Browsing Category

Meio Ambiente

Leia as últimas notícias sobre Meio Ambiente no CabezaNews, site de informação com reportagens exclusivas, fotos, vídeos e conteúdos sobre Foz do Iguaçu e sobre o Paraná.

O CabezaNews leva ao público notícias de utilidade pública, curiosidades, turismo, lazer, cultura. Sobretudo com um olhar voltado para a região da tríplice fronteira entre Brasil, Paraguai e Argentina.

Em Foz, nossa cobertura foca os principais acontecimentos da cidade, incluindo eleições 2020, o avanço da pandemia do novo coronavírus, as ações da Itaipu Binacional, bem como a administração do prefeito Chico Brasileiro.

O site não deixa de lado o que acontece no restante do estado do Paraná. Notas exclusivas dos bastidores da política, da Assembleia Legislativa, ações do governo do Paraná e da administração Ratinho Júnior. Assim como as principais notícias nacionais.

O CabezaNews é editado por Ronildo Pimentel, jornalista com mais de 30 anos de atuação em jornalismo impresso e digital.

Destaques, Foz do Iguaçu, Meio Ambiente,

Descarte irregular de resíduos em Foz do Iguaçu pode gerar multa

Você sabe como e onde descartar resíduos? E, você sabia que o descarte para pequenos geradores é gratuito? Quem fez uma poda de árvore em casa, comprou móvel novo e o antigo não tem mais condições de ser utilizado, há a oportunidade de fazer o descarte corretamente. Basta colocar no carro ou arrumar algum meio de transporte e levar ao aterro sanitário.

Adriana Fuzetti, chefe da Divisão de Inertes da prefeitura explicou, em entrevista ao Programa Opinião da TV Câmara, como funciona o descarte. Além disso, ela falou do projeto Caçamba, criado para atender famílias em situação de vulnerabilidade. “Hoje já alcançamos 107 associações com interesse de receber as caçambas nos bairros. A cada 60 dias sai o mapa de calor da dengue e através desse mapa priorizamos os atendimentos”.

Caçambas

Móveis velhos e restos de materiais de construção podem ser colocados nas caçambas. O descarte irregular pode gerar multa para o cidadão e as pessoas podem denunciar por meio do aplicativo 156 Foz.

Destaques, Educação, Foz do Iguaçu, Meio Ambiente,

Formação em educação ambiental intensifica gestão de resíduos nos prédios públicos de Foz do Iguaçu

Programa de Educação Ambiental na Administração Pública já tem mostrado resultado entre os servidores municipais

A maior adesão à gestão de resíduos nos prédios públicos, com a destinação correta dos resíduos, e a campanha “Caneque-se”, para evitar o uso de copos plásticos pelos servidores, são alguns dos resultados do Programa de Educação Ambiental na Administração Pública, realizado pela equipe de educação ambiental da Secretaria Municipal de Meio Ambiente, no primeiro semestre deste ano.

O curso de formação foi ofertado a representantes das unidades de ensino, secretarias, autarquias e fundações municipais. Eles são os pontos focais do programa e têm o papel de multiplicar as ações e atividades desenvolvidas nos momentos de formação para todos os colegas servidores do ambiente de trabalho.

Participaram das ações no primeiro semestre de 2021, no total, 205 pontos focais do programa, de 144 unidades de órgãos públicos. Indiretamente, 4.198 servidores são atingidos pela formação, a partir da distribuição dos conteúdos pelos colegas.

Roseli Barquez da Divisão de Educação Ambiental avaliou de forma positiva a participação dos servidores no programa. “Recebemos as devolutivas das atividades por meio de relatórios e foi impressionante como foram enraizadas as ações nos prédios públicos municipais”, afirma.

Entre os conteúdos apresentados na formação, está o Programa Municipal de Gestão de Resíduos, como foco na coleta seletiva nos prédios públicos e a metodologia da coleta de resíduos recicláveis porta a porta. Já foi percebida uma intensificação das ações de gestão dos resíduos e também a adesão à campanha Caneque-se. Foram distribuídos 4.198 adesivos da campanha para os servidores dos prédios que participaram da formação.

A Política Municipal de Educação Ambiental, com foco na elaboração do Programa Municipal de Educação Ambiental, foi outro tema abordado no curso. O histórico da elaboração da Política de Educação Ambiental do Município foi compartilhado com o público da educação formal.

Também foi feita uma pesquisa para o diagnóstico da educação ambiental na rede formal vinculada à rede pública básica, com a participação de 2.010 professores da rede municipal de ensino.

