Browsing Category

Foz do Iguaçu

Leia as últimas notícias sobre Foz do Iguaçu no CabezaNews, site de informação com reportagens exclusivas, fotos, vídeos e conteúdos sobre Foz do Iguaçu e sobre o Paraná.

O CabezaNews leva ao público notícias de utilidade pública, curiosidades, turismo, lazer, cultura. Sobretudo com um olhar voltado para a região da tríplice fronteira entre Brasil, Paraguai e Argentina.

Em Foz, nossa cobertura foca os principais acontecimentos da cidade, incluindo eleições 2020, o avanço da pandemia do novo coronavírus, as ações da Itaipu Binacional, bem como a administração do prefeito Chico Brasileiro.

O site não deixa de lado o que acontece no restante do estado do Paraná. Notas exclusivas dos bastidores da política, da Assembleia Legislativa, ações do governo do Paraná e da administração Ratinho Júnior. Assim como as principais notícias nacionais.

O CabezaNews é editado por Ronildo Pimentel, jornalista com mais de 30 anos de atuação em jornalismo impresso e digital.

Destaques, Educação, Foz do Iguaçu, Paraná,

Servidores estaduais fecham acesso à Ponte da Amizade para cobrar reposição salarial

O “Dia do Basta!” uniu diversas categorias que denunciam perdas de 25% da remuneração com o congelamento mantido pelo Governo do Paraná

Servidores estaduais fecharam o acesso à Ponte Internacional da Amizade, na fronteira do Brasil com o Paraguai, nesta segunda-feira, 27, para cobrar do Governo do Paraná o pagamento da reposição salarial, congelada há quase seis anos. O ato, denominado “Dia do Basta!”, reuniu em Foz do Iguaçu 1,5 mil funcionários públicos vindos de todo o estado.

Durante a manifestação, o trânsito à Ponte da Amizade foi completamente interrompido por uma hora, e houve caminhada pela rodovia que conduz à via de ligação internacional. Representantes dos trabalhadores do serviço público paranaense revezaram-se no carro de som que permaneceu na área próxima da aduana brasileira na fronteira.

A manifestação foi organizada pelo Fórum das Entidades Sindicais (FES) e pela União das Forças de Segurança (UFS). As entidades denunciam que a defasagem das remunerações já atingiu 25,44%, pelo calote na reposição do índice da inflação anual previsto em lei, o que corrói o equivalente a quatro salários por ano de cada servidor do Paraná.

Caso o governo de Ratinho Junior (PSD) não abra negociação sobre a pauta, não estão descartadas outras paralisações. Participaram do protesto na Ponte da Amizade profissionais da saúde, policiais civis, penais e militares, educadores, técnicos de instituições do ensino superior e trabalhadores de outros segmentos.

Profissionais do setor público vieram de várias cidades do estado

“Paramos toda a Ponte da Amizade em defesa do nosso salário, da reposição da inflação, não é reajuste”, enfatizou a coordenadora do FES, a professora Marlei Fernandes. “O governo não pode mais ignorar que há uma desfasagem salarial e que estamos no limite. Hoje é o dia do basta: basta de calote, basta da falta de respeito de Ratinho Junior com os servidores”, completou.

No ato público unificado, os servidores destacaram que o custo de vida não para de subir. Mencionaram os aumentos no preço dos alimentos, gás, água, energia elétrica e combustíveis, afirmando que parte dos servidores está com dificuldades de garantir o sustento familiar. Segundo dados oficiais, a inflação dos últimos 12 meses já superou 10%.

Integrante da coordenação da União das Forças de Segurança (UFS), Kamil Salmen denunciou a falta de diálogo por parte da administração estadual. “Está na hora do governador começar a levar a sério e respeitar o funcionalismo do Paraná, e parar de virar as costas. Nós não somos seus inimigos. O que queremos é sentar à mesa de negociação sobre a nossa pauta, o pagamento da reposição”, sublinhou o policial.

Nas falas públicas realizadas durante o ato, os servidores lembraram que os segmentos essenciais do funcionalismo nunca deixaram de trabalhar ao longo da pandemia de covid-19. Assim foi com o pessoal da saúde, da educação e da segurança pública, que manteve as atividades enquanto outros setores suspenderam as funções laborais. 

