Browsing Category

Itaipu Binacional

Leia as últimas notícias sobre Itaipu Binacional no CabezaNews, site de informação com reportagens exclusivas, fotos, vídeos e conteúdos sobre Foz do Iguaçu e sobre o Paraná.

O CabezaNews leva ao público notícias de utilidade pública, curiosidades, turismo, lazer, cultura. Sobretudo com um olhar voltado para a região da tríplice fronteira entre Brasil, Paraguai e Argentina.

Em Foz, nossa cobertura foca os principais acontecimentos da cidade, incluindo eleições 2020, o avanço da pandemia do novo coronavírus, as ações da Itaipu Binacional, bem como a administração do prefeito Chico Brasileiro.

O site não deixa de lado o que acontece no restante do estado do Paraná. Notas exclusivas dos bastidores da política, da Assembleia Legislativa, ações do governo do Paraná e da administração Ratinho Júnior. Assim como as principais notícias nacionais.

O CabezaNews é editado por Ronildo Pimentel, jornalista com mais de 30 anos de atuação em jornalismo impresso e digital.

Destaques, Foz do Iguaçu, Itaipu Binacional,

Bolsonaro dá largada em Foz do Iguaçu à revitalização do sistema de Furnas, com recursos de Itaipu

Revitalização é considerada estratégica para a segurança energética do Brasil e do Paraguai nas próximas décadas

Depois de 36 anos, o sistema de Corrente Contínua de Alta Tensão (HVDC) de Furnas, que transmite ao mercado brasileiro a energia produzida pela usina de Itaipu, especialmente para a região Sudeste, será revitalizado.

O anúncio oficial será feito pelo presidente Jair Bolsonaro, nesta quinta-feira (25), às 10h30, numa cerimônia na subestação de Furnas, em Foz do Iguaçu (PR), com a presença do ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, e de várias autoridades do setor elétrico e convidados.

O investimento é de cerca de R$ 1 bilhão. O aporte será feito pela margem brasileira da usina ao longo dos próximos cinco anos. Esse valor se soma aos mais de R$ 1,5 bilhão, num total de R$ 2,5 bilhões investidos pela gestão do general Joaquim Silva e Luna, há dois anos à frente da diretoria-geral da empresa (margem brasileira), em obras estruturantes.

A subestação de Furnas em Foz do Iguaçu. Foto: Arquivo/Furnas.

A modernização contempla a substituição completa dos principais componentes do Bipolo 1, nas subestações de Foz do Iguaçu e Ibiúna, além dos sistemas de supervisão, proteção e controle dos Bipolos 1 e 2.

A revitalização é considerada estratégica para ambos os países, tanto pela garantia de acesso ao mercado brasileiro (para o Paraguai) como pela segurança energética.

O Paraguai tem direito a 50% da produção de Itaipu, mas com 15% já supre cerca de 90% de seu consumo de energia. O excedente de produção não utilizado pelo país vizinho é contrato pelo Brasil. A energia total de Itaipu abastece em torno de 14% de toda a demanda brasileira.

Vista da usina de Itaipu (Foto: Rubens Fraulini)

Desde que começou a operar, o sistema HVDC, considerado pioneiro na América Latina, não recebia reforma de grande porte. Por ele passaram 1,18 bilhão de megawatts/hora (MWh) dos mais de 2,7 bilhões MWh produzidos pela Itaipu desde 1984 (43% do total). O sistema se estende por 800 km, entre Foz do Iguaçu (PR) e Ibiúna (SP).

“Essa obra é extremamente importante para dar sustentabilidade ao sistema elétrico das duas nações amigas e garantir desenvolvimento para ambos os países”, diz o diretor-geral brasileiro de Itaipu, general Joaquim Silva e Luna.

“Em consonância às diretrizes do governo do presidente Jair Bolsonaro estamos investindo em inciativas e ações com resultados concretos e permanentes para a população, que vão desde à nossa atividade fim, que é geração de energia a obras que deixam legado.”

Ministro Bento Albuquerque e o diretor-geral brasileiro de Itaipu, general Joaquim Silva e Luna, em visita à subestação de Furnas, em novembro de 2020. Foto: Sara Cheida/Itaipu Binacional.

E complementa: “são obras que abrem frentes de trabalho e movimentam a economia, num momento tão importante de retomada do crescimento”.

