Browsing Category

Economia

Leia as últimas notícias sobre Economia no CabezaNews, site de informação com reportagens exclusivas, fotos, vídeos e conteúdos sobre Foz do Iguaçu e sobre o Paraná.

O CabezaNews leva ao público notícias de utilidade pública, curiosidades, turismo, lazer, cultura. Sobretudo com um olhar voltado para a região da tríplice fronteira entre Brasil, Paraguai e Argentina.

Em Foz, nossa cobertura foca os principais acontecimentos da cidade, incluindo eleições 2020, o avanço da pandemia do novo coronavírus, as ações da Itaipu Binacional, bem como a administração do prefeito Chico Brasileiro.

O site não deixa de lado o que acontece no restante do estado do Paraná. Notas exclusivas dos bastidores da política, da Assembleia Legislativa, ações do governo do Paraná e da administração Ratinho Júnior. Assim como as principais notícias nacionais.

O CabezaNews é editado por Ronildo Pimentel, jornalista com mais de 30 anos de atuação em jornalismo impresso e digital.

Destaques, Economia, Foz do Iguaçu,

Brasil aposta que há dinheiro e haverá demanda para concessões dos 22 aeroportos, incluindo de Foz do Iguaçu

O Governo brasileiro aposta que os planos de colocar mais 22 aeroportos em processo de concessão para operadores privados devem avançar com sucesso durante 2021, tanto por conta da retomada das viagens aéreas no Brasil quanto pela existência de dinheiro disponível no mercado global para investimentos.

A afirmação foi feita por Ronei Glanzmann, Secretário Nacional de Aviação Civil, durante conversa em webinário da Fitch Rating, uma das maiores agências de classificação de crédito de mundo.

O secretário acredita que a forte recuperação que o mercado brasileiro de viagens aéreas tem apresentado, superior à maior parte dos países latino-americanos, levará a níveis de demanda próximos ao período pré-pandemia já no final do primeiro trimestre de 2021. Com isso, haverá a viabilização das concessões, que devem ser lançadas ainda neste ano de 2020, em dezembro.

Sobre a disponibilidade de dinheiro no mercado para os investimentos, Glanzmann afirma que o Governo aposta que fundos de investimento têm muito dinheiro disponível hoje devido às baixas taxas de juros em todo o mundo. Com isso, os investidores financeiros podem fazer parte das concessões durante os primeiros anos do contrato e, em momento oportuno, vender sua cota para os operadores aeroportuários que já fazem parte do consórcio.

Assim como aconteceu na 5ª rodada de concessão, em 2019, a 6ª fase de repasse de aeroportos brasileiros para administração privada será dividida em blocos. Nesta rodada, os 22 aeroportos serão reunidos nos seguintes grupos regionais:

Bloco Sul: aeroportos de Curitiba/PR, Foz do Iguaçu/PR, Londrina/PR, Bacacheri/PR, Navegantes/SC, Joinville/SC, Pelotas/RS, Uruguaiana/RS e Bagé/RS.

Bloco Central: aeroportos de Goiânia/GO, Palmas/TO, Teresina/PI, Petrolina/PE, São Luís/MA e Imperatriz/MA.

Bloco Norte: aeroportos de Manaus/AM, Tabatinga/AM, Tefé/AM, Rio Branco/AC, Cruzeiro do Sul/AC, Porto Velho/RN e Boa Vista/RR.

Por: Aeroin

Destaques, Economia, Paraná,

Abrabar recebe a iFood e conversa com autores de projetos de leis para regulamentar o Delivery

Atividade movimenta R$ 17 bilhões e emprega quatro milhões; Intenção é tornar o serviço seguro para empresários, trabalhadores e consumidores

A Associação Brasileira de Bares e Casas Noturnas (Abrabar) vai receber, na segunda-feira (23), o iFood, o deputado estadual Delegado Fernando Francischini e o vereador de Curitiba, Tito Zeglin, autores de projetos de leis que regulamentam o serviço de entrega de comida pronta (Delivery). A atividade movimenta R$ 17 bilhões ao ano e mantém quatro milhões de empregos diretos e indiretos.

