Browsing Category

Saúde

Leia as últimas notícias sobre Saúde no CabezaNews, site de informação com reportagens exclusivas, fotos, vídeos e conteúdos sobre Foz do Iguaçu e sobre o Paraná.

O CabezaNews leva ao público notícias de utilidade pública, curiosidades, turismo, lazer, cultura. Sobretudo com um olhar voltado para a região da tríplice fronteira entre Brasil, Paraguai e Argentina.

Em Foz, nossa cobertura foca os principais acontecimentos da cidade, incluindo eleições 2020, o avanço da pandemia do novo coronavírus, as ações da Itaipu Binacional, bem como a administração do prefeito Chico Brasileiro.

O site não deixa de lado o que acontece no restante do estado do Paraná. Notas exclusivas dos bastidores da política, da Assembleia Legislativa, ações do governo do Paraná e da administração Ratinho Júnior. Assim como as principais notícias nacionais.

O CabezaNews é editado por Ronildo Pimentel, jornalista com mais de 30 anos de atuação em jornalismo impresso e digital.

Coronavírus, Coronavírus em Foz do Iguaçu, Destaques, Foz do Iguaçu, Saúde,

Covid-19 em Foz: Mais de 36 mil pessoas devem receber a segunda dose da vacina contra a Covid em agosto

População deve retornar às unidades de saúde no dia e horário determinados para completar o esquema vacinal. Foz do Iguaçu tem 26% da população adulta imunizada

A Secretaria Municipal da Saúde deve completar o esquema de vacinação contra a Covid-19 em 36.711 pessoas no mês de agosto. As segundas doses para este público – formado por pessoas de 50 a 64 anos, com comorbidades, trabalhadores da saúde e da educação – está garantida.

Para receber a segunda dose o morador deve retornar à unidade básica de saúde no dia e horário determinados. “Quando essas pessoas receberam a primeira dose, elas já saíram da unidade com a data e o horário para o retorno. Não há necessidade de agendar o atendimento pelo site da prefeitura, basta procurar a mesma unidade de saúde. Quem vacinou na Vigilância também deve voltar no dia determinado”, informa a coordenadora do programa de imunização, Adriana Izuka.

Aqueles que por ventura perderam o prazo devem buscar a unidade de saúde o quanto antes. “Mesmo fora do prazo é preciso garantir as duas doses para obter uma boa resposta imune”, afirma.

A secretária de saúde, Rosa Maria Jerônymo, reforça a importância de garantir a imunização. “Já temos 79% da população adulta vacinada com a primeira dose e 26,4% completou a imunização com as duas doses ou dose única. Precisamos garantir as segundas doses para ter a imunidade de grupo e vencer essa doença. Só assim poderemos voltar a uma vida normal”, diz.

Gestantes e Puérperas

Em nota técnica enviada essa semana aos municípios, o Ministério da Saúde orienta a aplicação de doses da Pfizer e Coronavac para gestantes que receberam a primeira dose da AstraZeneca.

Em Foz do Iguaçu, cerca de 600 gestantes e puérperas devem completar a imunização em agosto. Para este grupo, o município aguarda a chegada de novas doses e abrirá agendamento on-line para organização o atendimento na Vigilância.

Números

Desde o início da campanha de vacinação contra a Covid, em janeiro, Foz do Iguaçu aplicou 209.034 doses dos imunizantes; 156.720 pessoas já receberam a primeira dose; 45.511 pessoas completaram a imunização com a segunda dose e 6.803 receberam dose única.

Busão Foz, Coronavírus em Foz do Iguaçu, Destaques, Foz do Iguaçu, Saúde,

Foz do Iguaçu registra 54 novos casos de Coronavírus, nesta quinta-feira

A Vigilância Epidemiológica de Foz do Iguaçu confirma na data de hoje, 29/07/2021, 54 casos de covid-19. No total, são 41.867 casos da doença no município desde o início da pandemia. Destes, 40.564 pessoas já estão recuperadas.