Governo que impor novo calote

O governador Ratinho Junior fez aprovar na Assembleia Legislativa do Paraná (Alep), por meio da sua base de sustentação política, a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) para 2022 sem reposição dos salários. Contraditoriamente, a normativa elevou de R$ 12 bilhões para R$ 17 bilhões as isenções fiscais destinadas a grandes empresários.

“Por isso, seguiremos mobilizados e unidos por nosso direito à reposição salarial, que não é favor de Ratinho Junior e de nenhum governante, mas um direito, uma obrigação que está na lei”, ponderou Madalena Ames, da organização local do protesto. “Precisamos impedir a pretensão do governo de mais um calote”, finalizou. 

Fotos: Marcos Labanca

Destaques, Educação, Foz do Iguaçu, Paraná,

Foz do Iguaçu acerta em priorizar a educação no Orçamento Participativo, diz um dos criadores do programa

Nova versão do OP, na maiorias das cidades, tem como destaque os investimentos na educação, o que contribui com o desenvolvimento de outras políticas públicas

A Prefeitura de Foz do Iguaçu acerta para definir quais ações e projetos são essenciais, através do Orçamento Participativo (OP), para o desenvolvimento de todas as regiões da cidade, diz o sociólogo Felix Sanchez, 63 anos, um dos criadores do programa e coordenador do programa por duas vezes em São Paulo (1989-1992 e 2001-2004).

“É um caminho super certo que vai acabar contribuindo muito no estabelecimento de uma relação de maior qualidade, inclusive no desenvolvimento de outras políticas, de assistência, de atendimento à população de vulnerabilidade. Essa âncora na escola é muito importante, porque é um mecanismo de chegar nas periferias das cidades, de um jeito mais efetivo”, disse Feliz Sanchez, autor do livro “Orçamento Participativo, Teoria e Prática”.

Em 2021, a segunda edição do OP projeta R$ 50 milhões em investimentos nas cinco grandes regiões de Foz do Iguaçu. A escolha majoritária para obras em educação, acredita Felix Sanchez, é uma tendência daquilo que chama de “orçamento participativo criança”, uma experiência que está sendo levada em todos os continentes do mundo como uma política pública participativa e inovadora.

Nesta entrevista, o sociólogo fala mais da experiência que começou em Porto Alegre, replicada em São Paulo e outras mil cidades brasileiras a partir dos anos de 2000. Felix Sanchez tem 63 anos, é professor universitário, e atuou ainda no governo paraguaio entre 2008-2012.

Quando foi criado o orçamento participativo?

O Orçamento Participativo foi criado na década de 80 e sua primeira experiência foi em 1989 na prefeitura de Porto Alegre. Essa foi a primeira grande experiência que mostrou ser uma inovação na gestão das cidades. É tão potente que hoje está espalhada nos cincos continentes do mundo em cidades e capitais importantes.

Dessas experiências em Porto Alegre e em São Paulo, algumas se tornaram políticas públicas ou não?

Foram todas muito importantes. Em primeiro lugar, na gestão territorial da cidade. Em que sentido? No sentido que o OP tem funcionado como um mecanismo importante de governança propícia. De um lado a participação das comunidades e dos moradores. Para conseguir apontar, controlar, fiscalizar e gerir uma melhor administração dos serviços públicos e dos recursos aplicados para atendimentos das ações dos governos locais.

Nesse aspecto, a boa experiência que recorre às políticas públicas nas cidades se desdobra no aspecto da gestão dos serviços públicos aplicados em setores residenciais, como saúde e educação. Também na gestão dos territórios porque atende justamente uma administração mais racional das regiões em que se divide a cidade, e aí esse elemento que permite diminuir as desigualdades sociais por meio da participação ativa dos cidadãos.

Nesse sentido, poderia apontar por vários caminhos a contribuição das experiências das políticas públicas. Mas o interessante é ver que, por exemplo, hoje temos OP em Nova Iorque (EUA), em Londres (Inglaterra), só para dar exemplos.

Como está o OP em outras cidades e fora do Brasil?

Esta é uma política que deu certo, porque hoje está sendo praticamente consagrada a um processo que vem desde 1989 até o dia de hoje. É uma experiência que teve mais sucesso no ponto de vista de gestão das cidades, encorajou o desenvolvimento de um novo olhar mais sensível aos problemas mais tocantes, mais urgentes das populações. Por conta disso acabou se legitimando e ganhando uma grande autoridade de um ponto de vista das experiências.

