Browsing Category

Paraná

Leia as últimas notícias sobre o Paraná no CabezaNews, site de informação com reportagens exclusivas, fotos, vídeos e conteúdos sobre Foz do Iguaçu e sobre o Paraná.

O CabezaNews leva ao público notícias de utilidade pública, curiosidades, turismo, lazer, cultura. Sobretudo com um olhar voltado para a região da tríplice fronteira entre Brasil, Paraguai e Argentina.

Em Foz, nossa cobertura foca os principais acontecimentos da cidade, incluindo eleições 2020, o avanço da pandemia do novo coronavírus, as ações da Itaipu Binacional, bem como a administração do prefeito Chico Brasileiro.

O site não deixa de lado o que acontece no restante do estado do Paraná. Notas exclusivas dos bastidores da política, da Assembleia Legislativa, ações do governo do Paraná e da administração Ratinho Júnior. Assim como as principais notícias nacionais.

O CabezaNews é editado por Ronildo Pimentel, jornalista com mais de 30 anos de atuação em jornalismo impresso e digital.

Busão Foz, Destaques, Foz do Iguaçu, Geral,

Foz Cataratas Poker Futsal estreia na Liga Nacional 2021 nesta sexta, 23

Acompanhe o Azulão das 3 Fronteiras na maior cobertura da história, no melhor futsal do mundo

O Foz Cataratas Poker Futsal faz seu jogo de estreia na Liga Nacional de Futsal (LN), nesta sexta-feira, 23 de abril, às 20h15, contra o Campo Mourão, no Ginásio Costa Cavalcanti, o Caldeirão Azul, em Foz do Iguaçu. O jogo será realizado com os portões fechados para a torcida, em conformidade com os protocolos sanitários do estado do Paraná. O torcedor do Azulão pode assistir ao jogo ao vivo pela LNFTV (https://tv.ligafutsal.com.br).

A Liga Nacional de Futsal está de volta, e nessa edição, o torcedor terá 100% dos jogos transmitidos ao vivo. A LNFTV fará a transmissão de mais 150 jogos, incluindo playoffs e finais. Devido às medidas de proteção e combate do covid-19, os torcedores não terão acesso ao ginásio, por isso o pay-per-view da LNFTV será a única forma de acompanhar aos jogos Azulão das 3 Fronteiras na Liga Nacional ao vivo. O plano promocional custa R$ 79,90. Acesse tv.ligafutsal.com.br e adquira seu pacote para prestigiar o Foz Cataratas Poker Futsal na LNF 2021.

Para Banana, técnico do Foz Cataratas Poker Futsal, o jogo marcará o início da caminhada do time, em 2021, na melhor liga do mundo. “Estamos com um time reformulado e guerreiro para este ano. Vamos manter o nível de concentração e treinamento para buscar as primeiras colocações na competição. Estamos focados e concentrados para conquistar uma vitória na estreia e e seguir firme em todos os jogos”.

Adversários do Foz na primeira fase – O Foz Cataratas integra o Grupo C, na Liga Nacional de Futsal 2021, que conta com a participação dos seguintes times: Tubarão, Pato, Praia Clube, Minas, Campo Mourão, Brasília e Marechal.

Créditos fotografias: Nilton Rolin / Foz Cataratas Futsal

Foz Cataratas Futsal
www.fozcataratasfutsal.com.br
fozcataratasfutsal@gmail.com
Telefone: +55 (45) 3025-2141

Canais nas redes sociais
Facebook: @cataratas.futsal
lnstagram: @fozcataratas_futsal
Twitter: @Futsalcataratas

Curitiba, Destaques, Geral,

Abrabar defende retirar mendigos das ruas de Curitiba ‘por bem ou por força’

Associação Brasileira de Bares e Casas Noturnas fez post no Facebook. Para a Ordem dos Advogados do Brasil, medida vai contra constituição

A Associação Brasileira de Bares e Casas Noturnas (Abrabar) Brasil criou uma polêmica ao defender no Facebook a retirada dos mendigos das ruas de Curitiba, no Paraná, “por bem ou por força”.

A postagem, destaca o G1, foi feita na rede social na segunda-feira (18). Para a Ordem dos Advogados do Brasil, a medida vai contra a Constituição Federal.

