Browsing Category

Justiça

Leia as últimas notícias sobre Justiça no CabezaNews, site de informação com reportagens exclusivas, fotos, vídeos e conteúdos sobre Foz do Iguaçu e sobre o Paraná.

O CabezaNews leva ao público notícias de utilidade pública, curiosidades, turismo, lazer, cultura. Sobretudo com um olhar voltado para a região da tríplice fronteira entre Brasil, Paraguai e Argentina.

Em Foz, nossa cobertura foca os principais acontecimentos da cidade, incluindo eleições 2020, o avanço da pandemia do novo coronavírus, as ações da Itaipu Binacional, bem como a administração do prefeito Chico Brasileiro.

O site não deixa de lado o que acontece no restante do estado do Paraná. Notas exclusivas dos bastidores da política, da Assembleia Legislativa, ações do governo do Paraná e da administração Ratinho Júnior. Assim como as principais notícias nacionais.

O CabezaNews é editado por Ronildo Pimentel, jornalista com mais de 30 anos de atuação em jornalismo impresso e digital.

Destaques, Foz do Iguaçu, Justiça,

Em Foz, mulheres são resgatadas após suposta clínica de reabilitação ser interditada por falta de alvará

Quinze mulheres foram resgatadas de uma suposta clínica de reabilitação que não tinha alvará para oferecer o serviço, em Foz do Iguaçu, no oeste do Paraná, segundo a Ação Integrada de Fiscalização Urbana (AIFU).

A Defesa Civil interditou o local, nesta terça-feira (26), por falta de alvará, adiantou Marcos Landim da RPC Foz do Iguaçu.

De acordo com o coordenador da operação da AIFU, Isaltino Santana, o lugar foi fiscalizado após uma denúncia de que as mulheres estavam sendo vítimas de cárcere privado, maus-tratos e vivendo em condições insalubres.

“Logo que chegamos aqui, no portão de entrada, uma menina saiu gritando por socorro, pedindo para tirar ela daqui, porque estava aqui sem vontade própria. Adentramos no local, verificamos outras pessoas que também estavam aqui em tratamento e duas nos procuraram dizendo que estavam sendo torturadas e maltratadas, estavam aqui também, não por vontade própria, que trouxeram elas para cá e que não podem entrar em contato com a família. Estavam desesperadas dizendo para tirar elas daqui, que estavam sendo maltratadas.”

Continue lendo no G1 Oeste e Sudoeste

Foz do Iguaçu, Geral, Justiça, Paraná,

Prefeitura de Foz aguarda o Judiciário para regularização do Bubas, diz FozHabita

Situação das famílias que residem na maior ocupação urbana do Paraná será discutida nesta terça-feira, às 9h, em audiência pública da Assembleia Legislativa

A Prefeitura aguarda uma decisão judicial para iniciar a regularização urbana da Ocupação do Bubas, na região Sul de Foz do Iguaçu. “O Bubas é uma área privada e um dos requisitos para se fazer a regularização é que não haja nenhuma pendência judicial”, explica Elaine Ribeiro de Souza Anderle, diretora-superintendente do Instituto de Habitação (FozHabita).

A situação das 1,8 mil famílias (oito mil pessoas, aproximadamente) que residem na maior ocupação urbana do Paraná será discutida em audiência pública na Assembleia Legislativa a partir das 9h desta terça-feira (26). O terreno, com cerca de 40 hectares, é alvo de pedido de reintegração de posse julgado improcedente, com decisão confirmada pelo Tribunal de Justiça (TJPR) e transitada em julgado.

De acordo com Elaine, a questão envolvendo o Bubas vem sendo discutida pelo TJPR, Governo do Estado e a Prefeitura Municipal. “Existe uma intenção muito grande de todos os envolvidos, em se fazer a regularização”, disse ela, ao participar do “Foz em Ação” na Rádio Cultura

A superintendente do FozHabita explicou que existe uma decisão judicial que aponta que a indenização aos herdeiros deve ser suportada pelo Governo do Estado.

“Temos uma decisão (do TJPR) e eles não saem mais de lá, é consolidado, têm direito a permanecer no local”, afirmou Elaine. “O que precisa ser feito é resolver a situação com os herdeiros. A partir deste ponto, o TJPR poderá entrar com a regularização e a Prefeitura com a infraestrutura, que é urgente”.

Comprometimento

“O prefeito Chico Brasileiro já se comprometeu, saindo a autorização judicial, no outro dia estaremos lá para fazer (a regularização)”, afirmou. No entanto, ainda segundo Elaine, essa pendência precisa ser resolvida e está sendo amplamente debatida.

