Browsing Category

Meio Ambiente

Leia as últimas notícias sobre Meio Ambiente no CabezaNews, site de informação com reportagens exclusivas, fotos, vídeos e conteúdos sobre Foz do Iguaçu e sobre o Paraná.

O CabezaNews leva ao público notícias de utilidade pública, curiosidades, turismo, lazer, cultura. Sobretudo com um olhar voltado para a região da tríplice fronteira entre Brasil, Paraguai e Argentina.

Em Foz, nossa cobertura foca os principais acontecimentos da cidade, incluindo eleições 2020, o avanço da pandemia do novo coronavírus, as ações da Itaipu Binacional, bem como a administração do prefeito Chico Brasileiro.

O site não deixa de lado o que acontece no restante do estado do Paraná. Notas exclusivas dos bastidores da política, da Assembleia Legislativa, ações do governo do Paraná e da administração Ratinho Júnior. Assim como as principais notícias nacionais.

O CabezaNews é editado por Ronildo Pimentel, jornalista com mais de 30 anos de atuação em jornalismo impresso e digital.

Foz do Iguaçu, Geral, Meio Ambiente, Mundo,

Estudo propõe a temática “defensivos agrícolas ilegais” como pauta prioritária do Mercosul

A falta de acordos entre o Brasil e países vizinhos gera assimetrias de legislações e maior dificuldade para combater este ilícito

Um dos focos do debate gerado pelo Estudo “O mercado ilegal de defensivos agrícolas no Brasil”, é a falta de homogeneização das leis relativas ao mercado ilegal de defensivos agrícolas entre Brasil, Argentina, Paraguai, Uruguai e Bolívia. As disparidades nas regras legais de importação de produtos fitossanitários oportunizam e atraem os operadores do mercado ilegal.

Luciano Stremel Barros, Presidente do Instituto de Desenvolvimento Econômico e Social de Fronteiras (IDESF) e um dos idealizadores do Estudo, destaca que dentre as características do mercado ilegal de defensivos agrícolas estão as políticas tarifárias e tributárias assimétricas entre os países do Mercosul. “Faltam acordos entre o Brasil e os seus vizinhos para criar regras semelhantes para o uso de agroquímicos no campo. Poderíamos, por exemplo, ter laboratórios nesses países do Mercosul para que, em conjunto, pudéssemos analisar e entender o que é necessário para as lavouras e, assim, utilizarem produtos em comum acordo”.

Entre os agroquímicos que fariam parte deste debate a nível de Mercosul está o benzoato de emamectina, um dos inseticidas mais contrabandeados e com rigorosas restrições no Brasil, cujo percentual máximo de uso liberado pelas normas sanitárias vigentes, é de 5%. Já nos registros de importação de benzoato de emamectina do Paraguai, constam cargas do produto que desembarcaram no país em uma diversidade de concentração que varia entre 30%, 40%, 70%, 90% e até 95% de concentração do princípio ativo.

O Delegado da Polícia Federal de Foz do Iguaçu, Hilbert Etges, que atuou recentemente na Operação Ruta Negra – decorrente de investigação de uma organização criminosa responsável pela importação, comercialização e transporte criminosos de defensivos agrícolas ilegais com atuação no Oeste do Paraná – comentou sobre a extensão do crime: “Verificamos nos últimos anos que além dos estados do Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, há um escoamento até para a região do Amazonas”. De acordo com o Estudo, os estados de Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, São Paulo, Paraná, Mato Grosso e Rio Grande do Sul lideram o ranking de apreensões. “Os principais crimes identificados neste mercado ilegal são contrabando, falsificação, importação fraudulenta, desvio da finalidade de uso e roubo. Infelizmente, há uma demanda que gera toda essa logística”, argumentou o Chefe de fiscalização de insumos e sanidade vegetal (SISV/SFA-PR), Marcelo Bressan.

O Presidente da CropLife Brasil, Christian Lohbauer, falou sobre a dimensão de prejuízos que este ilícito causa ao setor. “A Croplife representa 48 empresas associadas que atuam com a defesa vegetal e trabalhamos com esse tema que é de interesse nacional. É um mercado que gera emprego, renda, pesquisa e inovação e temos um problema grave que é a contravenção, que no nosso setor já ultrapassa 20%. Ademais dos crimes já citados, temos também alteração de embalagens, gráficas clandestinas, uma série de crimes que são muito caros para a indústria e para a agricultura brasileira”. Além da atuação das quadrilhas organizadas, a logística de distribuição destes produtos já passou até pelos chamados comércios eletrônicos, cujos sites vendiam os produtos. Alexandre Gaio, Promotor de Justiça do estado do Paraná, comentou sobre os termos de ajuste de conduta que foram emitidos às empresas de e-commerce e o compromisso firmado junto ao Ministério Público do Paraná, após uma investigação apontar que defensivos foram comercializados pelas plataformas, o que é proibido por lei. Braulio do Carmo Vieira de Melo, Secretário adjunto da Secretaria de Operações Integradas do Ministério da Justiça (SEOPI/MJ), destacou o trabalho que vem sendo realizado pelo Ministério da Justiça com a atuação de plataformas tecnológicas, o que tem gerado ainda mais efetividade nos cumprimentos de mandados de prisão.

