Browsing Category

Meio Ambiente

Leia as últimas notícias sobre Meio Ambiente no CabezaNews, site de informação com reportagens exclusivas, fotos, vídeos e conteúdos sobre Foz do Iguaçu e sobre o Paraná.

O CabezaNews leva ao público notícias de utilidade pública, curiosidades, turismo, lazer, cultura. Sobretudo com um olhar voltado para a região da tríplice fronteira entre Brasil, Paraguai e Argentina.

Em Foz, nossa cobertura foca os principais acontecimentos da cidade, incluindo eleições 2020, o avanço da pandemia do novo coronavírus, as ações da Itaipu Binacional, bem como a administração do prefeito Chico Brasileiro.

O site não deixa de lado o que acontece no restante do estado do Paraná. Notas exclusivas dos bastidores da política, da Assembleia Legislativa, ações do governo do Paraná e da administração Ratinho Júnior. Assim como as principais notícias nacionais.

O CabezaNews é editado por Ronildo Pimentel, jornalista com mais de 30 anos de atuação em jornalismo impresso e digital.

Destaques, Foz do Iguaçu, Meio Ambiente,

Onda de calor extremo até quarta (26) em Foz do Iguaçu, diz meteorologia

A onda de calor extremo que atinge Foz do Iguaçu Oeste e Sudoeste do Paraná deve seguir até a próxima quarta-feira (26). De acordo com o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), a partir desta data deve chegar uma frente fria à região.

As altas temperaturas marcaram o último final de semana na região da Tríplice Fronteira entre Brasil, Paraguai e Argentina, com os termômetros marcando 40°C ew sensação térmica perto dos 50°C.

O Inmet emitiu um comunicado de alerta de tempestade em diversas regiões dos três estados do sul, incluindo o oeste paranaense. “Chuva entre 20 e 30 mm/h ou até 50 mm/dia, ventos intensos (40-60 km/h), e queda de granizo“.

Destaques, Economia, Meio Ambiente, Paraná,

Fatores climáticos e econômicos prejudicam produtores de mandioca no Paraná

Estiagem e alta no preço de insumos preocupam produtores da raiz, e produção menor do que o esperado pode ser consequência. A produção de mandioca no Paraná em 2022 está prejudicada pela seca e pela alta no preço de insumos.

De acordo com produtores, esses fatores podem causar redução na área de plantio e na quantidade produzida da raiz. Além de fatores climáticos, os econômicos também preocupam os produtores.

Os insumos estão mais caros, pois o preço varia de acordo com o dólar, que está em alta em relação ao real. Na produção de mandioca, a mão de obra é manual, o que também eleva o custo. Apesar do aumento nas despesas, o preço médio pago pela tonelada da mandioca teve alta de 52% no último ano, de R$ 416 para R$ 633.

Continue lendo em G1 Globo

Geral, Meio Ambiente, Paraná,

Sanepar Startups: conheça as 15 empresas selecionadas para a primeira fase do programa que busca solucionar desafios do setor de saneamento

O programa Sanepar Startups recebeu 87 propostas de soluções inovadoras e sustentáveis após o lançamento do primeiro edital. Desse total, com base no edital do programa, foram selecionadas 15 empresas que apresentaram projetos referentes a 12 desafios do setor de água e saneamento ambiental, distribuídos em quatro temas. Este edital irá destinar R$ 750 mil para os projetos a serem desenvolvidos., mas o programa prevê investimentos totais que chegam a R$ 1,5 milhão da Sanepar.

O programa é desenvolvido pela Companhia de Saneamento do Paraná (Sanepar), em parceria com o Parque Tecnológico Itaipu Brasil (PTI-BR), a Finep – Inovação e Pesquisa, empresa do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI), o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e o Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Paraná (Sebrae/PR).

Para o gerente de pesquisa e inovação da Sanepar, Gustavo Possetti, as propostas estão bem distribuídas entre os quatro temas de desafios, o que representa um potencial de impacto transversal e sistêmico no setor. “Das propostas, 76 são das regiões Sul e Sudeste do país, sendo 20% do Paraná e 43% do estado de São Paulo”, destaca Possetti. Segundo ele, todas as demais regiões do país também participaram do edital.