A reunião com representantes da plataforma e os parlamentares terá participação de empreendedores do setor, do Sindicato das Empresas de Gastronomia, Entretenimento e Similares de Curitiba (SindiAbrabar) e da Federação das Empresas de Hospedagem, Gastronomia, Entretenimento e Similares do Paraná (Feturismo).

A intenção é debater um termo de boas práticas que está sendo firmado com o iFood , com intuito de endereçar os interesses das empresas formalizadas e resguardar a saúde pública dos consumidores. A parceria prevê a implantação de medidas regulatórias visando a Segurança Alimentar para a atividade.

São previstos cursos para os empreendedores realizados pela Abrabar e empresas parceiras, e capacitação para moto entregadores, realizados por empresas parceiras do iFood .

A parceria entre Abrabar e iFood abordará incentivos ao setor para boas práticas em segurança alimentar, como Selo de Boas Práticas, capacitações, premiações e reconhecimentos. O documento, que será aperfeiçoado e servirá de base para para outras plataformas, traz ainda um estudo sobre o setor, informa Fábio Aguayo, presidente da Abrabar.

Gastronomia

Empresários e Micrompreendedores Individuais (MEIs) buscaram saídas nos deliverys de alimentação: o país registrou a ativação de 1,15 milhão de empresas. Destas, 21,5% voltadas aos APPs de entrega de comida, segundo dados da Receita Federal do segundo semestre de 2020.

“Mais de 70% dos membros de nossa categoria mantiveram seus negócios funcionando exclusivamente para o delivery durante a pandemia nas diversas plataformas”, ressalta Aguayo. Aqueles que se adaptaram, conseguiram manter de 50% a 70% do ritmo de vendas de 2019, conforme levantamento da ANR.

A maioria dos estabelecimentos passaram a ter nas plataformas de venda de alimentos a sua principal fonte de receita. A cada 100 empresas que abrem no setor, 81 são MEI.

Delivery

As principais plataformas possuem mais de 200 mil restaurantes parceiros em mais de mil cidades pelo Brasil. Com o serviço, restaurantes movimentam R$ 17 bilhões ao ano e mantém aproximadamente quatro milhões empregos diretos e indiretos no setor.

De março a agosto de 2020, o Delivery de Alimentação superou o Comércio Varejista e passou a ser a atividade com maior número de abertura de empresas no país. Foram mais de 352 mil, contra 339 mil varejista, segundo a RF. O formato de venda tem sido a principal fonte de renda de muitas famílias.

Do total de empresas abertas entre março e agosto de 2020, pouco mais de 75% foram MEI. Entre 26 setores analisados, o Delivery de Alimentação é o que possui o 10º maior percentual de MEIs.

Boas Práticas

A partir da parceria com a plataforma iFood, as entidades propõem a incorporação de pontos aos projetos de Franciscini e de Tito Zeglin. Entre eles estão previstos o compromisso contratual dos parceiros cadastrados nas plataformas e a consonância com a regulamentação federal.

O setor também propõe o descadastramento de estabelecimentos irregulares, transparência de informações e o apoio às boas práticas de segurança alimentar com os parceiros.

Destaques, Economia, Paraná,

Provas do concurso da Polícia Civil serão aplicadas em fevereiro de 2021

São ofertadas 400 vagas. A data foi definida em uma reunião da comissão do concurso com a banca examinadora da Universidade Federal do Paraná (UFPR). Marcado anteriormente para 26 de julho deste ano, o concurso foi adiado em função da pandemia.

Edital publicado no Diário Oficial do Estado, na quinta-feira (19), confirma as novas datas do concurso da Polícia Civil do Paraná (PCPR), que oferta 400 vagas. As primeiras provas serão aplicadas em 21 de fevereiro de 2021 e o exame de conhecimento específico para delegado será em 11 de abril.

São ofertadas  50 para delegado de polícia, 300 para investigador de polícia e 50 para papiloscopista. O edital com o novo cronograma, que foi definido em conjunto pela comissão do concurso e a banca examinadora da Universidade Federal do Paraná (UFPR), pode ser acessado AQUI.