A superintendente do FozHabita adiantou que a topografia foi feita em 2019. Por enquanto, a Prefeitura não pode entrar se não tiver essa anuência, reforçou. “O Município não pode entrar sem licença na casa de uma pessoa. Aquela é uma área privada. Então, está dependendo da decisão de um processo judicial. Se resolver, o resto faremos”, completou.

A audiência pública, convocada pela Comissão de Direitos Humanos e da Cidadania, atende pedido da Comissão de Conflitos Fundiários do TJPR. Os debates serão realizados de forma remota, com transmissão ao vivo pela TV Assembleia, site e redes sociais do Legislativo.

Brasil, Justiça, Mundo,

Brasileiros presos com ‘arsenal de guerra’ e são expulsos do Paraguai pela Ponte da Amizade

A Polícia Civil de Minas Gerais (PCMG), com auxílio da Polícia Nacional do Paraguai e Polícia Federal Brasileira, deflagrou na madrugada desse sábado ( 23), operação policial para inibir o Tráfico Internacional de Entopecentes. A ação realizada por meio do Comando Tripartite da Argentina, Brasil e Paraguai e resultou na prisão de sete pessoas, seis homens e uma mulher, dois deles exercem lideranças criminosas em Montes Claros. Com os suspeitos foram apreendidos armas de fogo de diversos calibres e munições.

A investigação foi realizada pelo Delegado Alberto Tenório, Titular da Delegacia Especializada Antidrogas em Montes Claros, com o objetivo de promover a efetiva repressão ao tráfico transnacional chefiado por dois investigados montesclarences. Os suspeitos são apontados como os principais responsáveis pelo envio de entorpecentes do Paraguai até a região Norte do estado. Além disso, os envolvidos ordenaram a ocorrência de crimes dolosos contra à vida praticados no mês de outubro deste ano, em Montes Claros. Foram dois Homicídios consumados e quatro Tentativas. Os crimes foram motivados por disputas de pontos de tráfico de drogas e vingança, gerando uma divisão do grupo criminoso.

Vale ressaltar que eles possuem elevado grau de periculosidade, possuindo mandados de prisão em aberto cujas naturezas são resultado da investigação de crime de homicídio e tráfico de drogas, os quais tramitam na comarca em Montes Claros. Os respectivos Mandados foram cumpridos na data de hoje, (23/10), na cidade de Pedro Juan Caballero, Paraguai, onde os suspeitos estavam residindo.

A operação coordenada pela Delegacia Especializada Antidrogas de Montes Claros foi executada pela Polícia Nacional do Paraguai, por meio da troca de informações entre as instituições.

Durante a ação, seis pessoas do sexo masculino e uma pessoa do sexo feminino, ambos brasileiros, foram presos e serão encaminhadas à Delegacia da Polícia Federal situada em Foz do Iguaçu no Estado do Paraná.

Além da prisão dos investigados houve a apreensão de várias armas de fogo de calibre permitido/restrito (dois fuzis AK-47, calibre 762×39 com seis carregadores, um fuzil M4, marca Colt, calibre 5.56, com dois carregadores, uma pistola Glock G17 calibre 9mm, com dois carregadores), diversas munições de arma de fogo, equipamentos de rádio, celulares, dois veículos e grande quantidade em dinheiro brasileiro.

Os presos serão autuados por Porte ilegal de arma de fogo e munições no Paraguai.

O Delegado Herivelton Ruas Santana, Regional em Montes, pontuou que viabilizou todo o aporte necessário para garantir o sucesso da operação e promover o combate efetivo à criminalidade organizada.

De acordo com o Chefe do 11º Departamento, Delegado-Geral Jurandir Rodrigues, essa importante operação consolida na sociedade que não existem fronteiras para o cumprimento da lei e responsabilização dos seus agentes, ” a Polícia Civil se compromete a controlar e apurar os homicídios garantindo segurança e qualidade de vida à população” observou.

As diligências continuam.

Foz do Iguaçu, Justiça, Paraná,

Prefeito de Foz alerta contra “golpe da casa própria”

Chico Brasileiro esclareceu que, quando existem denúncias de vendas irregulares de moradias de habitação popular é preciso abrir um processo junto à Caixa Econômica e outros órgãos parceiros

Perde quem vende e perde quem compra, alertou neste sábado (23) o prefeito Chico Brasileiro, sobre golpes envolvendo a comercialização irregular de casas e apartamentos de habitação popular em Foz do Iguaçu. “Não entre nessa de comprar apartamento, fazer um contrato de gaveta”, disse.

