iguaçu com vazão o dobro acima da normal. Assista!

As chuvas intensas em Curitiba e na região da bacia hidrográfica do rio Iguaçu continuam dando espetáculo nas Cataratas do Iguaçu, atrativo turístico dentro do Parque Nacional do Iguaçu, área de conservação compartilhada por Brasil e Argentina na região de Foz do Iguaçu.

No final da manhã deste sábado (23), a vazão estava em mais de três milhões de litros de água por segundo, o dobro do normal, que é de 1,5 milhão de litros de água por segundo.

As fotos e vídeos foram captadas por Nilton Rolin, Micael Santana e Edison Nascimento, da Cataratas do Iguaçu S.A.

Na última semana de janeiro, o Parque do Iguaçu permanece aberto para visitação pública todos os dias. A partir de 26 de janeiro, a unidade de conservação funcionará das 9h às 16h.

Já no mês de fevereiro, o parque voltará a fechar para a visitação nas segundas-feiras, atendendo os visitantes somente de terça-feira a domingo, das 9h às 16h.

Os visitantes devem comprar o ingresso, exclusivamente on-line, para visitar o Parque Nacional do Iguaçu, no site oficial.

O público precisa adquirir o bilhete e agendar o dia e o horário da visita, disponível na plataforma. A compra está sujeita à disponibilidade de vagas. Nesta fase há limitação de 525 pessoas por hora.

Zelo total – Diariamente, o Parque Nacional do Iguaçu passa por um minucioso trabalho de sanitização de todo o circuito turístico, oferecendo ainda mais proteção aos visitantes.

O parque faz o controle individual de acesso de todas as pessoas que visitam a unidade de conservação com uma barreira sanitária instalada no Centro de Visitantes.

O público é recepcionado por uma equipe de funcionários que afere a temperatura de todas as pessoas. Simultaneamente, as equipes orientam todos para passar álcool gel nas mãos e os calçados no tapete sanitizante, e informam sobre a permanência e o uso correto da máscara cobrindo o nariz e a boca, durante todo o passeio.

Quintal de casa – O iguaçuense e demais moradores das 13 cidades vizinhas à unidade de conservação possuem 90% de desconto no ingresso com o Passe Comunidade.

Essa categoria também está disponibilizada exclusivamente on-line no site. Mas atenção: os moradores precisam comprovar residência em uma das cidades apresentando o comprovante presencialmente no acesso ao parque.

Serviço
Funcionamento do Parque Nacional do Iguaçu
Até dia 25 de janeiro (segunda-feira): das 8h às 16h
De 26 de janeiro (terça-feira) a 31 de janeiro (domingo): das 9h às 16h

Em fevereiro, o parque não abrirá para visitação nas segundas-feiras, com exceção do dia 15 de fevereiro, feriadão de carnaval
Funcionamento: diariamente, das 8h às 16h
www.cataratasdoiguacu.com.br
contato@catarataspni.com.br

Central de Atendimento ao Visitante (WhatsApp): +55 (45) 9137-3444 (wa.me/554591373444)
Telefone: +55 (45) 3521-4400

Destaques, Foz do Iguaçu, Meio Ambiente,

Força-tarefa da Prefeitura retira quase 60 toneladas de lixo de rios e córregos em apenas um dia

Trabalhos seguem nesta sexta-feira em diferentes locais da cidade. População pode denunciar o descarte irregular pelo aplicativo 156 Foz

A força-tarefa da Prefeitura de Foz do Iguaçu – formada por equipes da Secretaria de Meio Ambiente, Secretaria de Obras e Defesa Civil – retirou 59 toneladas de lixo de dentro de rios, córregos e galerias fluviais nesta quinta-feira (21).

Além de acarretar um grande dano ao meio ambiente, o material descartado de forma irregular pode provocar enchentes, já que não permite a passagem da água, e ainda se transformar em criadouro do mosquito da dengue.

As equipes estiveram na Rua assunção, sobre o Rio Boicy; na Rua Mané Garrincha, no Jardim Itália; na Rua dos Cravos e Rua das Palmas com a Malva Rosa, no Porto Meira, além do Jardim Evangélico e Avenida Riccieri Maran.

O trabalho teve continuidade nesta sexta-feira, 22, na Avenida República Argentina, ao lado da UBS do Maracanã e na Rua Golfinho, no Arroio Ouro Verde. As equipes da Secretaria de Obras também realizaram a limpeza de pistas e de bocas de lobo.