AQUI para assistir a reportagem

Já é uma cena do cotidiano: eles estão nas calçadas, embaixo de marquises, deitados em colchões velhos e sujos, vivendo no improviso. Para a Abrabar Brasil, a presença dos moradores de rua incomoda. Então, na rede social, a associação reclamou:

“Curitiba sempre lutou para ser uma ótima cidade Dormitório e de hospedagem, infelizmente conseguiu mais e de forma negativa um albergue a céu a aberto com colchões e camas nas ruas e ninguém faz nada para reverter e o poder público assiste passivamente, já era assim com o comércio clandestinos de bebidas na ruas e calçadas, agora com motéis e hotéis clandestinos de marquises. Só tem um jeito e atitude: primeiro é cercar as marquises, recolher as camas e oferecer dignidade e alojamento ao povo desfavorecido e optante destas modalidades, seja por bem e espontânea vontade ou por força de ato de ordem pública e social!”

O presidente da Abrabar, Fábio Aguayo, reforça o posicionamento. “Nós temos que resgatar essas pessoas para uma vida digna. Ninguém quer essas pessoas ao léu, ao relento, jogadas para marginalidade ou para a sorte da vida”, diz. Para Aguayo, a pessoa “vai ter que ser removida”, mesmo que não queira sair do local.

A Prefeitura de Curitiba diz que, todos os dias, aborda moradores de rua para levá-los a albergues. Mas, nem sempre, eles aceitam a oferta.

Abrabar defende que moradores de rua sejam retirados das ruas de Curitiba (Foto: Reprodução/Facebook)

“Vamos trabalhar sempre com intensidade e persistência no acolhimento dessas pessoas e no convencimento. Nós, a prefeitura, ninguém quer que elas fiquem nas ruas, mas temos que ter formas constitucionais para lidar com isso”, afirma o assessor da Fundação de Ação Social (FAS), Antônio Carlos Rocha.

Para a Comissão de Direitos Humanos da OAB, a retirada à força de um morador de rua fere um direito previsto na constituição brasileira, talvez o mais conhecido de todos: o de ir e vir. “É uma violência inadmissível. Eu acho que é isso é não é possível, de forma nenhuma”, acredita a integrante da comissão, Isabel Mendes.

As informações são de G1 Globo

Foz do Iguaçu, Geral,

Crea-PR diz que a princípio obra e responsáveis estavam regulares, mas vai investigar queda de laje em Foz

Nota Oficial do Crea-PR sobre desabamento registrado em Foz do Iguaçu nesta quinta-feira, 22

O Crea-PR (Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Paraná) lamenta o grave acidente ocorrido na tarde desta quinta-feira (22), em Foz do Iguaçu. Trata-se de um desabamento de laje em área de construção na rua Javé, nas proximidades do Zoológico Municipal. Em decorrência do fato, o Conselho informa que uma equipe de fiscais já está no local para fazer levantamento de informações e dados da obra.

Por se tratar de um acidente grave, com vítimas fatais já confirmadas, o Crea-PR entende que é de suma importância analisar os fatos de forma presencial, visto que ainda há risco de outros danos e acidentes no local.

Trabalhadores seguem soterrados em Foz

“A princípio, a obra estava regular e os responsáveis por ela também. Mas é dever do Crea-PR emitir um relatório pós-sinistro para vermos quais os problemas que ocasionaram esse fato”, explica o gerente da regional Cascavel do Crea-PR, Geraldo Canci.

Neste momento, mesmo que a obra esteja com todos os procedimentos legais em dia, a autarquia trabalha na elaboração de um relatório de sinistro para registrar os fatos.

“Se constatado que a causa do sinistro foi decorrente de imperícia, imprudência ou negligência profissional, será instaurado um processo administrativo para apuração e responsabilização dos envolvidos”, finaliza Canci.

O Crea-PR lamenta o ocorrido e se solidariza com os familiares, amigos e colegas dos trabalhadores que faleceram em decorrência do acidente.

Coronavírus, Curitiba, Destaques, Economia,

Vereadores sugerem reabertura controlada das casas de festa em Curitiba

O autor, Mauro Ignácio (DEM), sugere que sejam ou ao menos retomadas as regras de outubro de 2020, ou autorizado até 30% da lotação dos espaços de eventos.Em votação simbólica, nesta terça-feira (20), os vereadores da Câmara

Municipal de Curitiba (CMC) aprovaram um pedido para que o Executivo autorize a reabertura das casas de festas e buffets infantis. O autor, Mauro Ignácio (DEM), sugere que sejam ao menos retomadas as regras de outubro de 2020, quando era permitida a realização de eventos com até 50 pessoas, desde que respeitando a ocupação de uma pessoa a cada 9 m² (203.00188.2021).

