Browsing Category

Meio Ambiente

Leia as últimas notícias sobre Meio Ambiente no CabezaNews, site de informação com reportagens exclusivas, fotos, vídeos e conteúdos sobre Foz do Iguaçu e sobre o Paraná.

O CabezaNews leva ao público notícias de utilidade pública, curiosidades, turismo, lazer, cultura. Sobretudo com um olhar voltado para a região da tríplice fronteira entre Brasil, Paraguai e Argentina.

Em Foz, nossa cobertura foca os principais acontecimentos da cidade, incluindo eleições 2020, o avanço da pandemia do novo coronavírus, as ações da Itaipu Binacional, bem como a administração do prefeito Chico Brasileiro.

O site não deixa de lado o que acontece no restante do estado do Paraná. Notas exclusivas dos bastidores da política, da Assembleia Legislativa, ações do governo do Paraná e da administração Ratinho Júnior. Assim como as principais notícias nacionais.

O CabezaNews é editado por Ronildo Pimentel, jornalista com mais de 30 anos de atuação em jornalismo impresso e digital.

Busão Foz, Foz do Iguaçu, Meio Ambiente,

Secretaria de Meio Ambiente de Foz do Iguaçu promove concurso para escolher nome das novas UVRs

Indicações serão feitas por entidades até o dia 21 de maio. Homenageados (as) darão nomes a seis novas unidades

A Prefeitura Municipal de Foz do Iguaçu, através da Secretaria Municipal de Meio Ambiente, convida entidades da cidade a participarem de um concurso para a escolha dos nomes das novas Unidades de Valorização de Recicláveis (UVRs) do município.

O objetivo do concurso é homenagear personalidades que tenham contribuído com o desenvolvimento de projetos para a melhoria da qualidade de vida dos moradores de Foz do Iguaçu.

As instituições podem fazer as inscrições com as indicações até o dia 21 de maio, através do formulário disponível no link: https://forms.gle/L1vGPKxzepEfeY3R9. Podem participar do processo de seleção unidades de ensino (municipais, estaduais, federais e privadas), associações de moradores, igrejas, associações comerciais, entre outras entidades de Foz do Iguaçu. Conforme regulamento, disponível em: https://drive.google.com/file/d/187vYTNV_W5S-dTY5DhRd34m8mzdCbH4Y/view?usp=sharing.

Seleção

As indicações passarão por uma comissão formada por representantes do Parque Nacional do Iguaçu, Itaipu Binacional, Fundação Cultural e Secretaria Municipal de Educação, a qual avaliará as indicações seguindo critérios preestabelecidos.

No caso de haver mais de uma indicação para cada UVR, os nomes passarão por votação popular on-line. O link será disponibilizado pela Secretaria Municipal de Meio Ambiente e divulgado nas redes sociais entre os dias 26 e 31 de maio. O resultado final será divulgado no dia 06 de junho nos canais oficiais da Prefeitura Municipal.

Sobre o Programa

Lançado em junho de 2018, o Programa Municipal de Coleta Seletiva é coordenado pela Secretaria Municipal de Meio Ambiente. A coleta é serviço essencial à população e já apresenta como resultados a redução de 3.979 toneladas de materiais destinados ao aterro sanitário, além do aumento na geração de renda das catadoras e catadores integrados ao programa, bem como a melhoria das condições de trabalho dos mesmos.

As unidades de triagem representam a modernização da política de gestão de resíduos do município, pois contam com um sistema mecanizado para o processo de triagem, enfardamento e armazenamento dos materiais recicláveis oriundos da coleta seletiva, até a sua comercialização. O sistema melhora as condições de trabalho, a renda dos trabalhadores e aperfeiçoa os processos de logística.

A Prefeitura de Foz, em parceria com a Itaipu Binacional e o Governo do Estado, está investindo em reformas e ampliação das unidades de triagem, bem como na aquisição de equipamentos e veículos para a coleta, triagem e destinação dos resíduos recicláveis domiciliares. Além disso, o Município firmou contrato para o pagamento pelos serviços ambientais prestados pelos catadores, uma reivindicação histórica dessa classe trabalhadora e prevista na Política Nacional de Resíduos Sólidos.

