Browsing Category

Meio Ambiente

Leia as últimas notícias sobre Meio Ambiente no CabezaNews, site de informação com reportagens exclusivas, fotos, vídeos e conteúdos sobre Foz do Iguaçu e sobre o Paraná.

O CabezaNews leva ao público notícias de utilidade pública, curiosidades, turismo, lazer, cultura. Sobretudo com um olhar voltado para a região da tríplice fronteira entre Brasil, Paraguai e Argentina.

Em Foz, nossa cobertura foca os principais acontecimentos da cidade, incluindo eleições 2020, o avanço da pandemia do novo coronavírus, as ações da Itaipu Binacional, bem como a administração do prefeito Chico Brasileiro.

O site não deixa de lado o que acontece no restante do estado do Paraná. Notas exclusivas dos bastidores da política, da Assembleia Legislativa, ações do governo do Paraná e da administração Ratinho Júnior. Assim como as principais notícias nacionais.

O CabezaNews é editado por Ronildo Pimentel, jornalista com mais de 30 anos de atuação em jornalismo impresso e digital.

Meio Ambiente, Paraná,

Itaipulândia promove de 7 a 9 de outubro a 2ª campanha para recolher lixo eletrônico e óleo de cozinha

Entre os dias 7 e 9 de outubro começa a 2ª campanha de recolha de lixo eletrônico e óleo de cozinha em Itaipulândia. Promovida pela Secretaria de Meio Ambiente, a campanha é realizada três vezes ao ano e visa conscientizar a população sobre o descarte dos materiais.

A parada para a conscientização será realizada em frente à Praça Isidoro Royer e visa incentivar os moradores do município ao descarte de todo material eletrônico e óleo de cozinha e ainda orienta os motoristas sobre a reciclagem, coleta seletiva e a importância de cuidados com o meio ambiente.

A campanha de recolha do lixo eletrônico e óleo de cozinha vai até sexta-feira (9) das 7h30 às 11h30 e das 13h às 17h. Os pontos de recepção do produto são: Praça Isidoro Royer e subprefeituras de São José do Itavó, Caramuru e Santa Inês. Lembrando que o óleo de cozinha precisa estar em garrafa PET para ser recolhido.

Destaques, Foz do Iguaçu, Meio Ambiente,

Sol e lua avermelhados chamam a atenção em Foz do Iguaçu. Fenômeno pode ser visto no Sul e Sudeste do país

Nos últimos dias, quem observa a despedida ou chegada do sol, ou mesmo a lua a noite já deve ter reparado, ambos estão em tons avermelhados

De acordo com os cientistas, isso pode ser reflexo da fumaça das queimadas que consomem o Pantanal e a Amazônia, um efeito causado pelo contato entre a luz do sol e as partículas de fuligem suspensas na atmosfera.

A imagem no alto, que ilustra esta nota, foi feita no final da madrugada desta sexta-feira (03), pelo fotojornalista Roger Meireles na área rural de Foz do Iguaçu.

“Bom dia! Já nem sei mais quem é sol quem é lua”, brinca Meireles, sobre a aparência de ambos.

Como está o clima em sua cidade ou região?

Destaques, Meio Ambiente, Paraná,

Calor e pouca chuva ampliam crise hídrica em todo Paraná

Sanepar alerta que redução no consumo é essencial neste momento. Companhia lembra que outubro repete o cenário do mês passado.

A Sanepar alerta que a redução no consumo de água pela população é essencial neste momento. A empresa lembra que os  primeiros dias de outubro repetem o cenário do mês passado: temperaturas elevadas e poucas chuvas. Setembro registrou um déficit de 70% nas precipitações reforçando a estiagem severa que afeta o Paraná, principalmente na Região Metropolitana de Curitiba.

Nesta quinta-feira (01), a temperatura máxima na capital chegou a 34 graus, muito elevada para esta época do ano. A previsão para esta sexta-feira é também de calor excessivo.

Esse cenário mantém os mananciais com níveis críticos para o abastecimento.  As barragens do Sistema de Abastecimento Integrado estão com reservação pouco abaixo de 30%. A Sanepar alerta que se os níveis chegarem a 25% será necessário adotar um rodízio mais severo.

“A redução no consumo é essencial neste momento. Temos que atingir a meta de 20% de economia de água em todas as nossas atividades”, afirma o diretor de Meio Ambiente e Ação Social da Sanepar, Julio Gonchorosky. 

