COMUS passa a integrar Grupo Impulsor do Projeto Iguassu-Águas Grandes

Iniciativa foi aprovada após assembleia geral promovida por integrantes do COMUS Conselho Municipal de Saúde de Foz do Iguaçu

A proposta de transformar a região trinacional entre Foz do Iguaçu (BR), Ciudad del Este, Hernandárias, Minga Guazú e Presidente Franco (PY) e Puerto Iguazú (AR) em um grande centro de turismo, logística, saúde e bem-estar do Mercosul recebeu parecer favorável do Conselho Municipal de Saúde de Foz do Iguaçu (COMUS).

O órgão, que possui caráter consultivo e deliberativo para gestão do Sistema Único de Saúde em Foz do Iguaçu, aprovou por unanimidade a proposta para que o conselho seja incorporado como Membro Fundador do GRIMP: Grupo Impulsor do Projeto Iguassu-Aguas Grandes. “O grupo tem como missão mobilizar a Sociedade Civil e Governos dos três países para incluir o Projeto Iguassu-Aguas Grandes na Agenda de Prioridade do MERCOSUL e nos Planos Diretores dos Municípios envolvidos diretamente”, explica Nilso Rafagnin, um dos idealizadores do Projeto Iguassu-Águas Grandes.

Veja também

As assembleias que deliberaram pelo inclusão do COMUS junto ao GRIMP foram realizadas nos dias 7, 14 e 28 de abril.

Formado por representantes dos três países transfronteiriços, o GRIMP surgiu a partir de audiências públicas do parlamento do MERCOSUL. “Trata-se de um grupo que se amplia constantemente, com agentes públicos e privados que defendem o desenvolvimento regional sustentável”, completa Nilso.

Referência

Com apoio de organismos internacionais, o arquiteto acredita que o modelo de cooperação a ser trabalhado entre as três nações servirá de referência para iniciativas semelhantes em outras áreas de fronteira.

˜É importante lembrar que a proposta encontra respaldo legal no Mercosul e está preconizada pela Organização das Nações Unidas. Esta apresentação ao COMUS fortalece ainda mais as Audiências Públicas pretendidas, envolvendo o Parlamento do MERCOSUL, que deve ser liderado pelos nossos Poderes Executivos e Legislativos nos três países. A mobilização da comunidade trinacional é fundamental para irmanar nossos povos e assim, para prosperarmos juntos”, enfatizou Nilso Rafagnin.

Para além da questão de Saúde Pública, no setor de turismo, o Projeto Iguassu-Águas Grandes prevê ainda viabilizar o tão sonhado Parque Trinacional que inclui um Complexo Turístico Cultural e de Lazer integrando-se os três países junto aos Três Marcos de Fronteira, através de um sistema teleférico de passageiros. No setor logístico, também em condomínio entre Argentina, Brasil e Paraguai, está previsto a construção de um Anel Viário Metropolitano Trinacional de caráter multimodal assegurando a mobilidade e conectividade na forma auto sustentável.

“Trabalhamos para que estas e outras propostas sejam consensuadas através de uma *Agenda Positiva-Pró-Sustentabilidade Trinacional”. Dentro da temática da Saúde especificamente o Projeto propõe a construção de grandes complexos hospitalares regionais e novos centros universitários em cada país, e de excelência mundial, para um NOVO MERCOSUL a partir de nossa Tríplice Fronteira.

Soma-se ainda Centros de Coesão Sócio-Cultural e Empresarial e um Centro de Estudos e Negócios Estratégicos no âmbito do MERCOSUL, detalha Nilso.

COMUS passa a integrar Grupo Impulsor do Projeto Iguassu-Águas Grandes

Iguassu-Águas Grandes

O Projeto Iguassu-Aguas Grandes, alinhado com os ODS: Objetivos do Desenvolvimento Sustentável da ONU: Organização das Nações Unidas para 2030 e a OPAS: Organização Pan-Americana de Saúde que para esse ano de 2022 orienta que nossas economias atuem a partir de agora, nesse período pós-pandemia, passando todos a concentrar os nossos investimentos na saúde e no bem-estar de nossas comunidades locais.