O senhor falou de Nova Iorque e Londres, quais outras cidades?

É uma lista enorme. Vamos começar pelo Brasil, depois de Porto Alegre, isso pula para outros países da América Latina, desde a Ciudad del México, em Guatemala, em El Salvador. Na América do Sul, tem experiências muito importantes no Equador, na Colômbia, no Chile, na Argentina, no Paraguai e na capital Asunción já passou por uma experiência do OP.

Na América do Norte, foi o caso de Nova Iorque e várias cidades dos EUA, que também é um continente quase igual ao Brasil. Depois Paris, que é uma das experiências também muito importante que estão sendo desenvolvidas, além de várias outras cidades da França, em Londres, na Bélgica, na África, Moçambique. Vários países africanos têm OP, na Ásia, a Índia também tem várias cidades. Então, digamos que o orçamento participativo é um processo que está em ascensão no mundo.

O senhor falou a respeito de OP Criança. Como é esse modelo?

A primeira grande experiência foi feita em São Paulo quando coordenava o OP na prefeitura. Na verdade, comecei a implantar e a partir de 2002. Estabeleci uma discussão através do Observatório Internacional de Democracia Participativa que participei da sua criação e fiz parte do seu conselho diretor com experiência na Espanha, em Barcelona.

O pessoal da prefeitura de Barcelona somou uma discussão muito interessante, inclusive um debate que trouxemos para cá, que é justamente sobre mecanismos para melhorar a qualidade do ensino pelo estímulo da participação comunidade de educação que são os pais, os professores trabalhadores e os próprios estudantes. A partir disso começamos a desenvolver, em 2003, mais intensamente em 2004, um OP para crianças. Esse processo, inclusive, alicerçou a candidatura de São Paulo já em 2004 no torneio mundial de cultura em Nova Iorque e simultaneamente em Seul, na Coreia do Sul.

Levamos o prêmio de experiência mais importante nesse torneio mundial de cultura. Recebi o prêmio pessoalmente, pela área de ajuda humanitária. A premiação foi feita em 2004 e reconheceu o OP em geral, mas também o OP Criança, como um mecanismo de inovação muito importante de participação e esse processo continuou se espalhando.

Estava esquecendo de mencionar Lisboa (Portugal), que é uma cidade que abraçou a proposta e hoje em dia o OP entre os países de língua portuguesa, certamente é uma das experiências mais importantes, porque combina, na verdade, uma preocupação com o problema da educação justamente na educação na infância, mas dentro de uma concepção também mais larga, mais ampla, porque o processo educacional é entendido mais contemporaneamente, que envolve todas cidades.

O processo da educação que tem o apoio da escola na formação da criança, do jovem, depois do adulto, até o idoso, é muito importante. E o OP, nessa perspectiva de uma educação integral, que abrange todas as etapas das vidas dos seres humanos, é compreendido como um elemento que contribui com a melhoria da qualidade de vida das pessoas, isso em todos os países e em todos os lugares.

Foz do Iguaçu está na segunda edição do OP. Na primeira, as escolhas foram nas áreas de infraestrutura, mas nessa foi colocado até um limitador, por exemplo R$ 10 milhões na região sul, R$ 9 milhões foi para educação. Na região Leste foi colocado um limitador de R$ 6 milhões. Então, a própria comunidade, os professores estão se organizando em relação a usar a verba ou prever o recursos para educação. Nessa avaliação, o senhor considera que Foz do Iguaçu está no caminho certo?

Super certo e acho que é uma orientação que vai acabar contribuindo muito no estabelecimento de uma relação de maior qualidade, inclusive no desenvolvimento de outras políticas, de assistência, de atendimento à população de vulnerabilidade e por causa disso, essa âncora na escola é muito importante. Porque é um mecanismo de chegar nas periferias das cidades, de um jeito mais efetivo, mais tranquilo, porque tem uma vida cotidiana importante, é um serviço essencial.

O senhor falou também sobre o OP em cidades do Paraguai, além de Asunción, tem mais alguma cidade? Como está o OP lá?

O OP é uma experiência que acabou sendo interrompida. Em Asunción, houve uma mudança e o Partido Colorado retomou a prefeitura e interrompeu. Por outro lado, tem Encarnación, que fica ao sul do Paraguai. O candidato a prefeito Luiz Yd, que é candidato à reeleição, deve assumir o OP como uma orientação. Já recebi o contato do pessoal da equipe da campanha de governo. Eles estão muito interessados em implantar.