Destaques, Foz do Iguaçu, Meio Ambiente,

Área do Aeroporto de Foz do Iguaçu recebe árvores nativas para compensação ambiental

Acordo entre a Infraero e o Instituto Água e Terra já resultou no plantio de 10 mil mudas e outras 16 mil estão previstas. Compensação é pela obra de ampliação da pista de pouso e decolagem.

O Aeroporto Internacional de Foz do Iguaçu, que está em obras para ampliação da pista de pouso e decolagem, recebeu o plantio de 10 mil mudas de espécies nativas, em uma área de seis hectares, equivalente a pouco mais de oito campos de futebol. O plantio foi feito pela Infraero,  em parceria com a Itaipu Binacional, para compensação ambiental pela obra.

A Infraero é uma das empresas que investem no Paraná com acordos de compensação ambiental por meio do plantio de árvores nativas. O acordo é feito com o Instituto Água e Terra (IAT), órgão vinculado à Secretaria do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo e responsável pelo licenciamento de obras.

O secretário do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo, Márcio Nunes, lembra que o Instituto Água e Terra possui 19 viveiros que produzem e distribuem gratuitamente mudas de mais de 100 espécies nativas. Entre elas estão araucária, jabuticaba, canela, peroba, imbuia e erva-mate, que formam parte da vegetação existente no Estado. 

“Isso faz parte de um grande programa estadual, o Paraná Mais Verde. Sementes são coletadas nas florestas e levadas até os viveiros, onde é feita a reprodução das espécies para serem distribuídas à população”, explica Nunes.

Plantio

A obra no Aeroporto Internacional de Foz do Iguaçu já têm 55% dos trabalhos concluídos. “O Dia da Árvore deu início às ações de compensação ambiental, que vêm ao encontro da política ambiental da empresa”, informa Fued Abrão, superintendente de Meio Ambiente da Infraero. “Todo o processo de licenciamento ambiental da obra teve acompanhamento do IAT, que nos deu o conhecimento técnico do plantio correto e mudas saudáveis. Elas irão se desenvolver e oferecer ganhos como a retenção de carbono, por exemplo”, completa

Foram plantadas mudas de 15 espécies oriundas do Viveiro de Cascavel. Entre elas estão Ipê, Araçá, Cedro e outras espécies de ocorrência local. “As espécies foram escolhidas de acordo com o clima da região. Não adianta apenas plantar. É preciso plantar com a garantia de que as árvores vão sobreviver e, consequentemente, promover a compensação ambiental”, explica o Chefe do Escritório Regional do IAT em Foz do Iguaçu, Carlos Antonio Pittom.

Árvores frutíferas, por exemplo, não são viáveis no local por ficar ao lado da pista de pouso e decolagem. “Árvores frutíferas atraem aves e pequenos animais e isso pode ser perigoso”, disse Pittom.

Compensação

Está previsto, ainda, o plantio de outras 16 mil mudas em 12 hectares. Essa ação se somará a outros trabalhos já desenvolvidos pela Infraero, como monitoramento da qualidade da água, do ar e ruído produzido pela obra, bem como manejo de flora e fauna e educação ambiental.

A ampliação da pista do aeroporto de Foz proporcionará mais voos para o município, concorrendo com destinos do mundo inteiro, e é parte do projeto de transformar o Paraná no hub de distribuição da América do Sul. As obras foram iniciadas em fevereiro e a expectativa é de conclusão no primeiro semestre de 2021. O investimento bancado pela Itaipu Binacional é parte de um aporte de R$ 1 bilhão em obras de infraestrutura na região Oeste. 

Também está em andamento a expansão do pátio de aeronaves, já com 56% de execução. A melhoria vai garantir mais quatro posições de estacionamento de aeronaves comerciais, aumentando a capacidade em 57%. O planejamento é que essa obra seja finalizada neste semestre.

Mais melhorias

Outras melhorias são a duplicação da via de acesso ao aeroporto e a implantação de ciclovia, que estão com 80% de execução. As obras vão aprimorar a fluidez nas chegadas e saídas de veículos no terminal fronteiriço e garantir segurança aos ciclistas. Esses trabalhos devem ser finalizados neste semestre.

