1 cabeza 2022 (150 px × 50 px) (1)

Para combater epidemia, Anvisa aprova nova vacina contra dengue no Brasil

O Paraná já contabiliza 21 óbitos pela doença, cinco deles em Foz do Iguaçu, dentro do período epidemiológico, que começou em 31 de julho de 2022

A Secretaria de Estado de Saúde (Sesa) confirmou mais seis mortes por dengue no Paraná, cinco delas somente em municípios da região de Londrina, área da 17ª Regional de Saúde. O resultado foi divulgado em boletim nesta terça-feira (2). Com os novos números, o estado passa de 15 para 21 óbitos pela doença dentro do período epidemiológico, que começou em 31 de julho de 2022.

Foz do Iguaçu já registrou cinco mortes causadas pela doença. A última vítima confirmada trata-se de um homem de 72 anos de idade que foi atendido na UPA Walter Barbosa devido ao quadro grave da dengue e, infelizmente, evoluiu para óbito no dia 06 de abril deste ano.

Leia também

O primeiro óbito ocorreu em setembro de 2022, porém é contabilizado para o ano epidemiológico atual das arboviroses. O ano epidemiológico se inicia na semana epidemiológica 31 e encerra na semana 30. Em fevereiro de 2023 ocorreram 3 óbitos confirmados para o agravo e 1 em março.

Em meio a esse cenário preocupante, a boa notícia é que o primeiro imunizante liberado no Brasil para pessoas que nunca entraram em contato com o vírus da dengue, chegará ao país ainda neste mês. Em março, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou o registro da Qdenga (TAK-003), do laboratório japonês Takeda Pharma. O imunizante é indicado para pessoas entre 4 e 60 anos que nunca entraram em contato com o vírus da dengue, mas também poderá ser aplicado em quem já teve a doença.

A Qdenga é uma vacina tetravalente, ou seja, oferece proteção contra os quatro sorotipos do vírus da dengue. Seu esquema de vacinação prevê duas doses, aplicadas com intervalo de três meses entre elas. Nos ensaios clínicos, a Qdenga mostrou ter uma eficácia geral de 80,2% contra a dengue causada por qualquer sorotipo após 12 meses da segunda dose. A vacina também reduziu as hospitalizações em 90%.

O imunizante estará disponível inicialmente apenas na rede privada de saúde. Ainda não há uma previsão para a incorporação da vacina ao Sistema Único de Saúde (SUS).

“A disponibilidade da vacina Qdenga na rede privada de saúde é um passo importante para a prevenção da dengue no Brasil”, afirma Fábio Argenta, médico e CEO da Saúde Livre Vacinas.

Fábio ainda alerta que, embora a vacina Qdenga tenha se mostrado eficaz em estudos clínicos, é importante destacar que ela não é uma solução única para o controle da dengue. “A vacinação deve ser combinada com outras medidas preventivas, como a eliminação dos criadouros do mosquito Aedes aegypti e a conscientização da população sobre a importância da proteção individual contra a doença.”

Dengue avança no Brasil

No ano de 2022, o Brasil contabilizou 1.450.270 casos prováveis da doença no país no ano passado, um aumento de 162,5% na comparação com 2021.

De acordo com especialistas, os períodos chuvosos, principalmente no verão, aliados à diminuição da percepção de risco para a dengue, são os principais motivos que levaram à alta nos casos e mortes em 2022. “Com a chuva, aumentam os riscos de água parada. É o cenário perfeito para que o Aedes aegypti se reproduza”, explica um especialista em saúde pública.

A dengue é uma doença viral transmitida pelo mosquito Aedes aegypti, e seus sintomas incluem febre alta, dor de cabeça, dores musculares e articulares, além de náuseas e vômitos. A prevenção é a melhor forma de combater a doença, com medidas simples como o uso de repelentes, a eliminação de criadouros do mosquito e o uso de mosquiteiros.