“No final, você não vai receber, não vai ter regularização para esse tipo de negócio, porque isto é ilegal e nós não podemos concordar com isso”, ressaltou Chico Brasileiro em participação no programa Foz em Ação, na Rádio Cultura. O prefeito abordou a questão após ser cobrado por um cidadão na sexta-feira (22).

“Ontem recebi um cidadão lá no Condomínio do Idoso e ele disse: ‘olha, tem gente vendendo apartamentos e eu tô pagando aluguel. Por que não tira aquele povo, já não pega aquele apartamento e passa para mim?’, relatou. O prefeito aproveitou para esclarecer que no setor público não pode funcionar assim, como sugeriu o cidadão.

Dentro da lei

“Ninguém tira uma pessoa, mesmo que saiba que ela está fazendo algo (errado), que esteja anunciando uma venda. É preciso abrir um processo”. O procedimento correto, segundo o prefeito, é procurar a Caixa Econômica, bem como informar todos os demais órgãos que atuam na política habitacional.

“Essa pessoa está praticando um ato ilegal, não é permitido vender, até que o financiamento esteja quitado. Por isso é preciso apurar, fazer uma definição administrativa, aí a Caixa tem que agir”, afirmou.

Chico Brasileiro reforçou que o poder público não pode “chegar lá e tomar, tem que fazer tudo dentro da lei para retornar esse imóvel e sortear novamente”.

“Não é possível passar diretamente para uma pessoa”, disse. O prefeito recordou que existem muitas informações, que podem não ser corretas. “É importante que as pessoas que tenham dúvidas procurem o FozHabita (Instituto de Habitação) diretamente, porque tem muita informação mal distribuída”, alertou.

Procedimento

A diretora-superintendente do FozHabita, a advogada Elaine Ribeiro de Souza Anderle, também participou do programa. De acordo com ela, o Instituto procura sempre usar todos os espaços possíveis de divulgação para esclarecimentos. “Inclusive a própria Caixa disponibiliza no site dela o 0800 também”.

Independentemente de onde vem a denúncia, elas são comunicadas ao FozHabita, que faz a fiscalização no local e oficializa à Caixa, para o jurídico tomar as medidas necessárias. “É importante dizer que quem faz isso, nunca mais pode receber uma moradia com subsídio público, em nenhuma circunstância. A pessoa que comprar, não vai levar”, concluiu.

Cilada

“Não entre nessa história de comprar apartamento que foi construído por recurso público da Caixa Econômica, de interesse social”, ressaltou Chico Brasileiro. O prefeito reconheceu que têm muitas famílias precisando da casa própria.

“É triste a situação de uma pessoa como essa que me procurou, que tem três filhos e não foi sorteada. E aí vem alguém que foi sorteado, querendo vender. Tem que ser denunciado mesmo. Não podemos chegar lá e simplesmente arrancar a pessoa antes de um processo legal, que tem que ser feito”, concluiu.

Economia, Justiça, Paraná,

Procon suspende atendimento presencial no Paraná entre segunda (25) e sexta (29); veja como usar serviço

Segundo governo, funcionários das unidades passarão por treinamento ao longo desta semana, com atendimento sendo exclusivamente pela internet.

O Procon suspendeu o atendimento presencial entre esta segunda (25) e sexta-feira (29) em todas as agências do Paraná. Segundo o governo estadual, a medida acontece pois os funcionários das unidades passarão por treinamento ao longo da semana.

Veja mais em G1 Globo

Colunistas, Curitiba, Fabio Aguayo, Justiça, Paraná,

Fiscalização e perseguição no polo gastronômico da rua Paranaguá

Fábio Aguayo

Desde o dia 8 de outubro estamos tendo blitz e fiscalizações na rua gastronômica da Paranaguá.

Isso é devido a reclamações de moradores onde estão alegando que todo problema e responsabilidade são dos bares como fato gerador.

Nós como empreendedores e comerciantes já conseguimos mostrar que o problema está na rua e de pessoas que não estão em nossos ambientes, que aliás trazemos segurança, conforto e cumprimento das regras sanitárias dentro dos estabelecimentos.

Sofremos diversas fiscalizações com 98% dos empreendimentos todos corretos.

Viemos de 18 meses de intensas regras sanitárias, acumulamos dívidas e estamos tentando sobreviver e gerar emprego/renda para não depender de auxílios governamentais.