Também em Ciudad del Este estão querendo implantar?

Miguel Pietro está com 60% (nas pesquisas). É possível que implante e vai ser muito importante a experiência do OP. Acho que na articulação até com Foz do Iguaçu, que é uma cidade-gêmea, seria muito legal e importante para eles.

Qual sua formação?

Sou sociólogo, agora aposentado. Minha formação, sou professor, doutor, fui professor titular na PUC de São Paulo, na universidade federal de São Paulo. E trabalhei no governo (Fernando) Lugo, coordenando e atuando como assessor da Presidência da República e de participação na gestão.

Economia, Educação, Foz do Iguaçu, Paraná, Turismo,

Até o fim de outubro, atividades comerciais em Foz do Iguaçu devem voltar a operar com 100% da capacidade

Novo decreto já autorizou o funcionamento dos atrativos turísticos com 100% da capacidade. Caso o cenário epidemiológico continue controlado e conforme o avanço da vacinação, demais atividades devem ser liberadas a partir de 15 de outubro

O cenário epidemiológico controlado e o avanço da vacinação em Foz do Iguaçu vêm tornando possível o retorno gradual das atividades na cidade. Conforme o novo decreto publicado em Diário Oficial, caso os índices de casos diários continuem baixos, a partir de 15 de outubro todas as atividades comerciais, industriais, religiosas e de serviços poderão funcionar com 100% da capacidade.

O documento mantém o funcionamento com 70% da capacidade até o dia 14 de outubro, mas libera até 3h o horário de funcionamento para atividades gastronômicas, como restaurantes e lanchonetes, bem como o funcionamento de tabacarias.

Desde o último sábado (25), os atrativos turísticos de Foz do Iguaçu já voltaram a operar com 100% da capacidade máxima permitida. Entretanto, ainda se mantém a obrigatoriedade de seguir as medidas de segurança, como o uso de máscaras, oferta de álcool gel e distanciamento mínimo de um metro entre as mesas.

A medida que limitava os encontros familiares a 20 pessoas também foi revogada e as reuniões podem acontecer sem limite de integrantes. Houve também a liberação do salão de festas em condomínios. De preferência, com o uso constante de máscara por todos os presentes, alerta a Vigilância Epidemiológica.

Avanço da imunização

Foz do Iguaçu já conta com de 105,5% da população adulta vacinada com ao menos a primeira dose e 59,5% com a imunização completa. O prefeito Chico Brasileiro destaca o esforço conjunto de todas as áreas da Prefeitura para que as atividades voltem à normalidade.

“É uma grande alegria poder falar em liberações após tanto tempo com a necessidade de restrições. Trata-se de um esforço de todos para promover a vacinação, estudar os cenários e garantir o retorno gradativo de todos as atividades”, afirma o prefeito.

“O Comitê de Enfrentamento à Covid-19 se reúne regularmente para tratar do tema e analisar cada cenário possível. Todas as liberações são realizadas seguindo as regras dos especialistas. Somos um braço de apoio nessa missão”, destaca a secretária da Fazenda, Salete Horst.

Medidas sem alteração

Segue proibido o funcionamento de discotecas, danceterias e salões de dança, casas noturnas e de shows. Festas em chácaras de lazer e balneário também estão suspensas.

Para manter o cumprimento, as equipes de Fiscalização da Prefeitura continuam realizando plantões diários e com ações integradas durante os finais de semana. As denúncias podem ser feitas pelos telefones 199 ou 156.

Foz do Iguaçu, Paraná, Saúde,

Foz do Iguaçu registrou um óbito e 45 novos casos de Coronavírus em 24 horas

A Vigilância Epidemiológica de Foz do Iguaçu confirma na data de hoje, 28/09/2021, 45 casos de covid-19. No total, são 44.231 casos da doença no município desde o início da pandemia. Destes, 42.894 pessoas já estão recuperadas.

Dos 45 novos casos, 28 são mulheres e 17 homens, com idades entre 2 e 81 anos. Entre eles, 43 encontram-se em isolamento domiciliar e 2 internados.

Do total de casos ativos, 162 pessoas estão em isolamento domiciliar com sinais e sintomas leves e 42 estão internadas.