Destaques, Foz do Iguaçu, Meio Ambiente,

Primavera dá nova cara ao Parque Nacional do Iguaçu

Banho de natureza das Cataratas do Iguaçu tem contagiado famílias brasileiras

É tempo de pensar, repensar e respirar ar livre. E é com esse desejo de viver a natureza em sua essência que o Parque Nacional do Iguaçu, na cidade de Foz do Iguaçu, recebeu brasileiros dos 26 estados e Distrito Federal desde sua reabertura, em agosto, após ser fechado por medida de proteção contra a covid-19.

A primavera no Parque Nacional do Iguaçu tem brindado esses visitantes com cenas e sensações incríveis. A estação tem reservado dias ensolarados, aparições de bichos e, claro, aquele famoso arco-íris das Cataratas do Iguaçu. A fauna e a flora do local parecem disputar a atenção do público, que atentamente acompanha os movimentos da natureza, sem se descuidar dos protocolos de saúde.

O visitante que tiver sorte poderá encontrar a família de macacos-prego que vive nas árvores próximas ao Porto Canoas; ou o casal de tucanos, próximo ao mirante do Hotel Cataratas, no início da Trilha das Cataratas. Há a beleza dos ipês com suas floradas multicoloridas, que salta aos olhos do público. As borboletas colorem o céu do parque e enchem o ambiente de vida.

Além da beleza, o parque abriga muitos mamíferos, entre eles o quati, o rei da simpatia, que está sempre roendo algo ou correndo para a alegria da criançada. Há visitantes que sonham ver as onças-pintadas que habitam o Parque Nacional do Iguaçu, mas esses encontros são raros, apenas alguns sortudos conseguem flagrar os felinos de tempos em tempos.

E na primavera o visitante consegue ver mais bichos e flores e caminhar com muito mais tranquilidade. São 1.200 metros de caminhada pela Trilha das Cataratas, margeando a Maravilha Mundial da Natureza, com destaque aos novos sons de pássaros, que aparecem com mais frequência, às cores fortes e ao cheiro da mata.

Alexandre Bazzi, que ficou um período sem visitar as Cataratas, em razão da pandemia, disse que voltar ao atrativo é uma forma de repor energias e que sempre é um ótimo passeio. “Se fosse para vir ao Parque Nacional de olhos vendados e caminhar aqui, já valeria a pena. Sentir os sons e tudo mais, com certeza já valeria a pena”, afirmou Bazzi.

O visitante Denis Medina, que esteve no parque na companhia da esposa, Ednéia, e dos filhos Gustavo e Giovana, comentou sobre a sensação de sair de casa, após um tempo sem passeio familiar por conta das medidas restritivas de saúde: “Ficamos realmente encantados com toda a beleza e organização do local. Foi maravilhoso conhecermos este patrimônio. Voltaremos para casa felizes e renovados”.

Ingresso exclusivamente on-line – Os ingressos para visitar o Parque Nacional do Iguaçu agora são vendidos exclusivamente on-line, no site www.cataratasdoiguacu.com.br. E como neste momento o parque está com limitação de público por hora, o visitante precisa realizar a aquisição e agendar o dia e o horário da visita. A compra está sujeita à disponibilidade de vagas. Não há restrição de idade para realizar o passeio.

Passe Comunidade – Moradores das 14 cidades vizinhas à unidade de conservação possuem 90% de desconto no ingresso. Essa categoria de ingresso também está disponível exclusivamente on-line no site https://cataratasdoiguacu.com.br/passe-comunidade/. Mas atenção: os moradores precisam comprovar residência em uma das cidades apresentando o comprovante presencialmente no acesso ao parque.

Confira como está o funcionamento do Parque Nacional do Iguaçu e Marco das 3 Fronteiras: https://youtu.be/mwufrBb90BU

Central de Atendimento ao Visitante (WhatsApp): +55 (45) 9137-3444 (wa.me/554591373444)

Fotografias: Nilton Rolin

Parque Nacional do Iguaçu
Funcionamento: terça a domingo, das 9h às 16h
www.cataratasdoiguacu.com.br
contato@catarataspni.com.br
Telefone: +55 (45) 3521-4400

Canais nas redes sociais
WhatsApp: +55 (45) 9 9137 3444
Facebook: @CataratasDoIguacu
Instagram: @CataratasdoIguacu
Twitter: @CataratasBrasil

Destaques, Foz do Iguaçu, Meio Ambiente,

Calor intenso volta a Foz do Iguaçu a partir da terça-feira (29), sem previsão de chuva

Pelo menos quatro cidades do Paraná registraram chuva de granizo no domingo (27), após as temperaturas ultrapassarem os 30°C. O fenômeno foi registrado em Curitiba, Ponta Grossa, Cascavel e Maringá.