Segundo Mauro Ignácio, ainda melhor seria que fosse autorizada a lotação de até 30% na bandeira laranja e de até 50% na bandeira amarela, conforme pleiteiam os empresários do setor. “As festas seguem acontecendo, mas em outros espaços, de forma clandestina”, alertou o vereador, defendendo que os estabelecimentos do ramo cumprem os protocolos sanitários, como fazem agora os restaurantes, então mereceriam a equiparação de condições de trabalho. “Outras cidades da região metropolitana já liberaram”, acrescentou.

Apesar de não serem impositivos, os requerimentos e indicações aprovados na CMC são uma das principais formas de pressão do Legislativo sobre a Prefeitura de Curitiba, pois são manifestações oficiais dos representantes eleitos pela população para representá-los. Neste caso, o apoiamento não foi unânime, mas, por exemplo, Dalton Borba (PDT), Nori Seto (PP), Mauro Bobato (Pode) e Alexandre Leprevost (SD) endossaram o pedido em plenário. Por se tratar de votação simbólica, não há relação nominal de quem apoiou, ou não, a medida – a não ser os registros verbais durante o debate (confira aqui).

“Eu sei que não é simples”, contextualizou Mauro Bobato, para depois posicionar-se “favorável à criação de ambientes controlados”. Para Leprevost, a liberação de até 50% da capacidade, limitada a 100 pessoas, seria uma medida capaz de dar alento aos empresários do setor de eventos, “o mais atingido pelas restrições da pandemia”. Nori Seto informou que protocolou outro requerimento na CMC, no mesmo sentido que o de Ignácio, pois concorda que é melhor autorizar as atividades com protocolo sanitário que “fazer festas em casa, sem o distanciamento social”.

Busão Foz, Foz do Iguaçu, Justiça,

Justiça determina a retomada das linhas do transporte coletivo em Foz

Decisão prevê circulação de 60% da frota de ônibus em horários de pico e 40% dos motoristas e cobradores nos demais horários, sob pena de multa de R$ 40 mil

Em razão da greve dos trabalhadores do transporte coletivo de Foz do Iguaçu e dos transtornos ocasionados aos usuários do sistema, o Poder Judiciário determinou ao Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários que assegure, durante o movimento grevista, a circulação de pelo menos 60% da frota de ônibus no horário das 5h às 9h e das 17h às 20h, e de 40% de todos os motoristas e cobradores nos demais horários, sob pena de multa de R$ 40 mil por dia.

A liminar, assinada pelo Desembargador do Trabalho, Célio Horst Waldraff, também determina que o sindicato se abstenha de qualquer ato que impeça o exercício da atividade profissional pelos integrantes da categoria. Ao Consórcio Sorriso fica determinada a liberação do quantitativo de veículos necessários à prestação de serviços, considerando a integralidade da frota e observadas ainda às medidas de prevenção ao contágio da Covid-19, igualmente sob pena de multa de R$ 40 mil por período de descumprimento da decisão.

Uma nova audiência de conciliação está marcada para esta sexta-feira (23) entre o consórcio Sorriso e o sindicato que representa a categoria.

Destaques, Economia, Paraná,

Bancada de deputados federais do Paraná também encampa pedágio pela menor tarifa com caução

A bancada de deputados federais do Paraná também encampou a proposta dos deputados estaduais e do setor produtivo pela menor tarifa com caução para execução das obras na proposta das novas concessões de pedágio no Paraná. “É a proposta que sempre defendemos também: menor tarifa, sem outorga. O Ministério da Infraestrutura sempre colocou a limitação dele de desconto e nós colocamos para eles que a outorga não cabia”, disse o deputado Sérgio Souza (MDB) ao jornalista Roger Pereira na edição desta quinta-feira, 22, na Gazeta do Povo.

Souza que coordena o grupo de trabalho da bancada federal paranaense sobre o pedágio disse ainda que “agora, com todos os representantes do Paraná defendendo a menor tarifa com caução, temos a melhor solução e acredito que o governo federal vai acabar cedendo ou fazendo um acordo no meio termo”.