Caminho

“A subestação de Ibiúna está localizada a menos de 100 km do centro da cidade de São Paulo e, por isso, é uma subestação estratégica para o Sistema Interligado Nacional (SIN-BR), com 11 linhas de transmissão em corrente alternada que podem escoar a energia que é transmitida pelo sistema de corrente contínua de Furnas para os grandes centros consumidores das regiões Sul e Sudeste”, explica o gerente do Departamento de Operação do Sistema da Itaipu, Rodrigo Pimenta.

Ele explica que sistemas de corrente contínua (CC) são ideais para transmitir energia em longas distâncias, porque têm perdas menores, na comparação com a corrente alternada. Além disso, nessa mesma comparação, o custo das linhas de transmissão em CC é menor, porque utiliza menos cabos e as torres são mais simples.

Quando Itaipu foi construída, este sistema de corrente contínua era a única forma tecnicamente viável de escoar parte da energia produzida pela usina na frequência de 50Hz para o Sudeste, que experimentava grande expansão industrial. Hoje, o Brasil conta com mais dois sistemas similares, que são justamente utilizados para ligar usinas localizadas na Região Norte, distantes dos centros consumidores.

É o caso do sistema de CC que transmite a energia gerada pelas usinas Jirau e Santo Antônio, pertencentes ao complexo Rio Madeira, e o sistema da usina de Belo Monte, no rio Xingu.

Destaques, Foz do Iguaçu, Itaipu Binacional,

Mudança na direção de Itaipu não irá afetar o plano das obras estruturantes em Foz do Iguaçu e Oeste do Paraná

O presidente Jair Bolsonaro anunciou, na última semana, o general Joaquim Silva e Luna, diretor-geral brasileiro da Itaipu, como novo presidente da Petrobrás, em substuição à Roberto Castello Branco.

Para o lugar de Silva e Luna, o indicado é o general João Francisco Ferreira. A mudança não irá afetar o cronograma de obras estruturantes que a binacional vem executando em Foz do Iguaçu e no Oeste do Paraná.

A indicação de Silva e Luna para a presidência e comando do Conselho da Administração da Petrobrás ocorreu na sexta-feira (19), em uma nota do Ministério de Minas e Energia. O atual diretor-geral irá receber Bolsonaro em Foz do Iguaçu na quinta (25), no lançamento da revitalização do sistema de transmissão de corrente contínua da subestação de Furnas. O investimento é de R$ 1 bilhão

Ontem (21), Silva e Luna completou dois anos no comando da binacional. (Veja matéria completa na página 12)

Obras garantidas
O GDia apurou que todos projetos anunciados, conforme balanço de dois dele à frente de Itaipu, serão concretizados. O pacote de iniciativas, programas e ações terá continuidade. Isso porque, os aportes de aproximadamente R$ 2,5 bilhões já estão comprometidos. “Já foram empenhados”, afirma a superintendente de Comunicação, Patrícia Iunovich.

Os dois generais, “são amigos” e não faria sentido parar o que está dando certo. “Tenho certeza que Silva e Luna, que adora Foz do Iguaçu, o primeiro diretor a adotar, de fato, a cidade, vai assumir o novo cargo em função da sua lealdade ao presidente Jair Bolsonaro e perfil de “servidor” público, legalista e nacionalista, com grande amor pelo Brasil. Seu legado continua”, completou.

As informações são de GDia

Foz do Iguaçu, Itaipu Binacional,

Itaipu lamenta morte de Dom Laurindo. Site repercute programação de missas de despedida do religioso

A Itaipu Binacional lamentou, em nota, o falecimento do bispo emérito de Foz do Iguaçu (PR), dom Laurindo Guizzardi, ocorrido na manhã desta segunda-feira (22), no Hospital da Unimed da cidade, onde se tratava de um carcinoma neuroendócrino.

Dom Laurindo serviu a Diocese de Foz do Iguaçu entre 2001 e 2010, destacando-se pelo amor a Deus e ao próximo. Sua atuação, relevante para a Igreja Católica, conquistou o respeito e a admiração de toda a comunidade, mesmo daqueles que professam fé diferente.

Que Deus o receba em Sua glória, conclui a nota.