Quando retornamos estamos passando por esse problema.

Esse semana foi revogado a portaria de música em bares, onde bares se quiserem ter música vão ter que gastar enormes quantias para poder ter música, sem aviso prévio para adequações.

Graças a isso faturamento caiu em 50%, alguns estabelecimentos/comerciantes estão falando em mais sofrimento e a temida demissão e encerramento de atividades se continuar desse jeito e perseguições.

  • Fábio Aguayo é empreendedor do setor de gastronomia e entretenimento e presidente ABRABAR (Associação Brasileira de Bares e Casas Noturnas)
Curitiba, Justiça, Paraná,

OAB-PR vai pedir afastamento de policiais envolvidos em agressão à mulher em Curitiba

A Ordem dos Advogados do Brasil- Seção Paraná (OAB-PR) vai pedir à Polícia Militar do Paraná (PMPR) e ao Ministério Público do Paraná (MPPR) o afastamento dos policiais envolvidos e abertura de inquérito sobre caso de agressão a Estephany Rodrigues na madrugada deste sábado (23) em operação da Ação Integrada de Fiscalização Urbana (Aifu) na Cidade Industrial de Curitiba (CIC).

“A OAB-PR repele veementemente o notório exagero da força policial e comunica que representará às autoridades correicionais da Polícia Militar, bem como ao Ministério Público Estadual, pelo imediato afastamento das funções dos policiais envolvidos, abertura de inquérito e adoção das sanções penais e administrativas cabíveis contra os responsáveis”, afirmou o presidente da OAB-PR, Cássio Lisandro Telles, em nota.

Continue lendo em Bem Paraná

Foz do Iguaçu, Justiça, Paraná,

Parceria entre Celepar e TJPR busca inovar na prestação de serviços judiciários

A Celepar assinou um termo de cooperação técnica com o Tribunal de Justiça do Estado do Paraná (TJPR) com o objetivo de promover uma troca de experiências entre as instituições, além de buscar soluções inovadoras na prestação de serviços judiciários. A assinatura ocorreu durante o evento Valorização – Jornada de Ideação da Magistratura com Foco no Trabalho de Direção do Fórum, em Foz do Iguaçu.

“A parceria desenvolvida com a Celepar tem sido de extrema importância para o Tribunal e também para a nossa gestão, que tem como um dos focos a inovação. Por meio desse novo acordo, poderemos contar com o apoio da Celepar para a implementação de uma cultura de inovação dentro de todo o TJPR, aprimorando a prestação dos serviços para aqueles que procuram o Judiciário”, enalteceu o presidente do TJPR, desembargador José Laurindo de Souza Netto.

Segundo o presidente da Celepar, Leandro Moura, estreitar parcerias no Estado é fundamental. “O acordo representa o fortalecimento e o potencial de novas soluções que possam surgir tanto com o uso da tecnologia como de metodologias em oficinas que estamos ministrando, em conjunto com grandes mentes e magistrados do Judiciário. A ideia é deixar um legado entre as instituições”, disse.

Representada pelo presidente da empresa, Leandro Moura, e pelos colaboradores Mauro Sorgenfrei e Rainer Junges, a Celepar está promovendo oficinas de sprints com o uso de uma série de metodologias para construir soluções no evento, ampliando a gama de serviços que o Judiciário já oferece. A companhia ajudou também na concepção do Ateliê de Inovação do TJPR, que converge com a busca por serviços inovadores.

“Essas oficinas de aceleração ajudam a agilizar e desburocratizar processos. Já tivemos grandes experiências no Estado, como no aplicativo da Paranaprevidência, que trouxe serviços online de uma forma fácil e segura aos aposentados e pensionistas do órgão. Nos sprints, equipes da instituição são envolvidas para mensurar as necessidades e desafios a serem trabalhados, buscando soluções de uma forma ágil e mais assertiva, e que podem auxiliar o TJPR a aproximar ainda mais a justiça da população”, ressaltou Moura.

As informações são de Defesa

Destaques, Foz do Iguaçu, Justiça,

Integração na segurança permite resolução de sequestro em Foz do Iguaçu

Delegado do grupo Tigre, da Polícia Civil, Cristiano Quintas, foi recebido pelo prefeito Chico Brasileiro nesta quinta-feira (21); Secretaria Municipal de Segurança Pública deu apoio à investigação

A integração e ação entre as forças de segurança foram fundamentais para a resolução rápida e segura do sequestro realizado em Foz do Iguaçu, a prisão dos criminosos e a liberação da vítima. A afirmação é do prefeito Chico Brasileiro ao receber nesta quinta-feira (21) o delegado Cristiano Quintas, comandante do Tático Integrado de Grupos de Repressão Especial (Tigre) da Polícia Civil do Paraná.