Trabalho integrado e debate internacional

Como exemplo de trabalho conjunto na repressão a crimes, no evento foi abordado o Comando Tripartite, organização formal de cooperação policial internacional atuante desde 1996, que congrega instituições policiais e de inteligência de Argentina, Brasil e Paraguai.

Ariel Gonzalez, um dos representantes do Comando na Argentina, apresentou as ações e operações de combate ao crime organizado junto a Fernando Ruiz Diaz, da Polícia Nacional do Paraguai. Diaz falou sobre a função da Polícia Nacional no combate ao contrabando de agroquímicos e citou que já foi detectado o ingresso do benzoato de emamectina até em voos comerciais, tendo em vista seu alto valor agregado. “Quem usa esse produto com tais taxas de concentração não tem noção das consequências que ele pode trazer ao solo, às plantas e às pessoas”. Durante os debates, o Delegado da Polícia Federal em Foz do Iguaçu, Fabiano Bordignon, sugeriu a criação de uma câmara temática sobre os crimes relacionados aos insumos agrícolas no âmbito do Comando Tripartite. Fabio Tamura, Delegado Chefe da Polícia Federal em Foz do Iguaçu, destacou a importância de tal tema ser debatido por diferentes forças de fiscalização. Luciano Stremel Barros finaliza: “Queremos despertar a atenção do poder público para uma realidade de alcance crescente e preocupante como a utilização de produtos ilegais e sem critérios nas lavouras brasileiras, um crime que traz prejuízos em todos os âmbitos e para toda a sociedade brasileira”.

Destaques, Foz do Iguaçu, Meio Ambiente,

Tempestade de sábado provocou estragos em Foz do Iguaçu, Londrina, Cascavel e outras cidades do Paraná

Vendavais e granizo deixam danos neste sábado em diversos municípios do Paraná e temporais avançam para o Mato Grosso do Sul e São Paulo

Tempestades provocam estragos em diversas regiões do Paraná neste sábado (23) e os temporais seguem nesta noite em vários pontos do território paranaense. O tempo severo começou pelo Oeste paranaense com um sistema convectivo de mesoescala (aglomerado de tempestades) e avançou para as demais regiões.

Um forte temporal atingiu a cidade de Cascavel, no oeste do Paraná, e deixou muitos estragos. A chuva caiu intensamente na tarde de hoje e veio acompanhada de ventos de 98,8 km/h, destacou o MetSul Meteorologia. Nas redes sociais, vídeos impressionantes mostram o avanço da tempestade na região.

“Cascavel hoje parecia aqueles filmes de catástrofe global, raio e árvores caindo, semáforos sem energia e chuva de granizo”, comentou um usuário na rede social Twitter. Houve falta de luz no centro do município e a prefeitura foi acionada para atender diversas ocorrências como quedas de árvores que danificaram carros e atingiram fios de energia.

Uma delas desabou no zoológico da cidade, que ficará fechado para limpeza neste fim de semana. Chuvas e fortes ventos registrados neste sábado em Foz do Iguaçu derrubaram árvores e destruíram o telhado do prédio administrativo da Universidade Estadual do Oeste do estado (Unioeste). Houve ainda queda de postes no município.

Veja vídeos e leia mais sobre a tempestade no MetSul

Destaques, Foz do Iguaçu, Meio Ambiente, Paraná,

Previsão é de tempestades no Paraná no sábado (23). Em Foz do Iguaçu a temperatura fica entre 17ºC a 22ºC

Final de semana será de tempo instável, com altas temperaturas e tempestade no sábado. No domingo, a previsão é de avanço de uma frente fria e tempo nublado

O final de semana será de temperatura instável no Paraná. No sábado (23), são esperadas temperaturas altas acompanhadas de chuvas fortes com características de tempestades.

Já o domingo (24), adianta o G1 PR, deve ser nublado em grande parte do estado após a queda de temperatura. Em Foz do Iguaçu, a temperatura fica entre 17ºC a 22ºC.

