Browsing Category

Educação

Leia as últimas notícias sobre Educação no CabezaNews, site de informação com reportagens exclusivas, fotos, vídeos e conteúdos sobre Foz do Iguaçu e sobre o Paraná.

O CabezaNews leva ao público notícias de utilidade pública, curiosidades, turismo, lazer, cultura. Sobretudo com um olhar voltado para a região da tríplice fronteira entre Brasil, Paraguai e Argentina.

Em Foz, nossa cobertura foca os principais acontecimentos da cidade, incluindo eleições 2020, o avanço da pandemia do novo coronavírus, as ações da Itaipu Binacional, bem como a administração do prefeito Chico Brasileiro.

O site não deixa de lado o que acontece no restante do estado do Paraná. Notas exclusivas dos bastidores da política, da Assembleia Legislativa, ações do governo do Paraná e da administração Ratinho Júnior. Assim como as principais notícias nacionais.

O CabezaNews é editado por Ronildo Pimentel, jornalista com mais de 30 anos de atuação em jornalismo impresso e digital.

Cultura, Educação,

Dia Nacional do Livro Infantil: leitura deve ser estimulada desde cedo

Educadores mostram como incentivar hábito em casa e na escola

Neste domingo (18) comemora-se o Dia Nacional do Livro Infantil. A data foi escolhida porque, nesse dia, em 1882, nasceu o escritor Monteiro Lobato, considerado o pai da literatura infantil brasileira. A data celebra esse gênero literário e homenageia o escritor, autor de clássicos como Sítio do Pica-Pau Amarelo, O Saci, Fábulas de Narizinho, Caçadas de Hans Staden e Viagem ao Céu.

De acordo com a última pesquisa Retratos da Leitura do Brasil, o número de crianças leitoras cresceu de 2015 a 2019, período em que 48% disseram que leem por gosto. A prática da leitura contribui para o desenvolvimento de capacidades como pensar, interpretar, falar, aprender e conviver.

Em tempos de uso de tantas telas, como tablets, celulares e televisão, e agora com o ensino remoto, os livros infantis ainda têm espaço na rotina das crianças? A doutora em educação pela Universidade de São Paulo Diva Albuquerque Maciel diz que sim.

“As telas são grandes concorrentes do livro, mas temos que usar todos esses recursos em favor do livro, e não como concorrente. O livro tem um formato muito importante para a formação da língua escrita, temos que usar estratégias para aliar, já que a língua escrita precisa ser estimulada. Uma das estratégias é saber quais são as motivações das crianças, por exemplo, quais heróis e personagens elas buscam na internet, que possam estimular a leitura escrita de textos mais densos como gibis”. Diva é professora aposentada do departamento de psicologia escolar do desenvolvimento da Faculdade de Educação da Universidade de Brasília (UnB).

A pedagoga Daniela Denise Batalha Santini, que atualmente é professora do 1º ano do ensino fundamental do Colégio Parque Sevilha, na zona leste de São Paulo, afirma que, mesmo com a habilidade que o aluno de hoje tem de manusear telas, o livro ajuda muito a melhorar o interesse pela aprendizagem e a capacidade de concentração.

“O livro físico tem seu valor e não pode ser deixado totalmente para trás. O livro físico precisa se fazer presente em sala de aula como instrumento palpável. O sentir o livro, o explorar, o virar de páginas fazem toda a diferença no dia a dia do aprendizado dos pequenos. Fora as experiências sensoriais, tem a visualização, o concreto. Aguçar a curiosidade, proporcionar momento de troca”, observa Daniela Denise.

Também pedagoga, Fernanda Gadelha de Freitas Miranda é professora na Escola Municipal de Educação Infantil 22 de Março e no Centro de Educação Infantil Bryan Biguinati Jardim. Para Fernanda, o hábito da leitura precisa ser estabelecido desde a infância para que se formem cidadãos autônomos, questionadores e protagonistas de sua conduta e pensamentos. “Assim, acredito que a leitura, os livros infantis, sejam facilitadores desse processo. Costumo, todos os dias, oferecer aos meus alunos oportunidades de ampliar a visão de mundo e seu repertório, com os livros que lemos.”