“Grande parte deste material descartado poderia ir para Coleta Seletiva ou ser destinado de maneira correta para o aterro sanitário. Em apenas uma limpeza, encontramos dois sofás jogados dentro do rio Boicy”, contou Adriana Fuzetti Lopes, Chefe de Divisão da Limpeza Pública.

Além de móveis, as equipes encontram eletrodomésticos, eletroeletrônicos, roupas, utensílios domésticos, galhos, restos de construção civil, entre outros entulhos.

O descarte irregular de lixo é considerado crime ambiental e passível de multa de até R$ 9 mil.

Denúncias

A população pode denunciar o descarte irregular de lixo através do aplicativo 156 Foz ou pelo telefone 156. O sistema permite que o morador envie reclamações e anexe imagens, além da possibilidade de acompanhar o andamento dos pedidos. O aplicativo repassa as informações enviadas pelos moradores de forma automática aos órgãos responsáveis.

O aplicativo também recebe outras demandas, como solicitações de troca de lâmpadas, mato alto em terrenos baldios, sinalização, transporte público, fiscalização, remoção de veículos abandonados, tampas de bocas de lobo, entre outros.

Foz do Iguaçu, Meio Ambiente,

CEO do Parque das Aves participa de webinar com diretor geral da UICN

Evento debaterá formas de recuperação de espécie em risco de extinção para manutenção da riqueza e equilíbrio dos ecossistemas

No dia 26 de janeiro, às 10h, a CEO do Parque das Aves, Carmel Croukamp, participará do webinar Changing the outcome for threatened species (“Mudando o resultado para espécies ameaçadas”, em português) juntamente com Bruno Oberle, diretor geral da União Internacional para a Conservação da Natureza (UICN), e Jon Paul Rodriguez, presidente da Comissão de Sobrevivência de Espécies da UICN (UICN CSE).

A União Internacional para a Conservação da Natureza é a maior organização internacional e intergovernamental de conservação de biodiversidade mundial, aliada às Nações Unidas (ONU) e reconhecida como a autoridade global sobre a situação do mundo natural e as medidas necessárias para sua conservação.

O objetivo do evento é promover uma discussão entre as principais autoridades sobre o processo de extinção em massa de espécies. Para entender as implicações disso e formas de reverter esse processo de degradação ambiental, o webinar visa apontar meios efetivos de inverter o processo de extinção.

A Dra. Carmel Croukamp foi convidada para participar como representante da Associação Mundial de Zoológicos e Aquários, e como cofundadora do Centro de Sobrevivência de Espécies Brasil, cujo lançamento será abordado no evento.

O evento será online via Zoom com limite de 500 participantes e em inglês. E será aberto ao público interessado, jornalistas, empresários, pesquisadores, tomadores de decisão e formadores de opinião. As inscrições são gratuitas e serão realizadas pelo link https://smithsonian.zoom.us/webinar/register/WN_Xe0DJkWjSjuQrkYPssu-rQ.

Carmel acredita que o webinar servirá como uma troca de experiências que deram certo de autoridades de instituições renomadas no mundo e que muitas delas podem ser replicadas em território nacional. A executiva lembra que o ano de 2020 será lembrado pela pandemia da Covid-19, mas também como de grandes catástrofes ambientais que afetam diretamente as espécies.

 “O Brasil é um país megadiverso e possui um patrimônio genético incomparável nos seus mais ricos ecossistemas. Uma de suas principais características é estar relacionado aos expressivos níveis de endemismos e à grande diversidade de habitats e à extensão territorial do país. No entanto, nos últimos anos tivemos muitas perdas na área ambiental e é preciso debater formas efetivas de reverter isso”.

Brasil no centro das atenções

Durante sua fala, Carmel pretende tratar especificamente da recuperação ambiental de aves da Mata Atlântica a partir da divulgação e conscientização pública, conservação de remanescentes da fauna e da flora, proteção da biodiversidade e recuperação ambiental de áreas degradadas.

Ela abordará com os participantes sobre o Centro de Sobrevivência de Espécies Brasil, cuja sede fica no Parque das Aves. Esse hub permanente da UICN CSE foi fundado em 2019 e trabalha para apoiar avaliações, planejamentos estratégicos e ações para salvar espécies nativas brasileiras da extinção, em aliança e no apoio multidisciplinar de profissionais brasileiros que já fazem um excelente trabalho para esse fim.

