Browsing Category

Economia

Leia as últimas notícias sobre Economia no CabezaNews, site de informação com reportagens exclusivas, fotos, vídeos e conteúdos sobre Foz do Iguaçu e sobre o Paraná.

O CabezaNews leva ao público notícias de utilidade pública, curiosidades, turismo, lazer, cultura. Sobretudo com um olhar voltado para a região da tríplice fronteira entre Brasil, Paraguai e Argentina.

Em Foz, nossa cobertura foca os principais acontecimentos da cidade, incluindo eleições 2020, o avanço da pandemia do novo coronavírus, as ações da Itaipu Binacional, bem como a administração do prefeito Chico Brasileiro.

O site não deixa de lado o que acontece no restante do estado do Paraná. Notas exclusivas dos bastidores da política, da Assembleia Legislativa, ações do governo do Paraná e da administração Ratinho Júnior. Assim como as principais notícias nacionais.

O CabezaNews é editado por Ronildo Pimentel, jornalista com mais de 30 anos de atuação em jornalismo impresso e digital.

Destaques, Economia, Foz do Iguaçu,

Foz do Iguaçu terá o 1º Duty Free do Brasil dentro de um shopping center

A abertura do Liberty Duty Free será hoje (24) no Cataratas JL Shopping

Agora ficará mais fácil comprar produtos de marcas famosas como Lacoste, Apple, Lancôme, Carolina Herrera, além de vinhos do mundo inteiro. Com um investimento aproximado de R$ 100 milhões, a Liberty Duty Free escolheu Foz do Iguaçu para abrir a primeira de 3 lojas que terá no Paraná.

As outras 2 lojas serão na região Sudoeste. A unidade de Santo Antônio do Sudoeste com 2.430m², contará com uma ampla área de vendas, adega tematizada, garagem própria, além de praça de alimentação.

A terceira loja será em Barracão, fronteira com a cidade de Missiones (Argentina) e terá uma área de 750m². A expectativa é que as 3 lojas gerem aproximadamente 140 empregos diretos, movimentando as economias dessas cidades.

Também está prevista para o próximo ano a ampliação da unidade do Cataratas JL Shopping. A loja que terá inicialmente 600m², trará ainda mais marcas e produtos, aumentando seu mix.

Inicialmente, todas as lojas contarão com mais de 100 marcas e mais de 200 tipos de produtos comercializados. Entre eles: perfumes, bebidas, eletrônicos, vestuário, relógios, brinquedos, bombonière, bolsas e outros acessórios.

A Liberty Duty Free é uma empresa 100% Paranaense e uma das pioneiros no segmento de lojas Francas no Estado. “Há um estudo em andamento para avaliar a viabilidade de expansão de investimentos do Grupo em novas lojas Francas na cidade de Foz do Iguaçu, além da loja localizada no Cataratas JL Shopping”, comenta o Diretor Executivo do Grupo, Joel Carminatti.

Saiba ais sobre um duty free

• O que são as lojas Francas?
As lojas Francas de fronteira terrestre são estabelecimentos comerciais que podem ser instalados nas cidades de fronteira com outros países, chamadas “cidades gêmeas”. Os produtos comercializados nestes estabelecimentos estão isentos de impostos federais, e cada pessoa pode usufruir desta isenção comprando até US$ 300 em mercadorias a cada mês.

• Os produtos são originais?
Sim. Os produtos são comprados diretamente das próprias marcas ou de distribuidores autorizados e sem impostos, o que os torna muito mais baratos.

• Quanto posso comprar?
Como já é estabelecido pela Legislação Brasileira, duty free’s ou lojas Francas seguem um limite de valor em compras por CPF de U$ 300,00 (dólares) mensal.

• Posso parcelar?
Um dos grandes diferenciais da Liberty é que suas compras poderão ser parceladas em até 6x no cartão de crédito, além de já estarem isentas de possíveis taxas que teria fora do País.

• Os produtos têm garantia?
Sim, as garantias são aplicadas normalmente, conforme exigência da Legislação Brasileira.

• Os valores serão mais baratos que no exterior?
O preço dos produtos será muito competitivo com os países vizinhos. Vendidos em reais, os produtos são tabelados com a cotação OFICIAL do dólar comercial, não sofrendo alteração com a flutuação do dólar.