A coleta seletiva atende a área residencial urbana, a área rural e os prédios públicos municipais uma vez por semana, com coleta porta a porta, conforme pode ser consultado no mapa disponível em: https://www.google.com/maps/d/u/0/edit?mid=1E3YnhOna2K_K-9c-09q_43SkmrsWngUp&ll=-25.518941755308166%2C-54.53097126220179&z=12

Busão Foz, Destaques, Foz do Iguaçu, Meio Ambiente,

Longa estiagem baixa o nível do Rio Paraná e prejudica escoamento da safra de grãos do Paraguai

A estiagem ao longo da bacia hidrográfica do rio Paraná tem prejudicado o escoamento da safra de grãos do Paraguai, abaixo da barragem da Itaipu. De acordo com estimativas da Câmara de Exportadores, aproximadamente R$ 2 bilhões em produtos estão “parados” em barcaças ou silos devido as dificuldades de navegação. No ano passado, a binacional realizou duas operações especiais para ajudar no transporte fluvial.

De acordo com o boletim hidrológico da Itaipu, o nível do rio Paraná está aproximadamente 5 metros abaixo da média registrada em 2020. Isso tem prejudicado o escoamento da safra de grãos paraguaia, já que é o único acesso que o país vizinho tem pela água até o Oceano Atlântico.

A cota normal do rio Paraná a jusante da barragem é de 105,59 metros acima do nível do mar. Às 7h da manhã deste domingo (09), o índice medido na estação da Ponte Internacional da Amizade, era de 92,61 metros acima do nível médio da superfície do mar.

Carga parada

A Câmara de Exportadores do Paraguai estima que são aproximadamente R$ 2 bilhões em mercadorias paradas devido as dificuldades de navegação pelo rio Paraná até o Atlântico. “Os portos estão todos lotados, não tem espaço de giro neles”, disse ao G1 Hugo Pastores, gerente da entidade.

Mais de 150 mil toneladas de grãos foram guardadas em barcaças no Rio Paraná nos últimos dias pela dificuldade de transporte. Outras 600 mil toneladas estão em silos sem qualquer previsão de transporte, informam os produtores paraguaios. Para que as barcaças se movam e a produção chegue aos portos, o nível do rio precisa subir.

Mesmo sem chuva, isso pode ser possível. Na última semana, produtores e transportadores paraguaios se uniram para pedir às autoridades que a usina de Itaipu libere mais água do reservatório.

No Brasil, o Itamaraty informou que está examinando o pedido do Ministério das Relações Exteriores do Paraguai. Uma solicitação também foi feita à direção da usina de Yacyretá, de propriedade do Paraguai e da Argentina, que também fica no Rio Paraná.

As informações são de GDia

Busão Foz, Destaques, Economia, Meio Ambiente,

Rio Paraná abaixo do nível devido a longa estiagem prejudica escoamento da safra de grãos do Paraguai

Na fronteira do Brasil com o Paraguai, o Rio Paraná está com o nível 4,5 metros abaixo da média registrada em 2020. Isso tem prejudicado o escoamento da safra de grãos paraguaia, já que o rio é o único acesso que o país vizinho tem pela água até o Oceano Atlântico.

Adianta o G1 que a entidade que representa os exportadores no Paraguai diz que são quase R$ 2 bilhões em mercadorias paradas. “Os portos estão todos lotados, não tem espaço de giro neles”, afirma Hugo Pastores, gerente da Câmara de Exportadores do Paraguai.

Mais de 150 mil toneladas de grãos foram guardadas em barcaças no Rio Paraná nos últimos dias pela dificuldade de transporte. Outras 600 mil toneladas estão em silos sem qualquer previsão de transporte, informam os produtores paraguaios. Para que as barcaças se movam e a produção chegue aos portos, o nível do rio precisa subir. Mesmo sem chuva, isso pode ser possível.

Nesta semana, produtores e transportadores paraguaios se uniram para pedis às autoridades que a usina de Itaipu libere mais água do reservatório. No Brasil, o Itamaraty informou que está examinando o pedido do Ministério das Relações Exteriores do Paraguai.

Continue lendo no G1 Globo

Busão Foz, Foz do Iguaçu, Meio Ambiente,

Conselho Municipal de Meio Ambiente de Foz do Iguaçu tem novos conselheiros e diretoria

Na última quarta-feira (04) foram empossados os novos integrantes e eleita a diretoria do biênio 2021/2022

Nesta quarta-feira (04) foram empossados os novos conselheiros e foi eleita a nova diretoria do Conselho Municipal de Meio Ambiente (COMAFI) de Foz do Iguaçu, referente ao biênio 2021/2022.