O Conselho Regional de Economia do Paraná apresentou a proposta (de caução) e, logo, a proposta foi abraçada pelos deputados estaduais e o G7, grupo das lideranças do setor produtivo. O modelo, já utilizado pelo Rio Grande do Sul, também foi defendido pela Confederação Nacional das Indústrias e consta na proposta apresentada pelo G7 ao ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas.

Busão Foz, Destaques, Foz do Iguaçu, Geral,

Trabalhadores seguem soterrados em laje que desabou em Foz do Iguaçu. Em vídeo, bombeiro detalha a tragédia

As equipes do Corpo de bombeiros ainda não conseguiram resgatar os trabalhadores que foram soterrados por uma laje que caiu na manhã desta quinta-feira (22) em Foz do Iguaçu.

A tragédia ocorreu no início da manhã, matando pelo menos dois trabalhadores deixando outros três com ferimentos, segundo os socorristas (AQUI para relembrar).

Em um vídeo, o Tenente Rogério revela em detalhes como ocorreu a queda e o que deve ser feito para resgatar as vítimas.

Assista abaixo:

De acordo com o socorrida, não é possível avaliar ainda o estado das vítimas. Em boletim, o Corpo de Bombeiros informa que são duas ou três vítimas sob os escombros de concreto.

Outras três vítimas foram resgatadas com vida e levadas ao Hospital Municipal e estão estáveis.

Coronavírus no Paraná, Curitiba, Destaques, Justiça,

CNTur apoia ação no STF para conter a superlotação nos ônibus de Curitiba

Entidade vai contribuir com elementos fáticos e dados técnico-científicos no julgamento da ação do Tribunal de Contas do Paraná

A Confederação Nacional do Turismo (CNTur) vai atuar como colaboradora no julgamento de ação no Supremo Tribunal Federal (STF), que busca conter a superlotação dos ônibus de Curitiba, como medida de prevenção à propagação do coronavírus. A ação foi proposta originalmente pelo Tribunal de Contas do Paraná e será julgada pelo Pleno do STF em sessão virtual agendada para 30 de abril a 07 de maio.

“Nossa intenção é contribuir com elementos fáticos e dados técnico-científicos para que o julgamento ocorra de forma precisa e justa”, afirma a advogada Vanessa Grassi Severino, que representa a CNTur e é a autora do agravo regimental apresentado ao STF para integrar a ação. “A intervenção assistencial no processo justifica-se porque buscamos a proteção de direitos sociais e a defesa do interesse público”, acrescenta. 

Para a CNTur, a decisão do TCE-PR de impor um controle mais rígido à operação do sistema de transporte coletivo de Curitiba é acertada. A conjugação de duas variáveis – aumento das taxas de vacinação e redução das aglomerações – permitirá que mais cedo a cidade retome as atividades normais de produção e convívio social.

Logo, para as atividades do setor de turismo é mais prudente um período curto de restrições máximas, seguido de uma retomada segura das atividades produtivas, do que uma permanente situação de abre-e-fecha, com elevados índices de transmissão do vírus e as suas deletérias conseqüências, que produzem desemprego, de um lado, e fechamento de negócios, de outro.

Representatividade

A CNTur é entidade sindical patronal que representa o setor do turismo no Brasil: hotéis e meios de hospedagens, restaurantes comerciais e coletivos, bares, empresas de alimentação preparada, casas noturnas e de lazer, organizadores de eventos, parques temáticos, agências de viagens e operadoras de turismo, clubes esportivos, sociais e de recreação. É constituída por sete federações e 130 sindicatos e emprega milhões de trabalhadores.

O setor de turismo foi duramente atingido pelos efeitos da pandemia no Brasil, razão pela qual a CNTur defende uma rápida retomada das atividades. Contudo, entende que, para que isso ocorra, é necessário que se avance nas medidas de contenção à propagação do coronavírus – como a ação proposta pelo TCE do Paraná, que ora subscreve.

No pedido ao STF, a CNTur sustenta que os requisitos para atuar como colaboradora “encontram-se adequadamente atendidos, especialmente tendo em vista que a falta de controle adequado da pandemia do Coronavírus e sua consequente perpetuação tem gerado impactos inegavelmente deletérios para o setor do turismo. Por isso deve ser reconhecida a utilidade e a conveniência da sua atuação nos autos”.