• E quais as vantagens ao comprar em um Duty Free no Brasil?

-Segurança
-Conforto
-Proximidade sem precisar viajar
-Economia de tempo
-Não precisar enfrentar fila de travessia de fronteiras
-Garantia de produtos originais
-Preços em reais
-Compra parcelada no cartão de crédito nacional ou internacional (sem taxa cobrada fora)

Destaques, Economia, Paraná,

Paraná gera 61.586 empregos até novembro, mostra Caged

O Paraná criou 61.586 empregos formais de janeiro a novembro de 2020 e se mantém como o segundo maior empregador com carteira assinada do País. O saldo acumulado até novembro é o dobro do que registrado até outubro. Especificamente em novembro, o Estado manteve a trajetória de recuperação de vagas no mercado de trabalho e registrou 29.818 mil novos empregos.

Os dados são do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério da Economia divulgados nesta quarta-feira (23). Com isso, o Estado se mantém como o segundo maior empregador com carteira assinada do País. “Em um ano tão difícil, marcado por uma pandemia que abalou a economia do mundo todo, o Paraná mostra mais uma vez a sua força, a sua vocação para o crescimento e para a geração de emprego e renda”, afirmou o governador Carlos Massa Ratinho Junior.

“Chegamos a mais de 61 mil novos postos de trabalho abertos. Um resultado excelente, que comprova o acerto nas medidas tomadas pelo Governo do Estado para a retomada econômica”, completou o governador. “Emprego é a melhor política social que existe. “Dentro do possível, o paranaense vai ter um Natal e fim de ano feliz”.

Os setores que mais colocaram pessoas no mercado de trabalho, em novembro, foram:  Comércio com um saldo de 11.832 empregos criados, seguido de Serviços (10.134), Indústria de Transformação (6.956), Construção (2.158).

Ranking

O resultado paranaense, no saldo acumulado, ficou à frente de São Paulo, que ocupa a 3º colocação, com saldo de 40.856. “Estados que geralmente apresentam bons números, não tiveram bom desempenho, como Rio Grande do Sul, na 26º colocação (-19.532) e Rio de Janeiro, na 27º colocação com saldo negativo de 133.754 empregos”, informa o secretário de Justiça, Família e Trabalho, Ney Leprevost.

O resultado de novembro foi o segundo melhor registro desde o início da pandemia. Este resultado colocou o estado na 5º colocação no ranking das unidades federativas, para o mês.

De acordo com a chefe do Departamento do Trabalho e Estímulo à Geração de Renda da Secretaria da Justiça, Família e Trabalho, Suelen Glinski, esse número se manteve na boa onda da recuperação de empregos. “Estes resultados do estado apresentam uma reação às ações produzidas e uma considerável melhora na situação atual, com sinais de uma revitalização e avanços para a retomada da economia no Paraná”.

Cidades que mais empregam no Paraná

Curitiba lidera a relação dos municípios com um saldo de 6.861 novos postos de trabalho no acumulado do ano (janeiro a novembro). Confira o ranking completo:

  • Curitiba: 6.861
  • Ponta Grossa: 5.854
  • Cascavel: 2.773
  • Ortigueira: 2.676
  • Toledo: 2.602
  • Arapongas: 1.982
  • Rolândia: 1.825
  • Matelândia: 1.706
  • Umuarama: 1.682
  • Colombo: 1.279
Destaques, Economia,

Campanha ‘Ajude um Amigo!’ quer garantir um Natal melhor para o setor da gastronomia e entretenimento

A crise econômica provocada pela pandemia do novo Coronavírus (Covid-19) atingiu em cheio o setor de gastronomia e entretenimento. No Paraná, aproximadamente 30% dos bares e restaurantes fecharam desde março devido as restrições impostas pela quarentena e decretos do estado em município. Em Curitiba, de quatro a cada 10 bares fecharam em definitivo.