O calendário foi finalizado após a provação de um plano de biossegurança junto à Secretaria de Estado da Saúde, em 9 de novembro. O plano foi desenvolvido pela UFPR e normatiza as regras sanitárias que deverão ser seguidas no certame.

Economia, Paraná,

Covid-19: Entidades pedem que governo amplie as campanhas

Com o aumento expressivo de casos da covid-19 nas últimas semanas, em especial nos últimos dez dias no Paraná, segmentos do comércio e proprietários de bares, restaurantes e afins, temem que a situação saia do controle e seja necessária a adoção de medidas restritivas mais duras, o que lhes atingiria em cheio, a exemplo do que aconteceu no início da pandemia. Por isso, pedem que o poder público – Estado e municípios – intensifiquem as campanhas de alerta à população para que reforcem os cuidados contra a transmissão do coronavírus.

Os representantes de entidades de gastronomia e entretenimento, turismo e hospedagem de todo o Paraná definiram que uma campanha unificada de conscientização será realizada com a sociedade civil organizada e o poder público. “Precisamos conscientizar a população que uma das principais formas de ataque é assumir a sua responsabilidade, todos precisam assumi-la. Com higiene pessoal, com distanciamento e o respeito aos protocolos definidos. Cada cidadão precisa fazer a sua parte para evitar que os casos continuem crescendo. Precisamos falar a verdade e pedir que a população faça a sua parte”, afirma o presidente da Abrabar (Associação Brasileira de Bares e Casas Noturnas), Fábio Aguayo.

Fábio destaca que, neste momento, a sociedade civil organizada quer participar da discussão e da definição de políticas públicas de combate à pandemia: “Queremos participar, dar sugestões, reforçar a necessidade de que todos trabalhem em conjunto. No início, o poder público definiu tudo. Agora, queremos participar e o primeiro passo é conscientizar as pessoas da gravidade da situação e da necessidade das medidas de prevenção”.

O presidente da Abrabar aponta para a situação complicada que o setor vive e alerta que um novo fechamento seria o fim de muitos estabelecimentos. “Um novo lockdown seria inviável; 77% dos estabelecimentos estão endividados, com contas em atraso ou parceladas. Ninguém tem fôlego para um novo fechamento, nem mesmo o governo tem possibilidade de bancar novo auxílio”, enfatiza.

Clandestinidade

Aguayo ressalta que uma das prioridades é combater os estabelecimentos clandestinos, onde não há qualquer tipo de controle, prevenção ou fiscalização das medidas. “Pedimos a ampliação do horário de funcionamento dos estabelecimentos, para, assim, evitar os locais clandestinos, que é para onde as pessoas vão depois que os bares e os restaurantes fecham. Os locais sérios seguem todos os protocolos, há fiscalização e, mais do que isso, há possibilidade de fiscalização pelos próprios usuários, que podem denunciar. Já na clandestinidade não existe nada disso. Apenas o risco aos frequentadores”.

No oeste

Nos últimos dias, cresceu a circulação de falsas notícias de que o governo adotaria lockdown. Empresários do ramo de bares e restaurantes chegaram a receber avisos de reuniões já agendadas para definir o fechamento nas cidades de Cascavel e Foz do Iguaçu. As duas prefeituras negam movimentação nesse sentido.

Embora mentirosos, os boatos agravam a preocupação do setor, um dos mais atingidos com as medidas de contenção do novo coronavírus. E sabem que, se a situação sair do controle, serão os primeiros a serem atingidos com ações restritivas.

Fábio destaca que, neste momento, a sociedade civil organizada quer participar da discussão e da definição de políticas públicas de combate à pandemia: “Queremos participar, dar sugestões, reforçar a necessidade de que todos trabalhem em conjunto. No início, o poder público definiu tudo. Agora, queremos participar e o primeiro passo é conscientizar as pessoas da gravidade da situação e da necessidade das medidas de prevenção”.