Óbitos

Foz do Iguaçu registrou 1 óbito em consequência da covid-19. A vítima é uma mulher de 80 anos. No total, são 1.133 mortes pela doença no município desde o início da pandemia.

Educação, Foz do Iguaçu, Geral,

Prefeito Chico Brasileiro recebe a visita de Jadel Gregório, lenda do atletismo brasileiro

Ex-atleta olímpico é o novo consultor técnico do Instituto do Atletismo de Foz do Iguaçu e apresentou novas propostas para o projeto

O prefeito Chico Brasileiro recebeu nesta segunda-feira, 27, a visita do ex-atleta olímpico Jadel Gregório, um dos maiores nomes da história do atletismo brasileiro. Jadel é o novo consultor técnico da equipe do Instituto do Atletismo de Foz do Iguaçu e esteve no gabinete para apresentar novas propostas de trabalho que deverão ser colocadas em prática nos próximos meses.

O objetivo de Jadel é dar mais oportunidades aos atletas da fronteira para que sigam morando na cidade e competindo pelo estado, e incentivá-los por meio de capacitações, como cursos de idiomas, suporte financeiro e psicológico e evidenciar ainda mais os atletas no cenário brasileiro.

Natural de Jandaia do Sul, no Paraná, Jadel conta que conseguiu seguir carreira no esporte apenas quando se mudou para São Paulo, onde encontrou a estrutura ideal de treinos e calendário de competições.

“Eu sempre tive esse sonho de competir pelo Paraná, mas na minha época não havia nenhuma estrutura para isso. Hoje essa realidade está mudando, como é o caso da equipe de Foz, que é um exemplo e cada vez coleciona mais troféus. Queremos dar mais oportunidades para os talentos que nascem aqui”, disse o atleta.

O prefeito Chico Brasileiro recebeu as propostas e afirmou que a administração municipal fará o possível para que essa união dê certo. “Durante a pandemia tivemos que concentrar recursos para a saúde, mas agora com os números de casos cada vez menores, voltaremos a investir no esporte, pois isso é investir no futuro e em uma geração que se empenha ao máximo para crescer”, disse o prefeito.

Nova estrutura

Ainda durante o encontro, que contou com a presença do secretário de Esporte e Lazer, Antonio Sapia, e do técnico do instituto, Sérgio Muniz, o “Quick”, Jadel elogiou a nova pista de atletismo que será construída no Ginásio Costa Cavalcanti, em parceria com a Itaipu Binacional. O projeto já está no processo de licitação.

Com a nova pista, que atenderá a todos os padrões internacionais exigidos, “o esporte da cidade dará um novo salto em qualidade”, comenta o ex-atleta.

“Hoje eu moro e sou técnico nos Estados Unidos, um dos países que mais investe na formação de atletas em todo o mundo. Isso influencia diretamente, pois o esporte só anda quando se tem condições de prática. Deve ser construído hoje para colhermos os frutos amanhã, e com certeza encontraremos isso aqui”, afirmou.

“Para nós é uma grande honra contar com a parceria de um grande nome do esporte, que confia em nossas qualidades para o desenvolvimento do atletismo e deu o próprio nome como suporte para o projeto”, destacou o secretário Antonio Sapia.

Jovens Atletas Campeões do Futuro

Os atletas de rendimento que integram o Instituto do Atletismo são frutos do projeto social “Jovens Atletas, Campeões do Futuro”, que proporciona para crianças e adolescentes a oportunidade de treinarem gratuitamente com os técnicos desportivos do município e voluntários.

A manutenção é da Prefeitura de Foz do Iguaçu, por meio da Secretaria de Esporte e Lazer, em parceria com a Itaipu Binacional. “O aprendizado e a visibilidade que esses atletas terão com a nova pista e a parceria com o Jadel têm tudo para mudar o patamar do atletismo em Foz. Ficamos muito felizes por terem abraçado essa ideia e se comprometido com o futuro de centenas de jovens”, celebrou Quick.

Destaques, Foz do Iguaçu, Paraná, Saúde,

Saúde abre 800 vagas para vacinação contra a Covid em pessoas com 18 anos ou mais

Estas são as ultimas doses destinadas à população adulta; vacinação acontecerá nesta quarta-feira (29) em oito unidades de saúde

A Secretaria Municipal da Saúde abriu nesta terça-feira (28), o agendamento on-line para a vacinação contra a Covid-19 em pessoas com 18 anos ou mais.