Coletiva

O bispo da Diocese de Foz do Iguaçu, Dom Sergio de Deus Borges, irá dar uma coletiva com a imprensa referente falecimento de Dom Laurindo Guizzardi, bispo emérito de Foz do Iguaçu, que faleceu na manhã desta terça-feira.
Dia: 22/02
13h
Local: Catedral (obra)

Programação de missas

Destaques, Foz do Iguaçu, Itaipu Binacional,

General Joaquim Silva e Luna fala sobre a sua indicação para comandar a Petrobras

Moderado e com fama de bom gestor, o general Joaquim Silva e Luna, indicado pelo presidente Jair Bolsonaro para assumir o comando da Petrobras, disse que está pronto para a “missão” e que é preciso equilíbrio nas discussões sobre preços de combustíveis.

Uma alta de 15% nos preços do diesel da Petrobras nesta semana, que resultou em críticas de Bolsonaro ao atual CEO da empresa, Roberto Castello Branco, acabou disparando a indicação de Luna na sexta-feira e acentuando temores de interferência do governo na empresa.

Em entrevista à Reuters, Luna minimizou essas preocupações, ressaltando que pretende focar na geração de resultados com o apoio da diretoria executiva.

Ao ser convidado para o cargo na sexta-feira pelo presidente, ele disse que está pronto para “nova missão e para o combate”, revelou.

“Serei um gestor e não um general. Não será uma intervenção… mas sem deixar a experiência que reuni na gestão das três Forças como ministro da Defesa e na gestão de Itaipu”, disse Luna, por telefone, neste sábado.

“Meu perfil é entregar resultados”, adicionou ele, que atuou no Ministério da Defesa no governo Michel Temer e ocupa desde 2019 o cargo de diretor-geral brasileiro da binacional Itaipu.

Luna evitou polemizar sobre a política de preços da companhia que gerou incômodo ao presidente Bolsonaro. Ele destacou que a estatal tem uma diretoria executiva para analisar todas as variáveis que envolvem a formação das cotações.

Mas, frisou, todo ambiente em torno da formação de preços precisa ser avaliado.

“Tem que se buscar o equilíbrio, e nisso tem acionista, o mercado, ver as variáveis como barril e o dólar, e tem o povo, porque os preços do diesel e gasolina impactam toda a cadeia produtiva, e não há como deixar de considerar essa realidade”, afirmou ele.

“Não há como ter interferências nessa política de preços. Tem uma diretoria executiva, um colegiado e gente com capacidade para tratar desse assunto. Vamos meditar sobre a economia e o caminhoneiro que está sem carga pra transportar também”, complementou.

O governo tem anunciado medidas favoráveis aos caminhoneiros, uma categoria que apoia o presidente Bolsonaro, como uma isenção provisória nos impostos federais do diesel, nesta semana.

Luna disse estar ciente de que interferências na gestão da empresa deram errado no passado e “que isso hoje não passa pela cabeça de ninguém”.

Cauteloso, ele destacou que se trata ainda de uma indicação para a estatal.

“Há um caminho a ser percorrido ainda, foi uma indicação que precisa de aprovação. Não dá pra falar muito para não ser indelicado e ilegítimo, mas é o maior desafio que já tive e não temo esse gigantismo.”

Mas ele espera que seu nome seja acolhido pelo Conselho de Administração da estatal.

Luna afirmou que pretende conhecer de perto a realidade da empresa, mas a princípio não pretende fazer mudanças na cúpula da companhia.

“Não penso em levar ninguém (comigo)… nunca escolhi equipe e preciso ver aprovado para viver a realidade da empresa. Sou daqueles que vivo com os próprios olhos e ouvidos”, disse ele.

A indicação de Luna representa a chegada de mais um militar à área de energia do governo, comandada pelo almirante da Marinha Bento Albuquerque, ministro de Minas e Energia. O presidente do conselho da Petrobras, Leal Ferreira, também é almirante.

O mandato de Castello Branco termina em 20 de março.

As informações são de Notícias Agrícolas

Destaques, Itaipu Binacional, Paraná,

Itaipu não fazia nem 10% disso, afirma Bolsonaro sobre as obras no oeste do Paraná

O presidente Jair Bolsonaro disse na última quinta-feira (18), que, em recente passado, a usina de Itaipu “não fazia nem 10%” das obras custeadas pela binacional no oeste do Paraná, que podem chegar a R$ 2,5 bilhões.

A maioria está em execução em Foz do Iguaçu, mas há obras espalhadas nas cidades da região e até uma ponte sobre o Rio Paraguai entre Porto Murtinho (MS) e a cidade paraguaia de Carmelo Peralta.