De acordo com o diretor de negócios e inovação do PTI-BR, Rodrigo Regis, o resultado obtido é consequência da excelência das instituições organizadoras do Programa de Inovação Aberta no Setor de Saneamento Ambiental, que mapearam os desafios do setor e trabalharam de forma conjunta. “Foram realizadas dezenas de iniciativas de sensibilização do ecossistema de inovação nacional”, comenta Regis.

As propostas passaram por uma avaliação técnica e as 15 melhores avaliadas foram publicadas na última sexta-feira, 14, no site do Programa: saneparstartups.com.br.

As propostas

As 15 empresas classificadas passarão por uma pré-aceleração composta por seis encontros e ao final terão que apresentar um pitch, que é uma apresentação oral da proposta para a banca avaliadora. A pré-aceleração começa ainda em janeiro e o pitch será no dia 5 de abril. Apenas cinco empresas serão selecionadas para receberem recursos financeiros e outros benefícios da aceleração, tais como qualificação, acesso à infraestrutura e apoio técnico.

Conheça as empresas classificadas na primeira etapa de avaliação do Sanepar Startups: https://www.pti.org.br/sanepar-startups-conheca-as-15-empresas-selecionadas-para-a-primeira-fase-do-programa-que-busca-solucionar-desafios-do-setor-de-saneamento/

Destaques, Economia, Foz do Iguaçu, Meio Ambiente, Paraná,

Soluções para o agro marcam a participação do PTI-BR no AgroInova realizado no Dia de Campo da Copagril

Com a presença de mais de 15 startups, o espaço do AgroInova fomentou negócios, integrou conhecimentos e promoveu novas soluções para o campo.

Após três dias de muita tecnologia e inovação para o agronegócio, foi encerrada, nesta sexta-feira (21), a 1ª edição do AgroInova. A iniciativa, que ocorreu durante o Dia de Campo Copagril, em Marechal Cândido Rondon (PR), contou com um espaço especialmente voltado para apresentar e discutir a inovação aplicada ao dia a dia do produtor rural. 

A parceria entre o Parque Tecnológico Itaipu-Brasil e a Copagril, ofereceu ao público, além da exposição de tecnologias e soluções no estande do AgroInova, palestras, rodadas de negócios e pitchs.Também foi realizado um workshop com o objetivo de compreender as necessidades dos produtores rurais e trazer os desafios da transformação digital.

O produtor rural, Telmo Cassel, participou do workshop e também foi conferir de perto as novidades em tecnologia para o agro. “Nós sabemos que os desafios são grandes daqui para frente e a maneira com que esse trabalho está sendo feito é importante para fomentar e fazer toda essa inovação acontecer”. “Acredito que no futuro essa ação vai trazer muitos benefícios”, complementou.

Soluções para o Agro

No estande do AgroInova foram apresentadas soluções para diferentes tipos de necessidades: GPS agrícola a baixo custo, sistema de cobrança, gerenciamento e monitoramento para piscicultura, captura e contagem de suínos, gestão eficiente de aviários, tecnologia que utiliza iluminação artificial na lavoura.Os Centros de Competência do PTI-BR levaram soluções para o agronegócio em monitoramento climático, projetos em engenharia, empreendedorismo e coleta e análise de dados.

O Centro de Competência em Tecnologias Abertas e IoT do Parque Tecnológico apresentou a estação agroclimática e o sistema de monitoramento ambiental (SIMA). O analista de tecnologia do PTI que representou o centro no evento, Israel Furt, explicou que a tecnologia possibilita a coleta de dados de monitoramento de solo, índice pluviométrico e pressão atmosférica. “Entre os benefícios da estação o baixo custo de produção, a manutenção simplificada e a utilização de uma tecnologia que possui um longo alcance e um baixo custo de energia, fazem com que a aplicação no campo seja muito positiva. A plataforma SIMA recebe e integra os dados das mais de 700 estações espalhadas pelo Paraná, Mato Grosso do Sul e Santa Catarina e auxilia na tomada de decisão pelos agricultores”, afirmou.