Adianta a Rádio Cultura que, em Foz do Iguaçu, a chuva forte que estava prevista chegou com pouca intensidade, após um dia de calor intenso que chegou aos 35°C.

Para esta segunda-feira (28), o Simepar prevê pancadas de chuva e temperatura máxima de 26°C.

O tempo volta a esquentar na terça-feira, quando o sol volta a parecer com intensidade e máxima de 33°C no termômetro. A mínima fica em 14°C.

O calor deve seguir intenso durante toda a semana, chegando aos 36°C na quarta-feira e aos 38°C na quinta-feira, sem previsão de chuva.

Destaques, Foz do Iguaçu, Meio Ambiente,

Nascimento de filhote de flamingo é registrado em vídeo no Parque das Aves em Foz do Iguaçu. Assista!

A equipe técnica acompanhou todo o processo de nascimento do filhote que, com 8 dias, já pode ser visto pelos visitantes junto com o restante da colônia

Na terça-feira, 15 de setembro, a equipe do Parque das Aves, em Foz do Iguaçu, conseguiu registrar o nascimento de um filhote de flamingo na área chamada de Lago dos Flamingos. O processo de nascimento levou em torno de uma hora e meia, e as primeiras bicadas no ovo foram registradas às 8h da manhã.

“Ficamos muito emocionados de poder acompanhar tão de pertinho esse nascimento. Seguimos com todos os cuidados habituais para não incomodar os pais, que estavam muito atentos a todas as necessidades do filhote que estava nascendo, e também de outras aves em ninhos próximos. E no final foi lindo ver o pequeno flamingo saindo do ovo e vocalizando pela primeira vez”, comenta Roberta Manacero, chefe da Divisão de Bem-estar Animal do Parque das Aves, que estava observando os flamingos no dia em que o nascimento aconteceu.

Há apenas 2 dias do início da primavera, podem ser observados no recinto dos flamingos 14 ovos sendo incubados nos ninhos e 12 filhotes já explorando o recinto. E o filhote que nasceu no dia 15, hoje com 8 dias de vida, recentemente se juntou a eles para dar seus primeiros passeios fora do ninho.

Nascimento com muitas emoções

No dia do nascimento, Roberta estava de plantão, cobrindo as folgas da equipe da Sala de Filhotes, que normalmente monitora a colônia de flamingos do Parque das Aves, acompanhando quais são os casais, a situação dos ovos e desenvolvimento dos filhotes.

“Eu estava fazendo o monitoramento e atenta justamente à previsão de nascimento deste filhote, agendada para esta data. Notei logo cedo que o ovo já mostrava sinais de que o filhote estava começando o processo de saída da casca. Então pudemos acompanhar o nascimento do começo ao fim, e registrar cada momento para que as pessoas pudessem compartilhar conosco este momento tão especial, mas nem sempre visível”, comenta Roberta.

O processo de nascimento levou em torno de uma hora e meia e durante todo o período o macho ficou sentado no ovo, enquanto a fêmea ficou ao seu lado, acompanhando bem de perto as primeiras movimentações do filhote.

“O macho e a fêmea revezam os cuidados com o ovo durante o período de incubação, e depois também com os cuidados dos filhotes. No caso do indivíduo que acompanhamos o nascimento, o pai é quem estava incubando o ovo neste momento. E ele apenas se levantava para checar como estava a situação do filhote, e logo se sentava novamente no ovo, mantendo o filhote aquecido, seguro e tranquilo para trabalhar na quebra da casca do ovo. Apenas ao final o pai se levantou e seguiu de pé observando o filhote até que ele levantasse a cabeça e vocalizasse pela primeira vez. Foi um momento único”, finaliza Roberta.

Referência na reprodução de flamingos

Com mais de 25 anos de história, o Parque das Aves se tornou referência na reprodução de flamingos. Os primeiros 8 casais chegaram em 1995, e o primeiro filhote nasceu em dezembro de 2001.