Fernanda destaca que muitas crianças, devido às condições sociais, não têm acesso às tecnologias. “O livro impresso ainda é uma ferramenta facilitadora nesse processo, pois permite que mais adultos e crianças sejam contemplados nesse universo. Para a criança, o concreto do livro impresso é mais atraente e aceitável, ao contrário do adulto, que tende buscar à praticidade do e-book, por exemplo.”

Incentivo e diversidade temática

Diva Maciel considera fundamental o papel dos professores para estimular a leitura pelas crianças. “É preciso que os professores façam pesquisa dos livros que podem ser adotados em sala de aula, mesmo na sala remota. Ver o que elas estão buscando espontaneamente nas séries da TV, da internet. E, a partir daí, oferecer bons textos, ler com elas numa roda de leitura, ou estimulá-las a escrever e ler para turma na roda, por exemplo.”

É o que tem feito a professora Daniela, que trabalha os livros de forma descontraída, em de rodas de conversa. “Com momentos dirigidos e outros momentos livres, fazendo sempre um trabalho educativo, alinhando com o conteúdo desenvolvido, com temas atuais e muitas vezes trazendo discussões acerca de fatos do cotidiano. O momento da roda de conversa é mágico e encantador. É gratificante ver os pequenos interagindo com este universo da leitura, com seus colegas e professores.”

A professora Diva chama a atenção também para o estímulo à diversidade étnica e cultural na literatura infantil. “Lemos muito para os nossos filhos as histórias clássicas dos contos de fadas, mas, hoje em dia, temos que lembrar que são histórias que estão no formato de reis e rainhas brancos. Hoje sabemos que é importante trazer os contos em que os personagens são negros e têm outras etnias, e já existe muita coisa publicada. Nós somos um país miscigenado. No entanto, a cultura branca continua sendo dominante. É importante trazer outros tipos de livros infantis para ler para as nossas crianças”.

Diva indica a Afroteca Audiovisual Infantil, com livros com diversidade étnica e destaca que o Brasil é rico nessa diversidade cultural. “Nós temos uma oferta de grandes textos que envolvem a nossa cultura popular, nosso cancioneiro, nossos personagens. Monteiro Lobato foi um autor que utilizou bastante essas possibilidades.”

Nova tributação pode desestimular leitura

Apesar de pais e professores incentivarem a leitura, a proposta de nova tributação sobre os livros pode desestimular a compra deles. O governo federal propôs, em julho do ano passado, um projeto de lei para fusão do Programa de Integração Social (PIS) e da Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins) em um único tributo, a Contribuição sobre Bens e Serviços (CBS). Entre as alterações estão o fim da isenção do PIS e da Cofins para o mercado de livros e a cobrança da CBS com alíquota de 12%. O Congresso Nacional estuda a proposta no âmbito da reforma tributária.

O presidente da Associação Brasileira de Editores e Produtores de Conteúdo e Tecnologia Educacional (Abrelivros), Ângelo Xavier, afirma que o livro impresso é uma ferramenta muito importante na formação da criança e defende a manutenção da imunidade tributária dos livros no país. Xavier considera “um equívoco” a proposta de reforma encaminhada pelo Ministério da Economia que tributa os livros.

“Seja para os livros infantis, seja para a literatura adulta, para livros escolares, qualquer que seja a categoria de livros, isso vai dificultar ainda mais o acesso. As famílias menos favorecidas vão sofrer ainda mais. Vai haver uma concentração muito grande e poucos lançamentos de novos autores pelas editoras. Tudo que temos de positivo no mercado de livro tende a cair por terra com essa tributação. E muitas empresas, editoras, livrarias e distribuidoras tendem a ter dificuldades e até podem quebrar com a nova política, que esperamos que não se concretize”, afirma.

Como escolher um bom livro infantil

A coordenadora de Engajamento Social e Leitura do Itaú Social, Dianne Melo, dá dicas de como escolher um bom livro infantil. A primeira é a qualidade textual: o registro linguístico deve ser literário, ou seja, a linguagem é conotativa, utiliza figuras, e há preocupação com a escolha das palavras. “A construção textual deve estimular uma boa leitura em voz alta por parte do mediador.”