Previsão
No sábado, as regiões oeste e sudoeste do estado são as primeiras a receber as fortes chuvas. Isso porque a umidade vinda da Amazônia é reforçada pela baixa pressão formada no Paraguai. A chuva avança pelo Paraná durante o dia.

Antes da chuva, as temperaturas devem ser altas, chegando a 27º na região leste, e 26º em Curitiba e no litoral. O calor antes da tempestade faz com que a sensação de abafamento seja ainda maior.

Veja como será a temperatura em sua cidade no G1 PR

Foz do Iguaçu, Meio Ambiente, Saúde,

Secretaria de Meio Ambiente de Foz terá programação da Semana Lixo Zero 2021

Evento é idealizado pelo Instituto Lixo Zero Brasil e promovido simultaneamente em várias cidades brasileiras entre os dias 22 e 31 de outubro

A Secretaria de Meio Ambiente de Foz do Iguaçu vai promover duas oficinas de Educação Ambiental – uma sobre os 5 R’s da sustentabilidade e outra sobre composteiras domésticas, para o reaproveitamento dos resíduos – como parte da programação da Semana Lixo Zero 2021.

O evento acontece entre os dias 22 e 31 de outubro em várias cidades do Brasil, organizado por embaixadores e voluntários locais em parceria com o Instituto Lixo Zero Brasil (ILZB), idealizador da iniciativa.

Este ano, as ações têm como tema “Dignidade”, com o objetivo de reforçar a importância de sermos dignos com nossos resíduos, comunidade e meio ambiente. A Prefeitura de Foz, por meio da Secretaria de Meio Ambiente, como uma das parceiras do Instituto, vai ofertar duas oficinas de Educação Ambiental na modalidade presencial e também vai fazer postagens diárias de sensibilização sobre a gestão adequada de resíduos nas redes sociais.

Sobre as oficinas

25/10 (segunda-feira), das 8h às 12h – Oficina Mandando Bem – instrumento pedagógico elaborado pela equipe de educação ambiental da Secretaria de Meio Ambiente, cuja metodologia contribui com a política dos 5 R’s da Sustentabilidade, trazendo a reflexão quanto ao comportamento diante do consumo e consumismo, bem como sobre a destinação final dos resíduos gerados. Os 5 R´s consistem em: Repensar, Recusar, Reduzir, Reutilizar e Reciclar.

O público da oficina serão 26 bolsistas do Programa Patronato Penitenciário de Foz do Iguaçu. A atividade também integra o Programa Municipal de Educação Ambiental na Administração Pública, tendo como temática a destinação correta dos resíduos em prédios públicos, nas residências e espaços coletivos.

27/10, das 8h30 às 12h – Oficina Composteira Doméstica – tem como objetivo provocar a reflexão sobre as relações de consumo e consumismo, bem como promover o reaproveitamento dos resíduos orgânicos produzidos nas residências ao transformá-los em composto orgânico.

A oficina será conduzida pelo engenheiro agrônomo Edimar Silveira da Silva e terá conteúdos teóricos e práticos.

Os participantes terão a oportunidade de montar uma composteira doméstica com a reutilização de baldes com tampa. A oficina é ofertada para a comunidade em geral e a inscrição pode ser feita pelo link: https://forms.gle/Zm2Rn36bKWBfGdfd6.

Observação: o total de vagas para a oficina é de 25 participantes.

Local das oficinas presenciais

Centro de Educação Ambiental do Iguaçu – CEAI

Endereço: Avenida República Argentina 531, anexo ao Bosque Guarani (Portão em frente ao Colégio Adventista

Data e horário: 25/10 – Oficina Mandando Bem, das 8h às 12h

Data e horário: 27/10 – Oficina Composteira Doméstica, das 8h30min às 12h

Destaques, Foz do Iguaçu, Meio Ambiente, Paraná,

Semana Lixo Zero inspira bons hábitos de consumo em Foz do Iguaçu

Ação busca mobilizar a sociedade sobre o descarte correto de resíduos sólidos; evento acontece de forma simultânea em diversos municípios do país.

Bruno Soares

Foz do Iguaçu sediará entre os dias 22 e 31 de outubro a edição local da Semana Lixo Zero (SLZ) 2021. Promovida de forma simultânea em diversos municípios do país pelo Instituto Lixo Zero Brasil, o evento busca promover o debate público sobre a importância da responsabilidade social na gestão de resíduos sólidos. Neste ano, as ações têm como tema “Dignidade”, com foco sobre a importância de sermos dignos para com os nossos resíduos, comunidade e meio ambiente.