Os gestores do último biênio, presidente Gizele Vosgerau (representante da Associação Comercial e Industrial de Foz do Iguaçu), o vice Marcelo Penayo (da Associação de Desenvolvimento de Esportes Radicais e Ecologia) e a primeira secretária Roseli Barquez, da Secretaria Municipal de Meio Ambiente, deram as boas-vindas da reunião, realizada de forma virtual em virtude da pandemia.

Eles ressaltaram o importante momento vivenciado em Foz do Iguaçu, de construção participativa das políticas públicas, avanços nos programas ambientais e fortalecimento do Conselho como integrante do sistema de meio ambiente municipal.

A secretária municipal de Meio Ambiente, Ângela Meira, acredita que a participação da sociedade civil na gestão do Conselho é de fundamental importância. “O fortalecimento da participação democrática da população na formulação e implementação de políticas públicas confirma o papel desse instrumento de poder social, que é o Conselho”, destaca.

O COMAFI fez importantes contribuições em 2020 na elaboração de políticas públicas, como é o caso do Plano Municipal de Conservação e Recuperação de Mata Atlântica, da Política Municipal de Educação Ambiental e da revisão da Política Municipal de Meio Ambiente, que estava desatualizada há mais de 20 anos.

O conselheiro Marcelo Penayo reforçou, no encontro, outros avanços conquistados pela última gestão, como a aprovação do Plano Municipal de Mata Atlântica, que possibilitou a captação de recursos do Euroclima; e a reestruturação do Fundo Municipal do Meio Ambiente. Também deixou um desafio para a nova gestão: a realização da Conferência Municipal do Meio Ambiente que, segundo ele, “é a instância que amplia os debates e dá mais voz a comunidade na gestão ambiental da nossa sociedade”.

Nova composição

O Conselho foi criado em 1993 e, historicamente, tinha sua presidência direcionada automaticamente ao gestor municipal da pasta de meio ambiente. Em 2019, com a alteração do seu regimento interno, a presidência passa a ter alternância entre gestão governamental e sociedade civil.

A partir da eleição, nesta quarta-feira, a diretoria do COMAFI para o biênio 2021-2022 tem com a seguinte composição:

Presidência:
Presidente: Raby Khalil – ADERE
Vice Presidente: Noely Terezinha Cassini – Associação Internacional Vida Animal
Secretaria Executiva:
1º Secretária: Roseli Barquez Alves de Assis – Secretaria Municipal de Meio Ambiente
2º Secretário: Kleber Gomes Ramirez – ACIFI

Com os novos conselheiros e a nova diretoria empossados, o COMAFI agora segue a agenda de reuniões ordinárias mensais e de reuniões extraordinárias. No próximo encontro estão previstas as apresentações do novo convênio da Coleta Seletiva e da Diretoria de Bem Estar Animal da Secretaria Municipal do Meio Ambiente.

Busão Foz, Destaques, Foz do Iguaçu, Meio Ambiente,

Família se perde em trilha na área urbana de Foz do Iguaçu e é resgatada no início da noite por policiais militares

Um casal com as duas filhas estava na Trilha do Vietnã quando se perdeu na floresta

A Polícia Militar de Foz do Iguaçu foi acionada por volta das 18h30 da última terça-feira (4), com a informação de que uma família tinha se perdido durante um passeio na Trilha do Vietnã, na Vila A, em Foz do Iguaçu.

Durante o patrulhamento, os policiais descobriram que a família saiu da trilha e entrou na mata até encontrar a família, que estava do outro lado do rio que corta a região.

A família contou que estava desde às 16h na trilha e que acabou avançando muito e se perdendo. Com o anoitecer e com pouca bateria no telefone celular, eles ligaram para 190 da Polícia Militar. Todos os integrantes da família passavam bem.

A Trilha do Vietnã é uma das mais antigas de Foz do Iguaçu e é muito frequentada por ciclistas que buscam aventura em contato com a natureza. Fica em um espaço de mata no meio da área urbana de Foz.

As informações são de RicMais

Busão Foz, Destaques, Foz do Iguaçu, Meio Ambiente,

Previsão se confirma e frio chega intenso em Foz do Iguaçu e boa parte do Paraná. Mínima é de 11 graus

A previsão dos institutos de meteorologias se confirmou (AQUI para relembrar) e o frio chegou com intensidade nesta quinta-feira (06) em Foz do Iguaçu e boa parte do Paraná.