Os agentes do Tigre chegaram no domingo (17) e com rapidez elucidaram o sequestro, ressaltou Chico Brasileiro. O crime foi elucidado na noite desta quarta-feira (20), com a polícia estourando o cativeiro onde era mantida a vítima.

O grupo de tático contou com o apoio da Secretaria de Segurança e da Guarda Municipal. “A partir deste momento, acionamos todas as equipes da Guarda Municipal para ficarem atentas a qualquer movimentação”, disse Brasileiro. O vice-prefeito, delegado Francisco Sampaio, agente estadual de segurança, acompanhou o encontro.

O prefeito também ressaltou o uso das câmeras de monitoramento. A partir da análise das imagens, foi possível traçar o itinerário a partir do ponto onde os sequestradores surpreenderam a vítima. “Com o trabalho desenvolvido, em apenas três dias, o grupo conseguiu identificar o cativeiro, resgatar a vítima e prender três suspeitos”, completou.

Vítima de São Paulo

De acordo com o secretário municipal de Segurança Pública, Reginaldo José da Silva, a vítima é do estado de São Paulo e estaria envolvida em crimes de estelionato. “Ele aplicava golpes adiantando a preferência na fila para aquisição de casas populares financiadas pelo governo, com várias vítimas já”, disse.

Segundo as investigações, os sequestradores seriam vítimas tentando reaver o dinheiro perdido. “Importante ressaltar o sucesso neste trabalho de repressão (patrulha e monitoramento) e resolução do crime, bem como o processo pedagógico de alerta e orientação às pessoas para se protegerem”, completou.

Tropa de elite

O vice-prefeito parabenizou o delegado Cristiano Quintas, que conhece desde a escola de formação de delegados, e a equipe do grupo “por mais uma ação exitosa”. “O Tigre é uma unidade especial da Polícia Civil do Paraná, que atua principalmente em operações táticas especiais de alto risco”, disse.

“Entre os crimes investigados estão sequestro, violação de domicílio, cárcere privado, rapto e roubo com restrição de liberdade da vítima (sequestro relâmpago), extorsão mediante sequestro e em situações especiais”, listou Delegado Sampaio. O grupo é considerado o mais eficiente do país, “e treinado segundo a mística da Swat (polícia americana)”, completou o vice-prefeito.

Economia, Justiça, Paraná, Política,

Obras não realizadas e manutenção das rodovias após término dos contratos preocupam deputados da Frente sobre o Pedágio

Os deputados que integram a coordenação da Frente Parlamentar sobre o Pedágio da Assembleia Legislativa do Paraná realizaram uma reunião técnica do grupo com representantes do Instituto Tecnológico de Transportes e Infraestrutura (ITTI), da UFPR, para traçar a forma de execução dos estudos sobre as obras não realizadas, a manutenção das rodovias e atendimento dos usuários após o termino dos atuais contratos, e as obras que de fato irão integrar o novo modelo de concessão das rodovias do Paraná.

Em agosto desse ano a Assembleia firmou uma parceria com o ITTI que irá fazer esses estudos de forma técnica a fim de subsidiar os deputados na condução do debate sobre o pedágio no estado. Parte desse estudo, que envolve as obras não realizadas pelas atuais empresas deve ser entregue antes do fim da concessão. Os atuais contratos vencem em 27 e novembro.

O primeiro secretário da Assembleia, deputado Luiz Claudio Romanelli (PSB), disse que a Frente já conseguiu avanços sobre o modelo proposto inicialmente, mas que é preciso manter o olhar atento para os próximos passos para que o povo paranaense e o setor produtivo não sejam prejudicados como ocorreu com as atuais concessões. “Essa parceria com o ITTI foi para que a Frente pudesse ter um órgão de assessoramento técnico. Muitos achados já foram encontrados e que nos preocupam, que se mantidos, teremos a repetição dos erros do contrato que se encerra agora”, alertou. “Com essa consultoria do ITTI poderemos fazer essa interlocução com a ANTT, o Ministério de Infraestrutura e o TCU, baseado em estudo técnico e não achismo”, completou.