O projeto gráfico deve ter também qualidade visual, ou seja, ter capacidade de motivar e enriquecer a interação do leitor com o livro; a fonte deve oferecer boa legibilidade e as ilustrações não devem reforçar estereótipos sociais, históricos, raciais e de gênero.

É preciso ainda ter qualidade temática: o conteúdo não deve ser “didatizante” e sim dialogar com o imaginário infantil. “É importante contemplar a diversidade de contextos culturais, sociais, históricos e econômicos, além de possibilitar a reflexão das crianças sobre si próprias, os outros e o mundo que as cerca”, completa a especialista.

As informações são de Agência Brasil

Educação, Paraná,

Deputado Requião Filho alerta para registro indevido de faltas de professores da rede estadual de ensino

Pedido de providências sobre falhas no sistema de presenças do ensino à distância foi encaminhado ao Ministério Público do Paraná e ao Ministério Público do Trabalho

O Deputado Estadual Requião Filho protocolou nesta quinta-feira (15), dois pedidos de providências sobre o sistema “presença Aula Paraná”, implantado recentemente no Estado. Os encaminhamentos foram feitos aos procuradores do Ministério Público do Paraná e Ministério Público do Trabalho, detalhando os relatos recebidos por diversos professores, nos últimos dias, acerca de instabilidades no sistema que provocaram um registro indevido de faltas, situação que poderá causar prejuízos em seus vencimentos neste mês.

“É necessário que o Governo do Paraná controle as presenças e as faltas dos servidores, mas este controle tem que ocorrer de forma séria. Precisa ser um serviço sério, seguro e auditado. Se um professor ministra sua aula, ele tem que receber por isso”, afirmou o parlamentar.

O Deputado ainda pediu que o MPT e o MP-PR tomem providências urgentes com vistas a evitar que estes servidores sejam prejudicados com faltas computadas erroneamente, e que se refletirão diretamente nos recebimentos no final do mês.

“Na crise econômica causada pela pandemia, qualquer valor importa muito para as famílias dos servidores. Qualquer desconto, seja ele de um ou de cem reais, é uma grande injustiça, podendo trazer consequências irreparáveis na condição econômica dessas pessoas”.

As informações são de Deputado Estadual Requião Filho

Brasil, Educação,

Ministério da Educação divulga hoje resultado do Sisu 2021

Matrícula será entre os dias 19 e 23 de abril

O Ministério da Educação (MEC) divulga hoje (16) o resultado do processo seletivo do Sistema de Seleção Unificada (Sisu) do primeiro semestre de 2021. A consulta pode ser feita na página do Sisu na internet. A matrícula será de 19 a 23 de abril, em dias, horários e locais de atendimento definidos por cada instituição de ensino.

O processo seletivo do Sisu referente à primeira edição de 2021 vai ocorrer em uma única chamada. Quem não conseguiu uma vaga pode participar da lista de espera. Para isso, o estudante deverá manifestar seu interesse por meio da página do Sisu na internet, no período de 16 a 23 de abril, em apenas um dos cursos para o qual optou por concorrer.

Aquele que foi selecionado na chamada regular em uma de suas opções de vaga não poderá participar da lista de espera, independentemente de ter realizado a matrícula na instituição. Os procedimentos para preenchimento das vagas não ocupadas na chamada regular serão definidos em edital próprio de cada instituição participante.

O Sisu é o programa do Ministério da Educação para acesso de brasileiros a cursos de graduação em universidades públicas do país. As vagas são abertas semestralmente, por meio de um sistema informatizado, e os candidatos são selecionados de acordo com suas notas no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Neste ano foram ofertadas 206.609 vagas em 109 instituições públicas de ensino superior.

Quem tiver dúvidas pode entrar em contato com o MEC pelo telefone 0800-616161.

As informações são de Agência Brasil

Educação, Paraná,

Unicentro terá novo centro especializado em reabilitação

A Universidade Estadual do Centro-Oeste (Unicentro) foi contemplada em um edital do Ministério da Saúde e recebeu o credenciamento para a instalação de um Centro Especializado em Reabilitação (CER) para três modalidades: reabilitação física, visual e intelectual, além da aprovação para a construção de uma clínica ortopédica. O complexo funcionará no campus Cedeteg e atenderá os municípios da 5ª e 6ª Regionais de Saúde do Paraná, com sedes em Guarapuava e União da Vitória.