No próximo dia 25 está prevista a quinta visita de Bolsonaro a Foz do Iguaçu, onde deve anunciar investimentos de R$ 1 bilhão na revitalização das linhas de transmissão de Furnas que abastecem com a energia produzida por Itaipu as regiões centro-oeste e sudeste do País.

“O Paraná é brindado com a Itaipu, que está fazendo obras no oeste do Paraná, como, por exemplo, duplicação da BR-469, a pavimentação da Estrada da Boiadeira, no centro-oeste, a duplicação do acesso ao aeroporto de Foz, a extensão da pista do aeroporto em 600 metros que vai permitir voos internacionais que paravam na Argentina, segunda ponte com o Paraguai”, entre Foz e Porto Franco, disse Bolsonaro acompanhado pelo ministro Tarcísio de Freitas (Infraestrutura) na live das quintas-feiras direto do Palácio do Planalto, em Brasília. 

“Um abraço ao presidente Marito (Mario Abdo Benitez) do Paraguai. Eu estive com o presidente da Itaipu, general Joaquim Silva e Luna, em Cascavel e ele me disse que estão fechando os números agora e vai bater R$ 2,5 bilhões em investimentos, coisa que no passado a Itaipu não fazia nem 10% disso”, completou Bolsonaro.

Além das obras em Foz, Itaipu está custeando as obras do contorno oeste da BR-163 em Cascavel, duplicação da BR-277 no trecho entre a PRF e Ferroeste, a implantação do Contorno em Guaíra, a revitalização da ponte entre Guaíra e Novo Mundo (MS), a construção do batalhão da fronteira em Guaíra, a pavimentação dos 26 quilômetros da estrada entre Santa Helena e Ramilândia, a implantação do sistema de esgotamento sanitário no oeste e a iluminação da BR-277 nos trechos urbanos entre Foz do Iguaçu e São Miguel do Iguaçu.

Destaques, Foz do Iguaçu, Itaipu Binacional,

Da Itaipu para a Petrobras: General Joaquim Silva e Luna é indicado para a presidência da estatal

Prestes a completar dois anos à frente da usina, diretor fez uma gestão revolucionária no Paraná, especialmente no Estado. Para o lugar de Silva e Luna, deve assumir o general da reserva João Francisco Ferreira

Em rede social, o presidente Jair Bolsonaro divulgou nesta sexta-feira, dia 19, a indicação do nome do general Joaquim Silva e Luna, atual diretor-geral brasileiro de Itaipu, como novo presidente da Petrobras. Ele deverá substituir Roberto Castello Branco e também assumir o Conselho de administração da estatal. Até a nomeação oficial, ele permanece como diretor da margem brasileira da binacional. Para o lugar de Silva e Luna, deve assumir general João Francisco Ferreira. Ainda no começo da noite, a assessoria de comunicação Social do Ministério de Minas e Energia confirmou as duas indicações, por meio de notas.

Na próxima quinta-feira, 25, Bolsonaro estará em foz do Iguaçu, no Paraná, sede da usina, para participar da solenidade do lançamento da revitalização do sistema de transmissão de corrente contínua da subestação de Furnas, que leva energia de Itaipu para o Centro-Oeste e Sudeste do País. O investimento é de R$ 1 bilhão.

Neste domingo, 21, Silva e Luna completa dois anos como diretor-geral brasileiro de Itaipu. Neste período, a atual gestão garantiu à usina o status de protagonista em parcerias que viabilizam obras essenciais, reivindicadas há décadas pela população. Ele tomou posse no cargo no dia 26. Seu trabalho ficou conhecido em todo o setor elétrico. O próprio presidente fez inúmeros elogios ao diretor de Itaipu em suas lives tradicionais, pronunciamentos e reuniões ministeriais.

Neste curto período, Itaipu fez e anunciou tudo o que era reivindicado há muitos anos pela região, como uma nova ponte entre o Brasil e o Paraguai, que vai mudar a logística da fronteira; a transformação do Aeroporto de Foz do Iguaçu, que terá condições de ser um hub do Mercosul; e a futura duplicação da rodovia mais importante para o turismo do município, a BR-469, que dá acesso às Cataratas do Iguaçu.