“Precisamos desacelerar a pressão sobre os ecossistemas. Uma das formas é compartilhando essa nossa experiência positiva vivenciada no Centro de Sobrevivência de Espécies Brasil e também conhecendo outros métodos e vivências positivas que acontecem em vários lugares do mundo”, afirma.

O UICN CSE Centro de Sobrevivência de Espécies Brasil é uma parceria entre a Comissão de Sobrevivência de Espécies, o Grupo Especialista em Planejamento para Conservação (CPSG) e o Parque das Aves.

Serviço

O quê: webinar Changing the outcome for threatened species (“Mudando o resultado para espécies ameaçadas”, em português)

Quando: dia 26 de janeiro, às 10h, via Zoom

Inscrições em: https://smithsonian.zoom.us/webinar/register/WN_Xe0DJkWjSjuQrkYPssu-rQ

OBS: Interessados também poderão acompanhar diretamente do Facebook em https://www.facebook.com/events/1054242941720904/

Destaques, Foz do Iguaçu, Meio Ambiente,

VÍDEO: Acumulado de chuvas faz vazão nas Cataratas chegar a quase duas vezes acima do normal. Assista!

O acumulado de chuvas dos últimos dias em Curitiba e na bacia hidrográfica do rio Iguaçu, fez a vazão média das Cataratas do Iguaçu subir quase duas vezes acima do nível normal, que é de 1,5 milhão de litros de água por segundo.

De acordo com os dados do monitoramento hidrológico da Companhia Paranaense de Energia Elétrica (Copel), a vazão no atrativo turístico compartilhado entre Brasil e Argentina na região de Foz do Iguaçu estava em 3,6 milhões de litros por segundo na tarde desta quinta-feira (21).

Veja vídeo de hoje no atrativo

Para se ter uma ideia do aumento do volume de água, na segunda-feira (18), a vazão média estava em 974 mil litros de água por segundo.

Há um longo tempo não se via um volume de água tão grande no principal atrativo turístico da Tríplice Fronteira, incluindo o Paraguai.

No dia 16 de setembro de 2019, o Cabeza News cravou que as Cataratas estavam com menos da metade da vazão normal – 749 mil litros de água por segundo (AQUI para relembrar).

As fotos e o vídeo foram enviados por um colaborador do portal

Cascavel, Destaques, Meio Ambiente,

Projeto da Nova Ferroeste avança mais um passo no processo de licenciamento ambiental

Ibama concedeu Autorização de Captura, Coleta e Transporte de Material Biológico (Abio) para o projeto. Com a emissão da Abio, a empresa contratada para a elaboração do EIA/RIMA pode iniciar os levantamentos de campo relacionados à fauna.

O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) concedeu neste mês a Autorização de Captura, Coleta e Transporte de Material Biológico (Abio) para o projeto da chamada de Nova Ferroeste (Ferrovia EF-277). É mais uma etapa no processo de licenciamento ambiental do projeto, que foi qualificado no Programa de Parcerias de Investimentos (PPI), do governo federal.

O Corredor Oeste de Exportação – Nova Ferroeste terá extensão de 1.370 quilômetros. O projeto abrange a construção de novos trechos e um corredor ferroviário de exportação ligando o polo produtor de grãos do Mato Grosso do Sul (MS) e do Oeste do Paraná ao Porto de Paranaguá. A iniciativa atende ao objetivo de ampliar a malha ferroviária nacional, de modo a atender o transporte voltado à exportação, o que favorece a competitividade, a integração e a segurança de mercadorias.

A Abio permite o início dos trabalhos de campo para o diagnóstico ambiental da fauna na área do projeto da Nova Ferroeste. Essa etapa é balizada por um plano de trabalho, analisado e aprovado pelo Ibama, no qual são indicados os pontos de amostragem e a metodologia a ser aplicada. Os dados a serem coletados em campo são essenciais para a avaliação de impactos ambientais da ferrovia, que será debatida com a sociedade após a conclusão dos estudos.

“Com a emissão da Abio, a empresa de consultoria contratada para a elaboração do Estudo de Impacto Ambiental e Relatório de Impacto Ambiental (EIA/RIMA) pode iniciar os levantamentos de campo relacionados à fauna, isto é, poderá realizar as atividades de monitoramento da fauna terrestre localizada na área do projeto”, explicou a secretária de Apoio ao Licenciamento Ambiental e à Desapropriação do PPI, Rose Hofmann.