De olho nas dificuldades que enfrentam empreendedores e trabalhadores do setor, a startup curitiba SOC141 lançou, em parceria com a Associação Brasileira de Bares e Casas Noturnas (Abrabar), a campanha “Ajude um Amigo!”. A iniciativa incentiva os clientes a doar uma quantia neste momento, que será consumida em 2021.

A intenção, de acordo com Fábio Aguayo, presidente da Abrabar, é ajudar os bares e seus funcionários a ter uma renda extra neste Natal e início de ano, “para começar 2021 com um belo empurrão”, disse. O detalhamento da ação poderá ser através de um número de Whatsapp, cujo link está no final da reportagem.

Panorama

A crise da Covid-19 atingiu diretamente os bares e seus funcionários, conforme constatou uma pesquisa da Abrasel, de 6 a 12 de outubro em todos os estados. De acordo com o levantamento, 53% dos estabelecimentos fecharam setembro no vermelho, 33% estão em equilíbrio e só 14% tiveram lucro.

Apoximadamente 52% das empresas do setor estão com o faturamento abaixo do esperado e 23% esperam equilibrar o caixa em até seis meses com o atual faturamento. Outros 20% estimam levar até um ano. A queda nas receitas atingiu 56% dos estabelecimentos, faturando menos da metade do que na mesma época em 2019.

No Paraná, aproximadamente de 30% dos bares e restaurantes devem fechar, segundo estimativa da Abrabar. A entidade destaca que 40 mil funcionários foram demitidos de bares no estado. “Sabemos que a situação do ‘novo normal’ é difícil. Portanto, chegou a hora de ajudar quem sempre nos porcionou momentos inesquecíveis”, diz a campanha.

Corrente do bem

A intenção é criar uma corrente do bem para alegrar. “Para isso, só precisamos do seu tempo e de uma pequena doação para realizarmos um sorteio gigante, do tamanho dessa causa”. A campanha consiste em uma doação de apenas R$ 100 em consumação para ser utilizada em 2021 no bar, afirmam os organizadores.

Criando uma rede do bem com pelo menos 200 bares, será possível sortear mais de R$ 20 mil em consumação. A premiação será dividida entre 10 ganhadores para ser utilizada em 2021. Cada bar terá seu próprio link para venda de tickets e cadastramento dos funcionários.

Após a compra dos tickets, os clientes estarão automaticamente participando do sorteio. Do valor total de tickets que o bar vender, 60% volta para o estabelecimento e funcionários.

AQUI para participar da campanha

Destaques, Economia, Foz do Iguaçu,

Em 10 anos, Unila injetou R$ 1,5 bilhão na economia de Foz do Iguaçu

Com um orçamento anual em 2020 de R$ 170 milhões, a Universidade de Integração Latino-americana chegou ao seu décimo aniversário com uma injeção de recursos da ordem de mais de R$ 1,5 bilhão para Foz do Iguaçu. Esse total inclui investimento em edificações, custeio, mão de obra e assistência estudantil.

A informação é do reitor Gleisson Brito que falou sobre a qualidade do ensino e dos serviços prestados pela universidade. Dos R$ 170 milhões inclusos no orçamento de R$ 2020, R$ 31,9 milhões foram para custeio, R$ 1,5 milhão para investimentos, R$ 8,3 milhões direcionados ao Plano Nacional de Assistência Estudantil (Pnaes) e cerca de R$ 128 milhões para o pagamento de pessoal.

Brito disse que além de produzir conhecimento e integração, a Unila gerou um grande impacto econômico positivo na cidade e região, “com investimento direto de recursos na ordem de R$ 1,5 bilhão”.

Hoje a Unila possui 6.014 alunos e se consolidou como uma instituição vocacionada ao serviço público de excelência no ensino superior. “Durante esses 10 anos mais de 11 mil alunos passaram, cumulativamente, pelas salas e laboratórios da universidade”, afirma Brito.

“Aqui esses alunos recebem uma formação com elevada competência técnica e profunda formação humanística e cidadã”, acrescenta o reitor, lembrando que a instituição oferece atualmente 29 cursos de graduação, 12 programas de pós-graduação e um de doutorado.

Dos 6.014 alunos, 4.308 são brasileiros, 486 paraguaios, 163 peruanos, 139 haitianos, 85 argentinos, 84 venezuelanos, 73 bolivianos e 68 chilenos. Os demais são de outras nacionalidades.