A Secretária de Meio Ambiente, Ângela Meira, entende Educação Ambiental como imprescindível para o desenvolvimento de políticas públicas. “Neste sentido, a gestão municipal tem apoiado os momentos de formação em Educação Ambiental Formal e Não Formal, não medindo esforços para a expansão das ações socioambientais em âmbito municipal”.

Destaques, Foz do Iguaçu, Meio Ambiente,

Aberto edital para credenciamento de condutores de observadores de aves no Parque Nacional do Iguaçu

Documento informa aos interessados as especificações básicas para apoiar observadores de aves

Está aberto o período de habilitação para o credenciamento de pessoas físicas interessadas em realizar a prestação de serviços de condução de visitantes observadores de aves no maior conjunto de quedas d’água do mundo, o Parque Nacional do Iguaçu (PR). A habilitação poderá ser solicitada a qualquer tempo, por meio do portal do Governo Federal.

O Parque Nacional do Iguaçu possui alta representatividade da biodiversidade do Bioma Mata Atlântica, sendo um dos principais remanescentes do ecossistema no País e possui uma das maiores concentrações de espécies de aves do planeta onde os observadores de pássaros redescobrem um lado de Foz do Iguaçu pouco explorado.

Com o objetivo de incentivar a atividade, o ICMBio, juntamente com o Governo Federal, vem trabalhando na informatização do sistema de solicitação de credenciamento. Agora, os interessados podem encaminhar a documentação necessária por meio do portal do Governo Federal. A lista de habilitados estará disponível em até 5 dias úteis após a emissão da autorização e poderá ser consultada na sede da unidade, no site do ICMBio ou por meio do Portal do Governo Federal.

Desde 2019, o ICMBio em ação conjunta com o Ministério do Meio Ambiente, vem avançando na desburocratização e incentivos de atividades de ecoturismo em unidades de conservação. Dentre as medidas, quatro novas portarias foram publicadas, ainda no fim de 2019, dispondo sobre normas mais claras e autorizações para a prestação de serviços de apoio ao ecoturismo nos parques, tais como condução de visitantes, transporte aquaviário, alimentação e aluguel de equipamentos para atividades esportivas e de lazer, além da regulamentação para desburocratizar e simplificar procedimentos para atividades esportivas e recreativas, como a escalada e o voo livre.

Parque+

Criado em 2020 pelo MMA, o programa Parque+ visa ao incentivo do ecoturismo em todo o Brasil. Os novos processos e regras para atividades turísticas estão no escopo do eixo do programa que visa fomentar iniciativas para estruturação e desenvolvimento do ecoturismo nos parques nacionais, de forma ampla. Além deste, o programa atua em mais 3 eixos, voltados à promoção da acessibilidade nas UC, disponibilização de rede de Internet aos visitantes e interligação de trilhas de longo curso.

As informações são de Ministério do Meio Ambiente

Destaques, Foz do Iguaçu, Meio Ambiente,

Frio chega com força e provoca geadas em Foz do Iguaçu e Paraná e neve no Sul do país

As previsões dos institutos de meteorologia se confirmaram e o frio chegou com intensidade provocando queda de geada em Foz do Iguaçu e várias regiões do Paraná. Em Palmas, no Sudoeste do Estado, os termômetros marcaram sete graus negativos no distrito do Horizonte, o mais alto e frio do Estado.

Em toda região Sul as temperaturas despencaram por conta da intensa massa de ar polar que chegou ao Brasil neste início de semana. As temperaturas ficaram abaixo de zero em várias regiões do Paraná, cobrindo de branco campos e plantações.

No Rio Grande do Sul, no município de Canguçu, houve queda de neve e temperaturas negativas em diversas regiões do Estado. Já em Santa Catarina, entre a tarde desta quarta e amanhecer de quinta-feira (29), há chance de neve e chuva congelada nas cidades da Serra e Oeste catarinense.

Foz do Iguaçu, Meio Ambiente, Política,

Vereadores de Foz do Iguaçu questionam Executivo sobre Biogás produzido no aterro sanitário

Buscar outra matriz energética ou ao menos utilizar a matéria que já existe para produção de energia no município é um caminho necessário e viável. Pensando nisso, a Câmara cobra informações ao Executivo sobre a quantidade de biogás obtido por meio da decomposição do aterro sanitário. A iniciativa do requerimento 330/2021 foi de autoria dos vereadores do Kalito (PSD) e Valdir de Souza “Maninho” (PSC). A ideia é de que a Prefeitura busque estudos para identificar e compartilhar melhorias para o meio ambiente.