Outra tecnologia exposta no estande do AgroInova, foi a Irriluce (irrigando com luz), do Grupo Fienile, integrante do ecossistema de inovação. Segundo o diretor de pesquisa da empresa, Dr. Ernane M. Lemes, a proposta de trabalho com a suplementação luminosa pode ser aplicada em diferentes culturas. “É uma tecnologia que veio para atender as plantas, seja no modelo pivô ou estática, contribuindo com o metabolismo e desenvolvimento das culturas. O projeto garante que a planta tenha condições de se desenvolver, resultando um produção mediante o estímulo que a luz irá trazer. É feito todo um trabalho de solo, rotação de cultura e a garantia ao acesso de nutrientes e água de maneira adequada”, destacou.

Avaliação Positiva

Para o diretor superintendente do PTI-BR, general Eduardo Garrido, todas as nossas expectativas foram superadas. “E o mais importante é que conseguimos atingir o objetivo proposto pelo evento, que foi apresentar aos produtores rurais novidades tecnológicas e soluções para diversos segmentos do agronegócio que visam contribuir com o trabalho o desenvolvimento do setor. Para as startups foi uma oportunidade de fazer conexões e negócios”, ressaltou.

O AgroInova contou também com os parceiros a Prefeitura de Marechal Cândido Rondon, Sicredi Aliança PR/SP, Unioeste, Acimacar e Iguassu-IT.

Brasil, Destaques, Meio Ambiente,

Estados vão avaliar áreas turísticas suscetíveis a desastres Decisão foi tomada após tragédia em Capitólio

Depois do desabamento de uma rocha que matou dez pessoas no Lago Furnas, em Capitólio (MG), ocorrido há uma semana, o Ministério do Turismo determinou que os estados realizem um levantamento dos destinos turísticos do país que apresentam risco de incidentes geológicos. A medida foi acertada durante reunião, por videoconferência, do ministro do Turismo, Gilson Machado, com integrantes Fórum Nacional dos Secretários e Dirigentes Estaduais de Turismo (Fornatur).

Segundo o ministro, o levantamento faz parte de uma série de medidas que estão sendo tomadas pela pasta para dar mais segurança à prática do ecoturismo no Brasil. “Solicitamos ao Fórum Nacional dos Secretários e Dirigentes Estaduais de Turismo que indiquem locais a serem analisados, a fim de possibilitar uma orientação mais efetiva contra perigos que ocorrem em lagos, cavernas, cânions, etc.”, explicou. A ideia é que, após esse levantamento, avaliações geológicas sejam feitas nas áreas para estabelecer novos parâmetros de prevenção.

Dias após o acidente em Capitólio, houve um deslizamento nas falésias da Praia de Pipa, Tibau do Sul (RN), durante uma madrugada chuvosa, sem vítimas. Pouco mais de um ano antes, em outubro de 2020, um desmoronamento no mesmo local matou três pessoas da mesma família. Em outubro do ano passado, o desabamento de uma gruta em Altinópolis, interior de São Paulo, deixou nove mortos. O grupo era formado por bombeiros que faziam um treinamento de resgate.

Continue lendo em Agência Brasil

Destaques, Foz do Iguaçu, Meio Ambiente, Paraná,

Polícia Ambiental aplicou mais de R$ 60,2 milhões em multas ambientais durante o ano de 2021. Veja o balanço!

Em 2021 o Batalhão de Polícia Ambiental aplicou R$ 60.267.534,00 em autos de infração ambiental, valores recordes em comparação aos outros anos. Ao todo foram 3.489 autos de infração aplicados em todo o Estado do Paraná. Resultado do esforço de todos os policias envolvidos na causa ambiental que lutam por um futuro em que o homem viva em sintonia com a natureza.