Serão disponibilizadas 800 vagas para esta quarta-feira (29) em oito unidades de saúde: Três Lagoas, Lagoa Dourada, Portal da Foz, Jardim São Paulo II, Sol de Maio, Vila Yolanda, Vila C Nova e Porto Belo. O agendamento pode ser feito pelo site: https://vacinacao.pmfi.pr.gov.br/.

De acordo com a secretária de saúde, Rosa Maria Jerônymo, essas devem ser as últimas doses destinadas à população adulta, tendo em vista que o município já atingiu 105,5% de cobertura com a primeira dose, com 202.007 pessoas vacinadas. Com a segunda dose ou dose única, o município tem 59,5% de cobertura.

“Aquelas pessoas com mais de 18 anos que ainda não receberam a primeira dose devem fazer o agendamento e buscar a UBS para garantir a vacinação. Não sabemos ainda se receberemos novas doses para este público, já que ultrapassamos a estimativa”, explicou.

Os próximos lotes de vacinas devem ser destinados aos adolescentes de 12 a 17 anos (com ou sem comorbidades) e a dose de reforço em idosos e imunossuprimdos.

Vacinação

Nesta quarta-feira (29) equipes da Atenção Básica farão uma força-tarefa para vacinar cerca de 800 trabalhadores do frigorífico Lar, em Matelândia. São funcionários que trabalham no município vizinho, mas residem em Foz do Iguaçu e ainda não receberam a primeira dose.

Adolescentes

Amanhã também acontecerá a vacinação de adolescentes de 12 a 17 anos com deficiência permanente ou comorbidades em seis unidades de saúde. O agendamento ainda está disponível no site da prefeitura.

Os jovens com comorbidades devem apresentar os documentos pessoais e uma declaração preenchida pelo médico (o modelo está disponível no site da vacinação), ou um atestado que possa ser validado pela equipe da unidade de saúde, contendo as informações necessárias para a confirmação da comorbidade.

Dose de Reforço

Idosos com mais de 70 anos e imunossuprimidos ainda podem procurar as cinco unidades de referência para receber a terceira dose, ou dose de reforço. São elas: Morumbi 2, AKLP, Vila Yolanda, Três Bandeiras e Padre Monti. Não há necessidade de fazer o agendamento.

As doses serão aplicadas em idosos que já completaram o esquema vacinal há pelo menos seis meses e nos imunossuprimidos que tomaram a segunda dose ou dose única há pelo menos 28 dias. Para receber a terceira dose, é necessário portar os documentos pessoais e o comprovante de vacinação.

Foz do Iguaçu, Paraná, Turismo,

Parque das Aves vai receber o visitante 10 milhões hoje, 28

Depois do final de semana de excelente visitação, o atrativo já confirma que a pessoa que vai bater a marca histórica entrará no atrativo entre 9h e 9h30 da manhã

Prestes a completar 27 anos de existência, o Parque das Aves vai celebrar amanhã, 28 de setembro, a quebra de uma marca histórica: o atrativo vai receber entre 9h e 9h30 da manhã o visitante número 10 milhões.

“Estamos na expectativa há alguns meses e agora celebramos a certeza de que o visitante número 10 milhões, um marco na história no Parque das Aves, vai mesmo vir amanhã. Todos os preparativos já estão a postos para celebrar este evento”, comenta Luciana Leite, diretora de engajamento e sustentabilidade do Parque das Aves.

O visitante de 10 milhões vai ser recebido pelos colaboradores do Parque das Aves com um brinde com suco refrescante feito pelo restaurante Sabores da Floresta e algumas surpresas. Além disso, molduras comemorativas estarão espalhadas pelo atrativo, para que os visitantes possam tirar fotos e celebrar a conquista com a hashtag #somos10M.

Visitação ao longo dos anos

Fundado em 1994, o Parque das Aves recebeu 4,5 milhões de visitantes até 2013. Em 2014 recebeu 677.470 e, 4 anos depois, em 2018, 823.364. Esse crescimento seguiu as tendências de aumento de visitação em Foz do Iguaçu e, para os próximos anos, espera-se que a cidade cresça ainda mais.