Pandemia

Gleissom Brito disse que mesmo com a pandemia a Unila não se deixou abalar. “Transferimos nossas atividades administrativas e acadêmicas para o modelo remoto e não deixamos esmorecer o espírito comemorativo destes 10 anos”.  

“Não podemos deixar de mencionar o impacto social no próprio enfrentamento da pandemia de Covid-19, por meio da ação de nossa comunidade acadêmica, realizando testagem por exames de PCR, inquérito sorológico, produção de álcool, máscaras em impressora 3D, e também atuando no teleatendimento e nas barreiras sanitárias”, lembra Brito.

Extensão

Segundo o reitor, desde 2010, foram mais de 1.300 ações de extensão, com atendimento acumulado de 1,4 milhão de pessoas (uma pessoa pode ter sido atendida em mais de uma ação) na cidade e região. Neste ano, estão em execução 199 ações de extensão, de forma remota e também no enfrentamento da Covid-19, com expectativa de atendimento de 618 mil pessoas.

 Novos edifícios no campus Integração

No final do mês passado a Unila abriu licitação para a construção de dois edifícios no campus Integração: um destinado a salas de aula e outro para o almoxarifado e arquivo institucional. O campus Integração, localizado na Avenida Tancredo Neves, já abriga três edifícios de dois pavimentos destinados ao alojamento estudantil, Centro de Convivência e primeiro bloco de salas de aula, que deve ser concluído até março de 2021.

A busca da autonomia de infraestrutura é uma das prioridades da Universidade, que, para desenvolver suas atividades administrativas e acadêmicas, aluga imóveis em diferentes áreas da cidade. Com o almoxarifado e os blocos de aulas (1 e 2), será possível transferir atividades dos atuais locais, reduzindo a área de espaços locados.

“Esse é o passo inicial. O foco é proporcionar a independência infraestrutural. Com isso, vamos conseguir desmobilizar uma parte dos aluguéis. Um valor significativo que pode, no futuro, ser revertido em novas obras ou investimentos para outras áreas dentro da Universidade, principalmente as finalísticas: ensino, pesquisa e extensão, motivo de a Universidade existir”, argumenta o secretário de Implantação do Campus, Aref Kzam.

O Bloco 2 será espelhado ao que já está em construção e vai abrigar 10 salas de aula para 50 alunos, 3 salas para 25 alunos, 11 salas para até 3 professores e 3 salas para atendimento individualizado, espaços voltados às atividades administrativas, Protocolo Central, cantina e copa, além das instalações básicas sanitárias e de serviços.

Por: GDia

Destaques, Economia,

Utilidade pública: Bancos vão abrir de manhã na véspera do Natal

As agências bancárias de todo o país funcionarão em horário especial no dia 24 de dezembro, véspera de Natal, e ficarão abertas apenas por duas horas na parte da manhã. Segundo a Federação Brasileira de Bancos (Febraban), a abertura das agências das unidades da Federação que funcionam no mesmo horário de Brasília será das 9h às 11h. Nos demais estados, das 8h às 10h (horário local).

Nos dias 25 (Natal) e 31 de dezembro, além de 1º de janeiro, as agências bancárias permanecerão fechadas para atendimento. Apenas os caixas eletrônicos continuarão funcionando nesses dias.

De acordo com a Febraban, hoje (23) e nos dias 28, 29 e 30 de dezembro, a abertura dos bancos ocorrerá no horário normal (que vem sendo seguido durante a pandemia de covid-19). A partir de 4 de janeiro, o atendimento será retomado normalmente.

Carnês e contas de consumo (como água, energia e telefone) vencidos nos feriados poderão ser pagos nos bancos sem acréscimo no dia útil seguinte. De acordo com a Febraban, normalmente, os tributos já estão com as datas ajustadas ao calendário de feriados, sejam federais, estaduais ou municipais.

Por: Paraná Portal

Economia, Paraná,

Procon-PR registra 118 mil atendimentos em diversos segmentos

No site consumidor.gov.br foram registrados 88.828 atendimentos. Pelas plataformas do órgão estadual foram 29.456 registros até novembro. As maiores reclamações foram de serviços de academias, operadoras de telefonia, bancos, financeiras e companhias aéreas.