Dos 54 novos casos, 28 são mulheres e 26 homens, com idades entre 8 meses e 80 anos. Entre eles, 2 estão internados e 52 encontram-se em isolamento domiciliar.

Do total de casos ativos, 164 pessoas estão em isolamento domiciliar, com sinais e sintomas leves, e 64 estão internadas.

Óbito

Foz do Iguaçu registrou 1 óbito em consequência da covid-19. A vítima é 1 homem de 59 anos. No total, são 1.075 mortes pela doença no município desde o início da pandemia.

Coronavírus, Destaques, Foz do Iguaçu, Paraná, Saúde,

Ocorrências relacionadas ao covid caem quase pela metade na macorregião Oeste

O número de ocorrências relacionadas ao coronavírus (covid-19) caiu quase que pela metade na macrorregião Oeste do Paraná, que abrange as regionais de saúde de Foz do Iguaçu, Cascavel, Toledo, Francisco Beltrão e Pato Branco. De acordo com dados do Celepar/Consamu, até o dia 26 deste mês foram registrados 656 atendimentos, contra 1.018 em junho. Município registrou 58 novos casos e nenhum óbito nas últimas 24 horas, segundo a Vigilância Epidemiológica.


No histórico dos dados do Celepar/Consamudo, desde março do ano passado quando teve início a pandemia, o maior índice de ocorrências registrado em um mês foi em março de 2021, com 1.022 notificações. A tendência de queda reflete também na ocupação de leitos hospitalares de UTIs (Unidades de Terapia Intensiva) exclusivas para pacientes com covid-19. 

A taxa de ocupação de UTIs da macrorregião Oeste, que chegou a 100% em maio, baixou para 69,5% nesta quarta-feira (28). As enfermarias adulto voltadas para este público-alvo também registraram queda na utilização, que antes se mantinha numa média de 85%, agora está no patamar de 25,2%.

Em Foz do Iguaçu, das 110 UTIs disponíveis nos hospitais Municipal Padre Germano Lauck e Ministro Costa Cavalcanti, 70 estavam em utilização na tarde de ontem – 64% do total. Das 77 camas especiais de Enfermaria para adultos, 19 estavam em utilização – 25% do total. A rede contabiliza ainda três internados na Pediatria. Dos 89 internados no município, nove são de Santa Terezinha de Itaipu e outras localidades.

Sem descuidar

De acordo com Rodrigo Nicácio, diretor médico do Samu Oeste, a queda de atendimentos está alinhada com a redução de outros indicadores relacionados à pandemia, como casos novos, ocupação hospitalar e número de óbitos. Também pelo avanço na imunização das populações contra a covid-19. Todavia, não é hora de baixar a guarda, alerta.

“Seguimos vigilantes. Esses dados são analisados semanalmente e alguns números, até mesmo diariamente, já que a regulação de urgências é extremamente sensível à percepção de mudanças de tendências, assim como aconteceu nas ondas anteriores”, disse Nicácio. Que completou: “A lição que fica é que aprendemos a perceber, antecipadamente, quando a situação vai mudar”.

Mais casos

A Vigilância Epidemiológica de Foz do Iguaçu confirmou ainda ontem, 58 novos casos de covid-19, totalizando 41.813 registros da doença no município desde o início da pandemia. No acumulado de 1º a 28 de julho são 1.210 casos – média de 43,2 por dia. Destes, 40.527 pessoas já estão recuperadas – mais de 96,9% do total de infectados.

Dos 58 novos casos confirmados, 36 são mulheres e 22 homens, com idades entre dois e 91 anos. Todos estão em isolamento domiciliar, informa o boletim. Do total de casos ativos na cidade, 146 pessoas estão em isolamento domiciliar, com sinais e sintomas leves, e 66 estão internadas.

Foz do Iguaçu não registrou óbitos em consequência da covid-19 nas últimas 24 horas. No mês de julho, de 1º até ontem (28), foram 45 vidas perdidas por conta do coronavírus – média de 1,61 por dia. No total, são 1.074 mortes pela doença no município desde o início da pandemia, com uma taxa de letalidade de 2,57% do total de infectados.