A nova malha ferroviária inclui a construção de uma nova ferrovia entre Maracaju (MS) e Cascavel, um novo traçado entre Guarapuava e Paranaguá, um ramal multimodal entre Cascavel e Foz do Iguaçu, além da revitalização do atual trecho da Ferroeste, entre Cascavel e Guarapuava. As atividades de monitoramento ocorrerão nessas áreas amostrais.

Estudos

A Ferroeste foi qualificada em meados de 2020 no âmbito do PPI, o que acelera o seu processo de desestatização. O pedido foi feito pelo Governo do Paraná e significa que a União vai ajudar o Estado com apoio técnico regulatório necessário em diversas áreas, da modelagem e meio ambiente à atração de investidores.

O Governo do Paraná firmou um acordo de cooperação técnica com o Mato Grosso do Sul em 2020 para acelerar projeto. A empresa TPF Engenharia, contratada pelo Governo do Estado, está realizando os Estudos de Viabilidade Técnico-Operacional, Econômico-Financeira, Ambiental e Jurídica (EVTEA).

O Estudo de Impacto Ambiental (EIA) e seu respectivo Relatório de Impacto Ambiental (RIMA) são coordenados pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), da Universidade de São Paulo (USP). Na área ambiental ainda faltam liberações para trabalhos de campo de outros órgãos intervenientes, como Fundação Nacional do Índio (Funai) e Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).

A expectativa é colocar a Nova Ferroeste em leilão na B3 entre final de 2021 e o começo de 2022 já com o EVTEA e o EIA/RIMA da ferrovia que liga Maracaju a Paranaguá concluídos.

“O projeto é consistente, foi bem construído e é considerado um dos mais viáveis para investimentos no Brasil porque facilita o carregamento próximo aos produtores e a entrega com segurança nos navios, além de se aliar aos projetos em andamento da nova roupagem ferroviária, com conexão até Paranaguá, Foz do Iguaçu e o Mato Grosso do Sul”, afirmou o diretor-presidente da Ferroeste, André Gonçalves. “Temos que facilitar a integração dos modais. É a chave para o País avançar nos próximos anos”.

Destaques, Foz do Iguaçu, Meio Ambiente,

Observação de pássaros e seus (en)cantos: venha fazer birdwatching no Parque das Aves. Assista!

Atrativo é o único no mundo que possibilita o avistamento e apreciação de quase 150 espécies de aves da Mata Atlântica. Venha conhecer as aves que aqui gorjeiam

Os primeiros meses de 2021 são os melhores para quem quer praticar observação de aves, conhecido também como birdwatching. E o Parque das Aves, em Foz do Iguaçu, é um dos melhores lugares do mundo para quem quer conhecer uma rica diversidade de aves da floresta da Mata Atlântica.

O Parque concentra cerca de 1.500 aves de 150 espécies, a maioria da Mata Atlântica, algumas muito raras, outras ameaçadas de extinção, e mais da metade resgatada de tráfico e maus-tratos.

Com câmeras, binóculos e olhares curiosos, os visitantes podem acompanhar as aves interagindo entre elas e com o ambiente. E nessa época, as aves estão mais ativas e exibidas. Isso porque o verão e a primavera são normalmente os períodos de reprodução da maioria das espécies, e o colorido da estação convida todos a saírem da toca.

Araponga no Viveiro Os Pequenos Marrons vocalizando

De acordo com a CEO do Parque das Aves, Carmel Croukamp, o birdwatching é opção de ecoturismo por todo o Brasil pelo fato de se situar em uma zona privilegiada, onde a diversidade biológica é gigantesca e com singular riqueza natural.

“O Parque das Aves se destaca pela pluralidade de centenas de espécies da Mata Atlântica. As pessoas gostam de observar e fotografar as aves, e a atividade tem crescido com a popularização das câmeras digitais, redes sociais e sites colaborativos. Então venham passarinhar”, convida.

Carmel acrescenta ainda que é possível conciliar a biodiversidade em meio à presença humana e que o turismo de observação de aves abre um leque de possibilidades de geração de renda, ao mesmo tempo em que promove a conscientização ambiental e ampara o uso sustentado dos recursos naturais.