A transformação do Oeste paranaense começou com a reestruturação da própria administração de Itaipu, que se pautou numa política de austeridade e transparência. O redirecionamento de recursos, antes aplicados sem aderência à própria missão da usina, possibilitou investimentos de R$ 2,5 bilhões em iniciativas que vão mudar o perfil socioeconômico do Oeste paranaense e de outras regiões, com resultados imediatos na geração de empregos, num momento em que a economia ainda está sob os efeitos provocados pela pandemia da covid-19.

Destaques, Foz do Iguaçu, Itaipu Binacional,

Bolsonaro anuncia general Silva e Luna como novo presidente da Petrobras

O presidente Jair Bolsonaro anunciou nesta sexta-feira (19) que substituirá o atual presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, pelo general Joaquim Silva e Luna, atual diretor brasileiro da Itaipu Binacional. O anúncio foi feito em rede social.

“O governo decidiu indicar o senhor Joaquim Silva e Luna para cumprir uma nova missão, como conselheiro de administração e presidente da Petrobras, após o encerramento do ciclo, superior a dois anos, do atual presidente, senhor Roberto Castello Branco”, diz a publicação.

A nota foi publicada em rede social como uma imagem, com cabeçalho atribuído ao Ministério de Minas e Energia. O texto foi publicado na página do ministério em seguida, quando Bolsonaro já havia feito a divulgação da troca.

Para que a substituição seja concretizada, a indicação ainda precisa do aval do Conselho de Administração da Petrobras. A estatal informou que o conselho tem reunião ordinária prevista para a próxima terça (23) – a pauta do encontro não foi divulgada.

O Conselho de Administração da estatal é composto por até onze membros. Sete deles são indicados pelo acionista controlador, que é a União; três nomes vêm dos outros acionistas, e o último é escolhido pelos empregados da Petrobras.

Destaques, Foz do Iguaçu, Itaipu Binacional,

Dois anos de gestão Silva e Luna na Itaipu Binacional abrem novo ciclo socioeconômico para o Paraná

Neste período, a atual gestão garantiu à usina o status de protagonista em parcerias que viabilizam obras essenciais, reivindicadas há décadas pela população. Região Oeste, onde está a hidrelétrica, foi a mais beneficiada.

A gestão do general Joaquim Silva e Luna na Itaipu Binacional, que completa dois anos no dia 26 de fevereiro, marca um novo protagonismo da usina, agora responsável por viabilizar parcerias com os governos federal, estadual e prefeituras da região para obras essenciais capazes de mudar o status do Paraná e, em especial, o da região Oeste.

Neste curto período, Itaipu fez e anunciou tudo o que era reivindicado há muitos anos pela região, mas que ficava muitas vezes apenas em vagas promessas.

Silva e Luna em foto de Rubens Fraulini/Itaipu Binacional

Inclui-se neste “tudo” a construção de uma nova ponte entre o Brasil e o Paraguai, que vai mudar a logística da fronteira; a transformação do Aeroporto de Foz do Iguaçu, que terá condições de ser um hub do Mercosul; e a futura duplicação da rodovia mais importante para o turismo do município, a BR-469, que dá acesso às Cataratas do Iguaçu.

A transformação do Oeste paranaense começou com a reestruturação da própria administração de Itaipu, que se pautou numa política de austeridade e transparência.

O redirecionamento de recursos, antes aplicados sem aderência à própria missão da usina, possibilitou investimentos de R$ 2,5 bilhões em iniciativas que vão mudar o perfil socioeconômico do Oeste paranaense e de outras regiões, com resultados imediatos na geração de empregos, num momento em que a economia ainda está sob os efeitos provocados pela pandemia da covid-19.

Silva e Luna em foto de Rubens Fraulini/Itaipu Binacional

Nomeado em 21 de fevereiro de 2019, já de início o general Silva e Luna mostrava a que vinha. Cinco dias depois da nomeação, na sua posse em 26 de fevereiro, o novo diretor-geral brasileiro de Itaipu pensava em como seria a usina do futuro.

Para isso, precisava trabalhar com planejamento e transparência, além de evitar desperdícios e gastos desnecessários. Uma de suas primeiras medidas foi trazer todo o comando da usina para Foz do Iguaçu, sede brasileira de Itaipu, dando o exemplo pessoal, ao se mudar para a cidade.