As informações são de GDia.

Coronavírus, Destaques, Foz do Iguaçu, Geral, Saúde,

A Argentina tem que resolver a saúde para abrir fronteira, diz governador de Misiones

A reabertura das fronteiras da Argentina, em especial a Ponte Internacional Tancredo Neves que une Puerto Iguazú e Foz do Iguaçu (Brasil), pode ocorrer até o final deste ano. A volta do ingresso ou saída livre do país, procedimento interrompido há um ano de quatro meses por decisão do presidente Alberto Fernández, depende de pelo menos dois fatores: o avanço da vacinação contra o coronavírus (covid-19) e a realização de cirurgias que estão represadas desde o início da pandemia.

Nesta quarta-feira (28) duas autoridades importantes do vizinho país se pronunciaram sobre a questão. O governador de Misiones, Oscar Herrera Ahuad, ressaltou que a reabertura das fronteiras da província só vai ocorrer a partir de um entendimento das autoridades de saúde da Argentina. “Só nestas últimas duas semanas estamos vendo uma diminuição sustentada da ocupação de leitos críticos, passamos de 180, 170, 150…”, disse.

“Então, o nosso indicador, além do percentual de vacinação, é dado na ocupação de leitos”, ressaltou Oscar Herrera ao participar de uma videoconferência com profissionais de comunicação. De acordo com o portal LaVozDeCataratas, o governador que é médico informou que existem muitos pacientes à espera de tratamento e um grande percentual dos países vizinhos (Brasil e Paraguai). 

“Hoje temos um número de leitos de ocupação que é ideal, é o que temos em qualquer ano sem pandemia, mas enfim, a abertura da fronteira pode gerar que muitas pessoas de outros países que se tratam na Argentina por outras patologias negligenciadas há um ano e meio, vão para o sistema de saúde de Misiones”, comentou.

Demanda reprimida

Ele destacou que existem patologias críticas que são negligenciadas e postergadas, e que há pacientes esperando. “Temos que resolver essas questões que não serão da noite para o dia porque estamos equilibrando o sistema de saúde”. A intenção é continuar trabalhando para poder atender as demandas internas. “Assim que acomodarmos essa gestão teremos uma ideia do sistema de saúde”.

Os trabalhadores do sistema de saúde de Misiones e da Argentina estão há mais de um ano sem descanso e vão precisar de férias, afirma. “Há um estresse de saúde no recurso humano, temos que atender a demanda contida, uma vez que o sistema esteja instalado saberemos e gente dos países vizinhos vão vir se tratar”, completou.

Até dezembro

O ministro do Turismo da Argentina, Matías Lammens, prevê que as fronteiras do país poderão ser reabertas até o final deste ano, levando em conta o bom ritmo da vacinação contra a covid-19. Com isso, o turismo internacional poderá ser reativado no país, destaca a Rádio Cultura.

Uma eventual abertura do país depende ainda do Ministério da Saúde, que leva em consideração a situação sanitária. A medida traria um alívio a um dos setores da economia mais prejudicados pela pandemia, como hotelaria, gastronomia e setores que dependem do turismo receptivo.

“Acreditamos que no último trimestre vamos estar com o processo de vacinação tão avançado que nos será permitido abrir as fronteiras e ter turistas estrangeiros”, disse Lammens. Paralelamente o governo lançará o programa PreViaje, oferecendo 50% de reembolso para deslocamento pelo país, como forma de reativar a economia.

“As fronteiras próximas têm um sabor especial, não é o caso do turismo internacional que Iguazú recebe principalmente, essas pessoas virão com cartão de saúde, por isso estamos trabalhando na incorporação de mais voos”, concluiu.

Desde o início da pandemia, Puerto Iguazú contabilizou 30 mortes por complicações da covid-19. A cidade, separada de Foz do Iguaçu pelo rio Iguaçu, tem 46 pacientes ativos da doença. Na província de Misiones, o coronavírus é considerado controlado – até agora foram registrados 30,6 mil casos com 619 óbitos.