“Nossa missão é incentivar e coordenar organizações e indivíduos sobre gestão adequada, promover o conceito e os princípios de Lixo Zero, bem como capacitar profissionais e certificar o cumprimento da Meta Lixo Zero por empresas, instituições e comunidades”, explica a embaixadora da ação em Foz do Iguaçu, Fátima Langbeck.

Resultado de semanas de trabalho preparatório para reunir interessados em compor a programação SLZ-Foz, a ação local contará com atividades presenciais, virtuais e híbridas com foco em experiências sustentáveis que impactam diretamente a rotina da cidade e região. “Tivemos um período de preparação da SLZ-Foz para cadastrar atividades de atores locais. Posso garantir que teremos ótimos momentos para aprendermos mais sobre as boas práticas Lixo Zero, como aplicá-las no dia a dia e nos inspirar a repensar nossos hábitos de consumo”, garante a embaixadora militante da causa ambiental.

De acordo com a coordenação nacional da Semana Lixo Zero, a edição deste ano tem como foco o tema “Dignidade”. “Quando somos capazes de enxergar valor em nossos resíduos, entendemos que repensar o consumo, destinar corretamente os resíduos, separando e limpando, se torna uma forma de tratá-los com dignidade, uma vez que gera oportunidades para a sociedade, um ambiente livre de resíduos, e, ainda, renda para estimular esse tipo de atividade”, informa o Instituto.

Para a engenheira ambiental Carolina Cirilo, uma das voluntárias que participam da SLZ-Foz, o evento é importante para pautar a sociedade sobre a importância do consumo consciente e a preservação dos recursos naturais. “Nunca se discutiu tanto sobre meio ambiente e precisamos fazer a nossa parte para contribuir de alguma forma. A Semana Lixo Zero vem para reunir pessoas interessadas em defender esta causa que é de todos nós. Serão inúmeras atividades para promovermos mais consciência e educação sobre o descarte correto do lixo que produzimos”, pontua.

Dentre os participantes da SLZ-Foz, a abertura terá a participação do deputado estadual Goura, autor da Lei que instituiu a “Semana Estadual do Lixo Zero no Paraná”. A norma disciplina em âmbito estadual o que preconiza a Agenda 2030 e os 17 Objetivos do Desenvolvimento Sustentável da Organização das Nações Unidas (ONU), bem como a Política Nacional do Meio Ambiente (Lei 6.938/81), a Política Nacional dos Resíduos Sólidos (Lei 12.305/2010) e o Estatuto da Cidade (Lei 10.257/2001).

“Estamos em diálogo com a classe política de Foz do Iguaçu para aprovarmos a Semana Municipal Lixo Zero em Foz do Iguaçu. Temos o meio ambiente como o maior patrimônio de nossa cidade, nada mais justo que regularizamos isso por meio de uma legislação que já tem respaldo no Paraná e em diversos outros estados do país”, completa Langbeck.

Além de Foz do Iguaçu, as cidades de Morretes, Maringá, Curitiba, Guaraqueçaba, Matinhos, Paranaguá, Guaraqueçaba – Ilha de Superagui, Piraquara, Santa Terezinha de Itaipu, Guaratuba, Pontal do Paraná, São José dos Pinhais, Londrina, Ilha do Mel, são algumas das que confirmaram sua participação na Semana Lixo Zero 2021. A meta nacional é que 250 cidades brasileiras façam parte da mobilização no período de 22 a 31 de outubro.

Confira a programação da Semana Lixo Zero Foz do Iguaçu

22.10 – Abertura da Semana Lixo Zero 2021

LIVE DE ABERTURA (youtube)
Marcelo Penayo, membro do Conselho Municipal do Meio Ambiente de Foz do Iguaçu
Representantes da Associação de Catadores de Materiais Recicláveis
Deputado Goura, autor da Lei que instituiu a Semana Lixo Zero no Paraná

Local: Canal do Youtube Coletivo Lixo Zero Foz do Iguaçu

Horário: 19hs

23.10.2021 – SÁBADO

Boletim ILZB – Semana Lixo Zero’ 2021
Local:Canal youtube ILZB https://www.youtube.com/channel/UCMyxs__fBLZJdRoOG8aFP3A
Horário: 8hs
24.10.2021 – DOMINGO
Plogging na Cachoeira

Local: Caldo de Cana entrada do Carimã

Horário: 14hs

25.10.2021 – SEGUNDA-FEIRA

Oficina Arte Sustentável
Secretaria Municipal do Meio Ambiente
Local: Centro de Educação Ambiental do Iguaçu; Avenida República Argentina, 531, centro
Horário: 8h30min às 12h