Ao longo desse ano, o Procon-PR registrou 118 mil atendimentos pelos diversos canais virtuais oferecidos pelo órgão de defesa do consumidor. As maiores reclamações foram em relação a serviços de academias, operadoras de telefonia, bancos, financeiras e companhias aéreas.

“Esses registros demonstram o comprometimento do órgão com o consumidor paranaense, solucionando problemas frequentes”, destacou o secretário da Justiça, Família e Trabalho do Governo do Paraná Ney Leprevost.

Somente pela plataforma consumidor.gov.br – serviço oferecido pelo Procon-PR e que permite ao consumidor reclamar online –, foram registrados 88.828 atendimentos. Pelas plataformas do órgão estadual foram 29.456 atendimentos em 2020 entre abril e novembro.

O Procon ainda promoveu blitz e fiscalizações em redes de supermercados, farmácias, distribuidoras de gás e postos de gasolina pelo registro de denúncias de preços abusivos na venda de alimentos, leites, máscaras, álcool em gel, botijões de gás e na questão da rematricula em escolas particulares.

Preços

O órgão vinculado à Secretaria da Justiça, Família e Trabalho do Paraná, também comunicou neste período a Secretaria Nacional do Consumidor sobre o aumento nos preços de produtos da cesta básica, tais como arroz, feijão, leite, óleo de soja e outros em supermercados do Estado.

“Solicitamos providências para a Secretaria Nacional, pois identificamos aumento de preço em outros Estados também”, ressaltou a chefe do Procon-PR, Claudia Silvano.

O Procon-PR disponibiliza os seguintes canais de atendimento: www.procon.pr.gov.br e www.consumidor.gov.br

Economia, Paraná,

Alta qualidade e reconhecimento distinguem o café do Norte do Estado

A região é a principal produtora paranaense. A bebida tem mais doçura e menos acidez, sendo exportada para as melhores cafeterias do mundo. Essa riqueza paranaense é retratada na série Feito no Paraná, que valoriza produtos do Estado.

O Norte do Paraná é a principal região produtora de café no Estado. Mesmo com a redução constante da área plantada, saem do Paraná cafés de altíssima qualidade, premiados e que são reconhecidos por apreciadores da bebida.

Dentro da série Feito no Paraná, que está apresentando produtos feitos no Estado, a reportagem de hoje trata sobre a produção cafeeira no norte paranaense. Está instalada na região a Fazenda Palmeira, uma das mais antigas produtoras de café no Paraná.

Localizada em Santa Mariana, a fazenda é gerida por Cornélia Gamerschlag e seu marido, Norbert. Ela conta que tudo começou com seu avô, um suíço que desistiu da carreira de industrial para se aventurar na produção de café no Brasil. Num primeiro momento, ele se estabeleceu no estado de São Paulo. Mas em 1942 comprou terras no Noroeste do Paraná e implantou a lavoura de café. “Somos a terceira geração tocando o negócio da família. São 180 hectares, o que gera uma produção anual média de 3,5 mil sacas do grão”, conta.

A maior parte da produção de café da fazenda é destinada à exportação. Os 30% restantes ficam para o mercado interno e são comercializados para cafeterias, em leilões e direto para o consumidor final.

Cornélia explica que a propriedade faz parte da Rota do Café. Isso faz com que eles recebam muitos turistas, atraídos para conhecer todo o processo, desde o plantio até a hora de servir. “Este ano, por conta da pandemia, tivemos que suspender as visitas. Mas recebemos muitos turistas, inclusive do exterior. A ideia é propiciar uma vivência, mais ou menos como acontece em vinícolas, para que o consumidor entenda todo o processo de produção, até chegar à xícara”, afirma.

Em 2020, o café da Palmeira ficou entre os finalistas da Feira Internacional de Cafés Especiais do Norte Pioneiro do Paraná (Ficafé), maior evento de inovação em cafeicultura do Paraná e um dos maiores do Brasil.