As informações são de GDia.

Foz do Iguaçu, Geral, Saúde,

Agentes de Endemias elegem encarregados de equipe no Centro de Controle de Zoonoses (CCZ)

O processo a partir de votação é uma novidade no órgão; gestão da Saúde Municipal busca o alinhamento de metas entre servidores e otimização dos serviços prestados para a população

Vinte Agentes de Combate as Endemias do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) foram eleitos para os cargos de encarregados das equipes que fazem vistoria ambiental em todas as regiões da cidade. São dez encarregados, titulares e respectivos suplentes, escolhidos entre cerca de 80 servidores do órgão, pelas próprias equipes que atuam a campo. A eleição interna aconteceu no mês de junho, após reunião entre o órgão, o Sindicato dos Servidores Municipais de Foz do Iguaçu (Sismufi) e a Secretaria Municipal da Saúde.

Cerca de 35 agentes colocaram o nome à disposição para coordenar os trabalhos de campo executado por oito equipes, com cerca de 10 integrantes cada. O processo de indicação dos encarregados a partir de sufrágio é uma novidade no CCZ. Com os encarregados escolhidos pela equipe, a secretária de Saúde, Rosa Jeronymo, busca alinhar as metas estabelecidas para o próximo ano epidemiológico e otimizar o trabalho de vigilância ambiental.

Os eleitos foram apresentados na sexta-feira (23) e, durante esta semana, passaram por um treinamento com orientações e algumas noções de prática de liderança. “O nosso foco na gestão é equacionar as demandas da cidade, sempre em sintonia com a nossa elementar ferramenta, que é o servidor público”, disse a secretária. “Dar oportunidade para que eles escolham seus encarregados, por empatia e capacidade de gerenciamento, é uma forma que encontramos para alcançar a excelência nos serviços prestados”.

Rosa Jeronymo acrescenta que os agentes de endemia fazem um trabalho relevante junto à população. Trabalham de acordo com as premissas da política de Saúde Única que trata a saúde humana, do animal e o meio ambiente de forma harmônica e equilibrada.

“Uma depende do outra. Hoje, os agentes de endemia não visitam as residências apenas para buscar focos de dengue. Fazem uma vistoria bem mais abrangente e buscam esse equilíbrio. Quanto mais qualificado e bem orientado for o servidor, menos teremos problemas endêmicos na cidade”, conclui.

Nesta quarta-feira (28), às 18h30, a secretária Rosa Jeronymo fará uma live no seu instagram (@rosa.jeronymo) para explicar as atividades do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) e falar sobre os resultados desse trabalho.

CCZ Foz

O Centro de Controle de Zoonoses Dr. Dorival Jorge Junior, de Foz do Iguaçu, é subordinado à Diretoria de Vigilância em Saúde, da Secretaria Municipal da Saúde.

Suas ações junto à comunidade são desenvolvidas através do manejo, controle e orientações referentes a situações de risco para a saúde humana, animal e do ambiente, seguindo critérios da Organização Mundial da Saúde (OMS), Organização Pan Americana da Saúde (OPAS), Ministério da Saúde e Secretaria Estadual da Saúde do Paraná.

Conforme esclarece a supervisora técnica da Divisão de Controle de Zoonoses, Renata Defante Lopes, o órgão atua com sete coordenações – primárias e secundárias – que, entre outras atribuições, estão o controle de zoonoses, vetores, manejo da Fauna Sinantrópica Nociva e de Vigilância Ambiental.

“Cada uma tem um foco e os agentes olham isso como um todo. Por isso a importância da população receber o agente de endemia na sua casa”, orienta.

Coordenações

A Coordenação de Vetores tem como meta a prevenção e controle das doenças transmitidas por vetores, dentre elas a principal é a dengue. Já a de Manejo de Fauna Sinantrópica Nociva orienta a respeito de escorpiões, aranhas, serpentes, com o objetivo de evitar que aconteçam acidentes com esses animais.