26.10.2021 – TERÇA-FEIRA

Oficina Mandando Bem
Atividade sobre os 5Rs e descarte correto dos resíduos
Secretaria Municipal do Meio Ambiente
Local: Centro de Educação Ambiental do Iguaçu; Avenida República Argentina, 531 , centro
Horário: 8h30min às 12h

27.10.2021 – QUARTA-FEIRA

Oficina de Composteira
Secretaria Municipal do Meio Ambiente
Local: Centro de Educação Ambiental do Iguaçu; Avenida República Argentina, 531, centro
Horário: 8h30min às 12h

Live Certificação Hotéis Lixo Zero
Local: Plataforma Zoom
Horário:16 horas
Link inscrição: inscrições pelo Whatsapp 12 98268-5325 – Samuel Costa

Live “Consumo Consciente e Moda Sustentável”
Erica Valiatti e Ana Caroline Cirilo.
Local: No instagram @fozlixozero
Horário: 19hs

28.10.2021 – QUINTA-FEIRA

LIVE #falaçãosustentável – ACIFI N Sustentabilidade
Local: Facebook @nucleodesustentabilidadeacifi
Horário: 16hs

Semana Basura Cero LATAM

En la mesa Educación y Conciencia que coordina Renata.
Horário: 17 até 18:30hs

29.10.2021 – SEXTA-FEIRA

Paraguay

Foro Iniciativas Sustentable de la Region.
Local: Centro de Recepciones de Itaipu – Hernandarias– Paraguay
Horário:07:45- 16hs

Santa Terezinha de Itaipu

Conscientização Ambiental: Disseminação de ideias e ações

Apresentação teórica e interativa de Estudo de Caso com a temática: O Trabalho Feminino na Associação de Catadores e Recicladores de Resíduos Sólidos do Município- Acaresti. Publico: Alunos do 3 Ano do Ensino Médio e Professores.
Local: Colégio Estadual Arcangelo Nandi,Rua Rio de Janeiro, 1355, Bairro Parque dos Estados, Santa Terezinha de Itaipu
Horário: 08 hs
Resp: Márcia Leal 45 999832275 https://www.instagram.com/marcia_lleal/

UniAmerica: A Semana Lixo Zero’ 2021 Convida você a tratar os RESÍDUOS com DIGNIDADE.
Carol Cirilo – João Barros – Fátima Langbeck
Local: UniAmérica Boulevard
Horário: 19 às 20:30 h

30.10.2021 – SÁBADO

Santa Terezinha de Itaipu às 8h

Lixo Zero na rodovia do Terminal turístico da Alvorada
Interact Club de Santa Terezinha de Itaipu – Haverá uma coleta de lixo por toda a extensão da rodovia do Terminal Turístico da Alvorada.
responsável: Oto Henrique da Silva Davies 45 991325739

Destaques, Foz do Iguaçu, Itaipu Binacional, Meio Ambiente,

Pytu, onça pintada que nasceu no Refúgio Bela Vista de Itaipu, morre em zoológico de Belo Horizonte

A onça pintada Pytu, que nasceu em 2019 no Refúgio Bela Vista de Itaipu, em Foz do Iguaçu, morreu na manhã desta terça-feira (19), no Zoológico de Belo Horizonte (MG).

A morte de Pytu foi confirmada pela Fundação de Parques Municipais e Zoobotânica (FPMZB), mas ainda não teve a causa identificada, segundo reportagem do Estado de Minas Gerais.

LEIA TAMBÉM
Itaipu apresenta filhotes de onça-pintada
Oncinhas serão batizadas por alunos da Vila C

Pytu e a irmã Poty são filhos do casal Nena e Valente e encantaram a população de Foz do Iguaçu e região. Os nomes de ambas foram definidos por alunos e professores que fizeram visitas pedagógicas ao Refúgio e votaram nas opções (AQUI para relembrar).

De acordo com a reportagem, Pytu amanheceu morto. Quando chegou ao zoológico, o animal passou por uma quarentena, com todo o procedimento com tranquilidade, segundo o zoológico.

“A FPMZB lamenta profundamente essa perda, pois Pytu representava um esforço permanente da Fundação e de muitos parceiros em garantir, com as melhores práticas de bem-estar e manejo, a conservação de espécies brasileiras ameaçadas de extinção” lamentou a fundação.

De acordo com o comunicado, a equipe está focada na investigação das possíveis causas.