A proposição defende que além do Biogás ser decomposição de matéria orgânica, ele se torna mais limpo que o natural, tirando da natureza materiais que lavariam anos para se decompor, tornando-os ambientalmente corretos.
“Eu já havia feito uma indicação anteriormente para que o Executivo utilizasse esse gás que é produzido e está sendo jogado fora. Depois disso, pensamos que talvez o município possa fazer parcerias, ver com o PTI para ver medir a quantidade de gás está sendo gerado ali e de que forma está sendo utilizado. Aí, sim, poderíamos propor algo mais específico”, defendeu o vereador Kalito, um dos autores do requerimento.

O Biogás seria uma fonte de energia mais barata e sustentável. O gás metano que é produzido no aterro ainda não é muito aproveitado. Quando da realização da indicação sugerindo a reutilização do gás, o vereador apontou que fosse dada destinação para a matéria que está sendo desperdiçada no momento. O requerimento foi aprovado e encaminhado para as autoridades competentes.

Destaques, Foz do Iguaçu, Itaipu Binacional, Meio Ambiente,

Itaipu e Unesco instalam primeira Unidade de Gestão Descentralizada da Reserva da Biosfera no mundo

UGD une 20 instituições governamentais e não-governamentais na gestão sustentável de um território de quase 900 mil hectares

A Itaipu Binacional e a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) deram início, nesta terça-feira (27), às atividades da primeira Unidade de Gestão Descentralizada (UGD) da Reserva da Biosfera no mundo. A UGD da Reserva da Biosfera da Mata Atlântica (RBMA Itaipu) soma cerca de 860 mil hectares, compreendendo as áreas protegidas da binacional e matas ciliares de 29 municípios que fazem parte da Bacia Hidrográfica do Rio Paraná Parte 3, limitando-se com o Parque Nacional da Ilha Grande, ao norte, e com o Parque Nacional do Iguaçu, ao sul.

Em cerimônia realizada on-line, o Conselho Nacional da Mata Atlântica certificou a Itaipu como coordenadora da UGD, com mandato de quatro anos. Representando a empresa, o engenheiro florestal Luís César Rodrigues da Silva, da Divisão de Áreas Protegidas, foi empossado como coordenador executivo do Fórum Consultivo de Apoio à UGD, que é composto por 10 membros governamentais e 10 não-governamentais, entre eles ICMBio-Parque Nacional do Iguaçu, Instituto Água e Terra (IAT), Conselho dos Municípios Lindeiros, Associação dos Municípios do Oeste do Paraná (Amop), Parque das Aves, Cataratas S/A, entre outros. Todos os representantes e respectivos suplentes também foram empossados nesta terça-feira.

Para o diretor de Coordenação da Itaipu, general Luiz Felipe Carbonell, a UGD é um importante avanço na gestão ambiental e também um reconhecimento pelos esforços de conservação empreendidos pela empresa. “A criação da UGD reflete uma preocupação com o desenvolvimento sustentável e com as futuras gerações. Os cuidados com a biodiversidade têm relação direta com a segurança hídrica do território, o que beneficia não só a produção de energia pela Itaipu no longo prazo, mas também as demais atividades econômicas da região, como a agropecuária e o turismo”, afirmou.

O presidente do Conselho Nacional da RBMA, Clayton Lino, destacou que a UGD coordenada pela Itaipu reúne os três principais atributos da Reserva da Biosfera, que são a conservação dos ecossistemas, o fomento ao desenvolvimento sustentável e a produção de conhecimento científico. “É um reconhecimento ao trabalho de conservação feito pela Itaipu, que é espetacular”, disse. “Não poderíamos ter parceiro melhor para iniciar esse novo tipo de gestão, um modelo que pretendemos expandir para outros lugares”, acrescentou.

Os municípios que fazem parte da iniciativa estão entre os principais beneficiários, na opinião do superintendente de Gestão Ambiental da Itaipu, Ariel Scheffer da Silva. Um dos compromissos da UGD é desenvolver os Planos Municipais da Mata Atlântica. “A biodiversidade está diretamente ligada aos negócios, à saúde, ao desenvolvimento econômico, entre outros. Então, as prefeituras têm muito a ganhar, pois estarão contribuindo com diversos aspectos para a promoção da sustentabilidade”, avaliou.