No âmbito da Vigilância Ambiental, os agentes trabalham no monitoramento da qualidade da água, como cloramento e se está própria pra consumo e numa qualidade aceitável. Vistoriam hotéis, aeroportos, rodoviária, shoppings e, ainda, fazem a verificação de poços artesianos.

Na área de Zoonoses, a raiva e a leishmaniose canina concentram os principais registros. São os agentes de endemias que orientam quais as medidas o cidadão deve tomar em caso de suspeita da doença nos animais de estimação, quando e onde procurar os serviços de saúde.

Outra frente importante dos trabalhos são as atividades do CCZ Rural, onde as equipes levam toda essa gama de serviços para esses moradores, uma vez que na área rural também ocorrem com bastante frequência os acidentes com animais peçonhentos e outros agravos.

Reconhecimento

As técnicas de Saúde Única desenvolvidas no CCZ de Foz do Iguaçu foram referendadas pelo Conselho Regional de Medicina Veterinária do Paraná e pela rganização Pan-Americana de Saúde (OPAS).

O reconhecimento da OPAS foi publicizado a partir do artigo “A adoção da abordagem Saúde Única para melhorar a vigilância de acidentes com animais peçonhentos, doenças transmitidas por vetores e zoonoses”, divulgado na revista PLOS neglected tropical diseases, uma das publicações mais conceituadas no mundo. O artigo trouxe uma explanação da abordagem de vigilância adotada no município de Foz, onde a OPAS citou o trabalho como exemplo de iniciativas bem sucedidas com base nos princípios One Health, na América.

Em 2020, o Conselho Regional de Medicina Veterinária do Paraná criou, através da Resolução CRMV-PR nº 7/2020, o Prêmio Clotilde de Lourdes Branco Germiniani de Saúde Única. A premiação reconhece médicos veterinários e instituições que tenham se distinguido de forma notável por trabalhos ou ações com interface em duas ou mais áreas da Saúde Única (saúde animal, saúde humana e saúde ambiental). No ano de 2019, o CCZ recebeu uma indicação para concorrer a essa premiação na categoria Destaque “One Health” (destaque geral), na qual foi premiado como Destaque em Políticas Públicas.

Coronavírus, Destaques, Geral, Saúde,

Com menos casos de covid, hospital de Ciudad del Este fecha enfermarias

Não é apenas em Foz do Iguaçu, no Paraná e no Brasil que os principais indicadores do coronavírus (covid-19) tem indicado tendência de queda a medida que avança a vacinação. No Paraguai, as autoridades sanitárias também constataram a mudança na curva e o “alívio” no sistema de saúde. Em Ciudad del Este, capital do departamento de Alto Paraná, duas enfermarias de contingência foram fechadas no Hospital Regional.

Desde o início da pandemia, o Paraguai contabilizou 450 mil casos de covid-19 e mais de 14,7 mil óbitos por complicações da doença. Do total de infectados, mais de 414 mil pessoas já estão recuperadas, segundo o Ministério da Saúde. Na região de Ciudad del Este, de acordo com o diretor do Hospital Regional, Federico Schrodel, há uma diminuição significativa dos casos da doença.

Em função do alívio no sistema, duas enfermarias de contingência para atendimento a pacientes com covid-19 foram fechadas, confirmou. O diretor informou que há apenas dois pacientes internados em uma enfermaria. Enquanto, no Hospital Integrado do IPS, dos 67 leitos de enfermaria, 42 estão ocupados.

Quanto à ocupação dos leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI), 46 das 54 camas especiais estavam ocupadas ontem (27). “Após quatro meses de 110% de ocupação, temos uma diminuição de pacientes. Antes tínhamos pacientes que acordavam em poltronas e agora temos uma diminuição”, destacou o médico em entrevista à Monumental 1080 AM.