A Unicentro já conta com um serviço de reabilitação física, o projeto Órtese e Prótese. A solicitação para a construção do centro foi feita junto ao Ministério da Saúde e terá vínculo com esse projeto, que é coordenado pela docente do Departamento de Enfermagem, Maria Regiane Trincaus.

“Hoje temos esse projeto Órtese e Prótese, que atende somente a reabilitação física. Então precisávamos atender outras modalidades de reabilitação, aí entra o CER III, que é um centro especializado em reabilitação de três modalidades: a reabilitação física, que já fazemos, e passaremos a fazer a reabilitação visual e intelectual”, explicou Maria Regiane.

“Com a habilitação do CER III, tivemos direito de receber, também, o recurso para a construção da oficina ortopédica. Ambos os investimentos vêm do Ministério da Saúde, que fez o repasse para a Secretaria estadual de Saúde que, por sua vez, repassará para a Unicentro fazer a construção dos dois prédios”, acrescentou.

Para a construção do CER III serão disponibilizados cerca de R$ 5,1 milhões, além de mais R$ 822 mil de recursos para a construção da oficina ortopédica, onde será possível produzir as próteses customizadas no próprio campus Cedeteg.

“Com o recurso da oficina ortopédica a intenção é passarmos a produzir as órteses e próteses aqui mesmo. Hoje a gente depende de empresas terceirizadas que vêm uma vez por mês, tiram o molde, levam para os seus municípios de origem e, 30 dias depois, fazem a entrega. Com a implantação da oficina, teremos produção própria, muito mais ágil para o paciente, tanto o molde, quanto a entrega e os eventuais ajustes”, explicou Maria Regiane.

A previsão para a entrega da obra é de pouco mais de três anos e, após a instalação dos equipamentos, será possível atender os 29 municípios da 5ª e 6ª regionais de Saúde do Estado.

Após o prédio construído e equipado, a Unicentro solicitará a habilitação para o Ministério da Saúde. O centro passará também a receber um recurso mensal para a manutenção e custeio desse serviço. “A princípio continuaremos atendendo a 5ª Regional de Saúde, que são os nossos 20 municípios, e mais os nove municípios da 6ª Regional de Saúde de União da Vitória. Se houver interesse, é possível fazer contratualização com outras regionais”, afirmou.

Reconhecimento – Para o reitor da universidade, Fábio Hernandes, a Unicentro ter sido contemplada neste edital prova o reconhecimento do trabalho realizado há 18 anos pelo projeto Órtese e Prótese no Paraná. “Para a Unicentro é uma alegria, pois poucas foram as instituições contempladas por meio deste edital e nós somos uma das únicas da Região Sul do País”, destacou. “Isso mostra que o nosso projeto de reabilitação física é referência e com certeza continuaremos sendo exemplo nesta modalidade e também na reabilitação intelectual e visual”.

Ele destacou, ainda, o ganho para a comunidade universitária, já que haverá mais campos de estágio aos estudantes da área da Saúde e novas áreas de pesquisa e de extensão. “Os nossos estudantes só têm a ganhar”, completou.

O diretor do campus Cedeteg, Ricardo Myahara, disse que a Unicentro se tornará um polo de qualificação multiprofissional pela atuação conjunta de projetos de ensino, pesquisa e extensão.

“O CER III terá uma importância muito grande para atender os pacientes da nossa região e do Estado, tornando o campus Cedeteg da Unicentro referência no País também nesta área. Muito em breve os acadêmicos da área de saúde terão oportunidades de ser muito bem qualificados, de ter a experiência profissional em um centro de referência nacional. Também os dos cursos de pedagogia, serviço social, na área de engenharia e tecnologia serão beneficiados pela oportunidade de atuar dentro de um centro que trabalha com tecnologias de ponta”, afirmou.