Coronavírus, Destaques, Foz do Iguaçu, Saúde,

Foz do Iguaçu registra taxa superior a 96% de recuperação dos moradores que testaram positivo para covid-19

Mais de 32 mil pessoas que contraíram a covid foram curadas da doença; prefeitura faz monitoramento e atendimento domiciliar de idosos e pessoas com comorbidades

Foz do Iguaçu registra 33.264 casos confirmados de covid-19 desde o início da pandemia, em março do ano passado. Destes, 32.088 pessoas – 96,46% dos casos – estão recuperadas. O número é muito superior à quantidade de casos ativos (429) que são os pacientes em acompanhamento médico ou isolamento domiciliar.

Segundo a Secretaria de Saúde, nas últimas 24 horas foram registrados três mortes e 55 novos casos. Ao todo, a cidade tem 744 óbitos. A incidência é de 12.989 a cada 100 mil habitantes, e a taxa de letalidade é de 2,25%. Foz do Iguaçu conta com 125 leitos de Unidades de Terapia Intensiva (UTI) e 89 de enfermarias exclusivas para atendimento da doença. A ocupação de leitos UTI está em 77,60%, enfermaria em 39,33%.

A mortalidade em decorrência da doença reduziu significativamente em comparação com última quinzena de março, mês considerado com mais mortes desde o início da pandemia, 235 óbitos. O ano de 2021 é potencialmente um ano mais letal que 2020. No ano passado foram registradas 275 mortes por covid-19, enquanto, neste ano, são 472 óbitos em decorrência da doença.

Programa

Segundo o monitoramento da Vigilância Epidemiológica, a faixa etária com maior número de mortes foi entre 70 e 79 anos, do sexo masculino. Outro fator determinante para o agravamento da doença e identificado em 95,1% dos óbitos é a presença de uma ou mais morbidades e fatores de risco de saúde.

O prefeito Chico Brasileiro destacou em entrevista, que as comorbidades como hipertensão, diabetes e obesidade são um sinal de alerta quando associadas a um caso positivo de covid-19. “Foi diante desse monitoramento, realizado pelas equipes de saúde, que implantamos o programa de Atendimento Domiciliar Covid-19”.

“Esse programa atende idosos e pessoas com comorbidades, com a finalidade de acompanhar os casos de risco e reduzir as chances de morte das pessoas com alguma doença associada”, completou. De janeiro a março deste ano, o Atendimento Domiciliar Covid-19 fez mais de 900 visitas.

Busão Foz, Destaques, Foz do Iguaçu, Itaipu Binacional,

Mural do Gramadão fortalece a arte de rua e estimula talentos de Foz do Iguaçu

Trabalho foi entregue oficialmente nesta quinta-feira (22) e ficará exposto até outubro, quando está prevista a reinauguração do espaço de lazer

A grafitagem dos 800 metros quadrados de tapumes metálicos que cobrem as obras do Gramadão da Vila A, em Foz do Iguaçu (PR), com recursos da Itaipu Binacional, deu impulso a uma forma de expressão artística disseminada nos grandes centros urbanos, mas ainda pouco explorada na cidade da fronteira: a street art, ou arte de rua. O trabalho foi entregue oficialmente nesta quinta-feira (22) e ficará exposto até outubro, quando está prevista a conclusão das obras e a reinauguração do espaço de lazer.

Em apenas um mês, os artistas locais transformaram trechos da Avenida Silvio Américo Sasdelli e Rua Perdigão em uma grande galeria a céu aberto, com imagens inspiradas no tema “Gentilezas Urbanas”. Foram utilizadas aproximadamente 800 latas de tinta spray. O abraço entre os amigos, o encontro carinhoso entre o jovem e o idoso, brincadeiras infantis, o passeio da criança com seu animal de estimação, o descanso à beira da árvore, com o pôr do sol mais bonito da cidade – tudo isso foi tema para as obras que estampam o painel.

Para fazer o trabalho, os autores adotaram o estilo “spray art”, considerado uma “grafitagem raiz” no mundo das artes. Nele, a pintura é feita diretamente sobre a superfície – diferente do estêncil, que usa moldes vazados como apoio. “O estêncil é uma técnica com desenho mais rígido, quando não se pode ter muita margem de erro. Nós decidimos pintar direto porque ficamos mais livres para nos expressar”, explica a grafiteira Victoria Budel, 22 anos, artista envolvida na produção.