Cantos da Mata

Do imponente piar de um enorme gavião-real ao modesto som produzido por um pequeno periquito. Do gutural grito das araras na hora da comida à bela melodia dos cantos dos sabiás no alvorecer da região da tríplice fronteira, observar as aves é uma excelente oportunidade para redescobrir a Mata Atlântica e uma paisagem sonora única que só neste bioma é possível saber.

Alguns observadores conhecem as aves só pelo som, como o estridente canto das arapongas. Já as entonações dramáticas do corrupião, que consegue imitar as vocalizações e o cantos de outros pássaros, só com muito treino para conseguir identificar.

As primeiras horas da manhã e o final da tarde são os horários de maior atividade das aves. Entretanto, algumas espécies têm hábitos diferenciados, como as corujas, por exemplo, então procure saber os horários e as épocas do ano de maior atividade de cada uma.

“Traga sua câmera, registre esse momento e mostre ao mundo as belezas da Mata Atlântica. E não esqueça de nos marcar nas postagens das redes sociais”, diz Carmel.

Lembrando que o Parque das Aves abre todos os dias, das 9h às 17h, e o uso de máscaras é obrigatório durante toda a visita, inclusive para tirar fotos.

Destaques, Foz do Iguaçu, Meio Ambiente,

Vídeo flagra onça pintada andando no Parque Nacional do Iguaçu. Assista!

Carlos Ivan Pereira Batista, que trabalha com transporte e guia no Hotel das Cataratas, registrou um flagrante daqueles de tirar o fôlego.

Na noite desta quarta-feira (13), por volta das 21h, ele seguia pela rodovia que liga o portão de entrada do Parque Nacional do Iguaçu as Cataratas, quando avistou uma onça pintada andando tranquilamente.

As imagens foram registradas já no período noturno. Carlos informou que já havia fotografado outras onças, mas esta foi a primeira vez que conseguiu filmar.

Destaques, Meio Ambiente, Paraná,

Polícia Militar e Corpo de Bombeiros intensificam ações nas praias às margens do Rio Paraná

Desde o início do Verão Consciente, em 19 de dezembro, há um trabalho conjunto entre as forças de segurança estaduais e prefeituras para ações preventivas e ostensivas e, também, de orientação e fiscalização para evitar a transmissão do coronavírus.

As ações da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros foram reforçadas nas praias de água doce às margens do Rio Paraná. Entre os locais mais procurados pelos visitantes estão as prainhas do município de Porto Rico, como Santa Rosa, Carioca e Cabeça da Ilha Mutum, além de Porto de São José, no município de São Pedro do Paraná e Porto Camargo, em Marilena.

Desde o início da Operação Verão Conscientes, em 19 de dezembro, até 10 de janeiro, oito pessoas foram detidas pela Polícia Militar na região. O Corpo de Bombeiros registrou dois afogamentos sem gravidade e o comércio é fiscalizado e orientado em relação às normas e medidas de prevenção ao coronavírus.

O coordenador do Verão Consciente 2020/21 das costas Oeste e Noroeste pela PM, coronel Adilson Luiz Correa dos Santos, destaca que o trabalho conjunto entre as forças de segurança estaduais, a Prefeitura de Porto Rico e a Secretaria Municipal de Saúde é importante para atender a demanda da região e atuar tanto de forma preventiva, quanto ostensiva, cumprindo as medidas de segurança e protocolos sanitários.

“O Governo do Estado e a Secretaria da Segurança Pública, preocupados com as aglomerações durante o período do verão, estão intensificando algumas ações, principalmente de orientação ao turista para o cumprimento das medidas de segurança e prevenção recomendadas pela Secretaria da Saúde contra a Covid-19”, explicou coronel.

A Polícia Militar, coordenada pelo 3º Comando Regional da Polícia Militar (3º CRPM), conta com efetivo de cerca de 400 militares estaduais para atuação durante a temporada na região de Porto Rico, Porto São José e Porto Maringá.

Apesar do maior movimento nas praias, a PM registrou 106 ocorrências de naturezas diversas, uma queda de 15,2%, na comparação ao mesmo período da temporada anterior, quando foram 125, de 20 de dezembro a 10 de janeiro.

Houve aumento de 10% nos boletins de ocorrências em Porto Rico em relação ao ano passado (de 59 foi para 65) durante os 22 dias de operação. Em Porto Maringá foi registrada queda de 75%, de quatro para um caso. Em Porto São José foram seis boletins de ocorrência no mesmo período da temporada anterior e dois nesta (-66%).