Com relação à atuação acadêmica no Centro de Reabilitação, Maria Regiane destacou que, além dos cursos da área de Saúde já atuantes, outras áreas do conhecimento serão essenciais. “Temos os cursos já presentes: Enfermagem, Fisioterapia, a Fonoaudiologia. Poderia estar atuando aqui a Psicologia, o Serviço Social, a Medicina. Haverá também atuação da Pedagogia, principalmente na questão da reabilitação intelectual”, arrematou.

As informações são de Agência de Notícias do Paraná

Busão Foz, Destaques, Educação, Foz do Iguaçu,

CEEBJA: comunidade escolar lança abaixo-assinado contra o fechamento de três unidades

Estabelecimentos especializados em educação para jovens e adultos atendem 884 alunos no período noturno. Veja como assinar a petição on-line

Conselhos escolares promovem abaixo-assinado conjunto contra o fechamento e por ampliação do atendimento nas unidades de CEEBJA (Centro Estadual de Educação Básica para Jovens e Adultos) em Matelândia, Medianeira e São Miguel do Iguaçu. A petição on-line é aberta para a população.

Os estabelecimentos, que reúnem 884 alunos no período noturno, majoritariamente trabalhadores, estão sob risco de serem extintos pelo Núcleo Regional de Educação de Foz do Iguaçu (NRE). Segundo o órgão, seriam abertas algumas turmas em colégios que hoje oferecem ensino regular.

A campanha defende a importância do CEEBJA como único equipamento especializado para garantir a educação de jovens e adultos que não frequentaram ou não terminaram os estudos na idade adequada. Aponta, ainda, a crescente procura por vagas nesses centros públicos e gratuitos.

No texto do abaixo-assinado, os três conselhos escolares denunciam que a chefia do NRE não estabeleceu qualquer diálogo com educadores, estudantes e suas famílias sobre o encerramento dos CEEBJAs. O documento convida a comunidade da região a defender as instituições abertas.

Nas cidades de Matelândia, Medianeira e São Miguel do Iguaçu, o CEEBJA é a “única instituição de ensino que atua na Educação de Jovens e Adultos (EJA)”, frisa o documento. “Além de atender a educandos de municípios vizinhos” que não dispõem dessa modalidade específica de ensino, prossegue.

Apelo

Em vídeo agregado à petição on-line, a professora Maria Fátima Nicodem faz um apelo pela manutenção dos CEEBJAs em Matelândia, Medianeira e São Miguel do Iguaçu. A educadora expõe que fechar as instituições, além de cercear o direito de estudantes, enfraquece a estratégia da EJA para a inclusão.

“Não podemos oferecer algumas turmas para fingir que estamos oferecendo educação para jovens e adultos”, enfatiza. “Ao fechar um CEEBJA, se está extinguindo todo um rol de metodologias, o devido acompanhamento pedagógico e estratégias próprias de trabalho com jovens e adultos”, assevera.

“Que desenvolvimento social e econômico desejamos na região se fechamos as portas para quem faz a opção de retornar aos bancos escolares no tempo que lhe é favorável?”, indaga a professora Maria de Fátima. “Educação pública e gratuita é direito constitucional”, lembra.

Link para o abaixo-assinado:

https://www.change.org/p/governo-do-estado-do-paran%C3%A1-em-defesa-do-ceebja-85b5aa09-dba1-49ae-a58e-d4306c352b93?utm_content=cl_sharecopy_28293848_pt-BR%3A2&recruiter=1191943230&utm_source=share_petition&utm_medium=copylink&utm_campaign=share_petition

Busão Foz, Destaques, Educação, Luiz Claudio Romanelli,

Romanelli confirma prorrogação de inscrições para o Sisu

O deputado Luiz Claudio Romanelli (PSB) confirmou a extensão para quarta-feira, 14, do prazo para inscrição no Sisu (Sistema de Seleção Unificada), para ingresso nas universidades estaduais do Paraná. Em todo o Estado, estão disponíveis 2508 vagas e 195 cursos. Na Uenp (Universidade Estadual do Norte do Paraná) são 307 vagas em 27 cursos, nos campi de Cornélio Procópio, Jacarezinho e Bandeirantes.