Nesse contexto o Batalhão prendeu 1.436 pessoas, as quais cometeram crimes relacionados a desmatamentos, tráfico e caça de animais silvestres e pesca predatória, sendo atendidas 14.319 ocorrências, uma média de 40 por dia. Durante o ano foram realizadas diversas operações, dentre elas a Operação Mata Atlântica em Pé V, cujo objetivo foi fiscalizar grandes desmatamentos constatados por imagens de satélite, sendo que em todo o estado foram autuados 3.928 hectares de desmatamentos, área equivalente a 4.761 campos de futebol.

Nessa mesma linha foram apreendidos 72.854 kg de carvão e 7.503 metros de cúbicos de madeira. Já no combate aos crimes relacionados ao tráfico de animais silvestres o Batalhão resgatou 4.445 aves silvestres, sendo apreendidas 208 armas de fogo, as quais via de regra eram utilizadas para a caça de animais silvestres.

São resultados expressivos para o Batalhão que não mediu esforços para proteger o meio ambiente, contudo, diante do cenário, torna-se evidente que a população pode ajudar no combate aos crimes ambientais denunciando, através do canal 181, e principalmente se conscientizando de seu papel frente a preservação ambiental.

Resultados:

  • 14.319 ocorrências atendidas;
  • 208 armas de fogo apreendidas;
  • 101.431 pessoas abordadas;
  • 1.436 pessoas presas;
  • 3.489 autos de infração confeccionados;
  • 3.928 hectares de desmatamentos autuados;
  • 72.854 kg de carvão apreendidos;
  • 7.503 metros cúbicos de madeira apreendidas;
  • 67.617 metros de rede de pesca apreendidas;
  • 4.445 aves resgatadas de crimes ambientais;
  • R$ 60.267.534,00 de autos de infração aplicados.
Destaques, Foz do Iguaçu, Itaipu Binacional, Meio Ambiente, Paraná,

Pesquisadores da (Unioeste) e (Fundecamp) desenvolvem protótipo de máquina de capina a vapor

Estudo faz parte de convênio firmado entre Itaipu Binacional, Unioeste e Fundação Universitária do Campus de Marechal Cândido Rondon (Fundecamp)

Colaboradores da Itaipu Binacional e pesquisadores da Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste) e da Fundação Universitária do Campus de Marechal Cândido Rondon (Fundecamp) desenvolveram, em conjunto, um protótipo de máquina de capina a vapor para controle de plantas daninhas em lavouras orgânicas. O sistema é composto por caldeira, gerador e aplicadores, que foram fixados em uma carreta e adaptados para uso agrícola.

A iniciativa integra o rol de ações de um convênio assinado em outubro de 2020, envolvendo as três instituições, com vigência até outubro de 2023. Os investimentos totais são de R$ 6,9 milhões, sendo R$ 2,8 milhões de Itaipu. O objetivo é pesquisar tecnologias para produção orgânica (sem o uso de agrotóxicos) e estimular o plantio direto na área de abrangência da binacional.

A máquina de capina a vapor ainda está em fase de ajustes, mas já começou a ser testada em uma área experimental cedida pelo governo do Estado à Unioeste, em Entre Rios do Oeste, para projetos pedagógicos e de pesquisa.

O técnico da Itaipu Ronaldo Pavlak, da Divisão de Ação Ambiental (MAPA.CD), explica que as plantas daninhas nascem de forma espontânea e são um grande desafio para os agricultores orgânicos. Por isso, diferentes estratégias foram estudadas. “A capina, por exemplo, é muito onerosa, revolve o solo (o que não é indicado no plantio direto) e teria de ser trabalhada em áreas pequenas”, diz.

Vapor é capaz de eliminar as plantas daninhas de modo eficiente, com baixo impacto ambiental. Foto: Lucas Mateus Hass/Itaipu.

Outras soluções avaliadas foram descarga elétrica (perigosa e menos eficiente) e fogo (que apresenta risco de incêndio). A utilização da água quente poderia ser uma alternativa, mas a forma de aplicação era um grande desafio operacional. A quantidade de água utilizada por hectares e o cuidado para atingir o alvo (plantas daninhas) e não afetar a vida no solo fizeram surgir a ideia de adaptar o sistema a vapor.