Alívio no sistema

As consultas também foram facilitadas no hospital, já que, de 160 por dia, apenas 34 foram cadastradas nesta terça-feira, segundo o médico. Schrodel também afirmou que não há nenhum profissional da saúde hospitalizado por conta da covid. Apesar da diminuição significativa dos casos, o médico afirmou que há uma preocupação.

Isso porque, segundo ele,se observa um relaxamento na adesão aos cuidados, especialmente da população jovem, que não está atendendo ao chamado para a imunização com as primeiras doses. “Isso é um alerta para os jovens, temos que dar continuidade aos protocolos porque Alto Paraná foi o departamento onde houve um grande impacto, completou o diretor.

As informações são de GDia

Coronavírus, Coronavírus em Foz do Iguaçu, Destaques, Foz do Iguaçu, Saúde,

Boa notícia: Foz do Iguaçu não registra óbito em consequência da covid-19, nas últimas 24 horas

A Vigilância Epidemiológica de Foz do Iguaçu confirma na data de hoje, 28/07/2021, 58 casos de covid-19. No total, são 41.813 casos da doença no município desde o início da pandemia. Destes, 40.527 pessoas já estão recuperadas.

Dos 58 novos casos, 36 são mulheres e 22 homens, com idades entre 2 e 91 anos. Todos estão em isolamento domiciliar.

Do total de casos ativos, 146 pessoas estão em isolamento domiciliar, com sinais e sintomas leves, e 66 estão internadas.

Óbito

Foz do Iguaçu não registrou óbitos em consequência da covid-19 nas últimas 24 horas. No total, são 1.074 mortes pela doença no município.

Educação, Paraná, Saúde,

Acadêmicos de Medicina e Nutrição da Unioeste vão atuar no Hospital Regional do Sudoeste

A Secretaria de Estado da Saúde e a Superintendência de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior firmaram um termo que permite que alunos de Medicina e Nutrição da Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste) realizem atendimentos supervisionados no Hospital Regional do Sudoeste (HRS), em Francisco Beltrão. O documento tem vigência de cinco anos e foi assinado nesta segunda-feira (26).

O hospital, que é vinculado à Fundação Estatal de Atenção em Saúde do Paraná (Funeas), disponibilizará a infraestrutura da unidade para que os alunos, acompanhados dos professores, tenham acesso aos pacientes e informações relacionadas aos atendimentos.

“A regionalização dos serviços de saúde e o fortalecimento do ensino são propostas do governador Ratinho Junior e não tenho dúvidas de que essa parceria vai viabilizar que o Hospital Regional seja uma referência de hospital escola, auxiliando no atendimento da unidade e na formação destes profissionais na área da saúde”, disse o secretário estadual da Saúde, Beto Preto.

Além da ampliação do atendimento no hospital, este trabalho permitirá mais oportunidades de estágio na área da saúde em toda a região Sudoeste do Estado, que passará a ser polo de educação.

O superintendente de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Aldo Nelson Bona, destacou a importância da parceria para ampliar as possibilidades de atendimento de saúde para a população da região.

“A assinatura do termo de cooperação é de grande relevância não só pelo aspecto de atendimento à população, porque vai ampliar as possibilidades de melhor atendimento, mas porque envolve o processo de formação de profissionais na área da saúde”, disse.

“É uma parceria que caminha para que o Hospital Regional do Sudoeste se torne um hospital-escola. Ganha o hospital, ganha a população atendida e ganha a universidade, que passa a ter um centro maior para os campos de prática de formação dos seus estudantes da área da saúde”, acrescentou.

Futuro – Segundo a Superintendência, atualmente existe uma parceria entre as instituições que possibilita a residência médica em cirurgia geral. Agora, com este novo termo, a intenção é ampliar os serviços para maior abrangência das atividades dentro do hospital, incluindo alunos de áreas multiprofissionais como fisioterapia, psicologia e enfermagem.

Além disso há, ainda, um pedido ao Ministério da Educação para aumento das ofertas de estágio em graduação e pós-graduação a fim avançar nas vagas para as áreas de cirurgia, ortopedia e pediatria.