“É uma segunda chance para os estudantes interessados em ingressar na universidade possam se inscrever, aproveitando a nota do Enem. o resultado será divulgado no dia 16 de abril”, informa Romanelli. Ainda segundo o deputado, as demais vagas estão disponíveis na Unespar, UEL e Unicentro.

Na Unespar (Universidade Estadual do Paraná) são 1.050 em 72 cursos de graduação. A UEL (Universidade Estadual de Londrina) disponibiliza 581 vagas em 47 cursos. Já a Unicentro tem 570 vagas abertas para 49 cursos. As inscrições podem ser feitas diretamente utilizando as notas do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio).

Uenp — As 307 vagas disponíveis na Uenp são para ingresso em 27 cursos, nos campi de Cornélio Procópio, Jacarezinho e Bandeirantes. No campus de Cornélio Procópio são 133 vagas nos cursos de Administração (20), Ciências Biológicas (20), Ciências Contábeis (20), Ciências Econômicas (20), Geografia (10), Letras (8), Matemática (15) e Pedagogia (20).

Em Jacarezinho são 90 vagas nos cursos de Ciências Biológicas (8), Direito (7), Educação Física (8), Filosofia (5), Fisioterapia (4), História (16), Letras Português/Espanhol (8), Letras Português/Inglês (8), Matemática (10), Odontologia (6) e Pedagogia (6).

As 84 vagas restantes estão no campus Luiz Meneghel, em Bandeirantes, nos cursos de Agronomia (10), Ciências da Computação (16), Ciências Biológicas (10), Computação (20), Enfermagem (18) e Medicina Veterinária (10). Todas as informações sobre o Sisu podem ser acessadas no endereço www.uenp.edu.br/sisu.

Busão Foz, Educação, Foz do Iguaçu, Paraná,

Projeto da Unioeste Foz do Iguaçu promove visita virtual entre pacientes com covid-19 e familiares

Estudos apontam que o apoio familiar é um importante fator para a diminuição da ansiedade e consequentemente na melhora do quadro clínico de pacientes com diversas doenças. Com a pandemia do novo coronavírus, esse acompanhamento tem sido limitado pelo alto risco de transmissão, causando afastamento entre pacientes e familiares, gerando angústia, medo e ansiedade.

Para unir novamente a conexão entre pacientes e familiares, o projeto ‘Humanização à assistência dos pacientes hospitalizados com covid-19, no Hospital Municipal de Foz do Iguaçu’, está em atividade desde a última semana, promovendo visita virtual entre pacientes hospitalizados com COVID-19 e seus familiares. O projeto de extensão é da Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE) e conta com a coordenação da profª Drª Mara Cristina Ripoli Meira, do curso de Enfermagem do Campus Foz do Iguaçu.

“Na enfermaria o paciente pode ficar com telefone celular, mas quando ele vai para setores mais críticos, já não pode utilizar o telefone. Então estaremos fazendo esse vínculo entre a família e o paciente com o objetivo de diminuir a ansiedade de ambos porque a gente sabe a importância da família nesse momento”, comenta Mara.

Ela explica que a enfermeira Karin Aline Zilli, Chefe da UTI do Hospital Municipal, já desenvolvia essa atividade para alguns pacientes mais graves, porém com o aumento significativo de internados ficou inviável. Para atender parte desta demanda, alunos do curso de Enfermagem da Unioeste campus Foz do Iguaçu, que fazem parte de outros projetos dentro do hospital e por tanto já vacinados, estarão cinco dias por semana atuando no projeto.

“Eles conduzem as ligações, garantindo que seja um momento de incentivo e apoio do paciente. A expectativa é que com esta ação haja uma redução da angústia dos familiares, minimizando uma pequena parcela do impacto psicológico da pandemia e garantindo maior humanização à internação desses pacientes”, explica a enfermeira.

Mara acrescenta que a ideia de desenvolver essa ação foi da acadêmica do 3º ano do curso de enfermagem Fabiana Coltro Bezagio. A estudante estava fazendo estágio no Hospital e sentiu a necessidade desse vínculo entre a família e o paciente.

“É um momento angustiante que traz muito medo. Em alguns momentos os familiares escreviam uma cartinha e eu levava para o paciente, lia algumas, gravei áudio de familiares para pacientes. Fui fazendo isso e vi o quão importante era para os pacientes e para a família e daí surgiu a ideia do projeto”, comenta a estudante.