O presidente da Abrabar aponta para a situação complicada que o setor vive e alerta que um novo fechamento seria o fim de muitos estabelecimentos. “Um novo lockdown seria inviável; 77% dos estabelecimentos estão endividados, com contas em atraso ou parceladas. Ninguém tem fôlego para um novo fechamento, nem mesmo o governo tem possibilidade de bancar novo auxílio”, enfatiza.

Clandestinidade

Aguayo ressalta que uma das prioridades é combater os estabelecimentos clandestinos, onde não há qualquer tipo de controle, prevenção ou fiscalização das medidas. “Pedimos a ampliação do horário de funcionamento dos estabelecimentos, para, assim, evitar os locais clandestinos, que é para onde as pessoas vão depois que os bares e os restaurantes fecham. Os locais sérios seguem todos os protocolos, há fiscalização e, mais do que isso, há possibilidade de fiscalização pelos próprios usuários, que podem denunciar. Já na clandestinidade não existe nada disso. Apenas o risco aos frequentadores”.

No oeste

Nos últimos dias, cresceu a circulação de falsas notícias de que o governo adotaria lockdown. Empresários do ramo de bares e restaurantes chegaram a receber avisos de reuniões já agendadas para definir o fechamento nas cidades de Cascavel e Foz do Iguaçu. As duas prefeituras negam movimentação nesse sentido.

Embora mentirosos, os boatos agravam a preocupação do setor, um dos mais atingidos com as medidas de contenção do novo coronavírus. E sabem que, se a situação sair do controle, serão os primeiros a serem atingidos com ações restritivas.

Para o dirigente, este é o momento de se chamar a atenção para a responsabilidade de cada um no controle da pandemia: “Não é hora ainda, por exemplo, de se fazer festas e grandes ajuntamentos familiares e de amigos. Bares e restaurantes estão obedecendo as regras de distanciamento, mas sofrem com a indisciplina de muitas pessoas, que se aglomeram de forma descuidada”.

Por: O Paraná

Destaques, Economia, Foz do Iguaçu,

Black Friday em Foz do Iguaçu terá descontos de até 80%

Programada para o dia 27 de novembro (próxima sexta-feira) a edição deste ano da Black Friday promete movimentar a economia em Foz do Iguaçu após a crise causada pela pandemia. Os lojistas estão animados e projetam um crescimento de até 30% nas vendas de itens como eletrônicos, roupas, calçados, produtos de beleza e acessórios em geral. 

Alguns estabelecimentos decidiram antecipar as promoções e, por conta disso, já no início da próxima semana será possível encontrar várias ofertas. No fim de semana os descontos devem chegar a até 80% nas lojas da região central e em alguns departamentos nos shoppings.

“A expectativa desse ano é proporcional a 2019. Os lojistas estão ansiosos para que o 13° aqueça o mercado neste final de ano. Todos estão preparando as suas mercadorias, com muitas novidades para os clientes. Apostamos em uma virada de ano mais bem sucedida e alinhada com o processo de crescimento da nossa região”, disse o presidente da Associação Comercial e Empresarial de Foz (Acifi), Faisal Mahmoud Ismail.

A Black Friday engloba estabelecimentos físicos e virtuais, que oferecem na última sexta-feira de novembro diversas mercadorias com preços abaixo do mercado convencional. A ação, que teve início nos Estados Unidos, conquistou os empresários e os consumidores brasileiros, que economizam durante meses para aproveitar as promoções no final do ano. 

Uma pesquisa realizada pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Paraná (Fecomércio PR) mostra que o otimismo dos consumidores em relação à data cresceu 44% neste ano. Uma boa parcela deve aproveitar os descontos para antecipar as compras de Natal, especialmente os presentes para a família. Muitos planejam ainda realizar as compras no conforto de casa, uma vez que o investimento no meio virtual cresceu consideravelmente nos últimos meses. 

“O percentual é praticamente o dobro do ano passado, quando somente 22,3% consideravam a data realmente vantajosa para as compras. O isolamento social expandiu as compras on-line e fez muitos consumidores realizarem compras na internet pela primeira vez. É um comportamento que veio para ficar e que refletirá positivamente nesta edição da Black Friday, que é uma campanha prioritariamente virtual”, informou a Fecomércio. 