“Desde o início do curso de Medicina, temos interesse em um hospital-escola na região. Este termo é uma continuação do trabalho que já vem sendo feito e permitiu que a universidade formasse três turmas de medicina”, afirmou o vice-reitor da Unioeste, Gilmar Ribeiro de Mello.

COVID-19 – O HRS possui atualmente 33 leitos de UTI e três enfermarias para atendimento exclusivo à Covid-19. A diretora da unidade, Cintia Jaqueline Ramos, falou sobre o trabalho do hospital no enfrentamento à pandemia, e a ampliação da parceria com a universidade.

“Desde os primeiros casos confirmados da Covid-19, tivemos equipamentos, medicamentos e contratação rápida, e precisamos destacar este trabalho, que foi realizado de maneira imediata pela Secretaria da Saúde e a Unioeste. Vamos aproximar ainda mais e aperfeiçoar o que já temos trabalhado, ajustando e qualificando o serviço dentro do hospital”, afirmou.

Presenças – Participaram da assinatura o deputado estadual Nelson Luersen; o diretor-presidente da Funeas, Marcello Machado; o diretor-administrativo, Valmir Alberto Thomé; e o diretor-técnico, Geraldo Gentil Biesek. Da Secretaria da Saúde participaram o chefe de gabinete, César Neves, a diretora-técnica do HRS, Carla Patrícia Alves e Souza, e a diretora acadêmica Luciana Pinheiro.

As informações são de Agência de Notícias do Paraná.

Colunistas, Destaques, Paraná, Política, Romanelli, Saúde,

Desafios da saúde serão grandes após pandemia, avalia Romanelli

O deputado Luiz Claudio Romanelli (PSB) avalia que a estrutura de saúde do Paraná está dando exemplo de atendimento aos pacientes da Covid e, mesmo com a diminuição das infecções, ainda há muitos desafios pela frente. Para ele, muitas pessoas afetadas pela doença terão que ser tratadas em razão das sequelas.

“Não é uma doença simples. A crise mais aguda vai acabar, mas todos sabemos que ainda existirão grandes desafios para as equipes de saúde do Estado e dos municípios no pós-pandemia”, afirmou Romanelli nesta segunda-feira, 26. “Por isso, é fundamental a manutenção da estrutura e do apoio exemplar que o governo está dando para as prefeituras”, afirmou Romanelli.

Segundo o deputado, o secretário estadual da Saúde, Beto Preto, realiza uma gestão muito eficiente na condução das ações ao longo da pandemia. “Por mais aconteçam críticas, o Paraná tomou medidas adequadas e muitas vidas foram salvas. As decisões têm sido acertadas”, destaca.

Romanelli ressalta que tem visitado cidades que representa na Assembleia Legislativa e verificado que as unidades locais de saúde estão operando em sintonia com o Estado. “Conseguimos fazer funcionar todas as estruturas de atendimento para Covid”, explicou ao se referir aos municípios do Norte Pioneiro, por onde passou na última sexta-feira, 23.

Busão Foz, Coronavírus em Foz do Iguaçu, Destaques, Foz do Iguaçu, Saúde,

Foz do Iguaçu registra um óbito e 36 novos casos de Coronavírus, nesta terça-feira

A Vigilância Epidemiológica de Foz do Iguaçu confirma na data de hoje, 27/07/2021, 36 casos de covid-19. No total, são 41.755 casos da doença no município desde o início da pandemia. Destes, 40.502 pessoas já estão recuperadas.

Dos 36 novos casos, 19 são mulheres e 17 homens, com idades entre 4 e 68 anos. Entre eles, 31 encontram-se em isolamento domiciliar e 5 hospitalizados.

Do total de casos ativos, 112 pessoas estão em isolamento domiciliar, com sinais e sintomas leves, e 67 estão internadas.

Óbito

Foz do Iguaçu registrou 1 óbito em consequência da covid-19. A vítima é 1 homem de 65 anos. No total, são 1.074 mortes pela doença no município desde o início da pandemia.