“O vapor não chega a aquecer tanto o solo e, desta forma, consigo fazer o controle. O aplicador é uma campanula (como se fosse uma bacia virada de cabeça para baixo), formando um bolsão de vapor. Conforme o trator com a carreta se desloca, as plantas daninhas morrem”, diz. Segundo ele, o conceito não é novo, já foi estudado por outras instituições, mas essa é a primeira vez que um projeto semelhante sai do papel e é testado no campo.

A intenção é concluir o estudo até outubro de 2023, data limite do convênio. Em seguida, o produto poderá ser patenteado (por Itaipu e Unioeste) e ficar disponível para o mercado. “Nosso objetivo não é gerar lucro, mas contribuir para o desenvolvimento da agricultura sustentável no Brasil”, afirma.

Ainda de acordo com Pavlak, a pesquisa está alinhada à missão de Itaipu, de promover o desenvolvimento sustentável no Brasil e Paraguai, e contribui para a busca de soluções tecnológicas que reforcem a segurança hídrica, reduzindo o assoreamento do reservatório e a contaminação da água.

Convênio amplo

O convênio entre Itaipu, Unioeste e Fundecamp contempla outras ações, como testes com variedades de soja e de banana, mais adaptadas ao sistema orgânico, pesquisas de agentes biológicos para controle de pragas e doenças e técnicas de manejo e fertilidade do solo.

“Essas ações viabilizam a indissociabilidade entre pesquisa, ensino e extensão, proporcionando aos acadêmicos o fortalecimento dos conhecimentos técnicos obtidos na universidade e a agregação de valor para a sociedade”, afirma o professor da Unioeste Emerson Fey, que está à frente do desenvolvimento do protótipo.

As soluções poderão ser divulgadas junto à rede de Assistência Técnica e Extensão Rural (Ater), que é atendida pela binacional e reúne duas mil propriedades em 44 municípios lindeiros ao Lago Itaipu e regiões Oeste do Paraná e Sul do Mato Grosso do Sul.

Foz do Iguaçu, Meio Ambiente, Paraná,

Programa Municipal de Coleta Seletiva de Recicláveis em foz passa por mudanças no atendimento

Com a inclusão de novas cooperativas à iniciativa, desde 27 de dezembro o atendimento aos bairros vem passando por reformulação

A Secretaria Municipal de Meio Ambiente, em conjunto com as cooperativas de catadores contratadas para a operação do Programa de Coleta Seletiva de Recicláveis, disponibilizou um mapa interativo para que moradores façam a consulta das rotas de coleta, em virtude do período de adaptação da iniciativa.

Basta acessar a página da Divisão de Gestão de Resíduos Recicláveis, no site da Prefeitura de Foz do Iguaçu, através do link: https://www5.pmfi.pr.gov.br/publicacao-447, digitar o endereço e clicar no mapa para saber o dia em que passará o caminhão da coleta.

Durante o mês de janeiro, período de adaptação, catadoras e catadores estão sendo assistidos pelos servidores da Secretaria de Meio Ambiente, por isso o mapa poderá passar por alterações. Por ser uma ferramenta interativa, as modificações são dinâmicas. Muito em breve, a população poderá acompanhar a rota dos veículos com acesso ao serviços de GPS, em tempo real.

Sobre o Programa

O programa Municipal de Coleta Seletiva de Recicláveis foi implantado em junho de 2018, inicialmente na região da Vila C. A expansão foi dada de forma gradativa e, em dezembro de 2019, chegou a 100% de atendimento dos domicílios da área urbana residencial. Em fevereiro de 2020, iniciou o atendimento na área rural.

A iniciativa possibilitou que 5.685,83 toneladas de resíduos recicláveis deixassem de ser enviadas ao aterro sanitário, aumentando a vida útil do mesmo. Além de retornar para a cadeia produtiva, tais resíduos promovem geração de renda para as famílias dos catadores integrados ao programa.