“Os cafés classificados são leiloados. O nosso foi arrematado por duas cafeterias do estado de São Paulo. Estes concursos, além de ajudarem na promoção do nosso café, nos motiva a sempre caprichar e produzir grãos de alta qualidade”, conta Cornélia.

Para a produtora, o café paranaense figura entre os melhores do Brasil. Segundo Cornélia, o produto tem características únicas, o que o torna bastante apreciado pelos conhecedores. “Tem mais doçura e menos acidez, sendo exportados para as melhores cafeterias do mundo. Entre os conhecedores de boa bebida, o café paranaense tem um lugar bem estabelecido”, afirma.

Continue lendo em: AEN

Destaques, Economia, Foz do Iguaçu,

Em Foz do Iguaçu, Vila Portes tem ruas e avenidas lotadas, mas vendas nas lojas continuam baixas

Quem foi ou pensa em ir até a região da Vila Portes, próximo à Ponte da Amizade na fronteira do Brasil com o Paraguai, pode acabar tendo uma falsa impressão. Apesar do grande número de veículos e pessoas andando pelas calçadas, o volume de vendas nas lojas está abaixo de 50% do registrado no final de 2019. Em Ciudad del Este o cenário é semelhante, mesmo com a abertura da fronteira, o dólar alto acaba inibindo o fechamento de negócios.

“Está quase impossível chegar nas lojas da Vila Portes, não tem onde deixar o carro para poder circular pelas ruas”. A reclamação é da aposentada Naide Moreira de Souza, que convidou a filha para ir as compras no início da semana do Natal 2020. “Pensamos em adiantar a compra de presentes e coisas para nosso uso, mas precisa de paciência”, ressaltou ela. 

“Não sei se as pessoas estão comprando na Vila Portes ou deixando o carro para cruzar a ponte a pé e ir comprar no Paraguai”, completou Ronize, filha da aposentada. A dúvida dela levanta outro questionamento: estariam os cidadãos do Paraguai cruzando a fronteira para fazer compras em Foz do Iguaçu?

Falsa ilusão

“As ruas (da Vila Portes) estão lotadas de carros, mas as lojas estão com menos da metade do movimento do ano passado”. O desabafo é do empresário Mohamad Ismail, tradicional comerciante da região. Ele acredita que, o grande volume de veículos, é em função de que muitas pessoas estão indo para Ciudad del Este.

“Também por que muitas pessoas estão vindo trabalhar de carro ou de moto devido as dificuldades com o transporte coletivo e também das chuvas dos últimos dias”, disse. De acordo com ele, em conversa com outros comerciantes da região, ficou constatado que o movimento do último sábado (19), que era para ser o melhor dia do ano, ficou longe dos outros anos.

“Tem movimento tem, realmente não tem onde estacionar, mas não reflete nas lojas, aquele ‘vuco-vuco’ que a gente está acostumado. Está bem tranquilo, infelizmente”, lamentou. Entre o setor dos lojistas, o sentimento é de que a retomada econômica vai ser bem lenta. Foz do Iguaçu, na avaliação deles, sofreu mais que os demais municípios do país.

Foz do Iguaçu, afirmam, ainda está interrompida devido a manutenção do fechamento da fronteira com a Argentina, que afeta diretamente o turismo, principal fonte da economia do município. “Com o fechamento da ponte do Paraguai, a cidade estava isolada”, lembra Ismail.

Quarentena

O comércio de Foz do Iguaçu fechou com o decreto da quarentena do novo Coronavírus, em meados de março, e só reabriu na metade de abril, conforme registrou o GDia. Logo após a reabertura, o movimento nas lojas se manteve abaixo de 15% no comparativo com o mesmo período de 2019.

Ismail concluiu com um lamento: “Não tem como dar uma previsão otimista. Acredito que a única solução para nós e para o mundo é a vacina. Por enquanto, temos que nos cuidar”, disse. As lojas, ainda de acordo com ele, estão apertando o cinto, mas a situação tende a se agravar de janeiro para a frente.