Além das autoridades já nomeadas, a cerimônia contou com a participação da diretora da Divisão de Política e Capacitação em Ciência da Unesco, Lídia Brito; do representante da Unesco, Fábio Eon; da coordenadora de Recursos Naturais da Secretaria de Estado do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo do Paraná, Fernanda Góss Braga; do representante da Amop, Vinicius Almeida dos Santos; e da representante do Conselho dos Municípios Lindeiros, Sandra Finkler.

Como funciona

As áreas de Reserva da Biosfera são implementadas por governos e chanceladas pela Unesco. A gestão é exercida com apoio de colegiados de gestores compostos de forma paritárias entre representantes governamentais e não-governamentais. A UGD é uma nova instância no sistema e conta com certa independência para a condução dos trabalhos.

A atuação da UGD está alinhada com a promoção do Objetivo de Desenvolvimento Sustentável 11 (apoiar os vínculos econômicos, sociais e ambientais positivos entre as áreas urbanas, metropolitanas e rurais, fortalecendo o desenvolvimento nacional e regional) e de acordo com as premissas do programa A Humanidade e a Biosfera (antigo O Homem e a Biosfera). Para isso, contará com o apoio das 20 instituições integrantes do Fórum Consultivo.

Destaques, Meio Ambiente,

Instituto prevê queda da temperatura e chuva no Paraguai nesta segunda

A Diretoria de Meteorologia prevê uma queda acentuada na temperatura a partir desta segunda-feira (26). Além disso, são esperadas precipitações e trovoadas durante o dia.

Uma nova frente fria entra em território paraguaio nesta segunda-feira e vai acabar com os dias quentes registrados no último fim de semana.

A queda de temperatura começaria a ser sentida a partir do meio-dia no sul do país e depois se espalharia para os demais departamentos do país.

Embora volumes significativos de chuva não sejam esperados, tempestades podem se desenvolver de vez em quando, com fortes rajadas de vento e provável queda de granizo.

O boletim meteorológico para a data indica que o tempo vai ser quente nas primeiras horas, com céu geralmente nublado e ventos variáveis. A partir da tarde, uma atmosfera mais fria começaria a se sentir.

Quanto à temperatura, a mínima hoje à noite ficaria entre 16 ° C e 22 ° C, com uma sensação térmica menor devido ao efeito do vento.

Para Assunção e região metropolitana o máximo será de 22ºC. Espera-se 27ºC no Sul e 32ºC no Leste.

No Norte, o máximo chegará a 34ºC, como no Chaco paraguaio.

A previsão ampliada indica que a queda de temperatura deve continuar nos próximos dias e geadas são esperadas em grande parte do país a partir de quarta-feira.

Com informações de Ultima Hora

Busão Foz, Destaques, Foz do Iguaçu, Meio Ambiente, Paraná,

Estrada no Parque Nacional do Iguaçu

Estamos estarrecidos com a possibilidade de cortarmos o Parque Nacional do Iguaçu para a construção de uma estrada. Isso mesmo, porque a antiga Estrada do Colono já desapareceu completamente, recuperada que foi pela mata. Portanto agora trata-se de uma nova estrada mesmo – que, supostamente ou não, seja traçada no leito possível do antigo caminho.

Sempre fica no ar uma pergunta que não foi até agora devidamente esclarecida, no que tange a saber quem serão os reais beneficiários dessa nova estrada. Pensar que possam ser os habitantes de pequenas cidades nas proximidades do Parque Nacional do Iguaçu, no Sudoeste do Paraná, é algo bem difícil, pois já faz mais de 20 anos que eles vivem tendo outros contornos para alcançar novas áreas de contato.

Alegam alguns que seriam ampliados espaços para o turismo, o que absolutamente não procede, uma vez que em Foz do Iguaçu existem esses espaços que são muito bem cuidados e amplamente utilizados, não havendo nenhuma necessidade de abertura de outras frentes de acesso, até porque estariam muito perto das áreas que já são utilizadas para essa finalidade.

Penso, sim, que o Parque Nacional do Iguaçu deva ser preservado, até porque, tombado pela Unesco como Patrimônio Natural da Humanidade, isso tem de ser levado na devida consideração. Podemos criar formas de utilização dessa área para o bem da humanidade como um todo.

Nesse sentido é possível e viável constituir dentro do parque uma instituição de estudos ambientais, com utilização da Unesco e participação de pesquisadores das universidades locais, tanto brasileiras, quanto argentinas e paraguaias, trazendo cientistas de outras partes do planeta para estudarem a flora e a fauna do Parque Nacional do Iguaçu, visando ao desenvolvimento do conhecimento científico que muito ajudará a humanidade, tanto agora como no futuro.