Economia, Meio Ambiente, Paraná, Saúde,

Estudo sobre o mercado ilegal de agroquímicos mostra que as apreensões vem crescendo no Brasil

Tema será debatido em evento que acontecerá no dia 26 de outubro

Por meio de transmissão via canal do Youtube do IDESF, será possível acompanhar o lançamento do estudo “O mercado ilegal de defensivos agrícolas no Brasil”, edição Foz do Iguaçu, no dia 26 de outubro, das 9h às 12h.

No lançamento, além da apresentação dos dados relativos ao estudo, será promovido um debate entre especialistas sobre este mercado de ilícitos.

A pauta relacionada ao contrabando de agroquímicos ganha ainda mais relevância na região Oeste do Paraná, principalmente por dois motivos: Ciudad del Este (Paraguai), vizinha a Foz do Iguaçu, é a principal cidade onde se concentram as empresas vendedoras deste produto. Além disso, o “mapa” das estradas mais utilizadas do contrabando de agroquímicos passa pelas BR-277 e BR-163.

A região de Cascavel, por exemplo, é cortada pelas duas rotas e o estudo mostra que é neste ponto onde ocorre a distribuição dos produtos ilegais para todo o país. Luciano Stremel Barros, Presidente do Instituto de Desenvolvimento Econômico e Social de Fronteiras (IDESF) e um dos idealizadores do Estudo, destaca que um dos fatores que contribui para o contrabando desses produtos é a assimetria de legislações entre o Brasil, o Paraguai e os demais países do Mercosul.

“Faltam acordos entre o Brasil e os seus vizinhos para criar regras semelhantes para o uso de agroquímicos no campo. Poderíamos, por exemplo, ter laboratórios nesses países do Mercosul para que, em conjunto, pudéssemos analisar e entender o que é necessário para as lavouras e, assim, utilizarem produtos em comum acordo”.

Entre os agroquímicos que fariam parte deste debate a nível de Mercosul está o benzoato de emamectina, um dos inseticidas mais contrabandeados e com rigorosas restrições no Brasil, cujo percentual máximo de uso liberado pelas normas sanitárias vigentes, é de 5%. Já nos registros de importação de benzoato de emamectina do Paraguai, constam cargas do produto que desembarcaram no país em uma diversidade de concentração que varia entre 30%, 40%, 70%, 90% e até 95% de concentração do princípio ativo.

O Paraná é o 4° estado com maior índice de contrabando de agrotóxicos.

Os dados de apreensões de agroquímicos são crescentes. Só a Polícia Rodoviária Federal apreendeu, em 2020, mais de 70 toneladas de agroquímicos nas rodovias (em 2019, foram pouco mais de 61 toneladas). Das apreensões realizadas pela Receita Federal, no Brasil, de 2016 até hoje já foram mais de R$ 33 milhões em agroquímicos apreendidos. Só em uma operação realizada pela Polícia Federal, nomeada “Ruta Negra”, ocorrida no final de agosto, foi desarticulada uma organização criminosa especializada na importação, comercialização e transporte de defensivos agrícolas ilegais. A importação ocorria por meio do lago de Itaipu.

Luciano complementa: “É um problema grave não somente por toda a cadeia de crimes que ele gera, mas também porque os agroquímicos contrabandeados que vão para as lavouras vão originar produtos em que não temos a menor ideia do que estamos consumindo”.

Destaques, Foz do Iguaçu, Itaipu Binacional, Meio Ambiente, Paraná,

Em carta à Eletrobras, Itaipu reafirma compromisso de redução de gases do efeito estufa

Documento assinado pela margem brasileira da binacional traz metas para o período 2021-2025 em indicadores como consumo de combustível fóssil e de energia elétrica

A Itaipu Binacional, margem brasileira, reafirmou seu compromisso com a redução de emissões de gases de efeito estufa (GEEs) no período 2021-2025, junto à Eletrobras. O pacto foi ratificado por meio de carta enviada, na última quinta-feira (14), pelo diretor-geral brasileiro da usina, general João Francisco Ferreira, ao presidente da holding, Rodrigo Limp Nascimento.

O documento se baseia em três indicadores seguidos pelo GHG Protocol Brasil, programa que tem o objetivo de estimular as empresas a medirem e reduzirem as emissões dos gases do efeito estufa em suas atividades. São eles: consumo de combustível fóssil pelas frotas de veículos das empresas, consumo de energia elétrica e o uso de aviões de linha para o transporte dos empregados.

A empresa já havia se comprometido a reduzir as emissões de gases do efeito estufa no ciclo 2016-2020, período em que superou várias das metas. Em 2018, por exemplo, houve a redução em 43% do consumo de energia elétrica (a meta era -1,5%) e a diminuição em 50% do consumo de combustível fóssil (a meta era -1,5%). Por isso, a empresa manteve os índices de 2016-2020 para o novo período de 2021-2025.