Mas para que isso aconteça, diversos cuidados e dedicação devem ser tomados, envolvendo uma equipe composta por veterinários, zootecnistas, biólogos e demais técnicos. Dentro desse grupo de profissionais, uma equipe realiza um trabalho específico aos cuidados reprodutivos: o time da Sala de Filhotes, cujas responsabilidades vão desde a observação da formação de casais e o cuidado que os pais prestam a ovos e filhotes, além de resgatar ovos e filhotes que requeiram cuidados especiais.

“O tipo de alimentação oferecida às aves e os demais itens estruturais, como o oferecimento de areia que os casais usam para construir seus ninhos, são muito importantes para obtermos este sucesso reprodutivo. Além disso, observamos cautelosamente os casais que estão se formando, a construção dos ninhos e postura dos ovos; bem como o nascimento dos filhotes e seus desenvolvimentos. Assim oferecemos os melhores cuidados aos animais e ficamos preparados para contribuir com qualquer tipo de auxílio que seja necessário a eles”, comenta Paloma Bosso, diretora técnica do atrativo.

Ninhos à vista

O acompanhamento da colônia de flamingos e das movimentações dos casais é um trabalho muito importante realizado pela Sala de Filhotes. Inicialmente, a equipe faz o mapeamento dos ninhos e dos respectivos casais. O objetivo é monitorar quando a postura do ovo foi feita para prever a data de nascimento e identificar os pais, evitando cruzamento entre espécies diferentes ou animais aparentados.

No Parque das Aves os flamingos colocam ovos próximos aos espelhos, pois o reflexo do grupo faz com que se sintam em uma grande colônia, e assim seguros de que estão protegidos contra predadores. Além disso, os tratadores colocam areia adicional nesta época do ano e então os casais escolhem um local para construir seu ninho. Assim que encontram o ponto adequado, usam seu bico para puxar a areia e construir o futuro abrigo do ovo. E quanto mais alto o ninho, mais seguro para o ovo, pois evita que ele role.

Destaques, Meio Ambiente, Paraná,

Paraná vai ampliar atendimento à fauna vítima de tráfico e maus-tratos

O Estado conta com quatro Centros de Apoio à Fauna que atendem animais silvestres e mais três serão implantados. A meta é que os 21 Escritórios Regionais do Instituto Água e Terra (IAT) tenham esse apoio.

O Paraná vai ampliar a rede de Centros de Apoio de Fauna Silvestre (Cafs). As novas estruturas foram discutidas pelo Instituto Água e Terra (IAT), vinculado à Secretaria do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo, nesta terça-feira (22), data em que se comemora o Dia da Defesa da Fauna.

Hoje há quatro Cafs em funcionamento e, conforme definido na reunião, mais três serão implantados. A meta é aumentar o número de centros para que os 21 Escritórios Regionais do IAT tenham esse apoio, o que evitará deslocamentos desnecessários e boa parte da logística que envolve o atendimento aos animais.

Os Cafs, assim como os Centros de Triagem de Animais Silvestres (Cetas), são unidades parceiras planejadas e distribuídas estrategicamente no/ Estado, para o tratamento da fauna silvestre vitimada pelo comércio ilegal, tráfico, cativeiro irregular e de maus-tratos.

O IAT possui diversas iniciativas pró-fauna. Entre as propostas, estão a implantação, também, do Centro Paranaense de Referência em Fauna (CPRFAU) e o estabelecimento de um Comitê Gestor da Fauna Vitimada.

A bióloga e chefe do Setor de Fauna do IAT, Paula Vidolin, explica que novos investimentos estão sendo feitos devido aos bons frutos colhidos na proteção da fauna silvestre em todo o Estado. “Como temos resultados positivos, ficaram definidos novos investimentos para ampliar o número de Cafs. A meta é dar cobertura a todas as regionais”, explicou.

O Cafs agrega todas as ações de gestão de fauna, desde a parte de manejo, educação, pesquisa e lazer. Como medida de aprimoramento, o IAT promove constantemente a capacitação da equipe técnica. Neste mês de setembro, uma série de cursos foi finalizada com a capacitação de 40 técnicos e residentes do instituto.

Tráfico

O tráfico de animais silvestres configura-se como uma das maiores atividades predatórias. De acordo com a Rede Nacional de Combate ao Tráfico de Animais Silvestres (Renctas), 38 milhões deles são retirados da natureza todos os anos no Brasil.