Para o comandante da 3º Companhia Independente da Polícia Militar, major Josmar Franciso Moreira, essa redução é resultado do trabalho integrado entre as instituições vinculadas à Secretaria de Estado da Segurança Pública, que também conta com o apoio da Marinha.

“Nós fazemos um trabalho em conjunto com as Policias Militar, Ambiental, Corpo de Bombeiros e a Marinha para chegar da melhor forma aos reais resultados, que não diminuíram por conta da pandemia, mas pelo trabalho intensificado e de diversas operações ágeis, com o objetivo de orientar os estabelecimentos comerciais e as pessoas que estão frequentando a região”, explicou o major.

Além das atividades para a segurança dos moradores e turistas com patrulhamento preventivo e ostensivo, são feitas orientações e fiscalizações para o uso de máscara e respeito ao distanciamento.

“Com isso, a gente espera que as pessoas cumpram as orientações e possam curtir o verão de forma segura e sem maiores problemas em razão da pandemia que estamos vivendo”, disse o oficial supervisor pela PM durante a operação Verão Consciente, tenente Rodrigo Escarmanhani Rodrigues.

Continue lendo em: AEN

Destaques, Foz do Iguaçu, Meio Ambiente,

Mais de 20 pessoas foram presas em 2020 por caça ilegal no Parque Nacional do Iguaçu

Vinte e sete pessoas foram presas em flagrante em 2020 pelo crime de caça ilegal nas dependências do Parque Nacional do Iguaçu (PNI), em Foz do Iguaçu e região. As prisões ocorreram durante operações deflagradas pela Polícia Ambiental em parceria com o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio). 

Durante todo o ano passado as equipes de segurança realizaram um total de 15 ações na unidade de conservação. Como resultado deste trabalho intensivo foram localizadas e destruídas 121 armadilhas de caça, entre elas cevas (feita com milho para atração e abate de animais silvestres), saleiros (que atrai animais como porco-do-mato, anta e veado) e jiraus (poleiro de madeira armado com cipós). 

Boa parte das armadilhas foi encontrada em acampamentos clandestinos. Foram 13 locais identificados e destruídos em 2020. A análise dos materiais recolhidos ajudará no direcionamento das próximas operações no PNI, tendo como base os pontos mais usados pelos criminosos.

“Nós programamos nossas operações de acordo com as estatísticas, então nós vamos analisar aquilo que foi apreendido e o georreferenciamento. Acreditamos que estamos no caminho certo, dessa forma, neste ano teremos resultados ainda melhores”, explicou o tenente da PM Ambiental, João Vitor Arnas. 

Mesmo com a pandemia, o trabalho da polícia não parou. Houve, inclusive, uma intensificação das atividades, que trouxe resultados positivos. Foi registrado um aumento nas apreensões de armas de fogo, por exemplo. No ano passado as equipes recolheram 11 armas de diversos calibres. Em 2019 foram apreendidos apenas seis artefatos do tipo. 

As pessoas presas em unidade de conservação com esse tipo de material respondem por crime contra o meio ambiente e também por porte, em grande parte das vezes, ilegal de arma de arma de fogo. “Os infratores, quando presos em flagrante, são encaminhados para a Delegacia da Polícia Federal mais próxima, por se tratar de crime de competência da esfera federal. Além das multas e medidas cautelares aplicadas, os infratores respondem ainda na esfera civil e criminal pela conduta criminosa”, ressalta a PM Ambiental.

Desafios da fiscalização e prejuízos da caça ilegal 

O Parque Nacional do Iguaçu conta com mais de 185 mil hectares do lado brasileiro e abrange 14 municípios. Segundo a polícia, a grande extensão torna a fiscalização desafiadora. Uma das maiores dificuldades, por exemplo, é o fato de os caçadores não se intimidarem com a presença das equipes policiais.  

Para combater a prática da caça ilegal e da pesca predatória os militares apelam para os patrulhamentos a pé na mata e fazem uso da tecnologia, como mapeamento de áreas para facilitar a identificação dos pontos com maior incidência de crimes. “A Polícia Militar sempre investe no parque de tecnologia e de pesquisa. Tudo o que possa auxiliar em nosso trabalho é bem-vindo e recebe investimento”, destacou o tenente João Arnas.

Por: GDia