Empresa está dando preferência a reuniões virtuais, evitando a necessidade de viagens aéreas. Foto: Sara Cheida/Itaipu Binacional.

“Tanto o Plano Estratégico quanto a Política de Sustentabilidade, os quais norteiam em grande medida as ações desenvolvidas pela Itaipu, seguem em consonância com os compromissos estabelecidos pela holding Eletrobras”, afirmou o diretor-geral brasileiro na carta. “A Missão e a Visão da Itaipu também permanecem focadas no comprometimento assumido com a responsabilidade social e ambiental e com a busca pelas melhores práticas de sustentabilidade disponíveis no mundo”, completou.

As metas

As metas estabelecidas para o indicador “Consumo de combustível de origem fóssil em veículos da própria frota (litros)” foram a redução de 0,5% para 2021; 1% para 2022; 1,5% em 2023; 2% em 2024 e 2,5% em 2025. O indicador “Consumo de energia elétrica do Sistema Interligado Nacional” segue os mesmos percentuais.

Em relação ao indicador “Distância percorrida em voos no deslocamento de empregados e convidados em aviões de linha”, as metas estabelecidas são de reduzir em 0,2% em 2021; 0,4% em 2022; 0,6% em 2023; 0,8% em 2024, chegando à redução em 1%, em 2025. Como referência, a empresa vai usar os valores médios observados entre 2015 e 2019 (o ano 2020 foi excluído devido à retração da economia provocada pela pandemia da covid-19).

Acordo de Paris

Assinado por 170 países, durante a Conferência das Partes (COP 21), em 2015, o Acordo de Paris traz metas voluntárias de redução nas emissões dos GEE. O Brasil pretende reduzir as emissões em 37% até 2025 e em 43% até 2030. Para isso, estabeleceu uma série de ações em relação às energias renováveis, à preservação de florestas e à redução de emissões na indústria e na agropecuária.

A Itaipu Binacional tem feito a sua parte. A usina é considerada referência no setor energético mundial por suas contribuições ao enfrentamento das mudanças climáticas, gerando energia limpa e renovável (mais de 100 milhões de MWh em 2016), além de conservar mais de 100 mil hectares de florestas no entorno e manter ações voltadas à sustentabilidade do território. Confira alguns compromissos expressos no Acordo de Paris atendidos por Itaipu:

• Produção de energia limpa e renovável (para a produzir a mesma quantidade de energia gerada em 2016, seriam necessários 500 mil barris de petróleo por dia, cerca de um quinto da produção brasileira).

• Manutenção de mais de 100 mil hectares de áreas verdes que sequestram aproximadamente 5 milhões de toneladas de CO2 equivalente/ano.

• Recuperação de microbacias hidrográficas. São 217 microbacias atendidas, com 22 mil hectares de terraceamento e conservação de solos e 1.400 km lineares de matas ciliares recuperadas e protegidas.

• Redução das emissões da agricultura com a promoção de práticas sustentáveis, como a agroecologia e o plantio direto, que reduz emissões da agricultura.

• Incentivo ao aproveitamento de dejetos da pecuária (metano) para a produção de energia térmica, elétrica e veicular (biogás).

• Realização de diversas ações de educação ambiental nas comunidades do entorno.

• Promoção do cultivo de plantas medicinais, atividade econômica que preserva a biodiversidade da região.

• Emprego de 100 veículos elétricos em sua frota. Nos últimos 10 anos, eles rodaram 836 mil km e evitaram a emissão de 87 ton de CO2.

Destaques, Foz do Iguaçu, Itaipu Binacional, Meio Ambiente,

Projeto Maestro da Bola, patrocinado pela Itaipu, vai atender 300 crianças em vulnerabilidade social

Anúncio foi feito pelo ex-jogador da Seleção Brasileira e patrono do projeto, Ricardinho Pozzi, em uma solenidade no Cineteatro dos Barrageiros, na usina hidrelétrica

O projeto “Maestro da Bola”, mantido pela Itaipu Binacional em parceria com a Associação Maestro Esporte Clube, vai ampliar o atendimento de 60 para 300 crianças, em Foz do Iguaçu. O anúncio foi feito pelo ex-jogador da Seleção Brasileira e patrono do projeto, Ricardinho Pozzi, em uma solenidade na manhã desta terça-feira (19), no Cineteatro dos Barrageiros, na usina hidrelétrica.