A mulher de um paciente que teve Covid-19 e foi atendida pela aluna Fabiana, comenta sobre a importância deste contato online neste momento tão difícil para pacientes e familiares. “As ligações foram muito importantes para nós, tínhamos notícias e isso trouxe um tempo diferente pra nós, poder vê-lo nos dava mais esperança de sua recuperação. Não consigo expressar minha gratidão por este momento. A Covid-19 é dolorosa, mas vocês amenizaram muito com essas ligações”.

O projeto conta o patrocínio do empresário José Marcos Sarabia e a Itaipu Binacional, que cederam os telefones celulares e a Fundação de Saúde (Hospital Municipal) que está fornecendo os chips dos telefones e vale transporte aos acadêmicos participantes do projeto.

Busão Foz, Destaques, Educação, Foz do Iguaçu,

Por que fazer pós-graduação? Saiba da importância da especialização para o currículo profissional e conheça as opções do Centro Universitário UDC

Atualização profissional, ascensão da carreira e aumento salarial. Esses são alguns dos exemplos das vantagens de cursar uma pós-graduação. Eles são válidos em qualquer momento profissional ou econômico, mas a importância de uma especialização fica ainda mais evidente nos momentos de crise econômica.

Segundo a Reitora do Centro Universitário UDC, Professora Rosicler Hauagge do Prado, um período de crise é: “uma fase de retração da economia, onde a produção acaba diminuindo e o desemprego aumentando. Mas é possível que um profissional mantenha sua posição no mercado mesmo em situações diferentes como as que vivemos agora, o segredo é oferecer diferenciais que o torne indispensável”.

O mercado de trabalho está apertado e exigente. A graduação hoje é um requisito básico de quem ingressa no mercado profissional, mas, deixou de ser uma garantia para conseguir um bom emprego. “Hoje, assim como o domínio de outro idioma, e de habilidades e competências específicas de cada área, a pós-graduação é imprescindível para quem pretende se destacar”, alerta o Pró-reitor do Centro Universitário Professor Doutor Fábio Prado.

O mercado atual passa por constantes transformações, que acontecem em uma velocidade cada vez maior, por isso é importante um curso de especialização capaz de apresentar as técnicas, estratégias e ferramentas atualizadas no campo de atuação do profissional.

Opções UDC

Na UDC é possível escolher a especialização Lato Sensu ou o MBA (Master Business Administration), em Foz do Iguaçu e Medianeira na modalidade presencial, ou na modalidade a distância na UDC Online.

Ao todo são 33 opções de especialização Lato Sensu e 26 de MBAs.

Estes cursos são nas áreas de ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS, COMUNICAÇÃO, DIREITO, EDUCAÇÃO, SAÚDE, ENGENHARIAS E ARQUITETURA, AGRONOMIA E MEDICINA VETERINÁRIA.

Cursos Atualizados e muito práticos

A matriz curricular dos Cursos UDC é elaborada conforme pesquisas de demandas e tendências de mercado. A instituição oferece aquilo que as empresas vão solicitar no dia a dia.

As práticas são constantes em todas as opções de Cursos. Os estudantes têm à disposição mais de 120 laboratórios do Centro Universitário UDC e unidades. Além disso é rotina, inúmeras visitas técnicas aos campos de atuação dos profissionais no mercado de trabalho.

Busão Foz, Educação, Foz do Iguaçu,

Três unidades de CEEBJA poderão ser fechadas pelo Núcleo Regional de Educação de Foz do Iguaçu

Centros especializados de ensino para jovens e adultos ficam em Matelândia, Medianeira e São Miguel do Iguaçu

Três unidades de CEEBJA (Centro Estadual de Educação Básica para Jovens e Adultos) na região estão correndo o risco de ser fechadas. Os estabelecimentos de ensino ficam nas cidades de Matelândia, Medianeira e São Miguel do Iguaçu.

A intenção é da chefia do Núcleo Regional de Educação de Foz do Iguaçu (NRE) e foi informada pelo órgão à direção dos três CEEBJAs durante reunião presencial. As comunidades escolares não foram consultadas sobre essa pretensão.