Os produtos ofertados e os descontos variam bastante, por isso é importante pesquisar com antecedência. Algumas lojas na região central de Foz já estão oferecendo diversos itens com preços promocionais nos sites. Como exemplo há ofertas de calçados no estilo “leve três pague dois”, smartphones de R$ 1.399 por R$ 999, Kits de eletrodomésticos como liquidificador e batedeira de R$ 479,90 por R$ 299, e diversos itens de cama, mesa e banho com 50% de desconto. 

Quem percorrer as ruas de Foz na próxima semana verá as vitrines enfeitadas com cartazes e faixas anunciando as promoções. O bom movimento de turistas na cidade também é um fator que enche o comércio de esperança e favorece a aposta em boas vendas. 

“Com as fronteiras reabrindo, em breve a Argentina, faz com que o comércio fique positivo. O turismo, o varejo e até a parte de serviços ganha com isso”, afirmou o presidente da Acifi, Faisal Ismail.

Por: GDia

Destaques, Economia, Foz do Iguaçu,

Receita Federal apreende veículo carregado com vinhos importados. Assista o vídeo da apreensão!

A Alfândega da Receita Federal do Brasil em Foz do Iguaçu/PR, no âmbito da Operação Escudo, apreendeu nesta sexta-feira (20/11), por volta das 2h, um veículo carregado com vinhos estrangeiros em Santo Antônio do Sudoeste – PR.

Após uma denúncia anônima, equipes da Receita Federal localizaram e acompanharam a movimentação do veículo suspeito. O motorista seguiu para o Jardim Eliza e lá entraria em uma residência, porém os servidores o abordaram assim que o portão começou a abrir.

Dentro da casa, havia um casal que aparentemente aguardava a chegada do veículo, entretanto quando perceberam a presença dos servidores, ambos alegaram não conhecer o condutor nem o passageiro do automóvel.

Durante a vistoria, a equipe encontrou cerca de 52 caixas de vinho importado, valorados em aproximadamente R$ 25 mil. A mercadoria e o veículo foram apreendidos. O motorista e o passageiro foram qualificados e liberados, porém serão enviadas Representações Fiscais para Fins Penais ao Ministério Público para apuração dos ilícitos.

Bebidas clandestinas estão sujeitas à fraude e podem conter substâncias prejudiciais à saúde do consumidor, como o excesso de metanol que pode causar cegueira. Além de promover a concorrência desleal entre estabelecimentos comerciais e causar danos ao erário.

A Receita Federal disponibiliza um telefone de contato para denúncias, de forma anônima, por meio do número (45) 9.9152-2036 e (45) 9.9134-0100.

Essa iniciativa está inserida no âmbito do Programa de Proteção Integrada de Fronteiras (PPIF), instituído pelo Decreto nº 8.903/2016, tem como diretrizes a atuação integrada e coordenada dos órgãos de segurança e de fiscalizações atuantes nas fronteiras, e como foco, o fortalecimento da prevenção, do controle, da fiscalização e da repressão aos delitos transfronteiriços, como contrabando, descaminho, tráfico de drogas, armas e medicamentos, entre outros.

Destaques, Economia, Foz do Iguaçu,

Câmara de Foz do Iguaçu lança edital para contratação de estagiários; Bolsas passam de R$ 1,4 mil

As vagas são para Nível Médio e Superior. As inscrições abrem na próxima quarta-feira, 25 de novembro.

A Câmara Municipal de Vereadores de Foz do Iguaçu lançou edital para contratação de estagiários. As vagas são para estudantes do Ensino Médio, EJA, e Curso Superior. As inscrições, que serão realizadas online abrem no dia 25 de novembro e seguem até o dia 10 de dezembro.

O estágio é de 6 horas diárias e 30 horais semanais. A bolsa é de R$ 1.491,00 para o Nível Superior e R$ 1.437,00 para o Nível Médio. As inscrições poderão ser feitas acessando o site da Câmara Municipal de Vereadores pelo link.