De acordo com a Secretaria do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo, o Paraná é uma rota para o tráfico internacional devido às áreas de fronteiras com outros países. Dados da Polícia Ambiental Força Verde (BPAmb-FV) apontam que, somente nos últimos oito meses de fiscalização, cerca de 4 mil animais silvestres foram vitimados pelo tráfico ou por cativeiro irregular.

O número representa um aumento de 11% em relação a 2019.  Deste total, as aves representam 90%. A maioria dos animais sofre maus-tratos e muitos morrem.

Dentre as espécies mais apreendidas estão os trinca-ferro, canário-da-terra, coleirinho, papagaio-verdadeiro, papagaio-de-peito-roxo e periquito-rico. As ações resultaram também na apreensão de 2.111 gaiolas e 122 armadilhas, no mesmo período.

A estimativa do IAT é de que pelo menos 10 mil animais vitimados ao ano são apreendidos e entregues voluntariamente.

Leia mais em: AEN

Destaques, Foz do Iguaçu, Meio Ambiente,

‘É uma chamada para a defesa do que ainda resta’, diz bióloga do Onças do Iguaçu sobre incêndios no Pantanal

Projeto de Foz do Iguaçu atua na conservação do meio ambiente e está com uma campanha para ajudar animais, como as onças-pintadas, prejudicados pelas queimadas no MT e MS.

Os incêndios no Pantanal destacaram a importância de toda a sociedade olhar para natureza com preocupação, inclusive, daqueles que não moram na região das queimadas, segundo a bióloga e coordenadora do Projeto Onças do Iguaçu, Yara Barros. O programa trabalha com a conservação do meio ambiente, em Foz do iguaçu e região, no oeste do Paraná.

De acordo com a bióloga, não é possível saber se o que foi destruído pelo fogo poderá ser recuperado, mas caso ocorra, levará muitos anos por se tratar de uma destruição sem precedentes.

“É uma perda para a humanidade. Demorou para olharmos para o meio ambiente, o que aconteceu é uma chamada clara para a luta da defesa do que ainda resta”, afirmou.

A coordenadora destaca o impacto nas vidas dos animais, como a onça-pintada, uma das principais espécies que o projeto estuda. O Parque Estadual Encontro das Águas, no Mato Grosso, é o principal refúgio da onça-pintada e também foi destruído pelo fogo.

Obra foi doada pela artista conservacionista Birgitte Tümmler para arrecadar fundos e ajudar o pantanal (Foto: Birgitte Tümmler)

A artista conservacionista Birgitte Tümmler, que mora em Curitiba, retrata questões do meio ambiente por meio da arte há cerca de 10 anos e doou uma obra para ajudar com as ações do Pantanal.

Para ela, o prejuízo das queimadas é incalculável, pois além dos animais que morreram, os que sobreviveram não têm mais habitat para retornar.

“Nesse momento os animais estão a mercê do que o ser humano fez. Mas a natureza fará tudo isso voltar para gente, ela sempre dá resposta de tudo aquilo que a gente dá para ela”, disse.

Veja mais em: G1

Destaques, Foz do Iguaçu, Meio Ambiente,

No Dia da Árvore, Foz do Iguaçu ganha 16 mil mudas em parceria do IAT com a Prefeitura e Infraero

No Dia da Árvore, comemorado nesta segunda-feira (21 de setembro), Foz do Iguaçu vai ganhar 16 mil mudas nativas da região.

A plantação é resultado de parcerias do Instituto Água e Terra (IAT) do Paraná com a Prefeitura e a Infraero, responsável pela gestão do Aeroporto Internacional de Foz do Iguaçu.

Na ação com a Prefeitura, serão plantadas seis mil mudas de árvores para recomposição florestal de uma área de preservação permanente (APP), situada na Rua Ampere com José Bernardo Filho, Bairro Três Lagoas (próximo ao conjunto residencial Angatuba).

Com a Infraero, o IAT vai plantar 10 mil mudas dentro da área do Aeroporto Internacional como compensação ambiental pelas obras de ampliação da pista de pouso e decolagem do terminal aeroportuário. (AQUI para relembrar)

Ambas as ações, na manhã desta segunda, integram as comemorações pelo Dia da Arvore, data criada para conscientizar a população sobre a importância da riqueza natural e proximidade da primavera.