Diretor do CEEBJA de São Miguel do Iguaçu, Emerson Rodrigues apresentou um relato sobre as informações recebidas até o momento pelas instituições de ensino. O professor abordou o assunto durante entrevista à Rádio Jornal.

“Fomos avisados de que esses CEEBJAs deixariam de existir e se tornariam um curso de Educação de Jovens e Adultos (EJA), nas escolas onde compartilhamos o espaço físico”, explanou o docente, na entrevista à rádio de São Miguel do Iguaçu.

Ele lembrou que as escolas regulares não estão preparadas para ofertar a modalidade de ensino específico a jovens e adultos. “O que nos causa grande estranheza é que, entre todos os CEEBJAs do Paraná, apenas esses três que fazem parte do NRE de Foz do Iguaçu estão nessa condição”, apontou.

Desmonte

Para a APP-Sindicato/Foz, a pretensão da chefia do NRE de Foz do Iguaçu visa ao desmonte do sistema público de ensino. Se efetivada, vai ferir o direito da população à educação específica e especializada para jovens e adultos.

“Os colégios ficariam sobrecarregados, sendo obrigados a ofertar a EJA juntamente com o ensino regular, de níveis fundamental e médio, sem novos investimentos e educadores”, expõe o representante da APP-Sindicato/Foz, Leandro Bortoluzzi.

“Trata-se de uma posição descabida e autoritária”, denuncia. “A EJA requer atendimento diferenciado para os públicos jovem e adulto. Em muitos casos, os estudantes são idosos, os quais precisam de acompanhamento individualizado”, frisa.

De acordo com Leandro, o sindicato reforça a mobilização das comunidades de Matelândia, Medianeira e São Miguel do Iguaçu. “Convidamos educadores, estudantes, pais e mães de alunos, representantes de organizações sociais e do poder público para somar forças para impedir essa arbitrariedade”, convoca.

(APP-Sindicato/Foz)

Educação, Paraná,

Ferramenta ajuda o educador a acompanhar rendimento dos alunos

Diretores e coordenadores de colégios da rede estadual do Paraná passaram a utilizar uma ferramenta de gestão, baseada em BI (Business Intelligence ou Inteligência Empresarial), para acompanhar a evolução do estudo do aluno, seu rendimento e frequência nas aulas.

Desenvolvido pela Secretaria de Estado da Educação e do Esporte, o sistema permite a visualização de quantos meets (aulas ao vivo) são realizados, quantos alunos estão participando, o volume de atividades que cada estudante fez a quantidade que ele acertou.

Dessa forma, é possível fazer diagnósticos do ensino virtual mais abrangentes, de Núcleos Regionais da Educação ou de cidades, por exemplo, até mais específicos, como de cada aluno ou turma de uma escola.

“A gente consegue ver todas as aulas que foram e que não foram dadas, professor a professor, sala a sala, escola a escola. Ao acompanhar isso, conseguimos ver se estamos sendo eficazes e pensar no que fazer para melhorar”, explica o secretário da Educação, Renato Feder.

No Colégio Cívico-Militar João Turin, em Curitiba, o BI está sendo utilizado para identificar estudantes que possam estar em situação de abandono escolar. “Estamos fazendo um mapeamento dos alunos, verificando quem está fazendo as atividades, os que nunca acessaram a plataforma de ensino remoto, os que participam só de algumas disciplinas”, conta Tânia Barcala, vice-diretora do colégio. “Com essa informação, entramos em contato com os pais desses alunos para entender quais são as dificuldades e indicar soluções”.

Painel de Gestão – A ferramenta se destaca, principalmente, como recurso para identificar os problemas e encontrar estratégias para saná-los. “É um painel de gestão, dirigido por dados, que possibilita a recuperação de alunos e avaliação de como o ensino remoto está sendo”, ressalta Gustavo Garbosa, diretor de Tecnologia e Inovação da Secretaria da Educação. “É uma ferramenta formidável de gestão que nós desenvolvemos e entregamos na mão de toda a rede, para a tomada de decisões.”

As informações são de Agência de Noticias do Paraná