Para participar do processo seletivo, o estudante interessado deve atender às seguintes exigências:

  1. a) Idade mínima de 16 (dezesseis) anos na data da contratação;
  2. b) Estar matriculado e frequentando regularmente um dos cursos relacionados no Quadro do item 3, de ensino superior, ou médio regular e ou profissionalizante, ou de educação de jovens e adultos (EJA), nas modalidades presencial ou Educação a Distância (EAD), em instituições ou polos sediados na Cidade de Foz do Iguaçu-PR, vinculadas à Secretaria da Educação e do Esporte do Estado do Paraná ou oficialmente reconhecidos pelo Ministério da Educação – MEC.
  3. c) NÃO estar matriculado no último ano do curso.
  4. d) Nos casos de candidatos do curso de Jornalismo, NÃO, estar cursando, também, o primeiro ano do curso.

QUADRO DE OPORTUNIDADES DE ESTÁGIO

01 ADMINISTRAÇÃO
02 CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO
03 CIÊNCIAS CONTÁBEIS
04 JORNALISMO
05 DIREITO
06 NÍVEL MÉDIO REGULAR e/ou PROFISSIONALIZANTE, ou de EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA)

Para acessar o Edital completo, com as informações e lista de documentos necessários para a inscrição clique aqui.

Economia, Paraná,

Norte Pioneiro tem 40 produtores na final do Café Qualidade Paraná

O deputado Luiz Claudio Romanelli (PSB) destacou nesta quinta-feira, 19, a importância do agronegócio do Norte Pioneiro para a economia paranaense. Para o deputado, a mesorregião tem uma produção diversificada e a qualidade da produção se destaca em todo o Estado. Ele lembra do concurso Café Qualidade Paraná 2020, que revela os vencedores com transmissão pelo canal do YouTube.

O concurso reúne cafeicultores de todas as regiões produtoras do Paraná, que concorrem com lotes de uma a cinco sacas de 60 quilos. Dos mais de 300 participantes, desde as fases regionais, 99 competem na final do concurso.

Destes, 40 são do Norte Pioneiro. “Esse número é resultado do excelente trabalho realizado por técnicos extensionistas da Emater, que diariamente acompanham a produção cafeeira do Norte Pioneiro e colocam o café da região entre os melhores do Brasil”, comenta o deputado.

Café Qualidade

O concurso está na 18ª edição. Os vencedores serão conhecidos em evento online, que começa às 16 horas e será transmitido pelo YouTube, no canal do IDR-Paraná (Instituto de Desenvolvimento Rural – Iapar-Emater).

A premiação será em duas categorias: cereja descascado e café natural. Como prêmio, o campeão de cada categoria terá o produto comercializado com ágio de, no mínimo 50% sobre o preço da BM&F do dia 18 de novembro.

Para chegar à final, os 300 concorrentes participaram das etapas regionais, onde os 99 lotes foram selecionados à prova final, realizada no Centro de Qualidade do Café do IDR-Paraná, em Londrina, no final de outubro.

Romanelli observa que a qualidade do café do Norte Pioneiro se destaca pelas características climáticas e geográficas da região, mas também pelo empenho e dedicação no cultivo da bebida. “São considerados cafés de qualidade aqueles que atendem aos quesitos de aroma, doçura, acidez, corpo, sabor, gosto remanescente e balanço da bebida. Serão selecionados os cinco melhores de cada categoria e vamos conhecer quem são os produtores do melhor café do Paraná”, explica.

O concurso é uma realização da Câmara Setorial do Café do Paraná, Seab (Secretaria de Estado da Agricultura e Abastecimento) e IDR-Paraná, com apoio da Anater (Agência Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural), cooperativas e associações de cafeicultores do Estado.

Café Paraná

Em todo o Estado são cultivados 38 mil hectares de café, que ocupam uma área com 35,5 hectares com lavouras em plena produção. A estimativa é que sejam colhidas 943 mil sacas de café beneficiado no Paraná. Romanelli acrescenta que, assim como no Norte Pioneiro, a maior parte das lavouras paranaenses tem, em média, oito hectares e é conduzida por pequenos produtores familiares.