“O estêncil funciona mais em superfícies lisas. No tapume (ondulado) é bem mais complicado. Você precisa virar a lata em diferentes posições para não espalhar a tinta e esfumaçar os traços”, completou David Souza, que também trabalhou no projeto.

Estudante de Antropologia na Universidade Federal da Integração Latino-Americana (Unila), Victoria vê com otimismo o fortalecimento da arte de rua em Foz do Iguaçu. Ela morou nove anos em São Paulo, onde o estilo faz parte da paisagem urbana há muito tempo. “Gostava de reparar quando via um artista trabalhando, observava os desenhos já feitos e me inspirei muito em viver a arte na prática”, afirma.

As referências vieram de artistas como a equatoriana Sandra Fabara, a “Lady Pink”, Katia Suzue e Mag Magrela. David também viveu em São Paulo, nos anos 1990, e acompanhava o trabalho de autores hoje consagrados, como Binho Ribeiro, Paulo César Silva, o “Speto”, e os irmãos Gustavo e Otavio Pandolfo, conhecidos como “Os Gêmeos”.

Ainda em São Paulo, David passou pela transição comum a alguns artistas de rua: de pichador (uma forma de transgressão) para grafiteiro (expressão de arte). “Trabalhava numa metalúrgica e todos os finais de semana praticava [o grafite] nas paredes do fundo da casa onde morava. Eu me dediquei ao máximo, até me profissionalizar.”

Ao chegar a Foz do Iguaçu, o artista estranhou a quantidade de muros e fachadas vazios, sem vida. “Foi aí que tentei me aproximar de Itaipu e me chamaram para fazer um painel no Hospital Costa Cavalcanti. Ficamos muito felizes porque começamos a ter mais oportunidades”, afirma. O trabalho de 90 metros de extensão, em uma ala exclusiva do HMCC, foi concluído em setembro de 2020.

Antes, em fevereiro, pouco antes da pandemia de covid-19 impactar o País, artistas mobilizados pela Itaipu grafitaram um muro de quase 100 metros da sede do Centro de Atenção Integral ao Adolescente de Foz do Iguaçu (Caia), localizada no Bubas (bairro Porto Meira), uma das maiores ocupações do País. Victoria foi um deles.

“A street art é um movimento importante e Foz do Iguaçu tem um grande potencial: é um lugar bonito, cheio de culturas. Acredito que esse novo trabalho, no Gramadão, possa inspirar outros jovens a seguirem o mesmo caminho. Muitos param, conversam com a gente, e têm interesse em aprender grafite e viver de arte”, diz Victoria. “Espero que tenhamos mais espaços para mostrar a nossa arte”, completa David.

A produtora cultural Yoná Castilho, da Companhia de Teatro Amadeus, que coordenou o projeto, avalia que a iniciativa de Itaipu contempla duas dimensões: o apoio ao artista, prejudicado economicamente pela crise sanitária, e o acolhimento ao cidadão. “O artista facilita a vida de todos durante uma pandemia”, reflete. “Imagine uma quarentena sem poder consumir nenhum conteúdo relacionado a arte: nenhuma série, filme, música, novela. Seria definitivamente mais difícil. Então poder levar para a comunidade cores, tintas, mensagens de harmonia e cumplicidade é gratificante para nós.”

Novo Gramadão

As obras de revitalização do Gramadão da Vila A começaram em outubro do ano passado e contemplam nova iluminação, arborização, sinalização, criação de rampas e adaptação da Concha Acústica, melhorias no mobiliário urbano, ordenamento e adequação das barraquinhas de comidas, entre outros. O investimento é de R$ 3,9 milhões, recurso da margem brasileira da Itaipu. A proposta foi apresentada pelas assessorias de Comunicação Social e de Turismo e a execução é da Diretoria de Coordenação da empresa. A conclusão das obras está prevista para outubro.

O diretor-geral brasileiro, general João Francisco Ferreira, reforça que as obras no Gramadão da Vila A darão mais conforto e qualidade de vida para o cidadão, além de transformar o espaço em um novo atrativo turístico da cidade. Ele cita outros projetos voltados para a cidade, como o Mercado Municipal, as ciclovias e pistas de caminhadas. “Essas iniciativas beneficiam a população como um todo, de Foz do Iguaçu e região, e abrem novas oportunidades de negócios. O pequeno comerciante, o artista, os profissionais do turismo, todos ganham com uma cidade mais bonita e mais movimentada.”

Fotos: Sara Cheida/ Itaipu Binacional.