“Com a construção da nova ponte, ligando o Brasil e o Paraguai, e os diversos investimentos que estão sendo feitos no setor turístico na cidade, prevemos um crescimento ainda maior para os próximos anos, não só no Parque das Aves, mas na cidade como um todo. E estamos muito animados com isso”, comenta Rodrigo Chibiaqui, gerente de marketing do atrativo.

Em 2019, o Parque quase atingiu a marca de 1 milhão de visitantes. Ao total, passaram pelo atrativo 936.673 visitantes, um aumento de 12,8% em relação a 2018. A crescente vinha ocorrendo há vários anos, e só foi interrompida pela pandemia no Covid-19.

“Agora que 100% da população adulta de Foz está vacinada com a primeira dose, e logo teremos todos com a imunização completa, os visitantes se sentem ainda mais confiantes de visitar nosso destino. O anúncio da abertura da Argentina só reforça isso. Logo estaremos batendo novos recordes de visitação, tocando mais pessoas com nossa mensagem, e podendo arrecadar mais fundos para continuar nosso trabalho de resgate, abrigo e conservação de espécies”, fecha Rodrigo.

Um centro de resgate que sobrevive com a visitação

Em seus quase 27 anos, o Parque das Aves sempre desempenhou um papel fundamental para proteger espécies ameaçadas. Além de participar de diversos programas de conservação, apoiou o trabalho de diversos pesquisadores em campo, tanto financeiramente quanto enviando colaboradores para desempenhar atividades.

Por ser privado e não receber ajuda do governo, cada pessoa que visita o Parque das Aves apoia o trabalho do atrativo, que também é um centro de resgate de fauna, acolhendo animais vítimas do tráfico ou de maus tratos.

“Neste momento difícil que estamos vivendo, com a natureza sofrendo devido à exploração abusiva de seus recursos, nosso papel como instituição que realiza um trabalho sério de resgate, abrigo e conservação de espécies é essencial. Mas nada disso seria possível se não recebêssemos o apoio de nossos visitantes. Muito obrigada a todos que fizeram parte dessa história”, comenta Luciana.

Há alguns dias, o Projeto Papagaio-verdadeiro, apoiado pelo Parque, enviou imagens muito tristes diretamente do Mato Grosso do Sul, onde trabalha para proteger as populações da ave em seu habitat natural. No vídeo, é possível conferir vários filhotes de papagaio-verdadeiro empilhados em caixas em um pequeno carro. A ação da polícia impediu os criminosos de seguir com as aves para seu destino, mas elas já estavam fora de seu ambiente natural. São animais com histórias semelhantes a essas que acabam chegando no Parque, precisando de uma segunda chance de vida.

“Quando vemos cenas assim, ficamos ainda mais certos que estamos no caminho correto, trabalhando para que um dia isso mude. E tentamos todas as frentes: apoiando projetos que trabalham em campo com educação ambiental e ciência, e dentro do Parque tocando os corações de nossos visitantes, para que essa realidade deixe de existir muito em breve. Somente valorizando a natureza e vivendo em harmonia com ela que teremos a possibilidade de vislumbrar um futuro melhor”, comenta Luciana.

Educação, Foz do Iguaçu, Paraná,

Secretaria da Educação de Foz do Iguaçu retoma aulas 100% presenciais

A partir de agora, ensino remoto será ofertado somente para crianças com comorbidades

A Secretaria Municipal da Educação retomou, nesta segunda-feira (27), o atendimento 100% presencial nas escolas e CMEIs (Centros Municipais de Educação Infantil). A medida foi aprovada pelo Comitê de Enfrentamento à Covid-19 e publicada no Decreto 29.541, de 10 de setembro, no Diário Oficial do Município.

O retorno aconteceu de forma gradativa: no dia 20 de setembro para alunos dos 4º e 5º anos do ensino fundamental e infantil 4 e 5 dos CMEIs, e nesta segunda-feira (27) para turmas de 1º, 2º e 3º anos do ensino fundamental e maternal II dos CMEIs. A partir de agora, o ensino remoto será ofertado apenas para estudantes com comorbidades.

A secretária de educação, Maria Justina da Silva lembra que o retorno presencial está sendo possível conforme o cenário epidemiológico do município e a ampla cobertura vacinal da população, que chegou a 105,5% com a primeira dose e a 58,8% com a segunda dose ou dose única. Outro fator determinante é a cobertura entre os trabalhadores da educação, que chegou a 107% com a primeira dose e 76% com a segunda dose.

