Tristeza imensa, afirma Romanelli sobre a morte de Sicupira

“A tristeza é imensa”, afirmou o deputado Luiz Claudio Romanelli (PSB), nesta segunda-feira, 8, após participar do velório do ex-jogador Barcímio Sicupira Júnior, em Curitiba. O parlamentar encaminhou um voto de pesar da Assembleia Legislativa para a família. “Sicupira já era uma lenda e continuará tendo toda a reverência pela sua impressionante passagem pelo Athetico Paranaense e pelo que representou para o futebol do Estado”, completou.

Romanelli autor dO projeto de lei que concedeu o título de Cidadão Benemérito do Paraná ao ex-jogador. A proposta foi aprovada pela Assembleia Legislativa e sancionada pelo governador Ratinho Junior (PSD) no final de outubro (Lei 20.751/2021). A iniciativa também leva a assinatura dos deputados Alexandre Curi (PSB), Ademar Traiano (PSDB) e Galo (Podemos).

Sicupira era um dos maiores ídolos da torcida do Athetico Paranaense, onde atuou por oito temporadas. Também foi o artilheiro máximo do clube, com 158 gols marcados. O ex-jogador nasceu em 1944 na Lapa e iniciou a carreira no Clube Atlético Ferroviário no final dos anos 1950. Em 1964 se transferiu para o Botafogo (RJ), onde jogou ao lado de craques como Nilton Santos, Gerson, Jairzinho e Garrincha.

Em 1968 foi contratado pelo Clube Atlético Paranaense, onde viveu seus melhores e mais emocionantes anos no futebol. O time conquistou o título estadual de 1970, após um jejum de 12 anos. Em 1972 atuou no Corinthians, ao lado de Rivelino. Voltou ao Atlético e jogou até pendurar as chuteiras, em 1975, eternizando-se como “o craque da camisa número 8”.

Barcímio Sicupira Júnior tinha 77 anos e faleceu na tarde de domingo (7), em sua residência, em Curitiba.