Os 40 cafeicultores classificados para a etapa estadual representam os municípios de Abatiá, Congonhinhas, Cornélio Procópio, Japira, Joaquim Távora, Pinhalão, Ribeirão Claro, Santa Mariana, São Jerônimo da Serra, Siqueira Campos e Tomazina, nas duas categorias.

“O café é uma bebida apreciada em todo o mundo, e o produto de origem do Norte Pioneiro tem mercado garantido em praticamente todos os continentes. A indústria cafeeira da região é uma das principais geradoras de emprego e renda, com o produto sendo exportado para o Japão, Estados Unidos e vários outros países”, considera o deputado.

Representantes

Os representantes do Norte Pioneiro na final do concurso Café Qualidade Paraná 2020, por categoria, são:

Café Natural:
Abatiá:
 Antônio Carlos Almeida Fraiz e Raquel Nader Resende Fraiz;
Congonhinhas:
 Claudinei de Carvalho Nunes e Shigue Kuwano Sera;
Japira:
 Rosana da Silva e Tatiane Peres Zaninetti;
Joaquim Távora:
 Edson Messias de Carvalho, Jarbas Cazaroto, Sirlei de Fátima da Cruz Carvalho e Welinton Domingos da Cruz;
Pinhalão: Jonas Aparecido da Silva;
Ribeirão Claro:
 Fábio Dória Scatolin e José Eduardo Correa Ferraz;
São Jerônimo da Serra: Juarez Colatino de Barros, Rosa Odete Siqueira e Sidilei Soares de Melo;
Siqueira Campos:
 Natan Miguel da Cruz Carvalho;
Tomazina:
 Lúcia Aparecida Pedro Diniz, Maristela Fátima da Silva Souza, Sandra Aparecida de Freitas Godoi e Valdeir Luiz de Souza.

Cereja Descascado
Abatiá:
 Antônio Carlos Almeida Fraiz e Raquel Nader Resende Fraiz;
Congonhinhas: Pablo Ribeiro dos Santos, Pamela Ribeiro Matheus e Ricardo Batista dos Santos;
Cornélio Procópio: Orlando von der Osten;
Japira: Francisco Barbosa Lima e Rosana da Silva;
Joaquim Távora: Edson Messias de Carvalho, Sirlei de Fátima da Cruz Carvalho e Loete do Carmo da Cruz;
Pinhalão: Jonas Aparecido da Silva, Zenaide Peres da Silva e Edson Alfredo Costa;
Ribeirão Claro:
 Fábio Dória Scatolin;
Santa Mariana: Cornélia Margot Gamerschlag;
São Jerônimo da Serra: Ageu Luiz Teodoro, Aldenice da Silva Soares, Ivonete Antunes Siqueira, Juarez Colatino de Barros e Leandro Cesar Soares;
Siqueira Campos: Natan Miguel da Cruz Carvalho;
Tomazina: Claudeir Marcos de Souza, Claudionira Inocência de Souza, Eloir Inocência Nogueira de Souza, Márcio Godoi, Maria Linete dos Santos Souza, Maristela Fátima da Silva Souza, Valdeir Luiz de Souza e Vanessa Rosa de Souza.

Destaques, Economia, Foz do Iguaçu,

Começam os estudos da nova concessão do Parque Nacional do Iguaçu

Serão elaborados estudos técnicos de viabilidade econômico-financeira, de engenharia e de arquitetura, além de confeccionados os documentos necessários ao processo de leilão

Encontro realizado nesta quarta-feira (26/8) marcou o lançamento dos trabalhos para estruturar o projeto de nova concessão da prestação dos serviços públicos de apoio à visitação, revitalização, modernização, operação e manutenção de atividades turísticas no Parque Nacional do Iguaçu, localizado no estado do Paraná.

Participaram da atividade representantes do Ministério do Meio Ambiente (MMA), Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Secretaria Especial do Programa de Parcerias de Investimentos (SPPI) e Consórcio Iguaçu, além do Instituto Semeia – com quem o BNDES mantém acordo de cooperação.