O dia começou gelado após uma noite de chuva fina, com previsão mínima de 11 e máxima de 17 graus. Para esta sexta-feira (7), a previsão é de mais frio, com mínima de 7 e máxima de 21 graus.

O tempo hoje ficará nublado, com previsão de pancadas de chuva durante toda a jornada e humidade do ar entre 41 e 92%.

Apesar das baixíssimas temperaturas, não tem previsão de geada em Foz do Iguaçu nos próximos dias.

Com informações do Simepar

Destaques, Foz do Iguaçu, Itaipu Binacional, Meio Ambiente,

Itaipu solta peixes marcados para monitorar migração no Rio Paraná

Ação, realizada no último sábado (1º), envolveu a soltura de 300 peixes da espécie pacu, no Clube de Pesca Maringá, em Foz do Iguaçu

A Itaipu Binacional promoveu, no último sábado (1º), a soltura de 300 peixes da espécie pacu (Piaractus mesopotamicus). A ação, realizada por técnicos da Superintendência de Meio Ambiente e da Divisão de Reservatório, vai contribuir para o monitoramento migratório e a conservação da biosiversidade no Rio Paraná.

A soltura ocorreu no Clube Maringá, em Foz do Iguaçu, a jusante da barragem. Na ocasião, também foram soltos 50 mil alevinos de pacus, pela Associação Projeto Multiplicação dos Peixes (Promulp). As matrizes para a criação desses alevinos foram doadas pela Itaipu, reproduzidas pelo Instituto Federal do Paraná (IFPR) e, posteriormente, doadas à Promulp, que produziu 300 mil alevinos.

Além de técnicos dessas instituições, o evento também contou com a participação de representantes da Prefeitura de Foz, do Governo do Estado, do Instituto Água e Terra (IAT) e da Marinha do Brasil.

Segundo o superintendente de Gestão Ambiental da Itaipu, Ariel Scheffer da Silva, a soltura de peixes está diretamente ligada aos cuidados com a biodiversidade na área de influência da usina de Itaipu. E o monitoramento permite conhecer o comportamento dos peixes ao longo da bacia hidrográfica, assim como medir a eficácia das ações de conservação.

“A qualidade do meio ambiente em torno da usina está diretamente relacionada à quantidade e qualidade da água do reservatório e, portanto, impacta na geração de energia. Portanto, ao cuidarmos da biodiversidade, estamos também contribuindo com a segurança energética para o Brasil e o Paraguai”, afirma o superintendente.

No último mês de novembro, a Itaipu participou de uma ação semelhante no Clube de Pesca Maringá, com a soltura de 162 peixes marcados. E, em dezembro, realizou uma soltura recorde no reservatório: mil peixes em um só dia. Ao todo, 2.166 peixes com marcas foram soltos em 2020.

O gerente da Divisão de Reservatório, Irineu Motter, explica que o mais importante para o sucesso do programa de marcação é a participação do pescador. “Para estimular essa participação, a Itaipu entrega um brinde, um acessório de pesca à escolha do pescador, sempre que for avisada de uma captura”, informa Motter.

Para acompanhar o deslocamento dos peixes no Rio Paraná, no reservatório e através do Canal da Piracema – que funciona como corredor de biodiversidade entre os dois ambientes – são empregadas duas tecnologias: uma delas é a marca plástica simples, colorida, inserida na base da nadadeira dorsal do peixes, para chamar a atenção do pescador. A segunda é um chip eletrônico, dentro de uma cápsula de vidro com 2 ou 3 cm. Esse chip é implantado no interior do corpo do peixe, por meio de uma pequena cirurgia, e sempre que se aproximar de uma antena específica no Canal da Piracema ou da escada para peixes de Porto Primavera (Rosana – SP), o número do chip fica registrado.

Fotos da Divisão de Reservatório da Itaipu (MARR.CD). As três fotos na vertical são da soltura de alevinos, realizada pela Promulp.

Para complementar as informações sobre as necessidades dos peixes em seus ciclos de vida, a Itaipu irá, em breve, soltar peixes marcados com transmissores de dados ainda mais completos, que também serão inseridos no interior do corpo. Os dispositivos, com 4,6cm, devem registrar uma série de dados sobre o comportamento e a fisiologia dos peixes. A Itaipu será pioneira no Brasil no uso desta ferramenta.