O convênio entre Itaipu e a Associação foi estabelecido em 2018, em Curitiba, e, no ano passado, foi estendido para Foz do Iguaçu, com 60 alunos no Centro de Ação Integral do Adolescente (Caia), no Porto Meira. Agora, outros quatro núcleos vão receber o projeto: o Centro de Atenção Integral do Adolescente no Jardim Canadá, o Conselho Comunitário da Vila C, o Projeto Maradona (no Portal da Foz) e o Projeto Chute para o Futuro (no Jardim Porto Belo).

“A Itaipu tem um papel muito importante na inclusão social da comunidade. Sem apoio de empresas como a Itaipu, seria mais difícil atender as crianças. Por isso, agradecemos a parceria; com ela, podemos ampliar o projeto para atender mais pessoas”, afirmou Ricardinho. Segundo ele, a intenção é levar o projeto também para outros municípios da região.

A solenidade de ampliação do projeto contou com a presença de representantes da Itaipu, do Maestro da Bola e da prefeitura de Foz do Iguaçu, além de integrantes e coordenadores dos vários projetos esportivos patrocinados pela Itaipu. No total, Itaipu tem parceria com 14 projetos sociais que contemplam cerca de 4,5 mil crianças, jovens e adultos com ações voltadas ao esporte, educação, cultura, lazer, formação profissional e encaminhamento ao mercado de trabalho, acompanhamento social, orientação psicológica, atendimento ao idoso e pessoas em drogadição.

“Parabéns a cada um de vocês, crianças, que estão aqui e fizeram a escolha pelo esporte, a escolha por seguir uma vida diferente. A Itaipu vai sempre apoiar atitudes como essa, mas o sucesso depende, principalmente, do engajamento de cada um dos participantes”, disse a diretora jurídica da Itaipu, Mariana Thiele.

Para o secretário municipal de Assistência Social, Elias de Souza Oliveira, os jovens talvez não tenham noção da importância de participar de projetos sociais como o Maestro da Bola, mas o poder público reconhece o objetivo dessas iniciativas. “Cada hora que esses meninos e essas meninas estão conosco é uma hora que nós ganhamos da vida deles, que poderia estar sendo usada em outras possibilidades e levar esses jovens a outros caminhos”, disse.

Maestro da Bola

Ricardinho explica que a ideia do projeto nasceu quando ele foi convidado para visitar escolinhas de futebol particulares e públicas, em Curitiba. “Eu percebi a diferença entre a estrutura das escolinhas financiadas pelos pais dos alunos e aquelas que não tinham esse recurso. Nestas, as crianças não tinham condições de praticar o esporte ou de ter continuidade na escola”, resumiu.

Segundo ele, o Maestro da Bola tem o objetivo de desenvolver os jovens no esporte, mas também de formar cidadãos. “Quero retribuir com o futebol tudo aquilo que o futebol me deu. Sei que teremos alguns jogadores profissionais saindo do projeto, mas o objetivo da inclusão é que vamos ter bons médicos, bons advogados, bons enfermeiros, pessoas boas sendo formadas por meio do esporte”, concluiu.

Meio Ambiente, Paraná, Política,

Audiência Pública vai debater o risco de apagão e a privatização da Eletrobrás

Reunião está sendo organizada pelo Senge, Fórum em Defesa da Copel e pelos deputados Goura e Requião Filho

A privatização da Eletrobrás, a crise hídrica e o risco de apagão no Paraná e no Brasil serão temas de uma audiência pública na Assembleia Legislativa do Paraná, na próxima segunda-feira, dia 25 de outubro, às 10h. A reunião será realizada de forma virtual, e com transmissão pela TV Assembleia e Redes Social da Alep.

O objetivo é debater a crise hídrica e energética no país, o risco de apagão e os custos do aumento de energia produzido pelas termelétricas. Discutir a infraestrutura brasileira, o papel da União e estados, empresas e a falta de investimentos no Setor. A audiência foi proposta pelo Senge Paraná, o Fórum em Defesa da Copel e os mandatos dos deputados estaduais Goura Nataraj e Requião Filho.

“Caso nada seja feito, o setor de energia será novamente um gargalo ao crescimento econômico no início da próxima década. Crescendo de 3% a 4% ao ano, chegaremos em 2021-22 altamente dependentes da geração termelétrica a óleo e carvão, elevando preços e ocorrências de blecautes (apagões)”.

Este texto consta do Plano de Governo do presidente Jair Bolsonaro, em 2018. Três anos depois, especialistas não se perguntam se vai ter apagão no país, mas quando e com qual intensidade? Também perguntam qual é o custo e como o Brasil vai pagar essa conta. As respostas ou suspeitas serão debatidas na audiência pública.

As informações são de Requião Filho