Temos ainda que toda essa região do Parque Nacional do Iguaçu extrapola as nossas fronteiras, adentrando em território argentino e tendo aí também a existência de um parque nacional. Isso significa que, neste momento, mexer no parque, na porção brasileira, terá também resultados na parte argentina.

Penso que, finalmente, existem outras grandes questões que merecem muito mais a atenção do Congresso Nacional.

*José Afonso de Oliveira é professor e sociólogo em Foz do Iguaçu.

Com informações de H2Foz.

Busão Foz, Destaques, Economia, Meio Ambiente,

Ciudad del Este ganha o primeiro ‘Ecopunto’ para gestão de recicláveis

Ciudad del Este (Paraguai), na fronteira com Foz do Iguaçu (Brasil), ganhou neste sábado (24) o primeiro Ecopunto, que coloca o município como referência no gerenciamento de materiais recicláveis.

A iniciativa histórica se deve ao esforço da empresa Soluções Ecológicas, que conta com o apoio da comunidade por meio de convênio firmado com a Prefeitura, para gerar alternativas de reciclagem para cidadãos de diferentes pontos da cidade,

A intenção é auxiliar os recicladores e dar dignidade a sua alternativa de trabalho e subsistência, destaca o portal da rádio La Clave.

O Ecopunto está instalado no Noblesse Plaza, no km 3,5. a solenidade de lançamento teve participação de diversas autoridades. O projeto consiste na instalação e gestão gradativa de 20 EcoPoints em Ciudad del Este.

Continue lendo no La Clave

Busão Foz, Destaques, Foz do Iguaçu, Geral, Meio Ambiente,

Unidades de Valorização de Resíduos de Foz do Iguaçu passam por reformas e modernização

Serão oito unidades, distribuídas pelas regiões da cidade, com equipamentos modernos para qualificar e melhorar a rotina dos trabalhadores

Dentro de alguns meses, todos os trabalhadores da Coleta Seletiva de Foz do Iguaçu ganharão espaços de trabalho mais dignos, modernos e com equipamentos de ponta. A Prefeitura, em convênio com a Itaipu Binacional e o Governo do Paraná, está reformando as Unidades de Valorização de Resíduos (UVR) para qualificar o trabalho da triagem e armazenamento dos materiais.

Ao todo, serão oito unidades, cinco reformadas e três completamente novas. Duas já foram finalizadas, nos bairros Três Bandeiras e Morumbi. As unidades da Vila C e do Campos do Iguaçu estão em reforma – sendo que a do Campos já está com 87% das obras já concluídas.

Outras quatro unidades, Porto Meira, Três Lagoas, Porto Belo e América, aguardam a licitação para a instalação dos equipamentos.

Todas as UVRs terão o mesmo padrão, com área administrativa, banheiros, refeitório e cozinha, além da unidade de triagem com equipamentos, como esteiras, balanças e prensas. O trabalho é feito por meio das Secretarias de Meio Ambiente e de Obras.

A secretária de Meio Ambiente, Angela Meira, destaca que as ações são fruto de um trabalho iniciado em 2017 para mudar a gestão de resíduos do Município, tanto na estrutura operacional do Programa como na vida dos catadores.

“A situação dessas unidades era caótica em Foz do Iguaçu. Muitas estavam depredadas, eram constantemente alvo de vândalos e algumas até pegaram fogo e foram destruídas. Realizamos então esses investimentos para mudar totalmente esses espaços, como foi o caso do Campos do Iguaçu”, disse a secretária.

“São investimentos para melhorar a qualidade do trabalho dos catadores, tornando ainda mais digna a atividade”, complementou.

Avanços

As mudanças não são apenas nas estruturas físicas das unidades. De acordo com a Secretaria de Meio Ambiente, um novo convênio deverá ser firmado com a Itaipu Binacional para operacionalização, aquisição de equipamentos de proteção individual e de materiais de orientação ambiental para impulsionar e fortalecer ainda mais o programa de coleta seletiva.

Haverá nova distribuição de informativos sobre o programa da Coleta Seletiva e da bolsa da coleta. Pelo aplicativo 156 Foz, em breve haverá opção para acompanhamento da rota dos caminhões em tempo real, facilitando aos moradores a adesão ao programa.

“Queremos que cada vez mais pessoas participem da coleta seletiva e que se torne um hábito em prol da qualidade socioambiental no nosso Município”, destacou Ângela.