Em 2021, com o objetivo de agregar e incluir o maior número de organizações formalmente constituídas por catadores de materiais recicláveis, a Prefeitura publicou chamamento público que previa o credenciamento de cooperativas e/ou associações formadas por catadores, considerando sete lotes, representados pelas Unidades de Valorização de Recicláveis (UVR) aptas para o recebimento e triagem dos resíduos. Cinco cooperativas se inscreveram no processo, das quais quatro são organizações novas.

Cada lote é constituído por uma UVR com os equipamentos para recebimento e triagem dos materiais, um caminhão e uma área geográfica definida para a coleta dos recicláveis, que deve ser atendida com coleta durante a semana.

“Esta nova configuração possibilita importantes avanços ao programa, como a inclusão de novas organizações de catadores, maior proximidade com a população, pois as UVRs tornam-se espaços educadores que podem ser visitados pela população, além de se adequar ao projeto tanto dos caminhões quanto dos equipamentos instalados em cada UVR, adquiridos por meio das importantes parcerias com a Itaipu Binacional e do Governo do Estado do Paraná”, afirma a secretária municipal do Meio Ambiente, Angela Meira.

Destaques, Justiça, Meio Ambiente, Paraná, Saúde,

Polícia apreende carga de agrotóxicos contrabandeados avaliada em R$ 10 milhões

O material estava em um caminhão que passava por uma via rural em São Miguel do Iguaçu

Na noite de sexta-feira, (7), policiais militares do BPFRON – Batalhão de Polícia de Fronteira em ação integrada com policiais federais realizavam patrulhamento na área rural do município de São Miguel do Iguaçu-PR, durante Operação Hórus, quando avistaram um caminhão trafegando em uma via.

Foi dado ordem de parada, porém o condutor não acatou, empreendeu fuga com o caminhão e abandonou o veículo minutos mais tarde, posteriormente fugindo a pé em meio a uma região de mata, não sendo encontrado.

O caminhão estava carregado com quatro mil quilos de agrotóxicos contrabandeados. Veículo e contrabando foram encaminhados para a Receita Federal em Foz do Iguaçu. Estima-se um prejuízo de 10 milhões de reais aos criminosos somente com esta apreensão.

Fazem parte do Programa V.I.G.I.A. nessa operação interagências equipes do BPFRON e demais Unidades da PMPR, Polícia Federal, PCPR, Receita Federal e Exército Brasileiro, com apoio da SEOPI – Secretaria de Operações Integradas/MJSP. 

As ações integradas dos órgãos de segurança pública federais e estaduais também fazem parte do PPIF – Programa de Proteção Integrada de Fronteiras, coordenado pelo GSI – PR que busca integrar e articular ações de segurança pública, inteligência, controle aduaneiro e das Forças Armadas com as ações dos estados e municípios situados na faixa de fronteira e divisas, incluídas suas águas interiores e costa marítima.

Brasil, Destaques, Meio Ambiente,

VÍDEO: deslizamento de pedras atinge embarcações com turistas em Capitólio, Minas Gerais. Assista!

A princípio, uma tromba d’água fez pedras deslizarem dos cânions e atingir embarcações neste sábado (8)

Um deslizamento de pedras no Lago de Furnas, em Capitólio, no Centro-Oeste de Minas, atingiu três embarcações com turistas neste sábado (8).

Um vídeo que circula pela internet e cuja veracidade foi confirmada pelos Bombeiros mostra o momento em que um dos cânions atinge as lanchas.

Adianta o g1 que o Corpo de Bombeiros de Piumhi, que atende a ocorrência, informou que há 15 vítimas. A corporação não soube precisar, até o momento, se são feridos ou se há mortos.

Veja abaixo:

Segundo o Corpo de Bombeiros informou ao g1, a princípio, uma “tromba d’água” junto a pedras fez com que elas deslizassem e caíssem de uma altura de mais de 5 metros, atingindo as lanchas.

Continue lendo no g1