Caso seja praticante do pesque e solte, basta anotar o número que aparece na marca – ou melhor ainda, tirar uma foto, na qual o número seja legível – e entrar em contato com a Itaipu. Os contatos podem ser feitos por telefone, no 08006452002 (Brasil), +595-61-5998777 (Paraguai), pelo whatsapp (45) 98803-0859 ou pelo e-mail msadames@itaipu.gov.br.

Caso opte por consumir o peixe, o ideal é que guarde a marca de plástico e também procure, quando for limpar o pescado, uma segunda marca (eletrônica), que vai estar no meio das vísceras. Às vezes o peixe pode ter apenas uma ou outra, mas sempre que for possível, a recomendação de guardá-las é importante para o arquivo do projeto.

Fotos da Divisão de Reservatório da Itaipu (MARR.CD)

Destaques, Meio Ambiente, Paraná,

Abril mais seco da história do Paraná agrava a crise hídrica em todo Estado

Dos 13 municípios analisados pelo Sistema de Tecnologia e Monitoramento Ambiental do Paraná (Simepar), oito apresentaram o abril menos chuvoso da história

A crise hídrica voltou a se agravar no Paraná, o que reforça os pedidos para o uso racional da água. Curitiba e outras sete cidades tiveram o abril mais seco desde o início da série histórica, em 1998. Dos 13 municípios analisados pelo Sistema de Tecnologia e Monitoramento Ambiental do Paraná (Simepar) a pedido da Agência Estadual de Notícias (AEN), apenas em Guaratuba, no Litoral, a chuva foi superior à média.

No total, a precipitação nos 13 pontos diferentes do Estado foi de 369 milímetros (mm), ou 25,7% da média histórica, estimada em 1.434,1 mm no acumulado para essas mesmas áreas.

Londrina foi a cidade em que menos choveu no mês passado entre os locais pesquisados. Apenas 0,6 mm, ante uma expectativa de 85,1 mm. Pato Branco (3 mm), Maringá (3,4 mm), Cascavel (3,8 mm), Guarapuava (4,8 mm), Umuarama (4,8 mm) e Campo Mourão (7,6 mm) aparecem na sequência, todos com o pior abril da história.

Ponta Grossa (9,6 mm), Cambará (10,8 mm) e Paranavaí (17,6 mm) também apresentaram chuvas bem abaixo da média. Já Foz do Iguaçu registrou 41,3% do volume aguardado (147,1).

Na Capital, que convive com um rodízio no fornecimento de água desde o ano passado, a precipitação atingiu 8,8 mm, cerca de 10% do esperado para o período (81,6 mm). O desempenho repete o abril de 2000 como os piores mensurados desde 1998.

Tendência em Curitiba que reforça o cenário de março, o mais seco em 24 anos, e confirma a previsão dos institutos de meteorologia para um período de baixa precipitação entre o outono e o inverno. “Nessa etapa do ano a chuva já costuma ser abaixo do normal. Mas desta vez o volume ficou ainda mais baixo. Um abril muito seco em quase todo o Paraná”, afirmou o meteorologista do Simepar, Fernando Mendonça Mendes.

Nesta segunda-feira (3), a média dos reservatórios do Sistema de Abastecimento Integrado de Curitiba e Região Metropolitana (SAIC) é de 54,08%. Uma queda significativa em relação ao último dia março, quando o índice mostrava 60,79%.

“Embora já houvesse a previsão de poucas chuvas, a situação em abril superou negativamente as nossas expectativas porque ficaram muito abaixo da média”, ressaltou o diretor de Meio Ambiente e Ação Social da Sanepar, Julio Gonchorosky. “A população tem colaborado até agora com o uso econômico da água e mantemos esse alerta para que esses hábitos de economia sejam mantidos. A intenção é passar os próximos meses com níveis mínimos de reservação”, acrescentou.

Maio – Ainda de acordo com o Simepar, as frentes frias, responsáveis pela chuva nessa época do ano, não conseguiram ingressar no Paraná com força suficiente para causar chuvas expressivas. Além disso, foram poucos os sistemas frontais que passaram pelo Paraná.

A expectativa, segundo o instituto, é que em maio as chuvas sigam abaixo da média em todo o Estado. “Precisamos saber quanto menor será esse volume. Se ruim como foi em abril ou mais perto da média histórica”, disse Mendes.