Por: GDia

Destaques, Economia, Paraná,

Atenção motoristas! Pedágio mais caro nas rodovias da região Norte do Paraná a partir desta terça-feira (22)

Reajuste será de 7,6%; confira os novos valores que serão aplicados

O motorista que passar por uma das praças de pedágio da concessionária Viapar a partir desta terça-feira (22) vai pagar mais caro. A tarifa foi reajustada em 7,6% nas praças de Arapongas, Marialva, Presidente Castelo Branco, Floresta, Campo Mourão e Corbélia.

A empresa divulgou um comunicado no site, informando que está cumprindo o contrato de concessão, que permite o reajuste das tarifas.

O aumento foi autorizado pela Justiça depois que a concessionária entrou com um recurso contra a decisão da Agência Reguladora do Paraná (Agepar), que havia suspendido o aumento por 60 dias, das concessionárias Econorte, Rodonorte e Viapar, em novembro deste ano.

Por: Catve

Destaques, Economia, Foz do Iguaçu,

Agência do Trabalhador começa seleção dos trabalhadores da Perimetral Leste em Foz do Iguaçu

A Construtora JL, vencedora da licitação das obras da Perimetral Leste, iniciou o recrutamento dos trabalhadores que irão iniciar as obras. A data do início ainda não foi divulgada.

A seleção está à cargo da Agência do Trabalhador de Foz do Iguaçu que divulgou nesta segunda (21), a relação dos profissionais requisitados. No início serão contratados pedreiros, carpinteiros, eletricistas, operadoras de máquinas e outros.

A empresa vencedora da licitação é a JL Construtora, a mesma que edificou e está operando o Shopping JL em Foz do Iguaçu. A Perimetral ligará a futura Ponte da Integração com BR-277, desviado o tráfego pesado do centro da cidade.

A empresa já assinou os contratos, elaborou o projeto executivo e recebeu a ordem de serviço. O passo seguinte – da contratação de funcionários – foi dado nesta segunda.

A nova rodovia deve iniciar na BR-277, na região do acesso aos presídios, margeia a região do Morumbi, cruzando as Avenidas Mário Filho, República Argentina e Felipe Wandscheer, chegando até a Rodovia das Cataratas, que também será duplicada.

A JL Construtora também é responsável pela construção das aduanas Brasil/Paraguai e Argentina, unidades da Receita e da Polícia Federal.

Projeto animado
O GDia teve acesso ao projeto animado da Perimetral Leste, elaborado pela equipe da Iguatemi Consultoria e Serviços de Engenharia. A empresa, com sede em Florianópolis, também elaborou o projeto executivo.

A Perimetral será uma grande obra de engenharia e terá cerca de 15 quilômetros de extensão, entre a nova ponte e a BR-277. O projeto preliminar prevê três trevos, sendo dois completos, um na BR-469 e dois na BR-277, além de três rotatórias.

Cada estrutura completa será dotada de quatro alças giratórias que permitirão o acesso e saída de cada pista e em todos os sentidos do entroncamento rodoviário. A estrutura no acesso à Argentina terá duas alças giratórias.

As estruturas pretendem viabilizar o fluxo de veículos na Rodovia das Cataratas, nos cruzamentos da Rua Maria Bubiak com as avenidas República Argentina e Felipe Wandscheer e na Rua Pavão, no acesso aos presídios da região do bairro Três Lagoas.

Passarão por ela todo tipo de veículos, não apenas caminhões como estava previsto no início. Por isso, a Aduana que será construída perto da Ponte da Integração vai prever um tipo de fiscalização semelhante ao da Ponte da Amizade e Controle Migratório.

O DNIT (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes) é o órgão responsável pela supervisão do empreendimento, gerenciado pelo governo do estado do Paraná por meio do DER (Departamento de Estradas de Rodagem).

A expectativa é que os imóveis em toda a extensão da via valorizem significativamente após a sua conclusão.

Veja os funcionários que serão contratados
Servente
Pedreiro
Operador de trator esteira
Operador de escavadeira hidráulica
Operador de retroescavadeira
Motorista de caminhão basculante
Operador de motoniveladora
Operador de rolo
Greidista.
Laboratorista ou auxiliar de laboratório de solos e/ou concreto)
Encarregado de laboratório
Técnico de meio ambiente
Auxiliar administrativo
*Os interessados devem enviar o currículo para paulo.brum@planaterra.com.br