Logo a seguir, unificou em Foz do Iguaçu todo o corpo de empregados, com a extinção dos escritórios de Curitiba (PR) e Brasília (DF). O mapeamento e a identificação de sombreamentos de ações e iniciativas internas exigiu mudanças significativas, que otimizaram o trabalho das várias áreas, com menos dispêndios e mais eficiência.

Operário atua na construção da Ponte da Integração: mais empregos na região. Foto: Rubens Fraulini/Itaipu Binacional

Com o apoio de uma equipe totalmente comprometida e motivada, foi iniciado então todo o planejamento das ações de Itaipu, alinhadas com os objetivos estratégicos da usina. A atividade-fim de Itaipu é a geração de energia, com entrega contratada de 75 milhões de megawatts-hora por ano para os sistemas elétricos do Brasil e do Paraguai. Sua missão, no entanto, é contribuir para o desenvolvimento econômico e social dos dois países sócios do empreendimento: Brasil e Paraguai.

Aqui houve a grande mudança de percepção do que era importante para garantir o desenvolvimento regional: investir em obras que deixassem um legado para a população. Para isso, a margem brasileira suspendeu todos os convênios e ações que não faziam parte da missão e valores da empresa, como patrocínios para entidades com fins lucrativos ou fora da área de influência dos 54 municípios do Oeste.

Toda e qualquer ação precisaria ter métrica e resultado, sobretudo com economia de recursos para redirecionar investimentos que pudessem ajudar na melhoria do bem-estar da vida das pessoas.

O foco passou a ser grandes obras reivindicadas pela população, algumas sonhadas há mais de 30 anos, sem perder de vista o emergencial e permanente, como aportes e convênios em ações de ajuda humanitária, campanhas contra a dengue, capacitação de guias de turismo e repasse de recursos para hospitais, entre outras. Mas sem promessas em vão. A cada anúncio, entrega garantida.

Iluminação trará mais segurança à BR-277. Foto: Rubens Fraulini/Itaipu Binacional

Aos poucos, dentro e fora da usina essa reestruturação podia ser vista. Em consonância com as diretrizes do governo do presidente Jair Bolsonaro, e graças também à boa relação institucional com o governador do Paraná, Carlos Massa Ratinho Junior, e com as prefeituras de Foz do Iguaçu e do Oeste paranaense, Itaipu imprimiu uma marca: uma usina de entrega de obras concretas e ações sociais.

Em vários pronunciamentos, reuniões ministeriais e “lives”, o presidente Bolsonaro fez referência à atual gestão da margem brasileira da usina como “exemplar”. Em pouco mais de dois anos de mandato, o presidente esteve oito vezes no Paraná. E ele retorna a Foz do Iguaçu neste dia 25, a sua quinta agenda na cidade desde o início de seu mandato. O presidente virá lançar o projeto de revitalização da linha de Furnas, que leva energia de Itaipu para o Sudeste e Centro-Oeste do País.

Após décadas, ponte entre Brasil e Paraguai sai do papel. Foto: Rubens Fraulini/Itaipu Binacional

Revolução no relacionamento

Os empresários de Foz do Iguaçu, por meio das associações que representam os vários setores de atividades, em especial o turismo, são unânimes: a gestão de Silva e Luna representa um marco na história do relacionamento entre a usina de Itaipu e os municípios da região.

O secretário municipal de Turismo de Foz, Paulo Angeli, considera que a administração do general Silva e Luna “foi uma revolução no relacionamento de Itaipu com a região, consertando erros históricos”. As ações desenvolvidas por Itaipu, fizeram “acontecer aquelas obras há tanto tempo desejadas, almejadas pela população, numa preparação da nossa região para o futuro”, afirmou.

Para o empresário Marcelo Valente, da área de turismo, “a Gestão Silva e Luna na Itaipu nos enche de esperança e orgulho”. Ele diz que “a cada momento somos surpreendidos com a velocidade e eficiência da utilização dos recursos públicos na execução das obras estruturantes e criação de novos projetos de desenvolvimento, que mudarão o perfil socioeconômico de toda a região.”

Estrada da Boiadeira é importante conexão do Paraná, e está sendo pavimentada com aportes da Itaipu. Foto: Rubens Fraulini/Itaipu Binacional

O empresário Felipe González, presidente do Visit Iguassu, destaca que as “obras estratégicas” em execução “só aconteceram pelas iniciativas da administração Silva e Luna à frente da Itaipu binacional”. E completa: “essas obras nos dão certeza de que recuperamos as mais de três décadas perdidas.”