Entre os pontos que geram preocupação, o deputado alertou, para as obras que já foram pagas pelo usuário e que constam novamente no novo modelo; a falta do preço das obras a serem realizadas no projeto executivo; e o percentual do degrau tarifário após a duplicação de rodovias que só teria sido apresentado nas audiências, mas que não constam no edital e em nenhum outro documento oficial. “Esse percentual já é um absurdo e pode até ser maior se não estiver no papel. Temos que passar todos esses pontos a limpo’, disse Romanelli lembrando que a Assembleia Legislativa também tem uma parceria com a Ordem dos Advogados do Brasil, seção Paraná, para fazer uma análise minuciosa do edital, quando divulgado, para verificar todos os pontos.

O coordenador da Frente, deputado Arilson Chiorato (PT), reforçou a preocupação do grupo, além das obras não realizadas, com a manutenção e atendimento aos usuários das rodovias a partir do dia 28 de novembro. “Estamos preocupados com esse período de vacância, para que se continue sendo ofertado o serviço de manutenção das rodovias, a segurança aos usuários, com guincho e ambulâncias. Nas licitações que estão expostas pelo DER e DNIT só existe o serviço de manutenção da pista. Estamos preocupados com os outros serviços. Vai chegar o final do ano, as pessoas vão viajar, tem o escoamento da safra também”.

O deputado frisou que a parceria com o ITTI vai servir para que seja mensurado todo o prejuízo que a sociedade paranaense teve com os atuais contratos, em razão de muitas obras não realizadas. “Temos toda uma confiança técnica no ITTI. Um grupo de bastante prestígio na área de engenharia. Todo o prejuízo será mensurado. Assim teremos todo o passivo deixado nos últimos 24 anos e como a Frente vai encaminhar isso num diálogo com a ANTT e o Ministério”.

Obras – Entre as pendências das obras não realizadas, os deputados citam trechos de rodovias que não serão duplicados, além de contornos na região de Londrina e Maringá.

Para o deputado Homero Marchese (PROS), essa divisão de etapas no relatório do Instituto, vai servir para verificar de forma mais precisa o que as concessionárias ficaram devendo e para que a nova licitação siga os parâmetros necessários. “Ao longo dos contratos foram vários aditivos que tiraram ou adiaram os investimentos. As próprias concessionárias admitem que teriam que fazer e não fizeram, como a Caminhos do Paraná que tem mais de 70km de duplicação para fazer e não começou, a Rodonorte que tem 19km na região de Ponta Grossa para duplicar e o Governo ainda espera fazer um acordo, além da Viapar que tem três contornos na região de Maringá que começou fazer agora e vai entregar daqui três anos”, disse. “Apesar do contrato terminar mês que vem, tem pendências do passado muito importante para os paranaenses. Obras importantes que precisamos tirar do papel e que foram pagar nos 24 anos de cobrança de pedágio”.

O deputado Tercílio Turini (CDN) cita ainda as obras do Contorno Norte de Londrina, que “foi pago, a obra não saiu e está entrando na nova licitação”. Para ele, o relatório do Instituto será importante para a Frente poder conversar com embasamento com os órgãos federais “É uma análise de dados detalhando principalmente todas as obras que estavam no início do contrato, que saíram por aditivos contratuais, que estão judicializadas. Também teremos uma análise do novo modelo, para que possamos atuar para ter medidas e sucesso de reivindicações e colocação de novas obras”, apontou, lembrando das 18 audiências públicas realizadas pela Frente, quando se ouviu a população de todas as regiões do estado.

As novas obras que deverão constar no novo contrato também foram citadas pelo deputado Evandro Araújo (PSC), que acredita que o trabalho da Frente tem sido essencial para as mudanças que envolvem a questão dos pedágios no Paraná. “A sociedade espera que a gente continue acompanhando o processo e vamos continuar. Esse é o trabalho da Frente Parlamentar”, disse.

“O assunto que mais interessa ao paranaense é o novo modelo. Autorizamos o Poder Executivo a continuar com as tratativas, mas as rodovias não foram delegadas ainda. Será por meio de um convênio que será acompanhado pela Frente até o final. Tivemos diversas sugestões colhidas nas audiências públicas num debate com a sociedade e queremos ver o que será produzido. O que terá nesse edital que será entregue ao TCU. Esse assunto não está acabado e a Frente precisa, mais do que nunca, estar atuante”, finalizou.

Participaram da reunião o superintendente do ITTI, Roberto Gregório da Silva; o coordenador executivo do ITTI, Cristhyano Carvalo; e o analista do Tribunal de Contas, Alexandre Santos.