Investimento – A Sanepar informou que mantém investimentos e tem antecipado obras estruturantes para mitigar os efeitos da crise hídrica. Estão em andamento em Curitiba as obras de construção de mais quatro reservatórios e a implantação de 107 quilômetros de rede que vão melhorar o sistema de distribuição de água na Região Metropolitana.

Além disso, foi antecipada a captação de água do Rio Capivari para reforçar a Barragem do Iraí, além de iniciar em breve a captação de água da Bacia do Rio Verde.

Veja quanto choveu em abril nos 13 pontos do Paraná analisados pelo Simepar:

PONTA GROSSA
Abril 2021: 9,6 mm
Média do período: 87,8 mm
Porcentual: 10,9%

CURITIBA
Abril 2021: 8,8 mm
Média do período: 81,6 mm
Porcentual: 10,7%

LONDRINA
Abril 2021: 0,6 mm
Média do período: 85,1 mm
Porcentual: 0,7%

MARINGÁ
Abril 2021: 3,4 mm
Média do período: 71,3 mm
Porcentual: 4,7%

CASCAVEL
Abril 2021: 3,8 mm
Média do período: 133,3 mm
Porcentual: 2,8%

FOZ DO IGUAÇU
Abril 2021: 60,8 mm
Média do período: 147,1 mm
Porcentual: 41,3%

GUARAPUAVA
Abril 2021: 4,8 mm
Média do período: 122,2 mm
Porcentual: 3,9%

PATO BRANCO
Abril 2021: 3 mm
Média histórica: 146,7 mm
Porcentual: 2%

CAMPO MOURÃO
Abril 2021: 7,6 mm
Média histórica: 116 mm
Porcentual: 6,5%

GUARATUBA
Abril 2021: 233,4 mm
Média do período: 189,7 mm
Porcentual: 123%

PARANAVAÍ
Abril 2021: 17,6 mm
Média do período: 85,4 mm
Porcentual: 20,6%

UMUARAMA
Abril 2021: 4,8 mm
Média histórica: 98,3 mm
Porcentual: 4,8%

CAMBARÁ
Abril 2021: 10,8 mm
Média histórica: 69,7 mm
Porcentual: 15,4%

PARANÁ (13 CIDADES)
Abril 2021: 369 mm
Média histórica: 1.434,2 mm
Porcentual: 25,7%

As informações são de Agência de Noticias do Paraná

Destaques, Educação, Meio Ambiente,

​Unioeste desenvolve filtro que elimina odores de poluentes industriais

A Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste) desenvolveu, por meio de um projeto de pesquisa, um filtro que elimina os odores contidos nos poluentes gasosos de diversas indústrias. A solução é uma alternativa acessível às empresas de pequeno, médio e grande porte.

O produto tecnológico inédito no mercado foi um dos 21 projetos selecionados para participar do Programa de Apoio à Propriedade Intelectual com Foco no Mercado (Prime), realizado pela Superintendência Geral de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, em parceria com a Fundação Araucária, Superintendência Geral de Inovação, Universidades Estaduais e o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae-PR).

A pesquisa já teve a experiência de parceria com a empresa agrícola Faricon, da cidade de Toledo. Para o superintendente de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Aldo Bona, ao integrar o programa Prime as patentes ganham força para serem transferidas para o setor industrial.

“Esse é o nosso objetivo, estimular a cultura empreendedora nas universidades. As iniciativas selecionadas passarão por diferentes etapas de formação, aumentando a capacidade de atender as demandas que o mercado exige”, explica.

Saiba mais em Agência de Notícias do Paraná

Brasil, Destaques, Foz do Iguaçu, Meio Ambiente,

Sentiu frio nos últimos dias? Se prepare, na primeira semana de maio chega nova massa de ar polar

Quem mora em Foz do Iguaçu e em determinadas regiões do Paraná, próximas a divisa com o estado de Santa Catarina, percebeu o frio que tem feito à noite e nas madrugadas dos últimos dias.

A onda deverá se repetir, e com mais intensidade ao final da primeira semana de maio. É o que aponta o Clima Tempo, serviço de meteorologia prevê novas quedas de temperaturas.

No Sul do país, a semana começa quente, mas com a chegada de uma frente fria a temperatura máxima já diminui a partir da quarta-feira (5).

Com a chegada do ar polar associado a frente fria, a previsão é de madrugadas mais frias a partir da quinta-feira (6), quando já esfria bem no sul e sudoeste gaúcho.

Com informações do Clima Tempo