Concessão

O Parque Nacional do Iguaçu foi concedido no final dos anos de 1990. Com a proximidade do fim do contrato de concessão vigente, o ICMBio buscou apoio da Secretaria Especial do PPI e do BNDES para estruturar nova concessão.

Por meio do Decreto Presidencial nº 10.147/2019, a unidade de conservação foi incluída no portfólio do PPI para fins de concessão da prestação dos serviços públicos de apoio à visitação, com previsão do custeio de ações de apoio à conservação, à proteção e à gestão do parque. 

Edital

No início deste ano, o BNDES publicou edital para a contratação de consultoria especializada para o desenvolvimento dos estudos e da modelagem para a nova concessão. O vencedor foi o Consórcio Iguaçu, formado pela BF Capital (líder) e pelas empresas Natureza Urbana e Azevedo Sette Advogados.

Serão elaborados estudos técnicos de viabilidade econômico-financeira, de engenharia e de arquitetura, além de confeccionados os documentos necessários ao processo de leilão, como minutas de edital, contrato e anexos.

Uma vez cumprida a etapa dos estudos e proposta da modelagem para a concessão, o projeto passará ainda por consulta pública e avaliação prévia do Tribunal de Contas da União (TCU).

As fases seguintes são a publicação de edital – com eventuais ajustes, a depender da manifestação da Corte – e a realização do leilão.

Economia, Paraná,

Pesquisa mostra alta aprovação do Programa Compra Direta Paraná

Governo do Estado adquire produtos de agricultores familiares e distribui a rede socioassistencial. Pesquisa online mostrou que 90,5% avaliam que o programa é muito importante para os agricultores e 87% consideram muito importante para as entidades atendidas.

Levantamento online mostrou que o Programa Compra Direta Paraná, do Governo do Estado, tem ótima aceitação entre os participantes. Realizado pela Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento, o programa adquire, desde junho, de forma emergencial, produtos da agricultura familiar que são distribuídos para a rede socioassistencial, restaurantes populares, cozinhas comunitárias, bancos de alimentos e hospitais filantrópicos.

A pesquisa foi elaborada pelo Departamento de Segurança Alimentar e Nutricional (Desan) da Secretaria e contou com a participação de 89,11% das 147 organizações da agricultura familiar contratadas na Chamada Pública nº 04/2020 e de 57% das 905 entidades que receberam os produtos.

Entre os beneficiários, 90,5% avaliam que o programa é muito importante para os agricultores e 87% consideram muito importante para as entidades atendidas. A continuidade do Compra Direta é um desejo de 97,1% do grupo. A necessidade das doações para o abastecimento das entidades foi apontada por 98,8%.

O governador Carlos Massa Ratinho Junior afirma que o bom desempenho do programa é motivo de orgulho e satisfação para as equipes. “O Compra Direta é uma das ferramentas que permite ao Governo cumprir a importante missão de garantir alimentos de qualidade na mesa dos que mais precisam e, ao mesmo tempo, dar suporte aos agricultores familiares, fundamentais da cadeia de produção alimentar”, diz ele.

“Além do Compra Direta, temos outras iniciativas para atender os pequenos agricultores e garantir comida à população. Somos organizados para isso, o que nos permitiu reforçar as ações durante a pandemia. Nossas equipes abraçaram a causa e devemos a isso o fato de o Paraná ser uma referência no enfrentamento ao coronavírus e à proteção das pessoas vulneráveis”.

O Governo do Estado destinou R$ 20 milhões para a primeira fase do Compra Direta, recursos do Fundo Estadual de Combate à Pobreza, atingindo 393 municípios. “Conseguimos fortalecer o desenvolvimento local e regional em meio à pandemia do novo coronavírus, garantindo renda para os pequenos produtores e saúde para a população”, destaca o secretário estadual da Agricultura e do Abastecimento, Norberto Ortigara.

As entidades recebem principalmente frutas, hortaliças, legumes, temperos, arroz, fubá, feijão, sucos, geleias e pães.

Continue lendo em: AEN