“Nós retornamos de forma gradativa para fazer o acompanhamento e as adequações necessárias. A maior dificuldade que enxergamos inicialmente foi a hora do lanche, e por isso orientamos as instituições que fizessem mais intervalos, de forma escalonada entre as turmas, para garantir a segurança dos alunos”, explicou.

Todas as escolas e CMEIs devem manter os protocolos de segurança, com o distanciamento entre as carteiras e a disponibilização de álcool em gel para higienização das mãos. Os alunos utilizam máscara e todos os profissionais da educação também fazem uso de equipamentos de proteção individual, como jaleco e protetor facial.

De acordo com a secretária, as turmas de maternal I e berçário devem retornar as unidades no dia 18 de outubro, após a contratação dos novos professores e secretários chamados via processo seletivo.

As aulas presenciais na rede municipal de ensino foram retomadas em maio para cinco escolas, que realizaram uma espécie de projeto piloto. Em 28 de junho, iniciou-se um cronograma de retorno gradativo dos alunos do ensino fundamental e turmas de Infantil 4 e 5 dos CMEIs.

Economia, Educação, Foz do Iguaçu,

Campo de areia do Jardim Manaus recebe novo alambrado

Instalação faz parte da reforma do espaço; investimento da prefeitura é superior a R$ 370 mil e atende uma antiga reivindicação dos moradores

A reforma do campo de areia do Jardim Manaus era aguardada há muito tempo pelos moradores do bairro. E, agora, começa a tomar forma: a empresa responsável pela execução dos serviços, a partir dos investimentos da Prefeitura de Foz do Iguaçu, já concluiu a terraplanagem e o nivelamento do solo, e está instalando o alambrado do campo.

Esta é mais uma das muitas obras na área de esporte e lazer em andamento pelo município. O objetivo é que moradores de todas as regiões da cidade tenham fácil acesso a esses espaços, que promovem não só a valorização dos bairros, como também a qualidade de vida e o bem-estar da comunidade. .

“Apesar das limitações financeiras impostas pela pandemia conseguimos manter as contas públicas de Foz do Iguaçu equilibradas. Como reflexo deste controle responsável, já estamos dando prosseguimento nos investimentos em obras de infraestrutura e de lazer em todas as regiões da cidade”, disse o prefeito Chico Brasileiro.

A previsão é que os serviços de reforma do campo do Jardim Manaus sejam concluídos nas próximas semanas. O investimento da Prefeitura é de R$ 374 mil.

O projeto de reforma também contempla uma edificação em alvenaria para abrigar instalações sanitárias, instalações adaptadas para pessoas com deficiência; sala administrativa; copa; área de serviço; espaço para espectadores, entre outros.

“Este é mais um espaço que busca incentivar que as pessoas desenvolvam o hábito saudável de praticar esportes. A reforma deste campo era há muito tempo esperada e em breve os moradores terão uma estrutura muito mais preparada para usufruir”, comentou o secretário municipal de Esporte e Lazer, Antonio Sapia.

Foz do Iguaçu, Paraná, Saúde,

Fundação Municipal de Saúde convoca mais de 70 profissionais do concurso público

Os candidatos aprovados no Concurso Público precisam comparecer ao RH da instituição até o dia 08 de outubro

A Fundação Municipal de Saúde de Foz do Iguaçu publicou no Diário Oficial do Município, na sexta-feira (24), a convocação dos candidatos aprovados no Concurso Público Nº 001/2020. Foram chamados enfermeiros (as) e técnicos em enfermagem.

Os aprovados têm até às 11h30 do dia 8 de outubro para se apresentar, munidos da documentação exigida, no setor de Recursos Humanos da Fundação Municipal de Saúde de Foz do Iguaçu, na Rua Adoniran Barbosa, 370 – Jardim Central.

“Nosso objetivo é priorizar e valorizar esses profissionais aprovados, agregando ao nosso quadro funcional e tendo automaticamente como resultado melhorias no processo administrativo, como a diminuição das horas extras, concomitantemente às melhorias assistenciais, amenizando o cansaço dos profissionais e gerando melhor qualidade na assistência ao paciente”, disse o diretor-presidente da Fundação, Amon Mendes de Franco Sousa.

A convocação, bem como todas as demais informações podem ser acessadas por meio do link https://www5.pmfi.pr.gov.br/pdf-5016&diario.