Case de sucesso

O empresário Danilo Vendruscolo, presidente do Programa Oeste em Desenvolvimento, afirma que a atuação do general no comando de Itaipu deve ser utilizada “como referência por todos os gestores públicos do País, em busca da excelência e da boa aplicação dos recursos, gerando benefícios para todos os cidadãos desta nação”. Ele resume a gestão de Silva e Luna como “um case de sucesso de como gerir uma empresa pública”.

Para o empresário Mário Camargo, presidente do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social de Foz do Iguaçu (Codefoz), a gestão do general Silva e Luna possibilita, “fundamentalmente, a criação de uma infraestrutura que beneficia, efetivamente, o desenvolvimento sustentável não só de Foz do Iguaçu como de toda a região lindeira”.

Ampliação de pista do Aeroporto de Foz transformará terminal em hub do Mercosul. Foto: Sara Cheidai/Itaipu Binacional

O presidente da Associação Comercial e Empresarial de Foz do Iguaçu (Acifi), empresário Faisal Mahmoud Ismail, diz que quando pensa em grandes nomes da história brasileira, lembra “alguns gigantes”, como Duque de Caxias e Juscelino Kubitschek, entre outros. Mas lhe vem à mente o general Silva e Luna quando pensa “em um ser humano que pode ter a capacidade de transformar uma região com sua gestão inteligente, transparência, austeridade e uma equipe sólida”.

A liderança de Silva e Luna está sendo transformadora “não só na geração de energia recorde, mas também na geração de esperança às pessoas, com muita serenidade, visão de futuro e ação intermitente”, conclui.
Para o empresário e presidente do Sindihotéis de Foz do Iguaçu, Neuso Rafagnin, a administração do general “representa um marco sem precedentes na história de Foz do Iguaçu, Oeste do Paraná e Três Fronteiras. Sob seu comando, a usina está transformando a região ao financiar a construção de obras estruturantes”.

O diretor do Sindihotéis destaca, ainda, a contribuição ao turismo, principal atividade econômica da cidade. “[Neste setor], Silva e Luna também tem sido primordial, pois teve a sensibilidade e ousadia de num momento de pandemia promover Foz como destino seguro no Paraná e no Brasil, sendo decisivo para retomada do turismo. Certamente outras conquistas ainda virão, mas desde já ele escreve o seu nome na história do município”, completa.

Bolsonaro na Itaipu, durante visita em agosto de 2020. Foto: Rubens Fraulini/Itaipu Binacional

A usina

Todo o setor empresarial de Foz e região reconhece a importância de Itaipu para o desenvolvimento do Brasil e, em especial, do Paraná e da região, como destaca, entre outros, o empresário Mário Camargo.

Já o secretário Paulo Angeli diz, sobre as obras em desenvolvimento, que a “Itaipu, como sempre, é a instituição que puxa as grandes ações de desenvolvimento da nossa região”.

Confira, abaixo, a lista das principais obras de Itaipu em execução:

• Segunda ponte entre Brasil e Paraguai;
• Implantação do trecho de 46,9 km da rodovia BR-487 (Estrada da Boiadeira);
• Duplicação da rodovia BR-469 (Rodovia das Cataratas);
• Obras de acesso 2ªBR/PY (BR 277);
• Duplicação do contorno oeste de Cascavel (BR-163);
• Duplicação da BR-277 – Trecho PRF/Ferroeste
• Implantação de contorno de Guaíra;
• Obras no Hospital Ministro Costa Cavalcanti;
• Ampliação da pista do Aeroporto de Foz do Iguaçu;
• Revitalização da ponte Guaíra;
• Estrada Santa Helena-Ramilândia (26 km);
• Segunda sede do BPFron em Guaíra;
• Iluminação viária de 21 km da BR-277;
• Duplicação do acesso ao Aeroporto de Foz e ao Pátio de Manobras (Infraero);
• Construção do Mercado Municipal;
• Ciclovia na Vila A;
• Segunda fase da ciclovia na Tancredo Neves;
• Pista de atletismo em Foz;
• Revitalização do Centro Náutico de Guaíra;
• Projeto Beira Foz;
• Construção do Hemonúcleo de Foz;
• Laboratório de Medicina Tropical de Foz;
• Revitalização do Gramadão da Vila A, em Foz;
• Estudo de Viabilidade Técnica Econômica (Ramal Trimodal) Cascavel-Foz;
• Centro Integrado de Polícias de Foz;
• Revitalização do Porto Internacional de Guaíra;
• Reforma da Delegacia da Mulher/Turista/Instituto de Identificação, em Foz; e
• Nova sede da Fibra.

Destaques, Foz do Iguaçu, Itaipu Binacional,

Turismo de Itaipu apresenta projeto para tornar passeios 100% inclusivos

Estão previstas a adoção de novas tecnologias, adaptação de espaços e capacitação de pessoal para receber pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida

O Complexo Turístico Itaipu (CTI) vai tornar todos os passeios à usina binacional mais acessíveis e inclusivos, com a adoção de novas tecnologias, adaptação de espaços e capacitação de pessoal para receber pessoas com deficiência e com mobilidade reduzida. As ações contemplam deficiências de natureza física ou sensorial (visão e audição).

O projeto e o cronograma de intervenções foram apresentados no final de janeiro à área de Comunicação Social de Itaipu, gestora do contrato junto ao Parque Tecnológico Itaipu (PTI-Brasil). A implantação será gradativa, até 2024, com investimento estimado em R$ 406 mil.

Entre as mudanças, está a adoção de um intérprete virtual de libras, a língua brasileira dos sinais, na página do turismo de Itaipu na internet – conforme prevê a lei 13.146/2015. O sistema poderá ter acessado por dispositivo móvel ou desktop e dará maior autonomia a deficientes auditivos (alfabetizados apenas em libras) para obter informações e comprar passeios no site.

Outra novidade será a implantação de audioguias descritivos para deficientes visuais, com detalhamento de toda a visita, incluindo o filme institucional (que também terá intérprete de libras, além de legendas em português e espanhol). O aplicativo do audioguia está em desenvolvimento pela equipe do PTI e poderá ser baixado no smartphone pelos visitantes.

O PTI também pretende espalhar em áreas de grande circulação de visitantes mapas táteis (para deficientes visuais) e totens com vídeos em libras, contendo informações sobre compra de ingresso, procedimento de segurança, embarque, dados de produção de energia e até curiosidades sobre a história da usina.

Peças impressas em 3D, em escala reduzida, permitirão a deficientes visuais conhecer por meio do tato a forma das principais estruturas da usina, como a barragem, a caixa espiral (em formato de caracol) e o eixo da turbina.

O gerente-geral do CTI, Yuri Benites, explica que as adequações têm como objetivos promover a inclusão e mitigar desigualdades sociais, aumentar a satisfação dos visitantes e fomentar boas práticas de turismo e lazer acessível. “Fomos o primeiro atrativo turístico do Brasil a receber a certificação de qualidade ISSO 9001, em 2012. Queremos também torná-lo referência em turismo acessível, beneficiando o cliente e valorizando a marca institucional de Itaipu Binacional e do Parque Tecnológico Itaipu”, complementa.

A superintendente de Comunicação Social e de Turismo de Itaipu, Patrícia Iunovich, diz que os investimentos refletem o novo modelo de concessão, que passou a vigorar em setembro de 2020. Até então, Itaipu e PTI mantinham contratos de comodato e prestação de serviços. “O Complexo Turístico assumiu encargos como, por exemplo, reformas, reforço de sinalização, implantação de novos produtos, e a acessibilidade faz parte do rol de responsabilidades.”

O diretor-geral brasileiro de Itaipu, general Joaquim Silva e Luna, lembra que o turismo é a principal atividade econômica de Foz do Iguaçu e a cidade deve estar preparada para receber todos os visitantes, com a mesma atenção e qualidade, independentemente de sua condição física. “A visita à usina de Itaipu é uma experiência incrível e deve estar disponível para todos. Por isso, nossa meta é eliminar qualquer obstáculo que ainda possa haver para os turistas. Queremos um turismo 100% acessível.”

Passeios

Atualmente, a Itaipu oferece três opções de passeios: a Itaipu Panorâmica, o passeio mais procurado e que funciona diariamente; e, de terça-feira a domingo, o Refúgio Biológico Bela Vista (RBV) e o Ecomuseu. Todas as visitas seguem rigorosamente as medidas de segurança sanitária contra a covid-19, como o uso obrigatório de máscara facial, disponibilidade de álcool em gel 70º e distanciamento social.

Mais informações e compras podem ser feitas no site do Turismo Itaipu